segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Vou deixá-la ir (ou a importância de ter primos)

Quem diz primos, diz filhos de amigos, diz vizinhos. É tão bom vê-los brincar, zangarem-se, fazerem espectáculos, brigarem, abraçarem-se, alinharem nos mesmos disparates, comerem gelados até ficarem com bigodes, nadarem juntos, aventurarem-se... 

Brinquei muito com os meus primos, briguei muito com eles também. Única rapariga na família, nem sempre adorava juntar-me aos Wrestlings e às brincadeiras parvas que eles inventavam, mas às vezes lá tinha de ser. Compensava depois com as amigas da escola, da ginástica, das danças de salão... com as vizinhas do rés-do-chão, com os amigos do bairro. 

Fico sempre com um braço amputado quando a Isabel vai com as primas para casa dos sogros um ou dois dias, mas tenho plena consciência de que lhe faz bem e, mais importante, ela gosta. Foi a terceira vez que isso aconteceu e o feedback é sempre óptimo. Adoro vê-la nas fotografias ao colo do avô, a brincar com a Alice, a tomarem banhos de espuma e a fazerem barbas. Gosto que cresça a saber que a família não são só os pais e que pode confiar também nos avós, nos tios, e que construa esta cumplicidade com os primos pela vida fora... Sinto sempre que me falta algo, quando ela não está, mas acho também que estas experiências lhe acrescentam algo. Por isso, vou deixá-la ir...










Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

Qual a coisa, qual é ela...


Qual das três foi mãe há poucos meses? Qual das três ainda não é mãe? Qual das três tem um puto com 4 anos?
(Joana e Vanessa, estão lindonas vocês!)

Podia ter ao menos posto uma base na cara para disfarçar um bocado aquele arzinho-insonso-e-branquela e ter posto um rímel naqueles olhos-cachucho-cansados... e o que é aquele cabelinho que já está claramente a cair à bruta, deixando as entradas dar um ar de sua graça? Bem, bem. Pormenores, um dia destes já ando aí com um ar fresco que nem uma alface! Lá para 2023! Mais alguém? :)


Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

Afinal não quero falar convosco!

Super agressiva? Pareço uma pré-adolescente quando se apercebe que as portas dão para fechar com força, não é? Não era essa a minha intenção. Sempre que vos vejo e vêem falar comigo, fico eufórica por sentir que os números que vemos nos posts são reais. Que há pessoas por trás dos números. Que aqueles comentários vêm de seres que respiram, que amam que, tal como nós, têm crescido todos os dias por causa do amor - o que é que se passa comigo hoje?

Só que... há um problema... 

Não sei o que se passa comigo, mas não estava à espera desta minha reacção: eu que já fiz stand-up, eu que sempre fui a primeira a levantar o braço para tirar dúvidas aos professores, eu que adoro e fiz um bocadinho de teatro, que sou sempre aquela que, nos jantares grandes, alegro (ou chateio) toda a gente)... Afinal, procuro é um buraco para me enfiar!


Quando ontem conheci a Matilde e a Madalena e a Leonor e a Lúcia (o que se passa também com os vossos nomes? ;)) no sábado, tentei perceber o que sentia e fico muito tímida. Gosto imenso de vos conhecer, mas é como se estivéssemos num encontro combinado por amigos mas que já vos tivessem contado tudo de mim e eu na perfeita ignorância.

Fico toda contentinha, é um facto. Porém, sempre que nos afastamos fico a achar que pareci uma totó por não ter conseguido dizer nada de jeito. Tenho receio de parecer antipática (porque não sou) e - que parvoíce - de ter destruído uma imagem qualquer que vocês tenham criado (até parece que vocês lêem uma história erótica por aqui e que depois conhecem o rapaz sem jeito nenhum na vida real). 

Estou mesmo surpreendida com esta reacção. Sei que sempre fui uma falsa extrovertida, que é tudo uma espécie de alter-ego, mas sempre consegui representar bem para os mais desatentos. Agora não consigo. Com vocês não... 

Porque... (palmas e lágrimas) tudo o que vos escrevo aqui, vem mesmo da minha cabeça, vem mesmo do meu coração. Estou mesmo despida perante vocês, uma multidão que não conheço, mas que estimo e muito. Conto-vos o mau, o estúpido e o bom e o genial (ahah).

Quando me vêem, vêem-me mesmo. 

Claro que não quero não falar convosco, mas não fiquem a pensar que sou uma totó, está bem? ;) Fico mesmo envergonhada... 

Obrigada Leonor e Lúcia, Matilde e Madalena. 

"Desculpem" lá qualquer coisinha.
Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)

domingo, 28 de agosto de 2016

Um pôr do sol faz maravilhas.

Estamos os três doentes. Ainda não percebo muito de doenças. A minha mãe sempre foi a pessoa que - sem ser completamente à balda - nos ia sugerindo coisas para tomarmos quando tínhamos tosse ou ranho ou espirros ou febre ou dor de barriga. Acho que não entendo o "básico" da saúde. Achei que estava constipada e achei que a constipação não fosse algo que se pegasse - não deve ser constipação. Ou, se calhar, é. Sei lá! 

Num dia em que contava não sair de casa, até por estarmos mais molinhas por causa da doença, não podia dizer que não a ir ter com a minha Eugénia e sua família. Lá fomos. Ao parque da Serafina que a menina, por não ser "de cá", não conhecia. 

Que maravilha de pôr do sol. Parece que teve o efeito de 40 dias de férias em mim. Ver os nossos filhos a brincarem, comer melão cortadinho aos pedacinhos e conseguir conversar uns 5 minutos nas duas horas que estivemos juntas fez-me melhor que 32 Cêgripes. 

Agora é o Frederico que está doente. Acho que isto tem mesmo de ser uma virose - mas uma virose dá febre? 

Sei que não há nada como irmos passear um bocadinho. Sei que o sol faz-nos mesmo falta (imprescindível para regular os nossos ritmos de sono e muitas outras coisas) e sei que vamos sentir muita falta disto no Inverno. 

Melhor do que o sol? Só estar com a Eugénia! ;) 












Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)

Técnicas para conseguir alta depois do parto

Tinha ouvido um zunzum de que poderia ser no dia seguinte, se tudo continuasse bem. Apesar de todo o carinho que recebia ali, não deixava de ser um hospital, com comida de hospital (acho que perdi o peso todo da gravidez logo à conta daquelas iguarias), com companheira de quarto com horários diferentes, choros de outros bebés, pessoas desconhecidas no meu quarto. Sem televisão, sem um sofá confortável, sem a minha cama larga e grande, os meus lençóis, os meus cheiros. Mas essencialmente sem a minha filha mais velha. Que saudades gigantes! Queria voltar à minha casa, mesmo correndo o risco de ter mais dores, de ter uma pirralha a saltar em cima de mim e a pedir-me colo sem eu poder dar, de ter menos acompanhamento, de temer a subida do leite. Apesar de tudo o que tinha acontecido, do maior susto das nossas vidas, de que falei aqui, eu queria voltar à normalidade. Apesar dos meus olhos ainda inchados de tanto chorar na primeira noite, o resto do meu corpo queria reagir, queria pôr-se de pé. A miúda já tinha tido alta um dia antes, só faltava eu. Então o que fiz?

- maquilhei-me: um pó, um bocadinho de blush para me dar uma corzinha, rímel e um batom claro nos lábios - cuidado para não parecerem transformistas no Finalmente

- pus o melhor sorriso possível na cara - não exagerem no sorriso amarelo, senão ficam a parecer a Betty Grafstein (a senhora do Castelo Branco)

- falei com alegria na voz - mas também não queiram ser Anas Malhoas, alegria q.b., acabaram de deixar passar um pequeno elefante pelo pipi ou foram escurtanhadas como se fossem bife do lombo

- disse à médica que tinha ouvido "por aí" que poderia ser nesse dia, com uns olhinhos de Bambi, e que adoraria ir para casa, "se fosse possível, claro" - mostrem que estão preparadas, que querem muito, mas que a autoridade na matéria é sempre a médica, porque qualquer pessoa com dois dedinhos de testa (até tenho uns doze, como se pode ver) e com alguma sanidade mental percebe que o mais importante é ir para casa em segurança.

Fotografia que enviei à Joana Gama antes de ter a visita da médica no quarto ;)

Antes de sairmos do hospital

Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

sábado, 27 de agosto de 2016

Viemos jantar fora!



Hoje a Isabel foi dormir a casa dos avós com as primas Alice e Laura, que faz seis anos, e viemos jantar fora com a Luisinha. A Vanessa, amiga com quem dividi quarto na altura em que vivemos em Londres (daquelas amigas de sempre para sempre) faz anos e viemos celebrar. Tenho estado muito em casa e acho que me vai fazer bem estar com pessoas, conversar, beber um copo (de água lol). Estou muito confiante que a bebé se vai portar muito bem, não estou? :) seja como for, já me soube bem vestir um vestido bonito e ter saído da rotina! 


Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Um dia, vai melhorar.

Hoje foi uma noite daquelas. Em que damos valor a ter um companheiraço com quem dividir o cansaço. Em que achamos que não vamos dar conta sozinhas. Em que pomos em causa tudo: "foi muito cedo? foi uma decisão precipitada? estou a fazer alguma coisa mal?".

