domingo, 26 de abril de 2015

Somos pais e temos amigos!

Incrível, não é? Somos pais e temos amigos. E amigos que não são pais. É possível! 

Vieram cá a casa, comemos petiscos, vimos a bola, os homens jogaram FIFA, as mulheres estiveram a ver roupas giras na net e não se esteve sempre a falar de crianças! Falámos do IRS, do fisco, das empresas, de alimentação, de desporto, de amigas em comum... um montão de temas que não metem ranho, nem dentes, nem noites mal dormidas. 

Afinal não precisamos de ir para os paiólicos anónimos. Afinal até nos sabemos comportar. Devemos ter conseguido estar uns 15 minutos seguidinhos sem falar da filha e, o mais incrível, a Isabel estava aqui connosco!

Afinal os amigos não precisam de fugir de nós! Podem voltar. Já não podemos ir jantar tantas vezes a sítios fixes (só quando a avó Béu cá vem fazer o seu babysitting), já não queremos fazer grandes noitadas, já não vamos estar 100% sossegados onde quer que estejamos, mas conseguimos disfarçar bem! Juro!

Afinal continuamos pessoas minimamente interessantes, apesar de andarmos há 3 dias para ver um episódio do Game of Thrones. Apesar de já não lermos tanto e de andarmos, às vezes, um bocado a leste do mundo. Podem voltar.

Afinal somos os mesmos, não sendo. Nunca mais vamos ser os mesmos, porque simplesmente somos mais, somos maiores, os dois somos três. Mas damos gargalhadas, dizemos disparates, somos divertidos q.b. Podem voltar.

Não tenham medo de incomodar, de ligar, de convidar. Mesmo que não possamos ir ou que recusemos algumas vezes (agora temos de ser mais selectivos, porque temos de dar primazia às sestas dos filhos e ao seu bem-estar, até porque pagamos caro se nos armarmos muito em hippies), podemos sempre arranjar alternativas, combinar almoços, lanches, vêm cá a casa, tudo se arranja.

Acho que, pela curta experiência que tenho nestas andanças, não são os casais com filhos que se aproximam, por livre e espontânea vontade, de outros casais com filhos. São os amigos sem filhos que se desinteressam, que deixam de querer incomodar, de se adaptar às nossas rotinas, que não têm pachorra para fazer programas em família. É legítimo, claro que é. Mas custa um bocadinho, tal como custava quando a colega de carteira na escola começava a preferir ficar ao lado da Cláudia, na fila da frente. Já não era a preferida dela. Mas o Mundo está tão bem feito, que agora aprendemos a relativizar tudo muito mais e já não vamos para casa a chorar. Agora o que é realmente importante está ali no quarto ao lado a dormir e está aqui ao meu lado a jogar FIFA. E são os amigos que, a esta hora, já devem ter chegado a casa.

Obrigada por continuarem a fazer parte das nossas vidas.

11 comentários:

  1. Eu, não-mãe e amiga de casais com filhos, confirmo que é mesmo isso. Temos medo de incomodar, mas a amizade está acima de td e os bons amigos permanecem (sim, só os bons)! Ainda ontem estive numa patuscada na casa de uns amigos com uma bebé de 1 ano e meio e que bem que soube. :) Adoro acompanhar o crescimento dos meus sobrinhos emprestados e estamos numa fase em que é normal haverem bebés e ainda bem que assim é. O mundo é muito melhor com eles. :) ***

    ResponderEliminar
  2. Amigos com filhos, amigos sem filhos, amigos que querem ter filhos, amigos que nao querem ter filhos,... Amigos sao amigos! Amam os nossos filhos como tios/tias emprestados e assim se compõe uma enorme família!!! Adoro o vosso blog, continuem assim, sem papas na lingua ;-) Ana B.

