quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Este livro é mesmo delicioso!

Foi a primeira coisa que comprei quando soube que estava grávida. Pronto, a segunda.
A primeira foi um babygrow mínimo, para anunciar ao David que ele ia ser pai. E para anunciar a toda a família.
A segunda foi um livro. Estava decidida. A minha filha iria ter uma biblioteca repleta de histórias, de cores, de sonhos. Podia nem vir a ter mais brinquedo nenhum. Mas livros teriam de fazer parte da nossa rotina.
Comprei-lhe um livro a cada mês da minha gravidez. Escrevia-lhe cartões a acompanhar os livros, para que, mais tarde, soubesse todo o amor que havia nas palavras e no coração. Comovia-me. Comecei a ler-lhe histórias com dois meses. Antes de dormir, íamos para o cadeirão, e contava-lhe uma história. Durante algum tempo, a mesma. Ainda nem falava e já fazia gestos, já conhecia a história de trás para a frente. E esta paixão por livros vem dali. Não há um único dia que não contemos uma história: eu, o pai ou quem ficar com elas. É dos momentos mais ternos do dia.

Os livros são as coisas mais valiosas cá por casa. A Isabel nunca estragou nenhum. Já a Luísa… bem, uns quantos já estão colados a fita-cola. No entanto, continuamos a deixá-la explorá-los, não nos faz sentido de outra forma.




O último a vir cá para casa é uma pequena maravilha: O Narciso com pelos no Nariz”, que ganhou o último Prémio de Literatura Infantil do Pingo Doce (podem encontrá-lo por lá a, apenas, 3,99€!!!). Isto é serviço público, acreditem. A história é tão bonita, de uma relação entre dois irmãos, tão cheia de suspense e de sentimentos lindos, de rasgos de humor e de descobertas, que vale mesmo a pena. Então agora que a Isabel nos revelou que tinha um namorado, que se chamava João, e que ele brincava muito com o Rock, foi um tiro mesmo certeiro. [Sim, ainda estou em choque! Ahah! Apesar de não ter dado muita importância porque são mesmo pequeninos, são amigos e pronto]. A Rita tem nove anos e quer desvendar um mistério: o irmão mais velho, o Filipe, não anda bem e ela acha que é culpa da magia negra. Poesia, violência na escola, coragem e amizade: há de tudo naquelas páginas. Até paixão. E mais não digo. Leiam (e leiam-lhes, porque, mesmo que os vossos filhotes não entendam tudo, alguma coisa fica, mais não seja o momento que estão a ter convosco).



A Andreia Penso Pereira e a Ana Granado (que, por acaso, é filha do meu professor preferido da faculdade, o António Granado) estão mesmo de parabéns pelo texto e pelas ilustrações, respetivamente. Sem querer desprezar todos os vencedores das edições anteriores (que temos cá por casa, óbvio, e de que gostamos muito, principalmente do Orlando – o Caracol Apaixonado), este é mesmo fantástico! [Já agora, também podem seguir a Ana Granado no instagram, no “Diário de uma Mãe Ilustradora”, que eu já sigo há que tempos e é demais!]



Este prémio é uma iniciativa de louvar, que revela verdadeiros talentos, e que, a um preço muito simpático, torna os livros acessíveis a muitas famílias e, assim, promove o gosto pela leitura dos mais novos.







Acho uma ótima prenda de Natal: um livro é sempre uma ótima prenda.

Boas leituras!

  

[Como é um tema muito pedido, um dia destes fazemos o nosso TOP de livros cá de casa, prometo!]
Sigam-nos também no Instagram:

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Não é da nossa família, mas é como se fosse.

A Irene e eu moramos sozinhas há mais de um ano. Tenho vindo a contar-vos como é exigente para ambas esta vida em dupla quando estamos juntas. Tem muitos desafios, como muitas de vocês sabem, outras imaginam e outras ainda, se calhar, até gostariam de estar no nosso lugar - já quis e continuo a querer, ahah. 

Um dos desafios (além de não ter hipótese de não estar 100% capaz de tomar conta dela, não ter opção, por muito cansada que esteja ou triste ou zangada) é quando ela adoece. As noites são péssimas, a preocupação é alta, a disposição dela muda (e a minha também) e, pelo meio, tenho de ser prática. 

Já nos aconteceu precisarmos de medicamentos e da última coisa que parecia certo fazer ser sair de casa, apanhar chuva e frio para ir à farmácia. 

A Irene há uns aninhos, lembram-se dela assim? Eu lembro, haha. 
Houve uma vez - já não me lembro do que precisávamos, mas talvez soro para lavar o nariz, um xarope bom para hidratar a garganta - em que liguei para a Farmácia Portuguesa daqui da frente de casa para saber se tinham o que eu precisava. Já que ia sair à rua, que saísse só para um sítio e com a certeza que não faltaria nada, não é? 

Atendeu o Ricardo. Conhecemos o Ricardo desde sempre - moramos nesta casa desde que ela nasceu - e sempre que vamos à farmácia é ele quem nos atende ou está por lá e acaba sempre por meter conversa com a Irene. Visto ser a Farmácia Portuguesa do bairro também já aconteceu encontrarmo-nos no jardim dos baloiços aqui perto e ter conhecido a sua família, muito simpáticas. :)

Foi sempre muito simpático e atencioso. Além de farmacêutico e de poder contar com a sua formação, por ser pai de uma menina mais ou menos da idade da Irene, também conta com a experiência dele e da filha. Ouvir "com a minha filha resultou mais assim" ajuda-nos sempre nem que seja a ter mais um pouco de fé na solução. 

Acaba por ser uma espécie de histórico de saúde da Irene. Ele já sabe que ela fica ranhosa no Inverno e porquê, já sabe o que geralmente vou comprar quando preciso e tem assistido ao crescimento da Irene e até às minhas várias fases. Foi naquela farmácia que uma vez apareci desesperada a dizer que não estava a conseguir amamentar a minha filha e o Ricardo acalmou-me. Foi naquela farmácia que contei que já não sabia como estava o Frederico quando me perguntava porque nos tínhamos divorciado, etc. 

O Ricardo tem sido uma constante na nossa vida e alguém que está por perto. 

Nesse dia em que nos faltaram coisas básicas mas importantíssimas para melhorar o estado de saúde e de conforto da Irene desabafei ao telefone que não sabia quando lá iria visto não ser muito prático e sabem o que ele fez? 

Veio trazer-nos o que precisávamos a casa. 

É ainda mais do que o tipo da Farmácia Portuguesa do outro lado da estação. É alguém que adora o que faz, que gosta de cuidar, que sabe que pode ajudar e que faz o que puder. 

Escusam de estar com esse ar que não é ele o meu namorado, ahah. É um amigo que sei que estará ali à frente quando precisarmos.

A Irene quer sempre ir à farmácia do Ricardo e, apesar de ficar envergonhada, adora as brincadeiras dele. 


Por isso, obrigada Ricardo. E a esta farmácia aqui à frente que faz com que seja tudo muito mais prático e fácil para nós.

Vou propor à Irene fazer-lhe um desenho para dar de prenda neste Natal :)


terça-feira, 27 de novembro de 2018

Posso casar todos os anos?

Ainda tenho o dia bem guardado na memória. Passou rápido mas foi muito bem saboreado. Senti que, como éramos poucos, conseguia ir estando um bocadinho com cada. A par da cerimónia, que foi o momento mais intenso do dia, cheio de frases de amor, promessas e choro, houve momentos cheios de gargalhadas e em que nos divertimos, brindámos e tirámos o pé do chão.

E o Tiago estava em cada um deles. O Tiago é o DJ Worp, caso se pensem casar ou saibam de alguém que esteja à procura de DJ numa festa ou num evento. Ele é mesmo muito bom. Tinha amigas durante o cocktail a pedirem-me o contacto porque a música que estava a pôr era mesmo boa. E houve vários momentos em que ele fez a diferença, além do cocktail e da festa (para a qual tínhamos dado uma playlist pequena, apenas indicativa dos possíveis moods): 

- eu entrei ao som de uma música linda - Into My arms, um cover do Nick Cave
- depois, no jantar, cantei, de surpresa, Somewhere Only We Know, dos Keane, uma música especial para ambos, já que marca a altura em que começámos a namorar e em que o David me levou a um concerto no Porto, a nossa primeira escapadinha a dois; 
- dancei com o meu pai By Your Side, da Shade, uma música que ouvíamos vezes sem fim no carro, ainda com cassete e, também, a Mafiosa (sim, sim, isso)
- dançámos, com as miúdas, uma música de que elas gostassem (acho que foi o Você Partiu Meu Coração ou algo do género) e depois dançámos mais umas horas com os amigos e a família, avó Rosel incluída - deu Show! Houve de tudo: anos 90, 2000, pop, pop rock... por aí fora.

A festa foi muito gira! Ainda por cima, o David, que era, dos dois, quem não fazia questão de cantar, adorou o dia! Há lá melhor sensação? Gostava de repetir. <3

As fotografias da Inês (Yellow Savages) e da Joana (The Love Project) não têm som mas deixam que se perceba a ramboiada que para ali ia :)





























Fotos:
Inês - Yellow Savages


Mais posts do casamento aqui.


Sigam-nos também no Instagram:

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Deixei que a minha filha fosse massajada por um homem.

Credo, estou cada vez mais perto de criar títulos para o Correio da Manhã mas, de facto, é assim que a minha cabeça funciona, com títulos sensacionalistas. Na primeira vez que fomos fazer uma massagem ao The Spa do Corinthia Hotel Lisbon, veio uma dupla de massagistas ter connosco: o Luís e a Marta. À partida, decidi logo que quem iria massajar-me seria o Luís. Não consigo explicar bem tudo o que senti, mas era óbvio para mim. 

A Irene pediu ao contrário. Pediu que fosse o Luís a massajá-la e eu... ali.... pensei... "pá, o que é que pode acontecer?". 

Será que sou só eu que tenho estes pensamentos negativos neste tipo de situações? Espero que não. Ou espero que sim, sei lá. 

O que aconteceu nessa mensagem foi fabuloso. Tanto que quisemos repetir e, melhor, a Irene exigiu (ahaha um exigir de um ser de 4 anos) que fosse o Luís e conseguiu-se. 





Nesta experiência, do The Spa for Kids de Mães e Filhos/Pais e filhos, o que está incluído é um banho de espuma com duas massagens às costas e duas mini faciais. 

A Irene desta vez chegou mesmo a adormecer com o cafuné do Luís e eu, toda comovida, na marquesa ao lado e ainda a gozar também da minha massagem. 

Se na primeira massagens ela me mandou beijinhos e me deu a mão, na segunda adormeceu. Na terceira como será? 

Espero que um dia tenham oportunidade de ter esta experiência (ou semelhante) com os vossos filhos. Podem sempre tentar fazer um SPA em casa, por exemplo. Já fiz muitas massagens à Irene em casa. :)

Sempre que quero sentir-me mais feliz, esta é uma das imagens a que eu volto: nos as duas nesta massagem. 


domingo, 25 de novembro de 2018

Custa mais ter o primeiro filho ou ir ao segundo?

Eu já não sei se foi o tempo que amenizou, mas não me lembro de ter sido complicado ter a primeira filha. Apesar de todos os pesares: de não termos uma rede de apoio próxima ou permanente; da amamentação ter sido um processo doloroso; de ter voltado a trabalhar aos 3 meses a tempo inteiro; de ter ido para a creche com 5 meses (graças à boa vontade da avó Béu, da tia Rosel, da tia Raquel, etc etc, que conseguiram ficar com ela e se foram revezando - calhou em tempo de férias); da gestão difícil de quem ia buscar, nos dias mais complicados de trabalho; de um dia ter chorado muito no caminho para a creche, num dia em que ia muito atrasada; de sentir culpa por achar que não lhe dávamos a atenção que ela precisava (ou de uma semana, grávida da Luísa, em que chegava tão tarde a casa e estava tão pouco tempo com ela, que me chamava durante a noite e que só acalmava coladinha a ela, de tantas saudades que tinha). 

Apesar de tudo isto, acho que não foi assim tão difícil habituarmo-nos à mudança que ter um filho acarreta. Em termos comparativos, acho que custou mais passar para o segundo filho. Acho que a Isabel passou a pedir mais atenção e que nem sempre foi fácil gerir o colo para ambas. Ficar sozinha com as duas em casa assustou-me durante algum tempo. Arriscar-me a sair sozinha com as duas era quase um cenário de guerra durante alguns meses: lembro-me da mais velha a meio do desfralde e a mais nova na mama, em plena casa de banho de um supermercado. A gestão das birras das duas. Como meter as duas no carro no meio da chuva, os sacos e o lixo. Acho que veio acrescentar um nível de dificuldade às nossas vidas. E de cansaço. Foram mais noites sem dormir. Custou até conseguirmos equilibrar a balança. E eu estive em casa durante 1 ano e tal, quase dois. E mesmo assim, foi um bocado difícil.

Perguntei à Catarina Raminhos, do 7 da tarde, na viagem de comboio que fizemos a Coimbra hoje, e ela disse-me que lhes custou mais a passagem da vida de casal à vida de casal com uma filha, do que passar de uma para duas. Também lhe custou passar da primeira, com apenas dois anos, para a segunda: "é sempre difícil".

Resolvi perguntar também à Maria Ana Ferro, do Mãe Já Vai, para quem o primeiro filho "foi um choque". "Passar de uma vida de casada e livre para ter nas mãos um bebé - não muito fácil - a meu/nosso cargo, foi muito duro. Daí o medo de ir ao segundo. Mas apesar de todas as dificuldades em equilibrar o bem estar do primeiro com as exigências de um recém nascido, a experiência ajuda e torna tudo, ainda que muito exigente, mais fácil. Perceber que os nossos instintos na maior parte das vezes estão certos. O terceiro filho para mim foi a confirmação de muitas coisas. Se por um lado ter dois ainda pequenos retirou alguma da paz que um recém nascido merece, por outro deu-me paz interior para não ter medos e acreditar 100% em mim. Logisticamente complicou. O carro, as roupas, o espaço. Mas a leveza que se ganha com a experiência que os filhos nos dão e também com a idade supera o pequeno caos que se instala. Relativizar e gerir andam sempre de mãos dadas com três filhos."

Ambas têm três filhos. Eu às vezes tenho vontade de ir ao terceiro filho. Tenho uma ideia romântica da maternidade, saudades de ter um bebé no meu colo e sentir aquele amor avassalador por mais uma pessoa, vê-lo crescer e vê-lo fazer-me rir, sorrir e chorar, de alegria. Imaginar mais um ser maravilhoso no mundo, tal como as irmãs, deixa-me balançada. As relações entre eles, para a vida. O mágico que pode ser uma família grande. Mas depois tenho, por um lado, o David, que não tem esse sonho e que é mais pragmático, e por outro, vontade de conseguir, finalmente, encontrar alguma serenidade, de conseguir vê-las "criadas" e de conseguir ir tendo mais espaço para mim e para o casal. Às vezes acho que a decisão tem fundo egoísta, noutras acho apenas racional. 


Isabel com 4 dias, já em casa.

O que vos custou mais? Do primeiro para o segundo? Do segundo para o terceiro? Do zero para o primeiro? 

Sigam-nos também no Instagram:

sábado, 24 de novembro de 2018

Quem mais faz isto?

No outro dia, quando vi os pais de uma colega da Irene a interagirem, apercebi-me que, se calhar, andamos todos a usar a mesma técnica: falar inglês perto deles. Neste caso é uma professora também de inglês (acho eu) que usa a técnica, mas eu também já tinha tentado por isto em prática, eheh.

Agora voltei a usar. Não sei se é porreiro porque não deve ser fixe para as crianças saberem que os pais estão a falar de coisas que "são segredo" à frente deles, mas... a malta tem que comunicar, não é?

Há uns anos aprendi língua gestual(só o abecedário) num livro da minha prima, ensinei a turma toda a falar e acabámos por copiar um ano inteiro uns pelos outros (as respostas de história demoravam mais algum tempo por uma questão de comprimento, mas de resto, funcionava). Isto interessa-vos para quê? Pensem que, de repente, todos poderíamos comunicar sem eles saberem, hã? Mais importante que isso, só como embuchar snacks de Nutella sem nunca sermos apanhadas. Por que é que inventaram aquela porra? Foi alguém daquele espécimen muito raro de pessoas que come tudo o que lhe apetece e não engorda porque tem "o metabolismo muito acelerado", só pode. 

A Irene nota quando estou a falar inglês ao pé dela e pede "heyyy, digam-me o que estavam a falar!" e, depois, lá inventamos qualquer coisa, mas... vocês devem ter os vossos truques. Também vão para o inglês ou comunicam em suaíli ou... para casais que já estejam juntos há milhares de anos... só com os olhos? 

Entretanto, aproveito para vos dizer que estou a ter um fim-de-semana maravilhoso. Segunda-feira vou ter uma reunião muuuito importante no trabalho e depois de uma semana em que a Irene esteve doente, está a saber ainda melhor uns dias aqui no "campo". 

Aproveitem o vosso fim-de-semana para sair do "andar a mil", está a saber-me bem :) Eu e estas calças de fato-de-treino que foram das melhores comprinhas que já fiz nos últimos tempos. 



sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Vocês não sabem com quem estão a falar!!

É que não sabem mesmo. Vêm aqui ao blog, querem ler coisas sobre crianças e bebés e respectivas mães, mas não fazem a mínima ideia com quem estão a falar!!

Sabem quem eu sou? Sabem o meu passado? Não sabem! Vocês nem imaginam o que tenho sofrido nos últimos 30 anos cheia de nervos a tentar estacionar. A tentar estacionar de lado. A estacionar com gente atrás à espera. E... pior: a estacionar de rabo!

Ai vocês que nasceram com o rabo virado para o lugar, sem terem que fazer 20 mil matemáticas, não sabem do que estou a falar. 

Sinto que as pessoas que estão à espera de me ver estacionar que estão a ver os Malucos do Riso, que estão a enviar videos por Whatsapp a dizer "olha-me esta avantesma", que estão a fazer stories e a tagar-me no instagram, que...  e, no meio de toda essa pressão imaginária, ter que estacionar!

Foi difícil. Foram muitos anos a tentar estacionar e, muitas vezes, a não conseguir. Depois de 10 minutos de tentativas, às vezes tinha que levantar a mãozinha fazer um "obrigada" quando, na verdade, só pensava "pá... não publique isto, por favor" enquanto me dirigia de fininho para o lado oposto do estacionamento, esperando que ninguém reparasse no meu carro azul bebé. 

Anos, anos a andar de carro com as minhas amigas e a levar chapadinhas na cara com a facilidade com que todas estacionavam de rabo e, pior, tinham a capacidade e fé de procurar lugares mesmo em frente à porta do centro comercial. 

Sabem com quem estão a falar agora, pessoas? Sabem?


COM A CAMPEÃ DE ESTACIONAR DE RABO. 

Ah!! Quem é que dá grande abadinha a esses preconceitos todos de que as mulheres não sei quê? Quem é que agora, estaciona de rabo como gente crescida? Quem é que, mesmo numa fila de 43543 carros todos raivosos, estaciona com a sua calma e à primeira? 

Sou eu. 

Por isso, muito respeitinho. 

Sou a campeã de estacionar de rabo. 

Vou só escrever "maternidade" para não desapontar aqui as leitoras relativamente à pertinêcnia do tema. 

Obrigada. 

Uma fotografia aqui à boss quando eu sabia onde estava este chapéu. 



quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Como é que nunca me lembrei disto antes?

A Irene, tal como a maior parte dos vossos filhos (espero), fica encantadíssima com aqueles brinquedos de cocó do supermercado: as bonecas em forma de animais, os doces miniatura, os gelados com peluche surpresa. Sinto que hoje em dia muitos dos brinquedos que há para os miúdos são as surpresas dos Kinder dos anos 90 mas em vários formatos. Haja paciência que tenho a casa cheia de miniaturas e nem sequer são Polly Pockets. Nem sei como arrumar aquilo (a não ser no lixo porque "ohh devem ter ido no aspirador, Necas..."). 

Antes de irmos dormir, em vez de ouvir uma história, ela tem preferido brincar com as bonecas-animal, mas reparei que isso era um bocadinho redutor a nível de géneros e de enredo. Era sempre a história de serem amigas ou deixarem de ser com o clássico "já não vais à minha festa!". 

No outro dia, pensei: falta-me uma família. Credo, não era assim que queria que soasse. Falta-lhe uma família no sentido em que ela não tem brinquedos em que possa brincar à mãe, pai, irmão (se quiser) e amigos do pai e da mãe. Então... comprei!

No que é que isto é útil? Além dela poder brincar assuntos que tenha na cabeça (as crianças também brincam para processarem situações, para interiorizarem e resolverem questões que tenham) também me dá a opção de poder ver o que anda ali a ser cozinhado e intervir. 

Isto é: imaginem que o pai (boneco) começa a dizer à mãe (boneca) para ela ir para a cozinha, que é aí o lugar dela... 

Espero que não aconteça. Seria péssimo sinal. Porém, na brincadeira, teria oportunidade de lhe mostrar o melhor cenário, de por as personagens a responder o "ideal" e de ter mais uma maneira para conversar com ela e na linguagem dela...

Eu gosto que ela tenha bons brinquedos, em vez de muitos. Tem muitos na mesma, é um facto, evito ao máximo comprar-lhe essas porcarias sem interesse nenhum e que acabam sempre no fundo da mala ou de um cesto qualquer no quarto, mas vêm parar cá a casa na mesma - não dá para controlar tudo e todos, não é? 

Gostei desta família que vi na Imaginarium e foi o que comprei. Fica a dica, caso tenham interesse em ver os vossos filhos a brincarem as famílias e ter uma maneira de lhe explicar mais coisas... eheheheheheheheeheh. 



Gosto que não tenham maquilhagem e olhos esquisitos... :) Pena serem de plástico, mas achei-os muito, muito queridos.