segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Já sei para que serve o bolso das cuecas!

Falar sobre cuecas na internet é sempre um bom tema. Espero que renda (inserir aqui trocadilho com cuecas de renda e ter dito renda). Por acaso, tanto me dá. Queria só partilhar convosco que é sempre maravilhoso constatar como é que as crianças vêem o mundo. E poderia estar a falar de coisas mais profundas como a essência e a energia das pessoas que as rodeiam, mas não, estou a falar do bolso das cuecas. 

Confesso que já me tinha debruçado a pensar nisto, nesse momento que vocês estão a imaginar, mas ainda não tinha chegado a nenhuma conclusão. Acho que na altura ainda não tinha um smartphone senão, em vez de estar a olhar para as cuecas... estaria a olhar para as milhares de contas de influencers que não sigo, muahah. 

Aliás, não vos contei, mas ontem cancelei o instagram durante um bocadinho (desinstalei mesmo o bicho para não ter tentações). Já tinha voltado a viver daquilo (não no sentido de fazer dinheiro infelizmente, mas no sentido de não largar um segundo) e eu sou das radicais (lembrei-me do Portugal Radical e do biper que o meu pai me deu que serviu para... hmm.. nada). Terei que voltar em breve por motivos profissionais mas, por agora, sinto que eu é que mando nisto. 


Bom, adiante, a Irene estava a fazer o seu número 1 quando me apercebi que aproveitou o "bolso das cuecas" para guardar alguns bonequinhos. 

- Então, Irene? Que raio? 
- Pus no bolso das cuecas. 

E é realmente um bolso. 

Entretanto fui pesquisar e é para proteger a mucosa (ahhh o quanto adoro esta palavra, acho que mucosa e rata são das minhas palavras despreferidas). Ai que ela escreveu "rata" no blog. Pronto, agora é que fui mesmo despromovida do mundo da maternidade. Já o não usar golinhas e tirar fotografias por baixo de sobreiros estava a pedi-las, quanto mais dizer rata, pelamordedeus. Já estou a ouvir o sons dos e-mails das marcas que quereriam colaborar com a Joana Paixão Brás (porque a mim chegam-me zero) a andarem para trás de fininho. 

Bom, andamos todas com a mucosa protegida - ai que bom - mas isso não explica o porquê de haver um bolso e não uma costura de ambos os lados. 

Pensei que daria jeito para pôr aí 5 euros para não ter aquela emergência de levantar dinheiro. Ou um tampão de emergência para caso nos apareça o período ou até mesmo alfazema. Um pouco de alfazema. 

Afinal é só para não fazer uma dupla-costura - o que seria deste mundo se se fizesse uma dupla costura nas cuecas das meninas (acho que técnicamente fica feio, mas ainda vou conseguir encontrar uma especialista para falarmos mais um pouco do assunto). 

Acho que o mundo visto por eles é mais divertido. Neste caso da Irene, um pouco menos confortável para a mucosa, mas também sabemos que o corpo se habitua às coisas, não é? Eu hoje pus um gorro e sinto que ainda o tenho posto. Talvez tenha de levar o cabelo. Bom, até já. 



terça-feira, 6 de novembro de 2018

Adeus fralda para todo o sempre?


As mães ficam muito felizes ao verem que os seus filhos ultrapassam uma etapa, que estão cada vez mais autónomos e cada vez mais espertos, mas… também é verdade que, a cada nova fase, ficamos com uma sensação agridoce por vê-los deixarem de ser bebés, os nossos bebés, não é? Custa mais ainda quando a probabilidade de serem o último bebé cá de casa é grande - para não dizer enorme. Adeus fraldas para todo o sempre? 

E este ar de marota?

A Luísa já não usa fralda durante o dia. É uma alegria vê-la ganhar mais esta capacidade; uma gracinha quando nos pede para ficar sozinha na casa de banho; e até mesmo quando nem nos chama para a limparmos. Confesso que ainda não estou a 100% confiante quanto a esta parte, ainda gosto de lá ir examinar e ajudar, mas com as Kandoo e agora com as Aquas, que são 99% água, sem qualquer perfume e biodegradáveis – e que ela pode descartar pela sanita -, é mais fácil confiar. O rabinho fica limpo e hidratado e ela assim não se zanga connosco porque não temos de ir “fazer por cima”.