    ResponderEliminar
  3. Olá Joanas! Sigo o vosso blog todos os dias apesar de não comentar tantas vezes como eu queria. Ainda esta semana tive uma amiga (que por acaso é amiga em comum da Joana Paixão) e estava a "queixar-me" disso mesmo, e já tenho pensado muito nisto, os amigos desapareceram. Na altura em que a minha bebê nasceu, incomodaram porque estamos ainda numa fase de muita adptação e cansaço mas agora já podemos voltar a alguns "programas". Sinto muita falta de estar entre amigos. Beijinhos e Parabéns pelo blog

    ResponderEliminar
  4. 100% de acordo! Do meu grupo de amigos fomos doa últimos a ter um bebé e sempre nos continuamos a dar com amigos com filhos a ir de férias com eles, antes de ter o nosso. Agora é mais giro porque há muitos miúdos e assim. Mas não acho que ter filhos seja sinonino de só se falar de crianças e coisas relacionadas com elas, continuamos a gostar de outros temas e futilidades. Quem acha que não é assim, é parvo!

    ResponderEliminar
  5. Ja me responderam que eu, agora com um bebé, é que mudei. Logo, não tenho direito a criticar quem "desamigou". Não concordei!!! Quem é amigo, adapta... Vidas!!

    ResponderEliminar
  6. Olá Joana =) Olha que agora fiquei aqui a pensar se a Cláudia da fila da frente sou eu..e se algum dia foste para casa a chorar por algo relacionado comigo =( E como acabas o teu post com o que realmente importa apeteceu-me vir aqui dar-te um beijinho e dizer-te que adoro o vosos blog, e que adoro a maneira optimista como enfrentas cada desafio! Do mesmo modo como as coisas menos boas da infancia se transformam nos alicerces de quem somos hoje, também a maneira como lidamos com os desafio de agora nos ajudam a ser feliz. E eu acho que transmites isso nos teus posts! Optimisto, alegria, força e..escolher ser feliz!!! Parabéns pela tua filhota linda! Pela tua família! E por este blog! E parabéns também á Jana Gama ;) Beijinho! Cláudia Feijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia! Lindo estares aqui! :) Obrigada! Sim, recordei-me de um episódio em que deixei de ser a preferida da Telma, lembras-te? Todas queriamos ser as melhores amigas dela!!! Hahaha Aquilo partiu-me o coração. LOL
      Um beijinho enorme*

      Eliminar
  7. Eu tenho pouquissimos amigos , mas acho que os que tenho nao vao fugir quando a minha filha nascer! Amigos sao amigos para a vida ou entao nunca foram amigos , eram conhecidos , pelo menos é assim que vejo as coisas. beijos

    ResponderEliminar
  8. Pois claro que estou aqui!!! O Vosso blog é girissimo =) Pois é verdade! Todas queríamos ser as melhores amiga da Telma quando brincávamos aos "bebes espertos". Que saudades! E por falar em bebé a Isabel é uma delícia de menina=) Linda, linda! Tens que me dizer numa próxima ida a Santarém se podemos combinar qualquer coisa para conhece-la em pessoa! Aproveito e mato saudades tuas! (e sim é engraçado que um post sobre amigos abra caminho para duas amigas de infancia combinarem um cafe..não ha coincidências!) Beijinho enrome!!!

    ResponderEliminar
  9. http://uptolisbonkids.com/2015/04/27/somos-pais-e-temos-amigos/

    ResponderEliminar
  10. Isso acontece de facto, os amigos distanciarem-se. No nosso grupo de amigos, fomos os primeiros a ter bebé, e eu senti que os outros se distanciaram. Fiquei triste mas relativizo, porque o importante mesmo é o meu marido e filha. Entretanto alguns deles já começaram entretanto a ter bebés recentemente e por isso veremos como evolui agora. Há também aquele casal de amigos que é o ultimo que continua sem filhos e parece que recusam sempre os convites, mas lá está, terão as suas razões... Era muito mais simples se os amigos tivessem todos filhos ao mesmo tempo :) Isso porque podemos já não ir jantar fora ou beber um copo tao frequentemente, mas podemos combinar um piquenique no parque com os miudos e um jantar em casa. Há sempre alternativas e não deixamos de ser pessoas interessantes por causa disso.

    ResponderEliminar