Sempre que tenho de ficar só com as duas, sinto-me desamparada. Questiono-me como conseguem as heroínas que para aí andam a viver isto da maternidade sozinhas. Ontem foi uma noite-não. Adormeci a Isabel com a Luísa a chorar. A Luísa adormeceu mais tarde do que o normal, eram 23h30 e ainda estava acordada. À uma e tal da manhã, a Isabel acorda a chorar e a chamar por mim. Às três e meia, estava eu no quarto da Isabel, começo a ouvir a Luísa a choramingar. A Luísa que nunca acorda. Vou até ao nosso quarto e dou-lhe mama, adormece passado um bocado. Às cinco, Isabel com um pesadelo enorme: "menina come tudo, come tudo, come tudo!". Vou, meia perdida e desesperada, até lá. Não a consigo ajudar logo, está entre o sonho e não deixa que a ajude, nem me ouve. Demora a voltar a dormir. Ouço no meu quarto a Luísa a queixar-se. E agora? Se me levanto já, a Isabel fica num pranto ainda maior. Deixei-me ficar, a Luísa parou: "deve ter adormecido", pensei. Dei colo à Isabel, como me pediu, digo-lhe "agora cama e dormir, a mãe está cansada." Pede-me leite, dou-lhe leite. Aninha-se a mim, suspira. Adormecemos. Acorda às 7h - costuma ser às 8h - e eu senti que não tinha dormido nada. Às vezes consigo acordar bem disposta, assim mesmo. Hoje não. Até agora. Não consegui superar ainda esta noite. E eu que até andava calma e optimista. Acho que o meu corpo tinha andado a accionar uns analgésicos interiores, andava meio apática até, para não me enervar. Mas hoje sinto o coração a bater mais forte e mais acelerado. Estou ansiosa e triste. Passa. Acaba sempre por passar. É o cansaço a falar. Vou deitar-me com a Luísa e entregar-me ao sono, agarrar-me à ideia de que vai melhorar. Um dia, vai melhorar. E este sorriso vai voltar. Vou fazer por que esse dia seja já hoje.




Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Adoptei.

Tenho cá dois gatos que foram salvos e agora decidi incorporar mais um membro na família. Este foi só salvo de ir para a casa de alguém que não lhe desse o devido valor. E não queremos isso, pois não? Andamos nós a namorar aquele item naquela loja em particular há imenso tempo para depois ir para a casa de uma sonsita qualquer que nem se lembrará dele? Pff...

Querem viajar comigo para um mundo ideal? - vá, eu sei que muitas de vocês começaram a cantar interiormente a música do Aladin

Imaginem que, enquanto saem para ir a algum lado, alguém vos aspirava a casa? Ou, imaginem que estão a ver um filme na sala, acham que a cozinha está uma nojeira e podem, tranquilamente ficar com a cozinha aspirada sem fazerem nada que implique sequer meia respiração? 

É um facto que, assim, perdemos o prazer de aspirar a casa. Ai, que maravilha que é! Eu, por mim, era esse o meu sonho: ter um filho, plantar uma árvore, escrever um livro e nunca parar de aspirar. Só que não. 

Tive a oportunidade ("lá vem ela com publicidade, pronto" - não sejam chatas que ninguém me pediu para escrever nada sobre isto, estou mesmo entusiasmada) de experimentar o bicho Romba 651... sinto que a minha vida só começou agora. Não me perguntem se prefiro a Irene ao bicho porque hoje estou claramente inclinada para o bicho - a não ser que a miúda comece a aspirar melhor. 



Achava que estes robots (e na volta os outros são assim) por serem redondos que não limpavam os cantos, que passavam a vida a chocar contra coisas como os gatos quando correm atrás de moscas imaginárias, que tinham tão pouca bateria que morreriam a meio de aspirar um tapete, etc.  Ainda no outro dia o meu sogro disse que devíamos comprar uma "coisa destas" e eu mandei-o passear - educadamente que o senhor mede quase dois metros e não quero cá problemas (mas só por causa disso). 

Afinal, este robot (não conheço os outros) é fantástico. É uma qualidade de vida da qual não estava à espera. Sabem aquela sensação de lençóis lavados na cama? É isso, mas sem ter que pagar a uma empregada. Um dos meus sonhos era ter empregada diariamente (que maravilha que seria), mas como não há dinheiro para isso, chegar a casa e ter a casa aspirada parece-me perfeito! Dá para agendar quando quero que ele comece a aspirar, em que dias da semana e volta para o sítio onde se recarrega sozinho! 

Daí eu estar a escrever-vos sobre isto. Às vezes poupamos dinheiro para coisas que nos darão menos qualidade de vida que esta maravilha. Considerem, até porque, com crianças (e dois gatos - no meu caso), chão limpinho é... no mínimo, o desejável. O problema? Não conseguimos fazer tudo. E no meio do nosso "tudo", não é o chão que é o mais importante. É ver e comentar o que o nosso filho desenhou em vez de gritar "boa!" enquanto arrumamos a loiça na máquina. 

Sinto que ganhei tempo. 

É só uma dica. 

Outra? Se usarem acetona na sola dos ténis, elas ficam mais brancas. Li num site brasileiro qualquer e vou ali experimentar e já volto. 

A Irene vai pela primeira vez à creche na quinta-feira.

Tenho perfeita consciência de que estou numa situação muito mais fácil que a maior parte de vocês. Penso sempre no exemplo da Joana Paixão Brás que foi obrigada a ir trabalhar ainda tinha a Isabelinha 3 meses - que desumano, que falta de direitos incrível! A Joana falará sobre isso, mas acho que ela pairou por essa dificuldade sem se afundar, entrou em modo de sobrevivência, porque "tinha que ser". 

A minha história é muito diferente. Aliás, foi uma das coisas que também me fez sentir confortável em ter "já" a Irene: o pai é freelancer e poderia ficar com ela até ela ter uma idade em que ficássemos ambos mais confortáveis que ela fosse para a creche. Acabei por tirar um ano sem vencimento da rádio e fiquei um ano e meio com ela em casa. O pai ficou, faz esta quarta-feira, praticamente um ano. com ela desde as 9 da manhã até à hora do lanche. 

Ela vai aos dois anos e meio para a creche. Poderia ir mais tarde, mas a verdade é que noto que a Irene vai beneficiar e muito de ter alguém constantemente interessada na sua aprendizagem e desenvolvimento, além de já notar nela uma vontade de socialização e de consciência do outro. Não apenas numa de "olha um bebé, mãe", mas está a aprender regras e limites, a aprender a lidar com as pessoas, com o mundo. 

Estou muito feliz. Sei que os meus problemas são "não problemas" porque, mais uma vez, tenho consciência do quanto tantas vocês têm de largar filhos em berçários e de ir trabalhar a seguir. Para umas é libertador e pacífico, para outras é de uma agressividade extrema, como se lhes estivessem a dar pontapés no coração. Lamento que tenhamos que passar por isto. Lamento que não haja mais empresas que tenham condições para podermos levar as nossas crianças para o trabalho e para podermos continuar a fazer parte do dia delas como quando estamos em casa ou parecido. Lamento, lamento, lamento. 

Prometo que se um dia for dona de alguma coisa ou patroa de alguém que tentarei facilitar tudo no que puder até porque sei que uma mulher e mãe equilibrada é melhor do que alguém desfeito em frente a um computador (ou o que for). 



Sinto-me em paz com a ida para a creche. Estou feliz por ela estar afastada do iPad. Agora, enquanto estiver no trabalho, sei que está a sentir-se incluída num grupo que terá os mesmos gostos e que andará a fazer experiências novas todos os dias com os novos amigos e com a professora. Creio que a culpa de ter que a passear sempre que chegava a casa do trabalho vai acabar. Ela vai ter dias variados e repletos de novidades. É isto que quero para ela. Menos um peso para mim, mais felicidade para ela. 

O pai diz que ela não vai chorar quando formos embora. Eu acho que é provável que sim mas que, mesmo que chore, sabe que voltamos. É a sorte dela já ir "crescida" e a falar. Já lhe expliquei que a vamos deixar na escola e que depois "vamos trabalhar" e que depois da sesta a iríamos buscar. Ela parece entusiasmada. Também já lhe expliquei que será outra pessoa a mudar-lhe a fralda, que irá um dia experimentar a sanita como os amigos, que vai comer sozinha... Ela parece-me feliz com a ideia!

Que privilégio poder explicar-lhe que eu depois volto. Lembro-me do meu regresso ao trabalho ao final do tal ano e meio em que me ia embora e ela chorava muito. Porém, parava minutos depois, envia-me o Frederico numa mensagem. Choram porque não querem que nos ausentemos, mas não porque não querem ficar no sítio onde estão.

Sonho com o dia em que a Irene chore porque não quer sair da escola. É isso que pretendo. É esse o meu objectivo. 

Uma curiosidade engraçada? Uma leitora do blogue tem-me ajudado muito a tirar monstros da cabeça. Quando fui à reunião com a educadora, ela estava a ir buscar a filha e reconheceu-me. Já tenho uma bff na creche que muito irei estimar e que, além disso, tem uma filha muuuito querida e que irá fazer as delícias da Irene. 

A Irene já me pode contar tudo o que fizer na creche. Acho que isso também contribui para que eu ande a conseguir dormir, apesar de já ter tido um pesadelo ou outro em que obviamente é o meu cérebro a processar esta "separação". 

Para vocês, mães, que estão tão assustadas que nem conseguem ver uma maneira das coisas correrem bem... Não consigo dizer-vos nada que vos ajude. Só que imensas já passaram por isso e ainda cá estão e que estão bem agora. Adorava poder abraçar-vos uma a uma porque... as mães também precisam de colo...

Força!

Já faz umas micro-sestas!

Confesso, andava céptica. Tudo o que fosse deixá-la deitada na cama nas sestas não iria resultar. No primeiro mês funcionou, no segundo nunca. Até parecia já estar no sono mais profundo, mas assim que a afastava do meu corpo "a cama tinha picos", como se costuma dizer. Agora, de vez em quando, já consigo que durma umas sestas pequeninas sem ser no colinho. Até aconteceu uma coisa inesperada: adormeceu sozinha, no sofá. Estava tão fora de mim que resolvi tirar uma fotografia com o telemóvel para enviar ao David. Resultado: acordou com o click (única vez em meses que tinha posto o telemóvel com som rrrrrr). 

Descrente como andava, tinha a minha To be touch ainda na caixa, feita parva (não a almofada, entenda-se), e só hoje lhe dei uso. Consegui almoçar em paz, assim que a Luisinha ferrou, lá fui eu alambazar-me (sou só eu que como em modo turbo, cheia de medo que a miúda acorde?). Amanhã repito a dose!


Já viram bem a coxa do bicho? <3 Meu leitãozinho.
E sim, as bordas da fralda estão para dentro, não admira que haja depois festivais de cocó...


 Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Sim, visto calções!

Provavelmente vai parecer a coisa mais estúpida que já ouviram, mas quem teve complexos em miúda (ou ainda tem), vai perceber. Já odiei os meus joelhos. As minhas pernas, no geral, mas principalmente os joelhos. Não deixei de me importar totalmente, não deixei de ver, mas passei a assumir como parte de mim e a deixar de me importar com o que os outros possam pensar.

Quando tinha uns 14 anos e a minha mãe me ofereceu uns calções da Agatha Ruiz de la Prada, todos coloridos, tive um ataque de nervos. No meio da parvoíce da idade do armário e dos complexos, senti aquilo como um afronta. Chorei, berrei e - agora dá-me para rir, claro - chamei à minha mãe "assassina" (a lógica devia ser "queres que me mate?"). Descontroladíssima, claro, estão a ver o nível de falta de amor próprio que para ali ia. Foi uma vitória começar a vestir calções curtos, saias, vestidos que deixassem ver os joelhos e a coxa. Uma vitória ainda maior seria deixar mesmo de me importar com, mas duvido que consiga. Até lá, vou gozando o facto de não ter vergonha, de não querer saber, de me sentir confortável com roupas curtas no verão. Who cares? "Dar importância ou que a tem, Joana", converso muitas vezes comigo, para me convencer. E foi com umas jardineiras muita' giras que fomos até ao Jardim da Liberdade, em Santarém, para a Isabel se divertir. O resto... o resto são só uns joelhos.





A Isabel quis imitar uma miúda que lá andava e descalçar-se e eu deixei. Foi libertador!





Luísa com a sua mais recente paixão: as mãos. Só falta aprender a chuchar nelas.

Jardineiras - Pura

Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ficámos fechadas em casa.

E foi maravilhoso. Além de estar doente (constipação, nada de grave, mas já debilita qb), ando a por em prática o que vos contei neste post. E aqui estão as coisas que fizemos ontem à tarde: 

As canetas para vidro da Tiger que já vos tinha falado noutro post.

Experimentei fazer os clássicos carimbos de batata (difícil, pá). 

E juntá-los às aguarelas da Irene.

Nota-se que são da Irene. Se fossem minhas estavam limpíssimas, imaculadas - até porque nunca as teria usado. 

Tenho uma mini-mulher em casa...

Ouviste bem: MINI-MULHER!

Toda babada de tanto tentar! Adoro a persistência deles - é mesmo de quem não tem nada para fazer.

O Noddy e a Bubbles.

A Irene a aperceber-se de que para encher um balão tem de ter mais de 5 anos e menos de 60.

Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)


Amamento há dois anos e meio.

Nunca pensei vir a dizer isto não só porque até efectivamente ter decidido engravidar, tal questão nunca me tinha passado pela cabeça. Infelizmente, talvez, porque não se vê muitas mulheres a amamentar em público e, por isso, ver bebés a ser alimentados de forma natural é raro. A verdade é que também, antes de ser mãe, não frequentava sítios para "crianças", daí também não costumar ver bebés e crianças. 

A amamentação só se tornou num assunto para mim quando comecei a ler sobre o parto. Li que era imperativo por o bebé a mamar na primeira hora depois do parto, senão o corpo não reconheceria (ou seria mais difícil) a ligação e tornaria tudo mais complicado. 



Vi que estava ali, naquele livro, um direito meu e da minha filha e que, pelos vistos, não seria respeitado em todos os hospitais ou circunstâncias. Comecei a interessar-me pelo assunto. Era importante. Ainda mais importante para mim que tinha decidido deixar de fumar assim que engravidei e que tinha tentado começar a fazer exercício e, portanto, a amamentação era só a continuação da minha preocupação em fazer tudo o mais saudável possível dentro daquilo que conseguisse controlar - claro que me fartava de falhar e houve muitos Lipton Ice Teas de Pêssego, Sumóis (ahah) de Ananás e gomas como lanche. 

Comecei a querer amamentar. Sabia que para que me sentisse bem no início desta aventura da maternidade, eu teria que amamentar, senti que era a minha parte. A verdade é que os primeiros meses foram um horror (como podem ler aqui). Não há maneira de suavizar a questão, foram um horror. Principalmente por causa da pressão que impus a mim mesma. E, depois, porque quanto mais informada estava, mais longínquas estavam as soluções que tanta gente fala da boca para fora sem saberem o quão enganadas estão, por muito bem intencionadas que sejam (muitas são, obrigada) - muita atenção a estas pessoas, apesar de que, se nos informarmos convenientemente, estamos a proteger-nos melhor dos danos que nos possam causar. Há imensos sítios onde nos podemos informar, nomeadamente aqui

Foi uma viagem muito turbulenta (mas que não precisa de ser, conheço uma boa dezena de mães que amamentar foi algo pacífico) mas que ainda não terminou. Terminou, sim, a parte de ser turbulenta. Agora é só bom. 

Ao longo de dois anos e meio de amamentação muitas foram as fases pelas quais tivemos de passar (a Irene, eu e o meu marido). Principalmente ficando um ano e meio em casa - algo que me ajudou IMENSO a que continuasse com a amamentação depois dos altamente recomendados 6 meses em exclusivo - estava 24 horas por dia disponível para a amamentar. Pelo menos fisicamente. De cabeça? Nem sempre me apetecia. Houve vezes em que me senti contrariada e zangada e demasiado cansada para conseguir ser minimamente racional. Houve dias em que a Irene me pedia para mamar mais do que 30 vezes numa hora. Nesses dias tinha sede, falta de miminho, o que fosse. Pedia porque queria. E, na minha cabeça, lá teria as suas razões. Aos poucos ia-lhe dizendo para esperar. Lá por volta do primeiro aniversário (já falando ela bem e tendo alguma capacidade de compreensão, portanto), ia-lhe mostrando que a mãe também faz as coisas dela e que a maminha iria surgir, depois de acabar de fazer o que eu estava a fazer. Aos poucos foi aprendendo a esperar. Havia alturas em que tinha de esperar, outras que não. 

Pelo meio, sugeriram-me milhares de vezes para que fizesse o desmame nocturno. Dormíamos muito muito mal. A Irene acordava de meia em meia hora ou, em dias bons, de hora e meia em hora e meia. Houve um dia que dei ouvidos e que, quando ela acordou, não lhe dei mama para ela readormeceu. Chorou muito ofendida. A minha tentativa durou 1 minuto (infernal). O cansaço leva-nos ao extremo. Houve muitos dias em que sonhei com um desmame. Em que dava ouvidos às pessoas mal informadas e que magicava maneiras de não ter as mamas mais disponíveis para ela. 

No Verão ficávamos (e ficamos) as duas transpiradissimas por estarmos tão juntas. Era ainda mais desagradável tentar adormecê-la, sendo que ambas ficavamos rabujentas por causa do calor... 

Só que. 

Só que depois, havia todos os outros momentos. Havia e há. Os outros momentos em que, quando chego a casa, sou recebida por uma miúda de fralda, com um coelhinho na mão e que grita ao mesmo tempo que ri: "quero maminha mãe, quero maminha!!!". 

E a maminha dela é enfiar-se no meu colo, com as pernas em cima dos meus braços, a fazer festas a ela própria com o coelho no nariz e em mim, na minha mama. É a barriga dela, de bebé, ele umbigo que, em tempos, tanto nos uniu, estar junto ao meu. É sincronizarmos as respirações de maneira a que quando ela insipire, eu esteja a expirar e façamos uma dança de barrigas. Isto enquanto ela bebe o leitinho da mamã que "sabe a mel" e que, depois de não querer mamar mais de uma maminha, depois pede "outra maminha, se faz favor, mãe". 

Gosto de a ter no meu colo sossegada. Gosto de lhe sentir os pezinhos nos meus braços e de os poder cheirar e por na minha boca, para os beijar. Gosto de a agarrar pela fralda e de lhe poder fazer cafuné enquanto "ela bebe o leitinho da maminha da mãe". A brincar, já lhe ofereci a maminha do pai "mas tem pêlo", a da Bubbles - nossa gata - "mas tem pêlo" e, por isso, lá vai havendo a maminha da mãe. 

A maminha da mãe que, depois de dois anos e meio de pois, significa miminho, colo e imensas defesas. Continua a desempenhar um papel muito importante na saúde dela, além de que também desempenha na minha. Sabiam que, enquanto damos de mamar, é produzida a hormona da felicidade? 

A Irene continua a mamar - não houve desmame algum - durante a noite. Já não acorda milhares de vezes. Acorda uma, quando muito e não houve qualquer desmame nocturno. Há imensas maneiras de conseguirmos descansar um pouco melhor durante a noite se tivermos um bebé amamentado. Falem, por favor, com especialista que tenham formação em amamentação. Uma dica que aconselho é ou dormirmos com eles ou termos uma cama grande para eles no chão para podermos adormecer com eles se estivermos cansadas, sim, mesmo que fiquemos com uma mama de fora. 

Os primeiros seis meses foram difíceis, os seguintes foram menos e agora não custa nada. Antes pelo contrário. Mama umas quatro vezes por dia, mamadas muito curtas (pelo menos para mim que não me importaria que ela ficasse mais tempo) e, aos poucos, está a voar. Ao ritmo dela. A um ritmo que também me permite a mim fazer o meu desmame. 

Já confessei e volto a confessar que toda a minha determinação (e loucura  - e não estou a brincar) em amamentar apesar de todos os obstáculos pelos quais tivemos que passar teve mais que ver comigo do que com a Irene. Não queria sentir que falhei porque, para mim, isto era importante. 

Não temos todas de dar a mesma importância às coisas. Temos sim de tomar decisões conscientes para que depois não fiquemos para sempre com um buraco no coração. É tentarmos o que conseguirmos, enquanto conseguirmos, munidas de boa informação. Se, depois, não der? Não deu. Há outras missões a ter em conta. Ser mãe não é só dar maminha. 

Eu gosto muito de amamentar. Amamento há dois anos e meio. Não sou melhor nem pior que ninguém, mas estou muito feliz por ter conseguido e por conseguir. 

Força a todas!

E, por favor, lembrem-se: metade do caminho para se levar a amamentação avante é estarmos bem informadas. Temos muito sobre amamentação neste blog, podem ler os posts todos aqui, andando para baixo. 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Arrependi-me.

Ui. Se me arrependi.

A ideia foi do pai. O pai viu aquilo no youtube com ela e achou que seria giro comprar, pediu-me para mandar vir da Amazon e assim fiz. 

O que é aquilo? Chama-se Gellibaff e é uma nheca para o banho. Uma espécie de pega monstros derretido (lembra-se dos que vinham nas batatas?) para as crianças se divertirem no banho, para estarem mais tempinhos caladas e a fazer das dela. 

Achei tão querido ele querer e gostar... e ela também adorou!


Um vídeo publicado por Joana Gama (@joanagama) a


O final é que não foi lá muito feliz... 

Um vídeo publicado por Joana Gama (@joanagama) a

Recomendo mais ou menos.

MAIS IMPORTANTE DE TUDO: Estou bem lixadinha com a miúda, não estou? Viram a cara dela?

Sigam-me no instagram @JoanaGama
                                            e o @aMaeequesabe também ;)

domingo, 21 de agosto de 2016

Dorme a noite toda!

A Luísa dorme a noite toda, praticamente desde que veio para casa. Sim, é bom. Sim, é meio caminho andado para eu não ficar completamente xexé da cabeça. Da Isabel nunca foi assim, apesar de ter chegado a fazer 7 horas num dia (muito) bom. Só ao fim de um ano e tal é que soubemos o que era isso de dormir uma noite seguida, mas ainda assim nunca aconteceu muitas vezes.

A Luísa dorme e a Isabel acorda. Uma, duas, três vezes. Mais. Com o calor, com pesadelos, com tosse, porque sim, porque precisa de mim. Às vezes custa, outras vezes não custa. A Luísa compensa. Quando (ou "se") deixar de compensar, lá terei de me adaptar a essa realidade e andar cá e lá, a fazer piscinas. Se acontecer penso numa solução, não vale a pena sofrer por antecipação. A Isabel não quer vir dormir connosco, na nossa cama, gosta de ter o seu espaço. Eu vou lá. Às vezes aceita que seja o pai. Às vezes pede leitinho. Às vezes adormece antes de eu lá chegar com o dito. Às vezes fico a dormir com ela. Às vezes dorme a noite toda e eu rejuvenesço mil anos.

A Luísa... a Luísa mama muito durante o dia, mas durante a noite dorme. Adormece às 22h-22h30 para o sono grande, às vezes volto a dar-lhe mama por volta das 7h, se a acho mais irrequieta, e depois volta a dormir mais duas ou três horas. Já chega a fazer 12 horas. Já me disseram: "mas isso é porque o teu leite é bom". Sim, o meu leite é bom. É uma verdade. Mas o leite das outras mães também é. Todos os leites são bons (são raras as excepções). Ou todos (quase todos) podem ser bons, se fizerem uma coisa chamada livre demanda, sem horários e sem restrições. Se a pega estiver bem feita, se procurarem apoio de pessoas especializadas, se confiarem em vocês. Quanto mais o bebé mamar, mais leite é produzido. Agora... se é (só) por isso que a Luísa dorme? Não é. É dela. Quantos bebés são amamentados em livre-demanda e não dormem a noite toda? Quantos bebés bebem leite de fórmula e não dormem a noite toda? Não tenho explicação para ela dormir bem, fico toda contente, mas sei que a qualquer momento pode deixar de dormir assim (lembro-me sempre do caso da Irene, da Joana Gama).

A minha questão é: como faço para ela dormir também bem as sestas? Eheh Estou a brincar! :) Ela dorme bem, tem é de ser ao colo ou em andamento. Ou de mama na boca. Se a deito, acorda. Juro que não me estou a queixar, tenho noção da sorte que me saiu na rifa! 



Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

Ela não é perfeita.

Pode parecer. Pode parecer que é tudo óptimo e que não há problemas com a Irene, mas há. Se não houvesse é seria problemático. É normal haver "problemas", é normal haver crescimento e de todos, não apenas das crianças. 

A Irene é magnífica, divertida, inteligente, comunicativa, energética, compreensiva, mas... 

  • Faz uma birra enorme quando sabe que me vou assoar - não gosta de barulhos altos - não que eu me assoe alto que sou uma mulher cheia de classe (ahah) - mas esteve com quem se assoasse assim quando era pequenina e ficou com medo. 
  • Quando está frustrada, bate-me. - E é só a mim. Claro que "toda" a gente me faz a cabeça que é por ser eu a mais compreensiva e "branda" e lá lá lá, mas sabem noutra coisa que este blog é espectacular? Tenho reparado que acontece mais frequentemente com as mães por, no fundo - ahah não queria dizer nada isto porque sei que me pode trazer problemas - ser connosco que se sentem mais à vontade para mostrar o lado primitivo, vá. Atenção que ela nunca levou uma única palmada na vida, é mesmo "animal".
  • Diz que quer uma coisa para comer e, quando a damos, pede outra - Ui, se há algo que nos enerve de manhã é isto. Depois de fazer o pão com creme vegetal (sim, sou dessas) a miúda sai-se com "quero iogurte". Claro que podíamos não perguntar nada, mas continuamos a fazê-lo.
  • Apesar dos milhares de avisos, continua a atirar coisas para o chão - ela sabe que não deve e muitas das vezes é por falta de jeito, mas continua a fazê-lo, apesar das conversas. 
  • Sempre que perguntamos alguma coisa ou sugerimos, mesmo que queira, ela diz "não" - é sempre o primeiro contacto porque, vá, também culpa nossa, achamos piada das primeiras 10 vezes. 
  • Dizer que não queremos que ela mexa nalguma coisa porque "é do pai" e ela pega nela e vai dar ao pai - para poder mexer na mesma. 
  • Agora anda a dizer que não quer dormir à hora da sesta, apesar de depois adormecer facilmente quando convencida.
  • Não gosta que o Frederico e eu nos abracemos muito - achamos ainda alguma graça a esta. 
  • Se estivermos a conversar um com o outro e isso perturbar a sua actividade (ouvir o ipad, é um exemplo), não quer que falemos um com o outro.

Ela não é perfeita e ainda bem. Ninguém é e ela é alguém. Uma pessoa ainda em pequenino, mas já uma pessoa. 


Parece o gato das botas do Shrek aqui. 
Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)

sábado, 20 de agosto de 2016

Fui à sede do Pinterest.

Em Setembro voltarão as aulas de música aos sábados de manhã. Até lá vou tentando aproveitar para arquitectar uns momentos a três sem perturbar as sestas da miúda. Já que é complicado irmos almoçar os três a horas que agradem a todos, pensei "e pequeno-almoço?". Estamos todos acordados ao mesmo tempo, os sítios não estão cheios de pessoas e, por isso, a Irene não aborrece ninguém se estiver numa explosão de energia e, aqui entre nós (adoro dizer isto quando sei que estou a falar para milhares de pessoas), o pequeno-almoço e o lanche são as minhas refeições preferidas do dia. 

Escolhi o sítio pela beleza. Nem imaginam a minha frustração quando, depois de ter chegado à Baixa e estando lá pela primeira vez com a Irene, reparei que a máquina estava quase sem bateria. Eu, cuja minha motivação para passear - já antes da Irene - era sempre quase 50% pela fotografia. 

Mesmo assim sacámos uma ou outra mais engraçada e convido tentarem fazer este tipo de planos: começa-se o dia de forma bem diferente e é quando ainda está fresquinho. 

Não precisam de ir ao Bastardo (que é bem giro) que custa 15 euros por pessoa por um pequeno almoço (para nós é o nosso dia de festa ocasionalmente, permitimo-nos ir um pouco "mais longe") mas, se formos bem a ver, por aquilo que o Frederico almoça e janta às 7h da manhã, eles é que acabam por ficar a perder. ;)


Tinham quadros muito engraçados deste género. Infelizmente as minhas outras fotografias ficaram péssimas. Vou roubar a ideia para a nossa casa nova (um dia a ver se acontece) e fazer qualquer coisa do género, com graça.

Não parece que entrei na sede do Pinterest? 

O cliché das cadeiras todas diferentes. Também gosto muito.

O pequeno almoço com tudo simétrico e cuidado. Ahhh que maravilhas que faz ao meu lado obsessivo compulsivo.

O modelito de hoje. 

Só comi este - estou a bater palmas a mim mesma. Só comi este depois de uma fatia de bolo de maça, um pão, um leite com chocolate...

Aqui o boss nuns dos raros momentos em que não tem um pedaço de chouriço abaixo do bigode.

A Irene a provar caipirinha.

O vocalista dos Nickelback, segundo o meu carinhoso marido. Eu acho que estou igual ao irmão mais velho do meu pai - o que é igualmente péssimo para a minha auto-estima.

A Irene sentada como uma lady, tal como a mãe se senta. 

A mãe a fingir que não sabe que está a ser fotografada, apesar de ter a máquina a menos de 10 centímetros da focinheira.



Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)