A Luísa tem praticamente dois anos e meio (ou 29 meses e 6 dias, para quem ainda conta os meses – mas PORQUÊ?!!!) e “só” agora teve o click. Já ia algumas vezes à sanita em maio e junho pela graça, mas quando experimentávamos colocá-la de cuecas, achava que tinha fralda e fazia na fralda. Só corria bem quando andava nua em casa, no verão. Se calhava vestir-lhe umas calças ou cuecas, pumbas, chichi. Até que, há duas semanas, andou sem fralda em casa – e estava vestida - e não houve nem um descuido. Não precisámos sequer de a ir lembrando, ela ia sozinha. Decidimos arriscar e lá foi ela para a escola só com cuecas. Está a correr muito bem! Já arriscámos mesmo viagens mais longas de carro, supermercado, restaurante ou teatro e tudo nos trinques – já se distraiu em casa e na escola, mas faz tudo parte do processo. É preciso é ter calma, não pressionar e muito mostrar desapontamento.

Ainda não está preparada para ficar sem cueca-fralda de noite ou até mesmo durante a sesta, que a fralda ainda vem composta – se for como a Isabel, só aos 3 anos. No caso da irmã, por volta dos três, começámos a pô-la na sanita ali por volta da meia-noite (ia a dormir) e a levá-la à casa de banho logo às 6h30/07h. Desta vez, acho que vou esperar mesmo por ver fraldas enxutas, logo vejo. Já ouvi pessoas que decidem tirar-lhes logo as fraldas de vez, mudar a cama de noite ou levá-los ao WC, mas esta é a forma como acho melhor para a nossa família neste momento: aguardar.
Se os vossos filhos tiverem a idade da Luísa e ainda não estiverem nesta fase, lembrem-se: os miúdos são todos diferentes, têm ritmos diferentes e, às vezes, mais vale esperar por eles do que nos regermos pelas expectativas dos outros e causar-lhes stress (a eles e a nós também).

Dicas para incentivar:
- dar o exemplo, mostrar (de um irmão, primo, ou até mesmo o nosso, caso não tenham problemas com isso – nós não temos) e/ou comprar um livro sobre o assunto (nós lemos à Isabel o As Princesas também fazem Cocó, mas há mais)
- comprar cuecas com os bonecos que eles mais gostem
- comprar um banquinho para facilitar a subida até à sanita (também há redutores, mas por cá não foram muito bem aceites; elas ajeitam-se na sanita “normal”)
- perguntar sempre antes de sair dos sítios se quer fazer para evitar stresses na rua ou em sítios sem casa de banho próxima
- há quem ande com bacio no carro, e uns sacos que se adaptam; há ainda uns redutores desdobráveis para levar para todo o lado, o que pode ser mais higiénico
- ensinar-lhes o ritual todo logo desde início: a levantar a tampa, a puxar a camisola bem para cima, a limparem-se, a puxar ao autoclismo, a vestirem-se e a lavar as mãos
- fazer uma festa quando são bem sucedidos [e normalizar e mostrar compreensão quando não conseguem]

Boa sorte para esta fase, que pode ter tanto de gira como de stressante J














*post escrito em parceria com a Kandoo


Tudo o que já escrevemos sobre desfralde aqui.


Sigam-nos também no Instagram:

Uma mãe roubou-me o lugar de estacionamento e...

Não estão bem a ver a loucura que é de manhã em frente à escola da Irene para estacionar. É numa praceta e, por isso, os carros têm que esperar uns pelos outros. 

Eu geralmente vou calma porque vou "a horas", moro perto e, por isso, não passei duas horas no trânsito e tal e, por isso, vou tranquila. 

Hoje estava à frente de uma senhora para estacionar, vagou um lugar e ela fez-se a ele primeiro. Ri-me imeeeeeeenso! Olhei para ela e ri-me tanto. Pensei: "Andamos mesmo todas ao mesmo, é o salve-se quem puder, ahah!".


Estacionei um pouco mais à frente, tinha vagado outro lugar e a senhora passou por mim e pediu-me "desculpa ,mas o meu carro é um bocadinho grande e é raro arranjar lugares como aquele" e eu disse "ahaha claro, claro! Ri-me por causa do nosso modo de sobrevivência à procura de lugares de manhã! Percebi perfeitamente!". 

Eu uso mesmo estes pontos de exclamação todos no dia-a-dia, sou muito exclamativa. 

