segunda-feira, 20 de abril de 2015

a Mãe desbronca-se (#03) - Irene? Porquê?


Olha! E não é que a rubrica "a Mãe desbronca-se" está de volta. É! Ai que bom! Ai que bom! Estou tão excitada como quando tinha um cheque-disco da Valentim de Carvalho para gastar nos meus cds dos Ace of Base. 

Obrigada por todas as vossas perguntas aqui, vamos tentar ir aviando isso tudo tão rápido quanto se avia programas palermas do TLC cá por casa. 

Eles conseguem ser docemente sarcásticos, escondidos por trás de uma tentativa de documentário. Mesmo quando se trata de um programa de encontros amorosos entre anões e pica-paus.

Bom. Filipa C. obrigada pelas tuas perguntas :) É sempre bom sentir que alguém tem interesse por nós. Já nem do meu marido sinto isso (brincadeira, pá!). 



Irene era o nome da minha avó paterna. Quando era mais nova, dizia que, quando tivesse uma filha, lhe daria o nome dela para chocar o pessoal (sabendo que não era um nome comum) mas, também, porque a minha avó paterna brincava comigo, ensinou-me a pintar, tinha muita paciência, fazia bolachas, etc. Acho que a perdi quando tinha menos de 6 anos, por isso ficou uma imagem algo angelical dela. A verdade é que foi apenas por sugestão que demos o nome à Irene. Não sinto que tenha sido em homenagem à avó mas mais porque queríamos dar um nome de beta, mas sem ser. Sabemos que já há por aí betas chamadas Sanchas e achámos bem tentar inovar no sentido oposto: o do bom gosto. Vá, mães das Sanchas, venham daí e caiam em cima de mim. Ahah 

Não é Irene Maria nem Irene Miguel. Irene pareceu-nos o suficiente (mais uns quantos apelidos, claro, que a miúda não é a Madonna - e ainda bem que não tenho dinheiro para lhe por um aparelho). 

Se fosse um rapaz, seria Lourenço. Sim, nome beto puro. Acima disto, só Salvador. Nós sabemos. Já escolhemos que o próximo, fica com o nome do pai, pronto. Frederico. 

Apesar de termos "arrojado" no nome da Irene, estamos todos os dias muito satisfeitos. Parece que gostamos ainda mais do nome sempre que o dizemos, apesar dela já ter muitas alcunhas (Né, Necas, Neco, Nequita, Inês - às vezes sai-nos, que parvoíce...).

Achamos mesmo que IRENE POMBARES é nome de uma tipa com quem ninguém se irá meter. E se se meterem, enfio-vos um penso de pós-parto pelo nariz acima (ou abaixo, nunca sei).





11 comentários:

  1. JG, fartei-me de rir logo com o início do post, pois acredita no que te digo: comecei a ler este post ao som de Ace of Base (sim, volta e meia ainda ouço :))!!!!
    Olha, acho Irene fora do vulgar e giríssimo!
    Quanto a Frederico, adoro pois é o nome do meu irmão!
    Bjs para vocês!!
    Natália Antunes

    ResponderEliminar
  2. O meu filho chama-se Lourenço! ahahaha ! E gosto muito! ;) Nome do bisavô paterno, sugestão do pai e eu gostei! O próximo, se fosse menina iria ser Francisca, mas como vem aí outra piloca, vai ser um Francisco. A sugestão inicial do mano era "Lourenço", devia achar piada a ter o mesmo nome que ele..mas já conseguimos dar-lhe a volta :)

    ResponderEliminar
  3. Agora gosto muito de Irene. Acho que é culpa da tua filha. :D
    O meu filho chama-se Gustavo. Se um dia tiver uma menina será Francisca. Como a avó dela.

    ResponderEliminar
  4. Ah, bolas! Frederico é tão giro, mas não foi consensual...eu queria, o pai não! Ficou Sebastião, só! já agora, Irene é lindo. Só conheço uma e é um espectáculo de amiga!

    ResponderEliminar
  5. Adorei ver a minha pergunta respondida! Obrigada!!! Que honra! Gostei de saber o porque de Irene, agora só falta saber acerca da Isabel :)

    Só conheço uma Irene, que por acaso já tem mais de 80 anos e é a avó da minha prima. É uma senhora muito calma e tranquila. Já agira eu e o marido adoramos Sancha, conhcemos duas, uma adulta e uma criança (tia e sobrinha) mas acho que nunca teríamos coragem de usar por ser tão diferente, ainda que em bom!

    Lourenço é mesmo Beto sim!!! Mas pessoalmente prefeito Frederico, que acho lindo! O meu filhote tem o nome do pai, João e o meu segundo nome, Maria. Sempre adoramos a combinação e como João era o nome eo eu avô paterno que eu adorava, ficou também em jeito de homenagem. Se um dia tiver outro rapaz será António Maria, primeiro nome de homenagem ao avô do meu marido e o maria para manter alguma coerência nos nomes!

    ResponderEliminar
  6. Aaaiii...o que já me ri com a história do penso pós parto ahahahhaha
    Quando comecei a seguir este blogue, adorei logo o nome da sua filha! Talvez não para uma filha minha mas simplesmente por ser pouco comum.
    Adoro nomes pouco (ou nada!) usados. Tudo o que é comum (e beto :-p) não encaixa com o meu perfil e, felizmente!, nem do meu companheiro. Quando engravidei, para além de optarmos por saber o sexo só quando nascesse, optamos também por escolher o nome e ficar só para nós. As sugestões da minha mãe eram nomes do além (tipo Louisianna :-o) e da minha sogra o mais beto que pode haver (Manel Maria pra cima). Com todo o respeito que tenho pelos nomes, não eram de todo o nosso gosto...

    E pronto, nasceu o nosso Levi!

    Beijnhos e obrigado pela explicação; são razões muito doces :-)

    ResponderEliminar
  7. Olá meninas,
    A minha princesa chama-se Ilda Maria...
    Nos poucos momentos que passamos em pensar nomes e nenhum agradar, pensei Ilda que era o nome da mãe do meu marido que faleceu quando ele tinha 1ano e Maria porque senão a minha mãe ficaria triste. E pronto lá ficou com o nome das duas avós! Ao início houve quem criticasse, mas lixei-me para os comentários... Afinal os pais somos nós!!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Eu foi fácil sempre disse que se tivesse um menino (e ainda era uma adolescente) teria o nome do meu avô ninguém da família tinha feito a homenagem e ainda bem porque assim levei a minha ideia para a frente. E se seria menina teria o nome da minha mãe, são duas das pessoas mais importantes da minha vida e que já não se encontram comigo :(

    ResponderEliminar
  9. O meu é o Luis Maria, em homenagem ao avô ;) se fosse menina seria Maria Isaura. Gosto de nomes com Maria, sempre ;)

    ResponderEliminar
  10. Se eu tivesse homenageado as avós, aquando do nascimento da minha criatura mais velha, hoje teria uma Ana Matilde. Não sinto necessidade dessa homenagem - homenageio-as de outras maneiras. Se fosse mais atrás, às bisavós, poderia dar-se o caso de hoje ter uma filha chamada Primitiva Florinda ou Rosária Natércia - ou qualquer combinação com estes quatro nomes. Não me parece. Escolhemos nomes desligados de tudo, sem tradições familiares. Um mais queque do que o outro mas quero lá saber. Se viesse agora um terceiro filho seria Francisco (este sim, a ir buscar o nome de um bisavô) ou Madalena (mega visto, eu sei, mas tenho uma espécie de tradição com... o meu melhor amigo: ele é padrinho da minha filha e deu a uma filha dele o mesmo nome da afilhada; eu sou madrinha da filha dele e se tivesse mais uma menina dar-lhe-ia o nome da minha afilhada - assim ficaríamos os dois com filhas e afilhadas com os mesmos nomes).

    ResponderEliminar
  11. Também quis usar nomes de avós, Eduardo (avô materno) Vera (avó paterna), mas os outros avós (os que sobram) manifestaram tremenda ciumeira, tive que optar por alternativos. Ficou o Duarte e a Teresa - Betos, mas não tanto! Pouco usados, pelo menos.

    ResponderEliminar