1.21.2020

Quem vem connosco ao Zmar?

A primeira vez que lá fomos parar, foi totalmente ao acaso. Era sábado e íamos "só ali" à praia, algures na Costa de Caparica. Começámos a descer e quando demos por nós estávamos em Almograve. Sem fraldas, sem mudas de roupa, sem escovas de dentes. Fomos a uma mercearia resolver as questões mais urgentes e acabámos por ficar no Zmar, numa casinha de madeira, essa noite. As miúdas adoraram: a piscina de ondas, as atividades disponíveis, mas também a praia "ali ao lado" cheia de laguinhos e animais escondidos. No ano passado, voltámos no dia da Mãe, com a minha mãe, num fim-de-semana só de "miúdas". Fomos conhecer e alimentar os animais, fizeram slide, Yoga, treparam a árvores, deram mergulhos e andaram nuns "tractores", de que falam até hoje.



Agora somos nós quem tem um convite a fazer-vos! De 31 de janeiro até 2 de fevereiro vamos estar no Zmar com a Science4you para um fim-de-semana cheio de experiências científicas e workshops (como a criação de pasta de papel, sabonetes ecológicos, moinho de vento, as "nossas" estufas), um peddy paper, além de todas as experiências que o Zmar oferece sempre
, como a piscina coberta com ondas, o campo de matraquilhos humanos, circuito pedestre de manutenção e ginásio, a casa Kidz com atividades para as crianças entre os 4 -12 anos e o parque de Diversões Infantil.



Podem saber mais sobre todo o fim-de-semana evento no Facebook ou então no site. As tarifas com pequeno-almoço e actividades temáticas vão desde os 60€ (numa Zvilla Eco, 1 noite de alojamento para 2 pessoas com pequeno-almoço). Vejam todas as opções aqui e preparem-se para um fim-de-semana daqueles mesmo mesmo bons.


Vamos juntar a ciência à sustentabilidade. Encontramo-nos lá? Simmmmmm?



1.13.2020

Ao meu ex-marido.

Que viagem, hã? 

Viste-me pela primeira vez naquela noite, num dos meus vários regressos a palco. Em que estava mais nervosa que sei lá o quê e agarrada a cábulas discretas em folhas coloridas. A ler dos papéis, envergonhada entre risinhos. 

Seguiram-se entrevistas, conversas intermináveis e finalmente o encaixe de expectativas e a pressa de viver o resto da vida. 

O casamento que não foi com o Elvis (também te perguntam sempre isso?) e alguns restaurantes e passeios bem curtos perto do hotel. 

Milhares de papelinhos e de alcunhas fofas, muitos jantares, muitos programas de televisão e, finalmente, o choque de ter decidido que sim, que era altura. 

Aproximou-nos mais saber que podíamos gerar vida os dois, estando os dois confiantes de que uma mistura nossa seria algo bom para o Mundo. E assim veio a verificar-se. 

Pegaste-a ao colo e, apesar de sentir tão pouco, senti tudo nesse momento. Entendi que fui a fábrica de um milagre e que te dei o bem mais maravilhoso que alguma vez terias tido até então. Fez sentido. 

Começou a angústia. Subiu o volume do meu medo, da minha loucura, da morte da minha vida anterior e todas as minhas inseguranças tomaram conta dos nossos ritmos, deixamo-nos de nos ver ainda que estivéssemos juntos praticamente 24h por dia. 

Era uma luta entre mim e a minha filha, nós contra o mundo e nunca soube bem explicar porquê, mas deixei de te ver. Deixei de te ouvir e inclusivé de sentir que pertencias a essa luta. Porquê luta? Porque foi difícil, porque doeu e porque estava cheia de medo. 

Foi tudo muito. E sei que ambos demos tudo o que tínhamos para que o sonho continuasse. Talvez tenha sido cedo, talvez tenha sido errado, talvez tenha sido tudo certo, mas com a mãe errada, não sei. 

Sei que, mesmo neste desafio grande que tem sido criar uma menina, ainda que não concordemos em tantas coisas e às vezes não saibamos falar um com o outro, que tens e temos honrado o compromisso que fizemos quando nos casámos (sem o Elvis) que foi amar, respeitar e cuidar até que a morte nos separe. 

Quero agradecer-te. Temos a sorte gigante de nos ter um ao outro e do amor ser sempre aquilo que está em primeiro lugar. Somos as duas pessoas mais apaixonadas pela nossa filha e, por muito que o tempo passe, ou que as nossas opiniões divirjam, já sabemos quando nos calar. 




Resta-nos o carinho e a amizade que sempre foi tanto. Tanto ao ponto de lhe termos chamado de amor. Impossível, mesmo sem filha, que nos deixássemos de falar porque temos o dom de escangalhar o outro a rir e o quão raro é fazerem-nos rir assim, não é? 

Fizeste 42 anos ontem e sinto que já tivemos a melhor prenda de todos os aniversários até hoje e os que ainda virão. Além de uma filha mais incrível do que alguma vez poderia imaginar, ganhei um amigo para a eternidade e que juro a pés juntos que não quero mais do que a sua felicidade, a sua plenitude e satisfação. 

Obrigada por amares e tanto a pessoa que construímos. 
Obrigada pela fé e vontade de melhorares o Mundo comigo. 

Sabes que poderás sempre contar comigo, a mãe da tua filha e tua amiga. 

Parabéns, velhote




1.12.2020

Com que idade já podem?

Uma coisa que tenho percebido nestes 5 anos e meio é que de nunca deixamos de ter dúvidas, quando somos mães. Quer dizer, pelo menos eu vou tendo sempre.
Acho que é inerente à maternidade. Eles crescem, mas nem por isso as dúvidas são menores. Muda talvez a intensidade, a urgência de saber, já não nos culpabilizamos tanto se ficam doentes, mas nunca se sente que se sabe tudo.

Há dúvidas que vou mantendo sempre: estarei a fazer o melhor para elas? Como é que resolvo este conflito entre as duas? Estou a ser demasiado intransigente? Estou a ser demasiado permissiva?

Eu acho que, tendencialmente, sou pouco "galinha". Raramente penso que o pior pode acontecer, em cada situação. Por exemplo, se sobem a uma árvore, não penso automaticamente que vão cair (e mesmo que esfolem o rabo todo - já aconteceu à Isabel, coitada - acho que para a próxima vai ter ainda mais destreza e coragem). Se vão em passeio com a escola, não fico nada preocupada (mesmo nada). Só muito curiosa. Se estão com os avós / tios, não ligo de hora a hora para saber como está tudo a correr. Confio. Se me pedem para cortar fruta, dou a faca quando acho que já têm alguma motricidade fina e percebem as minhas instruções. Ensino logo a subir escadas e a descer. Já cheguei a achar que tinha qualquer ligação interrompida no circuito-mãe. "Se calhar, é normal sentir-se mais medo do que eu sinto", pensei já várias vezes. 

Posto isto, no outro dia a Isabel ofereceu-se para ir à mercearia buscar qualquer coisa que faltava. Acho que aveia. "mãe, dás-me um euro e eu vou lá num instante". 
Fiquei a pensar naquilo. Acho que qualquer outra pessoa pensava "nem pensar, só tens 5 anos". E eu disse-lhe que agradecia imenso e que sentia um orgulho enorme por ela se ter oferecido, que era uma ajudante a sério, mas que ainda não deveria ir sozinha.
E ela: "mas é já ali". Aproveitei para lhe dizer que, mesmo sendo já ali, não deveria ir sozinha porque poderia cair e precisar de mim. Aproveitei para lhe dizer que, um dia que for sozinha, daqui a um ano, mais ou menos (?), nunca pode entrar no carro de ninguém nem ir para casa de ninguém, mesmo que dissessem que eram meus amigos.

Ela quase me fazia um eye-rolling a dizer "sim, já tinhas dito isso".


Cara de felicidade. Hoje. 

Mas sabem que o meu instinto mais primário seria deixar? Tive de controlar isso mesmo, usando a razão. A mercearia é mesmo já ali atrás do prédio, em 3 minutos estaria em casa, eu com essa idade já fazia recados e distâncias maiores. Só que "eram outros tempos", "outra cidade" e - se calhar - outra consciência. Nem sei bem se, em termos legais, se pode deixar uma criança, com esta idade, sozinha. Pode? Eu vejo crianças a brincar ali no pátio em baixo sem adultos, mas não faço ideia se se pode. Pode?

E vocês? Como se sentem em relação à "liberdade" deles. Têm muitos medos? 






1.11.2020

Este blog vai acabar?

Tem sido como uma relação: com altos e baixos. Com paixão e desencantamento. Com fases de maior euforia e, depois, fases de menor interesse. Já houve uma altura em que publicávamos quase sem falhar 3 posts por dia, depois passámos a dois e depois passamos a poucos mas bons e a um vídeo e um podcast por semana. 

Mas, entretanto, a vida vai acontecendo. Ambas saímos dos nossos trabalhos e, por isso, dedicámo-nos com força e alma a este projecto. Creio que a alma continua a cá estar, mas talvez nos tenha falhado a força e o tempo. A Joana agora trabalha algures com um horário fechado e, por isso, não nos temos conseguido encontrar. 

Sempre tive medo que o blog acabasse. Sei como sou com compromissos. Mesmo que me doam os pés ou as mãos ou o coração, não consigo evitar continuar. Fui educada assim o que tem o seu lado bom e mau. Bom porque sou de "confiança", mau porque mesmo quando não gosto das coisas ou quando naquele momento não me estão a saber bem, continuo com elas na mesma. 

Olha que lindas e novas, ahaha ;)


Para além disso, sempre senti que era a menos "estrela" deste blog. As publicações que a Joana Paixão Brás escreve são, normalmente, na mouche. E eu, com os meus estádios emocionais vários desde que a Irene nasceu e também ter passado pelo final de um casamento, não tinha muita personalidade para dar, a não ser uma escrita meia automática e sempre com um instrumental soturno a acompanhar. Entretanto já estou viva. E bastante viva. Demasiado talvez. ;)

Isto de dizer que a Joana é a "estrela", não tem a ver com ego, acho eu. Tem a ver com sentir que ela é que é a alma realmente blogger daqui - basta verem pelo instagram dela - e que eu tenho sido mais uma espécie de marketeer e de, bem, pensadora geral, vá. 

Acho que a Joana deveria escrever um livro e acreditar nela ao ponto de perceber que tudo o que quiser fazer, consegue. Ao mesmo tempo pensava que, se ela acreditasse nisso, que desaparecia aqui do estaminé. 

A vida vai acontecendo, também tenho um pouco mais focada no banana-papaia, isto dos mundos digitais, dos blogs e dos algoritmos também tem mudado e não que andemos um pouco "à toa", mas temos sentido que não é "necessária" uma presença constante, mas sim estruturada e variada. 

Gostaríamos, no entanto, de saber mais sobre o que gostariam de saber. Quais as idades dos vossos filhotes. Que dúvidas têm, tudo. Não nos falta inspiração, mas não queremos que a nossa relação convosco falhe. Tem sido uma longa e ópppptima viagem. E não gostaria que terminasse. 

É só uma fase, mas cá estamos ;)





1.08.2020

Subornei a minha filha.

E isto vai contra todos os meus princípios. Quem nos segue sabe que tento ser o máximo consciente no que toca a isto da parentalidade, tendo noção das consequências que os meus actos implicam no crescimento dela e querer ser uma boa referência. Não quero dizer com isso que lhe negue a observação do lado menos bom da vida, isso já me passou. Já deixo que ela me veja triste, que saiba quando estou doente, etc. Mas não consigo ser outra coisa que não cuidadosa com aquele que considero ser o bem mais precioso para mim e também para o Mundo. Gostava muito que todos os pais tivessem a capacidade (não tão exageradamente, se calhar) de reconhecer a gigante influência que têm no crescimento dos filhos e, por isso, de quererem (se pudessem) ser melhores todos os dias, mas sei que a vida e os nossos próprios problemas por resolver nos impedem de nos vermos com transparência, misericórdia e, acima de tudo, calma. 





No entanto, a Irene hoje acordou demasiado cedo. Tem estado cansada. Durante as férias fez sesta todos os dias (porque ainda precisa) e na escola não tem essa oportunidade. Começou a chorar desalmadamente a dizer que não queria ir para a escola. E eu, em vez de me posicionar como aquele apoio normal e tentar desconstruir os seus sentimentos e ajudar a arrumá-los, dei-lhe espaço, simplesmente. Disse para que “quando passasse” viesse ter comigo. Demorou (a miúda é orgulhosa), mas veio. Abracei-a muito e não me apeteceu estar com conversas. Já era tarde e não queria pesá-la ainda mais com reflexões, também não me parecia o momento certo. Perguntei-lhe o que é que podia fazer para a ajudar e, surpresa das surpresas (nem por isso) disse-me que gostaria que lhe comprasse um brinquedo. 

Disse que sim. 

Acabou a birra. Continuou com sono e irritadiça, mas a manhã correu melhor e foi para a escola tranquila. 
Confesso que estava à espera de me sentir mais culpada por ter tomado uma atitude que, em princípio, não concordaria e que levanta precedentes, mas é o chamado “caguei”. Caguei mesmo e até estou meia orgulhosa. 

O mais chato disto é ter-me comprometido com ir comprar o raio do brinquedo, apetece-me 0 enfiar-me num centro comercial na quinta-feira, mas vá. 





1.06.2020

Adoro não ser mãe.

Tem sido fantástico. Contei-vos que, por ter amamentado durante 4 anos e tal e por ser mesmo muito focada com a Irene (sim, um eufemismo para maluquinha) e, depois, divórcio pelo meio... tem sido difícil respirar. Ah e além de ter deixado um trabalho onde tinha estado durante 10 anos... Têm sido imensas as mudanças e creio que só agora estou a encontrar o meu ritmo. Muito também por ela já estar mais crescida, mais razoável e, por isso, é mais fácil fazer tudo. 

Tenho tido mais momentos em modo não mãe. Nem todas conseguimos fazer logo isso (acho que nem é suposto) e se há coisa que tenha aprendido com isto tudo é que "são tudo fases". Chegou agora a fase de respirar, de me divertir com outras coisas e de voltar a reconstruir os meus grupos sociais, a minha identidade. Tenho a sorte de ter dois projectos que me completam e de fazê-lo com pessoas que considero essenciais para mim. 

A Irene foi muito para os avós, foi o normal para o pai mas, por ter ficado solteira recentemente, tenho aproveitado o tempo para fazer o que acontecer ou o que me apetecer no momento que seja e tem sido maravilhoso! Creio que seja normal que haja um luto da nossa identidade anterior quando somos mães, mas também sinto que, mais tarde, há uma espécie de desfragmentação do disco e começamos a incorporar o velho no novo, o verdadeiro e a novidade, as duas verdades numa só, fundindo-nos numa pessoa: a Joana que é mãe e não a mãe Joana. 


É mais fácil para mim (sei lá) por estar divorciada e por haver momentos obrigatórios em que ela tem de estar só com o pai ficando eu assim sozinha, mas também deverá haver outras maneiras de ter espaço em casal - não sou é a pessoa indicada para falar sobre isso (ou sobre nada no geral, mas vou falando). 

Tenho-me apercebido que quanto mais estivermos fechadas na nossa cabeça, menos espaço temos para que entrem coisas diferentes e boas. Vou tentar escrever-vos sobre isso nas próximas publicações, nomeadamente sobre a minha percepção da minha beleza - uau! ficaram loucas, não ficaram? 

O que queria dizer, é: não se sintam pressionadas a afastarem-se dos vossos filhos porque "uma mãe também é uma mulher". Cada uma terá os seus timings e que são indissociáveis do estilo de vida que levam. Essa altura vai chegar e, quando chegar, se a soubermos ouvir, conseguirão aproveitar o melhor dos dois mundos da maneira mais sensata possível. Sem ser fazendo uma mala e desaparecer durante um mês para as Fiji, mas indo incorporando mais "me time" nas rotinas semanais, por exemplo. 

Fui sair à noite, tenho estado com amigos, acordo mais tarde e reparo que isso me dá outro fôlego para estar com a Irene. Além de também verificar o oposto: a Irene tem estado ainda mais bem disposta e já encara estas transições e alterações na rotina com mais facilidade. Sabem porquê? Porque a mãe está mais equilibrada e feliz. 

Como têm gerido o vosso tempo? 



1.02.2020

Sugestão de escapadela: eco-hotel no meio da natureza

Foi ali que a Luísa deu os primeiros passos. Foi ali que, em 2017, eu, a minha mãe, as miúdas e o meu irmão passámos um fim-de-semana incrível, na natureza, a dar mergulhos na piscina, a comer pratos divinais e a passear ao longo do rio. A poucos dias do fim do ano, voltámos ao Vale do Rio, em Oliveira de Azeméis, para respirar ar puro. E, desta vez, com o David.



Soube tão bem. Eu, que deixei de conseguir ir com as miúdas à natação, pude ver a desenvoltura que já ganharam desde aí e o quanto amam água (o difícil foi tirá-las de lá). Jogámos Quem é Quem, Bingo, Party & Co. às refeições e na sala e ainda montaram a pista de carros que a Isabel tanto pediu ao Pai Natal. Viram, pela primeira vez, um jogo de snooker e os pais sem jeitinho nenhum a discutirem as regras. Passeámos no bosque, à procura de seres mágicos e de renas. Ouvimos o som do rio a correr e pusemos a mão sobre o musgo e sobre as árvores. Equilibraram-se em troncos e viram sair vapor da boca uma da outra. Vimos teias de aranha enormes e os raios de luz a atravessarem as copas das árvores altas. E ainda fomos conhecer o parque de La Salette, com lagos com patos, com uma capela no topo e com espaço para correrem e para andarem de trotinete (e caírem…) à vontade.

Foram dois dias que souberam a mil e que me fizeram sentir, mais uma vez, que estarmos juntos, sem grandes planos, é dos maiores privilégios que podemos ter.

























Em 2020 vou...

Está a ser engraçado pensar em tudo o que quero fazer e ser em 2020, estando já em 2020. 

Já agora...

BOM ANO!

A única coisa que combinei fazer este ano, com o David, foi "dieta". E por dieta entenda-se começar a comer melhor. Menos processados, menos massas, menos chocolates, coca-cola, bolos, açúcar, no geral. Mais comida mesmo comida. 

De resto, estou a fazer agora o exercício. 2019 foi um ano estranho. Tive momentos maravilhosos, viajámos bastante, as miúdas raramente estiveram doentes, fiz novos amigos (olá Joana, olá Mariana), o mano casou. Comecei o podcast com a Joana Gama, que nos deu (que nos dá, porque vamos fazer mais séries) muito gozo. Tivemos trabalhos muito fixes, que nos desafiaram. E parcerias pelas quais me sinto uma sortuda. As miúdas começaram no ballet e na natação e eu fui uma felizarda por poder acompanhá-las e vê-las serem tão felizes. Fiz bastante desporto e cheguei a acordar com saudades (grande novidade na minha vida ahah).
Mas também tive, em 2019, momentos pessoais bastante merdosos. Foi talvez o ano em que mais chorei. Em que tive de me superar. Felizmente, o ano acabou "em bom". Voltei a trabalhar como freelancer em TV, 4 anos depois (e já tinha bastantes saudades). Voltei a sorrir mais, por todos os motivos.



Por isso, em 2020 espero manter a boa energia com que terminei o ano. Mas vá, segue a lista de intenções:

- voltar a fazer mais desporto (que no último mês foi nulo);
- comer melhor (estou a pensar voltar ao paleo para me dar energia extra e cortar com os processados);
- cozinhar mais (andava numa onda de sopa, massa, carne, arroz e peixe, sendo que peixe às vezes eram mesmo douradinhos...). Quero ver se me inspiro mais e faço mais vegetariano e comida, em geral, mais apetitosa e saudável
- tratar-me ainda melhor para ficar menos doente (dispenso as lamas nos rins, as infecções urinárias e afins);
- dedicar-me mais à Amwêlê e ir em missão a São Tomé e Príncipe;
- passar menos tempo na internet e estar mais com a família e com amigos;
- dançar mais (gostava de ter aulas!);
- ler mais (ando viciada na saga do Jeffrey Archer e estou desejosa que a minha mãe me empreste o próximo);
- ir ao teatro mais vezes (a última peça que vi foi fantástica e perguntei-me por que não optei mais vezes pelo teatro);
- estar mais à caça de museus e atividades giras lowcost para as miúdas
- comprar cada vez menos. Menos roupa, menos brinquedos, menos coisas.

Acho que é isto. 

E vocês? Quais as vossas intenções? E aquelas que esperam mesmo mesmo cumprir?