Noutro dia, com outra Joana isto teria sido bem diferente. Claro que não sou mão na anca e ir lá peixeirar (por motivos tão cocós), mas teria dito uns vinte "putas" para dentro (porque a Irene estaria dentro do carro) e faria uma longa dissertação sobre como somos "cabras umas para as outras" e como o mundo assim não vai a lado nenhum, etc. 

Por isso, hoje uma mãe roubou-me o lugar de estacionamento e parti-me a rir! :)

#goals


domingo, 4 de novembro de 2018

Hotel para a noite de núpcias? Este, sem dúvida!

Foi ali que me despedi da vida de solteira (como se a vida se tivesse alterado depois) e onde passámos a noite anterior ao casamento juntos. Sim, sabíamos do "grande erro" que seria os noivos dormirem juntos na véspera do casório e mesmo assim quisemos arriscar. Pausa para explicação: não somos supersticiosos e muito menos achamos que faça sentido dormirmos juntos há 9 anos e, de repente, separarmo-nos na véspera do grande dia só porque alguém diz que tem de ser assim. Respondi a toda a gente com um "mas nós não vamos dormir" por ser uma grande marota :) Não ficámos ali na noite de núpcias porque o casamento não era na região de Lisboa, mas se fosse, podem crer que seria ali.


E que maravilha de hotel! Não que eu tenha grandes termos de comparação, já que não ando propriamente a esfregar este corpinho pelos melhores hotéis do mundo, por falta, essencialmente, de tempo, claro (plim plim - som da caixa registadora), mas já estive precisamente num hotel também de 5 estrelas ali mesmo ao lado (ganhei a estadia num concurso há uns 6 anos, depois conto-vos este episódio que teve imeeeeensa piada, já que eu andei 3 horas a achar que tinha ganhado um BMW e depois afinal... não) e o InterContinental Cascais-Estoril ainda conseguiu superá-lo. É uma experiência única.

O quarto então é uma coisa sem explicação, mas eu vou tentar. Enorme, com uma cama daquelas digna de filme, bandeja com fruta e vinho a receber-nos, uma varanda gigante com vista para a piscina e para o mar, uma banheira excelente com um apenas um vidro a separá-la do quarto... um verdadeiro luxo. É o sítio ideal para uma noite de núpcias ou para descansar antes do grande dia, como fizemos. 







Tevemos a sorte de, em outubro, apanhar uma tarde de piscina mesmo boa. Lanchei, ali mesmo, com o Renato e a Raquel, os meus padrinhos e depois fomos até ao SPA e à piscina interior, um espaço também muito agradável e sossegado.




Depois do banho, fomos jantar ao Atlântico, o restaurante do hotel, envidraçado, com uma vista linda e com pratos mesmo, mesmo saborosos, pelo chef Miguel Laffan, de Cascais e já com duas estrela Michelin no currículo.














Ao acordar, aquela vista e o nascer do sol foi o cenário perfeito para escrever os votos. Emocionei-me muito, ali, na varanda. Senti-me muito feliz. Depois do banho e de um pequeno-almoço que tinha tudo para ser perfeito - e só não o foi porque eu tinha o estômago embrulhado do nervosismo (dá Deus nozes a quem não tem dentes...) -, lá nos despedimos e só nos voltámos a ver para nos casarmos, eu vestida de noiva e em lágrimas, ele sorridente e nervoso.









A experiência aqui foi toda muito, mas muito boa. E começou logo na recepção. Não é todos os dias que nos vão estacionar o carro, que levam as nossas malas até ao quarto, que nos fazem uma apresentação do hotel tão simples e simpática (obrigada, Frederico!) e que somos tão apaparicados. 
Soube mesmo bem! Mais do que aconselho este hotel. Que sejam tão felizes ali quanto nós fomos. 








Sigam-nos também no Instagram:




Ser o irmão mais velho é uma valente treta

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de ter a casa e o coração dos nossos pais só para nós.

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de poder ir ao cinema ou ao teatro ou fazer coisas de "crescidos" enquanto o irmão mais novo não tiver idade. Ou vamos, mas muito menos.

As nossas mãos deixam de ser pequeninas, os nossos pés tornam-se enormes e a nossa pele deixa de ser tão macia.

Deixamos de poder ir a conversar no carro porque o bebé se sobrepõe ou chora ou não nos deixa falar.

Deixamos de poder fazer birras, de nos queixarmos ou de fazer disparates porque olham para nós como pessoas já com mestrado, quando ainda nem fizemos a primária.

Deixamos de poder subir a um muro porque temos de dar o exemplo.

Nunca mais comemos um gelado sossegados. Ou um chocolate por inteiro.

Deixamos de poder fazer jogos de tabuleiro ou brincar com peças pequenas só porque é perigoso para o bebé.

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de ter o nosso espaço, o nosso lugar e de ser incomparáveis.
Deixamos de ter um colo só para nós e de ser pequeninos.
Às vezes nem nos vêem, não nos ouvem nem perguntam por nós na rua.
Não podemos ripostar porque "é o mais novo", "é bebé", "coitadinho dele".
E até arcamos com castigos, à custa do outro. 

Ser o irmão mais velho é uma grande treta.
A chave do diário é descoberta. E os nossos segredos mais preciosos.
Nem conseguimos ir a concertos, festivais ou discotecas sozinhos ou com os nossos amigos.
E, imagine-se, até podemos ter de voltar a viver juntos, para estudar. 
Ir buscar.
Receber chamadas tardias. 
Emprestar carro.
Ficarmos preocupados.

Ser o irmão mais velho, às vezes, é uma grande treta. 
No resto das vezes não.
Sentimo-nos orgulhosos.
Ensinamos coisas a alguém.
Somos protectores. 
Sentimos um carinho inexplicável. 
Temos alguém com quem brincar. 
Um aliado para os disparates. 
Um par para a dança mais maluca. 
Uma mão para nos segurar.
Uma gargalhada, uma piada, e pipocas para partilhar.
E nem sequer nos conseguimos lembrar de como era a nossa vida antes do nosso irmão. 
Duvidamos até que fosse melhor do que é. 
Só lhe desejamos o melhor da vida. 
Queremos que seja feliz, muito feliz.
Tanto ou mais do que nós. 

Da irmã mais velha.




Sigam-nos também no Instagram:

4 anos depois, do que me lembro de estar grávida?

Desculpem lá a qualidade da fotografia, mas na altura ainda não era influencer-coiso. Era o que havia: uma fotografia em frente a uma cana de pesca para gatos numa janela. E uma fitinha que vamos todas fazer cara de quem está a levar com o sol na cara e seguir em frente, está bem? 


Lembro-me do dia em que li que era melhor para a criança estar virada para o lado esquerdo, o lado do coração e ter entrado em paranóia com isso. 

Filhas, não têm ideia. Acho que fiquei com 88 contraturas e acho que a miúda tem um lado da cara mais espalmadito por eu ter levado isto tanto à risca. Não sei se é verdade ou não, mas quando dava por mim virada para o outro lado até sentia palpitações.

Porém, basta uma rápida pesquisa na internet para ver a confusão em que o mundo está relativamente ao assunto:


Lembro-me da "pior coisa" que fiz que foi sacar o solitário para o telemóvel. 

Toda a gente aí louca com jogos de coiso e tal (na altura acho que ainda se jogava um pouco àquele da quinta no Facebook) e eu presa nos anos 70, vá, a jogar o meu solitário nas noites de insónias ou naquelas noites em que, com dores daquilo que vou dizer a seguir, me custava a adormecer. 


Tive de tomar ferro e fazer cocó era a pior parte do meu dia. 

Ai. Não sei se é de não comer peixe nem nada que venha do mar, mas tive de tomar ferro. E isto não é uma maneira gira de dizer que ia levantar pesos para o ginásio - not anymore - era mesmo tomar Folifer para o bucho e depois ter umas cólicas gigantes além de ver que o meu cocó tinha sempre uma cor que o Dr. Oz diria que não era saudável. O meu corpo gostava de ir à sanita Às 4h da manhã. 


Lembro-me dos murros e pontapés da miúda. 

Saltemos à frente a parte em que eu achava que já sentia murros e pontapés e não sabia ainda sequer que estava grávida. Não vamos mencionar isso porque é esquisito. Porém, a uma determinada altura, a miúda ou andava a reclamar pela mãe não ingerir a quantidade de gomas habituais ou, então, era mesmo falta de espaço. Mexia-se tanto, mas tanto que, mesmo sentada no sofá, sentia como se tivesse feito uma maratona - não faço ideia do que é correr uma maratona, mas acho que suo com a mesma intensidade quando trago as compras da semana para casa. 


Lembro-me de vomitar uma lasanha da Telecoiso. 


Nem vomitei muito. Foi só uma vez em que tive desejos de lasanha (nem sei se estaria ligado à gravidez ou não), mas como não me apetecia minimamente limpar, ainda fiz um sprint considerável desde a mesa de jantar até à varanda brindando o canteiro com um belo Pollock de bolo alimentar. 100 metros de vómito seria uma óptima modalidade para grávidas que não quisessem limpar o chão a seguir. 


A memória é selectiva. Neste momento é disso que me lembro. Também tenho uma memória muito carinhosa de estar a lavar as roupas todas dela e a pendurá-las no estendal pela primeira vez, mas de coisas amorosas está a internet cheia. 



sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Se o David chorou no casamento? [VÍDEO]

Chorou tanto, que não consegue ver-se, no vídeo. Já eu, repito muitas e muitas vezes, para voltar àquele dia incrível.



Cliquem aqui:


https://www.youtube.com/watch?v=-fwNKT_ItYc&t=3s
QFilm

Obrigada QFilm por estas memórias. Vocês são só incríveis.








Tudo o que escrevi sobre o casamento:






E a lua de mel:

A nossa lua de mel nas Maldivas foi um sonho?






Sigam-nos também no Instagram:

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Super mulheres ou super esgotamento?

Se forem do meu género de mãe e de mulher, tenham cuidado. Tenham muito cuidado com a vossa cabeça. Sou muito exigente (comigo) e muito competitiva (também comigo, acham normal?) e por isso tenho achado - desde sempre - que quando algo corre mal ou algo falha é porque não fui boa o suficiente ou não me esforcei o suficiente. 

Desde que a Irene nasceu que me sinto sobre uma pressão inquantificável para tudo. Para ser a melhor mãe possível a todos os níveis que me lembre (emocional, nutricional, educacional...), para ser a melhor Joana de sempre, para tudo. Desde sempre que fiz tudo sozinha e que cuidei dela sozinha (à excepção de cozinhar refeições). Depois, com o divórcio, a única coisa que acumulei foi passar a cozinhar as nossas refeições no que toca a tomar conta "das duas", mas tenho andado exausta. 

Aquele "ando a mil" irritante que todas nós dizemos e que, na verdade, quer só dizer "tenho uma pressão enorme em cima de mim para conseguir fazer tudo bem e rápido e não sei como resolver", mas há maneiras. Temos é de aprender a ser tolerantes connosco da mesma maneira que vamos aprendendo com isto da maternidade a sermos tolerantes com os nossos filhos também.



Apercebi-me da minha terça-feira passada e reparei que ou caminho para ser uma super mulher ou para ter um super esgotamento: 

6:45 - Acordar mais cedo para estar pronta antes da Irene. Tomar banho. Preparar lanches para ela e para mim. Desenhar um desenho para lhe por dentro da mala. 

7:45 - Acordar a Irene com tempo suficiente para lhe dar mimos. Fazer pequeno almoço para as duas. Comermos o pequeno almoço. Preparar a Irene para sair. 

9:00 - Deixar a Irene na escola calma e tranquila sem ter que a apressar muito para que a despedida não seja negativa para ambas. 

9h30 - 12h30 - Trabalhar, responder a 100 mini e-mails, atender 15 telefonemas, escrever 40 mini-emails, falar com os colegas. 

12h30 - Treino de Fitness em casa à hora de almoço. 

14h00 - Trabalhar novamente nos 100 mini e-mails, reuniões, actas de reuniões, conversas sobre as reuniões, mais mini-emails e propostas. 

17h00 - Ir buscar a Irene. Comprar umas galochas, comprar um casaco polar (naquela loja que tem tudo para o raio que os parta), ir à farmácia comprar o bálsamo para desentupir o nariz, ir ao supermercado comprar fruta, salada, ovos e mais umas tretas. 

19h30 - Chegar a casa e apressar a questão do jantar porque a miúda não fez sesta na escola e está tipo zombie, mas não deixar que a ansiedade passe para ela senão fica tudo muito mais lento e desagradável. 

20h20 - Banho e secar o cabelo. 

21h00 - Cama e brincar uns minutos. 

21h10 - Adormeceu exausta. 

21h20 - Escrever um guião para uns vídeos que faço com o Sapo. 

22h00 - Ir maquilhar-me para a gravação.

22h30 - Gravar o vídeo.

23h00 - Editar o vídeo.

00h15 - Enviar o video e ir desmaquilhar-me e dormir. 

Permitam-me um ligeiro f*da-se. 

Estes vídeos que ando a fazer alargaram-me um pouco mais o orçamento que tenho para viver e consegui pedir mais um dia à minha empregada por mês. Quero que ela cozinhe. Preciso que ela cozinhe. Já agora, foi este o vídeo.

Sofremos demasiadas pressões de todo o lado. Há algumas que temos de deixar ir. Se continuar com este cansaço todo, sinto que vai ter que ser o treino que desaparece (tenho todas as horas de almoço ocupadas ou com treino ou com terapia), mas não queria. 


É normal que estejamos cansadas, caramba. E, se não deu, não podemos ser umas bestas connosco. Não podemos. 




segunda-feira, 29 de outubro de 2018

A decoração do casamento - todos os pormenores!

Já sabia há algum tempo o tipo de decoração que queria para o casamento. Algo simples, com branco e verde, com muitas folhas. De resto, não sabia muito mais. Ainda bem que encontrei a minha alma gémea, a Renata da Cravo - Event Concept Designers e juntas definimos o conceito. Ela era o meu pinterest, com a diferença de já ter experiência na área e de ter o seu próprio pinterest no instagram - tudo de sonho! Digo "juntas" e não "juntos" porque, convenhamos, o David deixou esta parte do meu lado: ele não tinha sonhado com o dia e não tinha muito tempo, mas, de vez em quando, pedia-lhe opiniões. 

A Renata foi o meu braço direito e, a par da Raquel e do Renato, os meus padrinhos, quem mais me ajudou com o casamento. Além de nos termos tornado amigas (ela é um docinho e eu desejo-lhe toda a sorte do mundo: se precisarem de ajuda a planear o vosso casamento, a receber conselhos, podem confiar nela).

Mas vamos a pormenores: 

As alianças chegavam até nós numa caixinha com vidro e repleta de folhas de oliveira. Adorei! 

Elegante, simples...



Em vez do arroz no final da cerimónia, a Cravo também encheu saquinhos de papel craft com folhas de oliveira. A ideia mais querida! 






Os convites da Molde Design Weddings definiram a parte gráfica de todo o casamento. Os menus, nas mesas, e os marcadores de lugar, com os nomes dos convidados, seguiram-se. Ficou tudo tal e qual foi pedido.

A Renata (Cravo) colocou, na hora, raminhos de oliveira em cada marcador, em cada lugar. 













 A Placa de Boas Vindas foi sugestão da Renata também e ficou maravilhosa, com acrílico e vinyl (design da Molde). 








O topo do bolo da Molde Design também seguia a linha do casamento: com os nossos nomes, com o mesmo lettering e romântico.



Um livro de honra para que os convidados pudessem escrever umas dedicatórias e duas máquinas instantâneas ficaram numa mesinha, com uma placa também em acrílico e vinyl e umas washi tapes.

O livro é da Rosa com Canela, personalizado com o nosso nome e a data, e as câmaras instantâneas brancas foram um presente que veio mesmo a calhar, da FNAC, para que pudéssemos registar os melhores momentos do dia e dos convidados. "Não percas o momento!" e nós não perdemos nadinha. Tenho o livro na mesinha no meu quarto e adoro folheá-lo, rever cada fotografia e ler o que nos escreveram as pessoas que melhor nos querem nesta vida.




























O painel "It Was Always You", feito à mão pela Renata da Cravo, foi mais um pormenor que me deixou muito feliz e acabou por ser o sítio onde fizemos as fotografias mais "clássicas" com a família e os amigos. Detalhes que fazem a diferença.



E, por fim, como já vos mostrei aqui, tivemos um cantinho especial para as crianças, que teve as mãos de fada da Maria das Festas (que são mais "Marias", na verdade) e ficou muito bonito. E bem doce. Elas podem dar um toque especial ao vosso casamento.
"Roubei" um daqueles arcos de oliveira para a minha cabeceira de cama, adoro a recordação.





Acho que está tudo. Espero que tenham gostado, que se inspirem e que partilhem com quem vai casar alguma ideia de que tenham gostado <3

Obrigada a todos os fornecedores por tamanho talento e paciência.

Com a Renata <3 

Fotografias The Love Project 

💗

Sigam-nos também no Instagram: