Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

domingo, 15 de julho de 2018

Mãe de dois: vai melhorar, juro!

Mãe de dois,

se ainda não consegues tomar banho de manhã e levas o mais com uma espécie de fato de treino à escola
se ainda não consegues ficar à noite sozinha com os dois sem ter vontade de chorar
se não sabes bem como compensar o mais velho que ainda é bebé e precisa de ti e tem feito mais birras do que o costume
se chegas ao fim do dia a achar que não vais aguentar, que vais pirar

Mãe de dois,
vai melhorar. Juro.

Não melhora sempre nem para sempre. Tudo mudou (e se calhar até vais sentir que muda mais do que com o primeiro filho - eu achei). Vai haver sempre muita energia para gastar, ficam doentes à vez e às vezes ao mesmo tempo, há ciúmes e despiques e lutas, há comparações que tentas não fazer mas são inevitáveis, há sentimentos de culpa que tentas afastar, há desafios ao longo dos meses e dos anos, mas vai ficar mais fácil. Aqueles dias (meses?) iniciais podem ter tanto de incrível como de insano, conseguimos um estado de calma e de certeza ao mesmo tempo que temos ataques de nervos e ansiedade, há um novo bebé para conhecer e há um filho que sempre cá esteve e que quer continuar a estar no centro, sem perceber que podem estar ambos, e esquecemo-nos muitas vezes que também nós temos de estar no centro. Às vezes os outros à nossa volta não percebem o nosso desespero, outras vezes fingimos que não precisamos de nada e que está tudo bem. Às vezes está efectivamente tudo bem, mas neste processo há muitas variáveis, muitos altos e baixos. Mesmo que o nosso coração nunca tenha estado tão cheio, às vezes há duas crianças a chorar ao mesmo tempo e nós estamos muito cansadas. 
Melhora porque aprendemos a relativizar, a perceber que podemos não estar a 100% para cada um mas que estaremos muito e será suficiente, passamos a conhecê-los, a percebê-los melhor, e mais tarde, eles passam a expressar-se e a dizer o que sentem e nós sentimo-nos mais capazes. 

Mães de dois, vai melhorar. Juro.













Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

Afinal foram as duas à festa!

Afinal, contra algumas expectativas, foram as duas à festa.

Falei-vos aqui do meu "dilema" sobre esta questão: uma amiguinha na escola ia fazer a festa de anos lá na escola no sábado à tarde e eu perguntei, sem pensar, na hora, se a Luisinha também poderia ir. Isto porque, ainda sem perceber bem de etiqueta das festas de anos, a questão nunca se tinha colocado. Instintivamente achei que eu ou o David a iríamos acompanhar na festa (muito possivelmente iria o David) - isto porque não cheguei a imaginar lá a Isabel sozinha sem um adulto da sua confiança por perto e pensei que a logística seria mais fácil se a Luísa também pudesse ir. Como era na escola, não imaginei que se pagasse à cabeça (como algumas leitoras equacionaram e bem) - e não pagava efectivamente - e não achei, lá está, naquele segundo em que me cruzei com a mãe da amiga, que fosse um problema. Só mais tarde me pus a pensar nessas questões todas e vim aqui escrever-vos.

Duas notas:
- as turmas são mistas, por isso, a questão de serem todos bem mais velhos que a Luísa não é bem assim.
- eles estão todos juntos de manhã e ao fim do dia, por isso conhecem-se todos (e são uns fofinhos com os mais pequenos).

Aquela questão de cada uma ter o seu núcleo de amigos e o seu espaço fez-me sentido, claro, mas não sinto que, com esta idade, a Isabel possa ficar sozinha sem os pais nestes eventos e, por outro lado, ela sente um orgulho enorme em ser a irmã mais velha da Luísa, mostra-a e fala dela a toda a gente e sente-se importante com ela por perto também. Aliás, quando há Dia do Pai ou da Mãe na escola quer sempre ir buscar a Luísa e quer que ela faça parte dos momentos mais importantes.

O que ficou combinado com o David, que foi quem acabou por ir porque eu tinha cá uma grande amiga do Porto e íamos até ao ALIVE, foi: "vou com as duas, vejo se estão lá outros pais e outros irmãos, se está algum adulto da escola, da confiança da Isabel, e decido o que fazer".

Não houve qualquer problema, estavam outros irmãos, os pais estavam presentes e pronto. As miúdas adoraram a festa da Vampirina.

Pode não continuar a fazer sentido para muitas de vocês, percebi os argumentos e concordei com muitos deles mas foi esta a nossa escolha, conforme a situação. :) Obrigada pelas vossas opiniões, fizeram-me pensar.




Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

terça-feira, 10 de julho de 2018

Fim-de-semana sem cuecas e sem escovas de dentes!

Era para ser apenas uma ida à praia, "por aqui", nos arredores de Lisboa: Costa, Praia Grande. Depois pensámos em Comporta: vá, uma hora de caminho, mas sempre fugimos pela Ponte Vasco da Gama e depois compensa. O David olhou para mim e disse: vê lá aí na net se arranjamos onde dormir por perto. Fomos descendo. 

- Mas nem temos muda de roupa, nem roupa interior, nem escova, nem gel de banho nem pasta e escovas de dentes!
- E então? Compramos fraldas e o resto safamos! (já não sei quem disse o quê)

E lá fomos à aventura - q.b. bem sei que há quem vá com filhos de 3 dias subir os Himalaias - fomos de carro que nem dois adolescentes, a viver todas aquelas máximas do carpe diem e outras que tais.
E pelo telefone lá arranjei vaga no Zmar. Não era barato, mas já tínhamos vontade de conhecer, ia ser o máximo para as miúdas e seria só uma noite. Compensaríamos noutras coisas (já vos disse que ainda não comprei um par de sapatos nem de sandálias nem uma mala para mim este ano? E que estou a sobreviver? LOL).

Fomos até à Zambujeira do Mar, comemos uma feijoada de búzios que estava demasiado boa, um vinho branco bem geladinho e depois praia. Estava um dia estupendo. Domingo então nem se fala. Ficámos de manhã nas piscinas (tem duas exteriores - uma para crianças - e uma interior com ondas); depois fomos para a praia de Almograve (já não ia para aquelas zonas há uns bons 10 anos) e o que nos divertimos! Aquela zona é realmente incrível, com piscininhas, vimos peixinhos, caranguejos, lapas e búzios e as miúdas adoraram. 

[Só não adorei o pequeno escaldãozinho naquela zona das costas a que não chegamos a não ser que façamos contorcionismo (para a próxima ou peço ao vizinho do lado gostosão ou às miúdas, sempre é melhor que nada) - sim, sim, boca para barulho! É impressão minha ou os gajos não têm esta sensibilidadezinha?]

Mas bem, foi dos melhores fins-de-semana de sempre, inesperado e com sabor a férias! <3
















Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:


quarta-feira, 4 de julho de 2018

Não esperei para contar que estava grávida.

Não me lembro do dia em que decidimos que queríamos ser pais. Não me lembro da nossa conversa sequer. Sei que descobri que estava grávida numa consulta de rotina porque senti que o meu alto na mama estava maior do que o normal e estranhei. Saí de lá com um segredo enorme e andei a próxima hora nas nuvens a pensar na forma como te iria surpreender. Pelo meio enviaste-me mensagens a perguntar se estava tudo bem. Estava tudo bem, amor. Tudo óptimo. Fui comprar um body minúsculo e quando cheguei a casa liguei a câmara do telemóvel. Dei-te o body para a mão, riste-te a achar que era para a nossa sobrinha, que já tinha 3 anos. Achaste pequeno, disseste-me. Devo ter feito um olhar diferente porque olhaste para a barriga, olhaste para mim outra vez e eu acenei. Disseste "não!?" SIM! Beijámo-nos e emocionámo-nos. A memória atraiçoa-me porque não me recordo se foi nesse dia que fomos para Santarém para contar à minha mãe, mas acho que sim, que não aguentámos. E fomos a dar gargalhadas o caminho todo, nervosos e felizes. No mesmo dia contámos ao Renato, ao Sérgio e à Daniela, ao jantar. E depois fomos até Almeirim, onde estava o meu avô e o meu pai. Foi um reencontro muito emocionante, eu estava zangada com ele e abraçámo-nos como se eu nunca do colo dele tivesse saído. Voltei a ser pequenina. E ia ser mãe. Quando fomos contar à tua irmã, com o body, ela achou que a vossa mãe já nos tinha contado que ela, também ela, estava grávida. Foi muito, mas mesmo muito giro, as duas cunhadas grávidas e com as mesmas semanas. Depois fui contando: à Raquel, durante um jantar e aos colegas do trabalho mais chegados. Não esperámos pelos três meses da praxe para contar às pessoas mais próximas, não aguentámos. Pensei: se algo correr mal, se perder este bebé, eu vou querer que saibam e que me dêem mimos.

Foi assim que descobri que estava grávida pela primeira vez e que contei a todos. E esta foi a primeira foto que tirei da mini barriga. E vocês, como foi?





Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

terça-feira, 3 de julho de 2018

Vamos encher-vos de protectores solares!


Se há coisa boa nisto de se ter um blogue é ter acesso aos melhores produtos. É, não vamos negá-lo. E, sempre que podemos, gostamos que também vocês tenham acesso ao que recebemos cá em casa. Neste caso, quando nos começámos a besuntar com a gama Anthelios da La Roche-Posay, de que a Gama já tão bem falou aqui (para criança) ou  aqui (para adulto), fizemos logo questão de fazer um A Mãe dá.



Esta é a gama solar mais recomendada pelos dermatologistas na Europa. Já tinha experimentado alguns cremes mas um creme solar com cor, para a minha pele cheia de manchas, nunca. Adorei! É este, o Anthelios Pigmentation - tem factor 50+ mas disfarça imenso as minhas marcas, além de que sinto a pele super hidratada (tem água termal). Naqueles dias em que estou mais vaidosa, pumbas.

Elas usam, caso vamos para o parque ou para a praia, ou caso saiba que vão estar mais expostas ao sol, tanto o pocket, como o spray, como o wet skin – que repele a água (eheh, inventam tudo) e que é maravilhoso de aplicar, zero pastoso e a pele absorve imediatamente.









E o que é que A Mãe dá desta vez, meus amores (gostam deste tratamento paternalista fofinho?)? A Mãe dá 5 kits (um termo beto para “cabazes”, no fundo) Anthelios com esperança de que, face a este início de Julho vergonhoso, vocês ainda não se tenham ido abastecer de solares. Mesmo que tenham, estes são mesmo, mesmo, mesmo muito bons: até a minha mãe, direta que só ela, disse que eram facílimos de espalhar (a minha mãe a elogiar alguma coisa, UAU, é mesmo de confiar na palavra dela).




- 2 kits (com 4 produtos cada) no nosso Facebook

- 3 kits (com 4 produtos cada) no nosso Instagram




Sim, podem participar em ambos, as vezes que quiserem. J


Só têm de seguir a La Roche-Posay nas repetivas redes, Facebook e no Instagram e, claro, a Mãe é Que sabe (mas isso já estava, certo?!!!) e identificar duas amigas. Fáciuuuuuu! Os vencedores serão revelados de hoje a 8, na caixa de comentários dos respectivos posts. Tudo entendido?




Vamos lá chamar o verão! Boa sorte!




E a fofura destas mãozinhas na minha cara?


*post escrito em parceria com a marca






Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:




segunda-feira, 2 de julho de 2018

Somos todas mulheres reais.

Tenho gostado de ver uma certa manifestação nos blogues e nas redes sociais, com o tal chavão das mulheres reais. Não queria estragar essa onda de aceitação (que é mesmo boa e necessária), mas pus-me a pensar que também pode ser injusto ou preconceituoso achar-se que as mulheres reais são (só) as que se apresentam "como são", com os corpos que têm/ conseguem ter naquele momento e normalmente são as mesmas (somos as mesmas, que eu também me incluo nessa questão, quem nunca?), que a certa altura acharam que estavam gordas. Somos muito auto-críticas, sim, e temos como referência de beleza pessoas magras e/ou fit. Mas as pessoas magras e/ou fit também são mulheres reais. Umas são mulheres que devem tudo à genética e outras são pessoas que se esforçam diariamente para alcançar o corpo que idealizaram. Todas somos reais, com mais ou menos ginásio, com mais ou menos massagens, com mais ou menos bolas de berlim.

Ponto assente, acho sim que quem é figura pública ou influenciador pode (mas "não tem de") canalizar esforços para mostrar-se "real", e não estou só a falar do aspecto físico. Só que depois deve ser difícil esquecer os programas de edição que já põem os dentes brancos, que alteram o tom de pele, que tornam os rostos mais finos e todos os filtros de instagram. Todos queremos estar (mais) "bonitos", o que quer que isso signifique.

Gosto muito, no entanto, quando há uma espécie de manifestos, como aquele da Alicia Keys em andar sem maquilhagem durante uns tempos (nem sei se ainda o faz). Já lá vai o tempo em que se endeusavam as estrelas. Ainda endeusamos, claro, mas já percebemos que são pessoas como nós. Já percebemos que ninguém está sempre lindo e perfeito e feliz a toda a hora. E já percebemos que as aparências iludem. Que é normal ter-se celulite e estrias e mamas descaídas, apesar de não gostarmos e de nem sempre nos sentirmos bem com isso.

Eu nem sempre gostei do meu corpo. Aliás, não posso afirmar que gosto. Não me beijo todos os dias e digo o quão linda sou (se calhar devia, faz milagres, dizem). Mas se há coisa boa que a idade ou as filhas ou tudo junto, nem sei, me trouxe, foi uma espécie de paz com o que sou hoje. E isso inclui o meu corpo. É o corpo que posso e consigo ter neste momento. E ele incluí uma pele com marcas de acne que já tentei disfarçar com inúmeros tratamentos, já algumas rugas de expressão, estrias e celulite, uns joelhos com gordurinha (que durante muito tempo me impediu de vestir calções ou saias mais curtas), um rabo flácido, braços que abanam por todo o lado a dizer "adeus", mamas que mirraram e que são dois saquinhos de chá e que já nem chegam a encher de leite (acho que estamos em processo de desmame) e uma barriguinha. No entanto, acho que nunca estive tão magra, dizem-me. Como vêem, somos sempre exigentes. E é essa consciência de que somos muito mais do que o corpo e que não temos de ser todas iguais, que somos as nossas histórias, o que dizemos e fazemos de bom, que nos vai trazendo uma espécie aceitação que nos alivia da pressão. Saber que quanto mais confiantes estivermos da pessoa que somos, dos valores que transmitimos aos nossos filhos, quanto mais gostarmos de nós, mais bonitas vamos ser.

Não quero parecer um Gustavo Santos e fazer aqui um texto de auto-ajuda, sei bem o quão bem nos sabe estarmos em forma ou com menos uns kgs ou com um rabo mais empinado, mas caraças, a elegância vai muito para além de tudo isso... Já não somos miúdas para andarmos todas à procura de uma perfeição que já sabemos ser impossível alcançar. Que nos cuidemos o mais possível, sim, que pratiquemos desporto, sim, que façamos aquele tratamento que queremos fazer, que ponhamos mamas se já não nos reconhecemos, sim, tudo escolhas válidas, nada contra. Mas que não tenhamos vergonha do que somos hoje. Somos mais do que o nosso espelho nos mostra, do que foi convencionado e definido. Somos mulheres, temos uma força enorme, enfrentamos o período todos os meses, temos (muitas!) responsabilidades, movemos mundos, temos buço e pêlos nas axilas por tirar (porque lá está, alguém se lembrou que tinha de ser assim) e algumas de nós tivemos putos a saírem-nos pelo pipi, outras foram cortadas, levamos com furacões de hormonas e ainda levamos com opiniões de todos e de mais alguns... há dúvidas de que somos poderosas?! 
Somos todas mulheres reais.










Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:


domingo, 1 de julho de 2018

Dublin com filhos? SIM!

Quando estávamos no aeroporto para voltar, o David voltou a ameaçar “Nunca mais”. Viajar com crianças nestas idades não é fácil. Pedem colo, água, chichi, bolacha, fruta, mama, a cada 5 metros que façamos. Deitam-se no chão perante uma contrariedade que pode ser tão simplesmente não poder comer cocó do chão. Querem despir o casaco quando está um vento de 250kms/hora porque vêem um irlandês em manga cava porque estão dois raios de sol. Querem as duas a colher vermelha, da porcaria do Benfica do pai (sorry). Ou a última uva. E eu divido ao meio na minha boca. “Nunca mais” dura para aí até ao fim do dia seguinte, depois de descansarmos no trabalho. Há poucas coisas de que gostemos mais de fazer, na verdade. Que nos dêem mais gozo do que ver a Isabel a tentar falar Inglês e a Luísa a repetir tudo. A experimentarem a comida local. A terem experiências destas.


E esta foi uma experiência mesmo, mesmo boa. Escolhemos Dublin desta vez, que não é propriamente um destino muito procurado por portugueses. Mas sempre tive vontade de conhecer a Irlanda. Já vos disse que adoro viajar pela Europa? Temos nos nossos objectivos fazer uma viagem por ano em família para um destino diferente.

Conheço mais ou menos algumas cidades de Inglaterra (cheguei a viver em Londres), que já atravessei de comboio de alto a baixo, já estive na Escócia; adorei ir até Estocolmo e fazer a travessia de barco até à Noruega, Itália é bem capaz de ser o meu país preferido até agora, Praga é lindíssima mas a minha cidade preferida é bem capaz de ser Amesterdão, nem sei bem porquê. Já estive duas vezes em Paris e conheço Viena. O país a que fui mais vezes é Espanha, claro, já lá passei 4 férias de verão e viajei para o sul, para as maiores cidades, Catalunha, Bilbao, Santiago, etc. Dublin e a beleza natural da Irlanda estava aqui na lista. E, por achar que era uma cidade calma, muito plana para as nossas caminhadas, e não muito longe, achei que seria um destino perfeito para ir em família, com as miúdas ainda pequeninas.



Ficámos no InterContinental Dublin, de que vos falei aqui e os nossos 4 dias (de 5a a domingo) dividiram-se entre hotel, cidade e Howth, vila piscatória a norte de Dublin. Fazia parte dos nossos planos alugar um carro para ir até aos lagos (queria ir até aos locais de filmagem do Brave Heart e do PS, I love You) e, quem sabe, até Cork, a sul, mas não conseguimos por não termos cartão de crédito com plafond suficiente ou sem ser online - eu nem tenho cartão sequer, já me basta os estragos que consigo fazer com o mbway (eheh). Paciência. 

QUINTA
No primeiro dia hotel e zonas circundantes. Tudo sobre o hotel aqui.


SEXTA
No segundo dia, fomos à cidade, caminhámos nas ruas, entrámos nas lojas, parámos para ouvir os músicos (e a Luísa dançou no meio da rua, têm de ver estes stories), fomos até ao The Temple Bar (um dos pubs mais emblemáticos), almoçámos por ali, e caminhámos junto ao rio, para ver os barcos. As miúdas fizeram a sesta no caminho, mesmo. Levamos sempre carrinho e babywear (uma Boba4G). À tarde, começou a chover e fomos refugiar-nos no Museu da Criança, que é a Kidzania lá do sítio. Não adorámos, mas as miúdas gostaram e, como era o Dia da Criança, fizemos o esforço (quem nunca?). Como já saímos tarde do hotel para tomar o pequeno-almoço com calma (o que é "tarde" quando estamos de férias, certo?!) e como nunca prolongamos até tarde o passeio - por elas mas também por nós - sentimos que o dia passou a correr.









SÁBADO
No sábado, autocarro connosco e fomos até Howth, a 22kms. Estava bastante ventoso, mas solarengo. Almoçámos no East Café Bar, na esplanada: uma travessa com marisco e também fish & chips, com peixinho pescado na costa, os irlandeses dizem que é o melhor da região e estava perfeito, de facto.
Depois, fomos até ao farol (tenho uma pequena panca por faróis, acho tão cinematográficos), de onde avistávamos toda a vila. Nesse dia, depois de chegarmos de autocarro ao centro, fomos a pé até ao sul de Dublin - já vos disse que adoramos andar a pé nas cidades. Acho que é a melhor maneira de se conhecer tudo. E as miúdas adoram a interação com as pessoas e tentam falar com elas.












DOMINGO
No domingo, andámos pela cidade, passámos pelo castelo e fomos até à St. Patrick's Cathedral, a maior da Irlanda, construída entre 1191 e 1270. Além de enorme, tem vitrais muito bonitos e é onde estão os restos mortais de algumas celebridades irlandesas como Jonathan Swift, o autor de "As Viagens de Gulliver". Almoçámos muito bem no Avoca, que é, além de uma loja de roupas, sabonetes e todo o tipo de coisas para a casa, é um restaurante muito bom, com panquecas, tostas, saladas e hambúrgueres: e trouxe uns rice Krispies com chocolate maravilhosos de lá (Curiosidade: o nome desta empresa com quase 300 anos é herdado da vila Avoca, onde se desenvolveu, há muitos anos, um moinho para a produção de produtos de lã, colhida das ovelhas locais - a ovelha é aliás o animal que simboliza a Irlanda). 





No meio disto umas Guiness e umas pints pelo meio, aeroporto connosco e regresso a Portugal. Optámos por fazer mais vida de rua e de hotel e acabámos por não ir a museus nem a muitos edifícios - com crianças, gerimos o número de coisas a que vamos e as nossas expectativas nunca são enormes. Preferimos assim, ir gerindo, conforme os ânimos e os cansaços.

Chegámos exaustos mas felizes! As pessoas são incríveis e genuinamente simpáticas, o que ajuda a andarmos sempre bem-dispostos (mesmo com as birras das miúdas).
Dublin com os miúdos: super recomendo!




Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: