quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Adeus adenóides, amigdalas e olá tubinhos?

Ahhh... Não era sobre isto que queria escrever hoje. Queria escrever sobre algo mais coiso, um post que ficasse girote, com a extensão suficiente para parecer que foi super cuidado e com uma fotografia com alta qualidade. Sinceramente, estou com uma dor de dentes gigante e a minha criatividade foi-se.  Estou com a destreza mental de quem quer que tenha pensado no nome "Ai que giro" para a cadeira para transportar velhotes escadas cima e abaixo. Não estou a gozar, acho que é algo do género, vi uma vez e nunca mais me esqueci. Se calhar, tenho de dar a mão a torcer (ou o braço -  torçam-me qualquer coisa que pode ser que me alivie a dor de dentes) porque ainda me lembro do nome e do anúncio e... nem sequer estou interessada em comprar. 

Já vos tenho vindo a contar que a Irene tem otites serosas e que, quando piora, deixa de ouvir bem, também respira mal durante a noite, chegando a fazer apneia (noto quando está entupida) e todos os médicos dizem que ela tem umas amigdalas enormes. Hoje fui a um médico altamente recomendado e, infelizmente, depois de um raio x, um exame de audiometria, a recomendação foi "Tira-se tudo: amigdalas e adenóides e ainda se põe já os tubinhos". 

Já temia que a recomendação viesse a ser esta, já tinha pensado muito no assunto e já tinha decidido que sim, se fosse preciso, tirava-se os adenóides, mas assim "tudo de enfiada"... Cada vez oiço falar mais disto, de imensas crianças que tiram isto e aquilo... 

Tenho de ler sobre o assunto, mas custa-me que isto seja tão recorrente. Andam assim tantas crianças a serem operadas para tirar adenóides e amigdalas e a por tubinhos? Tanto oiço histórias de "e nunca mais teve problemas" como oiço de mães que decidiram não fazer e que, uns tempos depois, por causa do Verão ou o que fosse, já estava tudo bem e ainda bem que não tinham decidido operar. 

Lembro-me da altura da gravidez em que toda a gente diz tudo (porque há gente para tudo) e simplesmente ficamos assustadas. Eu estou assustada. Com consciência que é um "não problema", que há coisas muito piores, mas como se tomam decisões destas? 




Confio na pediatra que me recomendou o médico. Toda a gente fala deste médico até por ser pouco interventivo, mas tem-se sempre de pedir uma segunda opinião, não é? Acho que me custa dizer que sim e fazê-la passar "por tudo" assim. 

O pai da Irene lembrou-se que havia uma maneira de medir a qualidade de sono dela, a "intensidade da apneia". Além de pedir uma segunda opinião, acho que vou fazer esse exame para ter uma noção mais real do conforto que anda a custar à Irene manter-se com o que o corpo dela decidiu que era importante ter (faz-me confusão andarmos assim a tirar coisas, especialmente a crianças, apesar de ser perfeitamente ignorante em relação a isto). E vou tentar converter decibéis em percentagem para saber quanto da audição dela está afectada na prática... 

Como funcionam vocês nestes casos? 



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:



segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Quem quer ir ao espectáculo da Patrulha Pata?

Não preciso de vos explicar a intensidade da relação da maior parte dos miúdos hoje em dia por estes cães todos, pois não? Claro que não. A Irene além de às vezes fingir que é um deles e de eu, a brincar, já lhe ter posto uma tigela no chão porque ela queria comer comida como "os da Patrulha Pata", dormiu durante muito tempo com um Chase na cama. 




Sou bastante selectiva - gosto de pensar - com os desenhos que ela vê e não consigo encontrar nada de errado na Patrulha Pata. São todos amorosos, trabalham em equipa, ajudam outros animais/pessoas... 

Vai começar a Tour da Patrulha Pata por cá e a primeira data é 10 de Fevereiro (sábado) no Porto, no Coliseu. Querem ir? 

Temos dois bilhetes duplos para vos oferecer. 




Só têm que seguir a Mãe é que sabe no Facebook.

Seguir também a Lemon Live Entertainement

Partilhar este post (este do Facebook aqui em baixo) publicamente no vosso perfil e taggando três amigas.


Sigam-nos também no Instagram porque ainda esta semana vamos ter mais bilhetes para vos oferecer para o Porto.


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

Querido, mudei de visual!

Mais uma moeda, mais uma voltinha. Quando lhe pegamos o gosto, dificilmente conseguimos parar. Dizem isto das tatuagens: ainda não tenho nenhuma, com receio de apanhar esse vício (mas já tenho duas pensadas, por acaso!). Falo de mudanças de visual: da última vez que cortei o cabelo, saí de lá a pensar que, para a próxima, ou cortaria mais ou pintaria de outra cor.
PUMBAS.

Pintei de outra cor. E, desta vez, da cor mais clara que alguma vez pus neste cabelinho: louro-cinzento, mantendo a minha cor na raiz (sim, sim, já sei que algumas de vocês irão dizer que não entendem o conceito e eu digo-vos já aqui que também não entendo muito bem, mas decidi arriscar - sabendo que, caso não gostasse, lá voltaria para pintar de outra cor).

Mas a verdade é que ADOREI! E nem me fez confusão nenhuma a raiz mais escura! Pelo menos não por enquanto. Vantagem: quando nascer "o meu" já não vou morder o lábio e sair a correr para ir tapar a raiz, já me habituei, por essa altura, ao contraste!

Acho que encontrei uma cor que me dá uma dose extra de confiança e vaidosice. Está certo que ainda não vi a trabalheira que possa vir a ter a manutenção do bicho, caso comece a amarelar, e não nego a possibilidade de me arrepender e de pintar de mais escuro na próxima vez que vá ao Nela Cabeleireiros. Logo se vê, vamos lá viver no risco! UUUUUUuuuuuuuu

Adorei tudo: a simpatia daquela gente (a Joana Gama não ia mentir), a simplicidade e o profissionalismo. As unhas, que não arranjava há dois meses e meio, também ficaram óptimas. Aprovado. Fui ao da Amadora, por ficar mais perto da minha casa, mas há também em Alcântara e em Belas. 

Fiquem com as fotografias que tirei lá. Se calhar muitas de vocês já viram no instagram, mas cá vão:


Uma publicação partilhada por Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) a





Cabelos e unhas (já não as arranjava há quase 3 meses, adorei!) - Nela Cabeleireiros
Macacão - Bagoxa
Sapatos - Aerosoles
 



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

Então não é amor.

Ele não mudou quando tudo mudou?
Então não é amor.

Ele não quis ser pai, não quis mudar fraldas, não te levou umas torradas à cama, enquanto adormecias sentada, com olheiras até ao pescoço, não pegou na bebé para ires tomar um banho, não pegou na bebé para a conhecer e ser pai dela, para lhe saber o cheiro e a pele sedosa...

O Amor é algo tão arrebatador que até te pode deixar meio banzado, meio desorientado, mas depressa é impelido a encontrar o Norte. O Amor não deixa tantas dúvidas por responder, não é assim tão indecifrável. O Amor não é difícil, ao contrário do que todos os filmes e livros nos fazem crer. O Amor é fácil. Difíceis são as relações. Ou as pessoas. Mas, se houver Amor, ele resiste. Ele resiste às cólicas, às noites mal dormidas, ao mau feitio. Resiste aos momentos de loucura, aos sábados a acordar às 7 horas, às férias que não são férias (chamem-lhe outra coisa pelo amor de Deus!).

Digo eu. Digo eu que (só) amei três homens em toda a minha vida. Digo eu do alto da minha pouca experiência em relações difíceis, em vidas complicadas, em personalidades vincadas ou intempestivas.

Eu sou uma sortuda. Mas, ao lado da sorte que não nego, também acho que escolho bem com quem divido a vida. Acho que me valorizo e não deixo que desçam do patamar que idealizei. Eu não admito que a pessoa com quem cruzo os pés frios debaixo dos lençóis seja egoísta, preguiçoso, desligado. Antes e depois dos filhos. Não admito que me falte ao respeito, que me fale mal, que me trate como inferior. Não admito, tão pouco, que não seja pai e marido, que não partilhe tarefas que cabem aos dois, ou que não haja interesse em organizar uma casa de acordo com o que cada um faz melhor.
Se, depois de discussões, não se chega a nenhum consenso, não se tenta mudar ou melhorar: então não é amor. 

Há relações que sobrevivem sem companheirismo e sem Amor? Sim, há. Haverá algo que compense tudo isso? Para mim, não. Viver aprisionada a uma esperança sem grande futuro não me encheria as medidas. Deve ser duro: deve ser duro não reconhecer no outro a imagem que idealizou. Deve ser duro abandonar um projecto a meio. Deve ser ainda mais duro quando há filhos envolvidos. E contas. E expectativas. E sonhos. E desilusões.

Mas se não estás feliz, então falta AMOR. Algures. Procura-o. Tenta. Uma e mais uma vez. Procura-o. Em ti. Nele. Se não o encontrares, então não é Amor. É o que resta dele. Não te contentes com restos.







Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

domingo, 28 de janeiro de 2018

A primeira vez que falou da morte.

Ainda há uns dias estava na minha barriga e agora já me está a perguntar se vou morrer muito velhinha.

O tema chegou mas, por enquanto, sem qualquer angústia. Pareceu-me.

Respondi-lhe que sim, vou morrer muito velhinha, quando ela também for já muito velhinha. Foi o que me saiu, nunca tinha pensado muito no assunto. Lembro-me, no entanto, de sentir essa angústia. Tinha medo de que a minha mãe e o meu pai morressem. E lembro-me precisamente de que a resposta de que iam morrer já muito velhinhos não me apaziguava grande coisa. Eles iam morrer e era difícil de lidar com isso. Lembro-me bem do dia em que morreu uma amiga dos meus pais, mãe de duas miúdas. Já era mais crescida, devia ter uns 8 anos, mas aquilo abalou-me. Como é que aquelas crianças iam viver sem a mãe? Aprenderam a rezar-lhe, a falar com ela. Eu só chorava a imaginar tamanha dor. Depois a minha avó Isabel, a primeira pessoa da família a partir e o primeiro sentir na pele a perda. Estive anos e anos com medo de telefonemas. O telefone soava e eu pensava que viriam de lá más notícias. O telemóvel tocava e eu achava que alguém iria dizer que alguém que eu amava tinha morrido. Tive medo.

Acho que nunca se está preparado para a perda de alguém, por mais religioso que se seja. Pelo menos não na nossa cultura. Mas acho que a idade me trouxe uma maior serenidade em relação a este assunto - ou prefiro pensar que sim.

Mas agora tenho de pensar neste tema a sério, mais não seja para arranjar formas de o explicar à minha filhota.
Como falam deste tema com os vossos filhos ou como pensam vir a falar? Que textos/livros aconselham?

Obrigada!




C&A




Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

Que tipo de mãe são?

Achoooo que cheguei a uma conclusão (som de génio ou som de iniciar do Windows 3.1 quando éramos mais novas - lembram-se?). 

Será que sim? Será que consegui resumir em duas categorias apenas, todos os tipos de mães? "Claro que não, Joana, as generalizações são sempre falaciosas e tal e tal", mas olhem que esta está bem esgalhada (digo eu enquanto me dou umas pancadinhas nas costas), mas... 

Ando a ler um livro muita giro da Edicare (babo-me por esta editora) que se chama ALTAmente e que nos alerta para o nosso diálogo interno pessimista e negativo e consciencializa-nos para as consequências directas inconscientes e conscientes do mesmo: más escolhas, pouco progresso, irritabilidade, pessismo, umbiguismo, etc. 

Fotografia tirada no Restaurante Books no Hotel da Estrela (depois faço um post a contar a experiência - ninguém perguntou nada, bem sei). 


E comecei a aperceber-me da quantidade de coisas que me tenho andado a privar (e à minha filha) por causa do meu pessimismo desenfreado (que leva à ansiedade ou vice-versa, sei lá e já tanto me dá): adormeço-a sempre no escuro (mesmo de tarde), nunca a deixo adormecer normalmente (abano-lhe sempre o rabo para ver se é "mais rápido"), não combino muitas coisas "porque não dá tempo e ela fica birrenta", etc. etc. Ando a treinar-me para, devagarinho, ir pensando o oposto. Porque - não que seja uma escolha, mas é um caminho - temos duas maneiras de olhar para a "vida" (ai, tirem o Gustavo Santos daqui): com gratidão ou com dor e negatividade. 

Se a Irene não dormir a sesta posso ficar enervada com isso porque vai (se é que vai, mas pronto) passar a tarde toda birrenta ou... posso escolher olhar para o lado positivo e que vai dormir mais cedo. Ou posso pensar que não vai estar toda birrenta... É  um processo giro de experimentação. Já que isto da maternidade é muito também por tentativa e erro, não é? 

Ora, neste blog, esta Joana que vos escreve é a mãe extremamente negativa e pessimista mas com uma capacidade grande de auto-motivação. A outra Joana - a das sessões Smash The Cake e que cupcakes com ardósia e aveia - é naturalmente mais optimista. E acho que isso torna o blog altamente descompensado, mas interessante - digo eu (granda moral).  

Posto isto, que tipo de mãe são? 

Ah! Isto vai correr bem! Caso não corra para a próxima já sabemos.

Ou... 

É melhor não arriscar porque vai dar cocó...?

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Já não me doi fazer o bigode!!!!!!!!!!

Quando a maior parte de vocês ler este post já não devem estar publicados os meus stories de ontem em que estive a fazer o buço para quem quisesse ver. Sim, no instagram. Acho que o cansaço está a fazer com que perca (ainda mais) filtros e (ainda mais) noção e nem me questione do que estou a fazer. 

Como escrevi aqui, adorava nunca mais ter buço na vida. Era a minha resolução para 2018 ou a melhor prenda de Natal que poderia ter. E no outro dia a minha sogra - ouvi dizer que apesar de já não estar casada com o filho dela que será "minha sogra" para sempre - aconselhou-me a usar a pomada anestesiante que usei para a Irene não ter dor nas análises ao sangue na zona do buço antes de me depilar.

E sabem que mais? Resultou!!! Há anos!! Há anos que estou em negação relativamente ao bigode central e fazia apenas os cantinhos para não dar aquela cana evidente. Há anos que sempre que alguém me olhava directamente eu fingia tremer de frio para não poderem focar a minha cara ao ponto de ver os pêlos do buço e agora... Estou safa!

Isto para vos recomendar (a cara para xuxu) pomada EMLA que vem com algumas bisnagas e que, a partir de agora, me vai permitir estar toda impecável a nível de moustache. 

Não vou ao cabeleireiro fazer o buço porque digo muitas asneiras e choro muito - tenho vergonha. Agora já está resolviiiidoooo!!

A minha cara de arrependimento depois de me ter exposto daquela forma.
Fotografia: The Love Project.

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram: