Mostrar mensagens com a etiqueta sono. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta sono. Mostrar todas as mensagens

3.01.2019

Dormiu pela primeira vez em casa de uma amiga

Não estava à espera que me pedisse tão cedo.


Quando aceitei, abraçou-se à mãe da amiga, ficou histérica e a dizer que estava muito “ansiosa”, mas acho que queria dizer entusiasmada. Se calhar, quem deveria estar ansiosa era eu. Mas nem por isso. Até já me estava a fazer um bocadinho confusão a minha despreocupação, confesso. Seria suposto ficar preocupada? Com medos?

Pensei: ela já dorme bem, já se expressa tão bem, os pais da amiga parecem-me boas pessoas, a amiga um amor, uma miúda muito doce e feliz; a casa deles é relativamente próxima (alguma coisa, combinamos e vou buscar), vai ser só uma noite e vou buscar a seguir ao pequeno-almoço, ela está habituada a dormir fora de casa (ganhou andamento com as primas), não dá muito trabalho, é uma miúda tranquila, acho que não há muito a temer. Depois, como ainda faltavam uns dias, pensei melhor, avisei a Isabel de que se calhar iria brincar e jantar e eu depois iria buscar. Logo se via. Mas afinal ficou.

Há uns anos, eu acharia impossível ter decidido o que decidi, ou nunca tão cedo, mas agora não senti receio algum. Só sinto dores de crescimento, delas. Toda uma esperteza, uma desenvoltura, uma autonomia, que parece que me começam a escapar por entre os dedos... 

Correu tudo muito bem. Quando a fui buscar, estava feliz da vida, no jardim a brincar com a amiga dela. Adorou. Tão cedo não deve repetir, que eu também sou pessoa de sentir saudades e quero-a pertinho, mas foi mais uma lição. Olhei para a minha filha e percebi que, se não estivesse preparada, não me teria pedido para ir.

Não sei se estão por aí mães de miúdos mais velhos ou até de adolescentes, mas quando foi a primeira vez que os vossos filhos dormiram fora de casa, sem ser com família?

(A Isabel já tinha acampado na escola, mas assim em casa de alguém foi uma estreia).






Sigam-nos no instagram em @amaeequesabe.pt
Subscrevam o  nosso canal de youtube aqui: /amaéquesabe

2.25.2019

Elas dormem na mesma cama

Decidimos que iria ser assim, ainda a Luísa não tinha nascido. Estávamos em Santarém e até tínhamos um quarto para cada uma, mas não nos fazia sentido. Primeiro, a Luísa ficaria no nosso quarto; depois, dormiriam no mesmo. Daí até termos achado que seria engraçado que dormissem na mesma cama, e que poderia ser bom para se sentirem acompanhadas, foi um pulinho. No início até achei que seria melhor dormir cada uma para o seu lado já que, tendo cama de solteiro (corpo e meio), nem sequer tocariam com os pés uma na outra. Mas depois experimentámos deixá-las mesmo juntas e até nem foi mau de todo.



Mas espera, estou a esquecer-me de que chegámos a fazer uma tentativa, onde uma delas acordava a outra - a mais nova acordava a mais velha - e voltámos a trazê-la para o nosso quarto. A nossa prioridade sempre foi dormirmos todos o melhor possível. Por isso, fizemos cosleeping até aos dois anos da Luísa, quase. Quando tentámos uma segunda vez, correu bem. Não vos vou dizer que as noites mudaram da noite para o dia, que, por aqui, temos duas miúdas que demoraram a dormir a noite toda. Ainda hoje nos aparecem no quarto ou chamam por nós. Ainda hoje adormecem com um de nós no meio delas, depois da história. É assim que para nós resulta melhor e, sinceramente, já nem temos pressa. Acabámos por moldar as nossas expectativas à realidade e não a sonhar com o impossível. Mas já está tudo muito melhor. Há dias em que ambas dormem muito bem. Há dias em que vêm ter as duas à nossa cama já de manhã. Há dias que são um verdadeiro “jogo das camas” e já nem sabemos bem onde acordamos e ao lado de quem.

Sabem que mais? É como é. Aceitar facilitou-nos a vida.

No entanto, também já ouvimos duas vezes a Isabel a conseguir acalmar a Luísa a dizer “a maninha está aqui”. Não é a coisa mais linda deste mundo? É. Também já demos com elas de mãos dadas.



Curiosamente, num livro que temos sobre a infância da Ana e da Elsa, do Frozen, elas dormem juntas, lado a lado. E a Luísa achou a coisa mais engraçada do mundo: “igual a nós. Eu sou a Elsa e a mana é a Ana”. Perfeito.

Por isso, se têm dúvidas em como dispor o quarto e as camas, não descartem logo esta hipótese. A cama é no chão, de inspiração montessoriana [desde o ano e meio da Isabel que não há outra forma, adoramos].

Elas dormem juntas, lado a lado, e é uma boa solução. Para já, vai ser assim mais alguns tempos (ou até anos).




Sigam-nos no instagram em @amaeequesabe.pt
Subscrevam o  nosso canal de youtube aqui: /amaéquesabe

1.29.2019

Ela dormiu pela primeira vez fora de casa!

Nem acredito que aconteceu! Que liberdade! Que maravilha! 

A Irene até ontem (4 anos e meio) nunca tinha dormido fora de casa (da mãe ou do pai). Claro que, entretanto, ultrapassamos imensos desafios como dormir em casa do pai ainda amamentada pela mãe, dormir uma semana sem a mãe, só com o pai. As coisas não têm estado estanques. Têm evoluído.

Por estar a fazer o Maluco Beleza com o Rui Unas tenho estado fora de casa à noite quando há programa e porque é sempre bom ter onde deixar a Irene, nem que seja também quando começar com as actuações de stand-up, tenho de ter aqui algumas alternativas... 

Ela também tem de perceber que há muitas pessoas que podem tomar conta dela e que a amam. Aos poucos estamos a fazê-lo. E correu tão bem! Pelo menos, tanto quanto saiba. Claro que teve o máximo de conforto e atenção mas saber se gostou, só quando lhe disser que tem de ir novamente, hehe. 

Nunca antes tinha posto esta hipótese por causa da amamentação e também pela maneira como a Irene reage a mudanças (talvez também por ser a minha). 

Estou muito feliz por ter corrido bem. É mais um passo para a liberdade. Às vezes, quando estamos a passar por fases mais difíceis, mais sufocantes com eles, temos alguma dificuldade em ver que é temporário. Lembro-me de fases da amamentação em que só me apetecia desaparecer. Ou a fase dos dentes, ou a fase...

Mas, já dizia o meu ex-director: "é tudo uma fase". 

É mesmo. 

E ainda bem, por um lado. 

Por outro... está a ficar toda crescida e independente, ahah. Está a ser rápido ;). 


1.07.2019

Os vossos filhos ficam loucos antes de dormir?

A sério. Se isto da maternidade fosse um jogo de consola, para mim, desde sempre que havia dois níveis finais de dificuldade: adormecê-los e dar de mamar. 

Sempre foi um terror para mim adormecê-la. Agora está muuuito melhor e entendemo-nos muito bem SE... Se o quê? Olhem, se tiver feito sesta é uma maravilha. SE conseguir deitá-la a boas horas também. 

Comecei a reparar (já há algum tempo que a miúda tem quase 5 anos, mas mais agora que já não faz sesta todos os dias na escola, infelizmente) que perto da hora de deitar está sempre a mexer em tudo. Como se fosse compulsivo. Pega numa coisa, digo para parar, pega logo noutra. Põe-se aos pulos na cama, corre de um lado para o outro e parece que fica com audição selectiva... pedir-lhe para parar ou tentar explicar que tem de ir dormir cedo na maior parte das vezes não resulta. É horrível.

Isto para já não falar que fica claramente "mal comportada". Faz asneiras, parece que não consegue pensar e parece outra miúda. A Irene costuma ser uma rapariga energética mas reage bem quando falamos com ela quando está "em si". Mesmo que não aceite ou o que for, costuma dar para falar e gerir as coisas em conjunto, negociando, explicando. 

Quando não dorme a sesta e quando não consigo deitá-la pelas 20h porque, sei lá, uma pessoa tem de fazer coisas e quer ver a criança, é a chamada loucura.

Fica louca. E eu também. As coisas descontrolam-se e, finalmente, quando ela adormece, fico a sentir-me horrível por não ter conseguido controlar-me ou não ter conseguido dominar a situação, etc. A culpa quando ela adormece... começo a rever os passos e a pensar como posso fazer diferente no dia a seguir. 


Isto porquê, gente? 

Não falando da culpa toda que sinto - isso posso falar no divã (ahah) - mas sim deste descontrole todo que existe ao final do dia, especialmente em crianças privadas de sono (e em mães cansadas também).

Quais são as consequências da privação de sono? 

São a vários níveis: no comportamento, no desenvolvimento socio-emocional, no desenvolvimento cognitivo, etc. 

As crianças têm vindo a dormir cada vez menos de geração em geração (por todos os motivos que já sabemos: os pais terem de sair tarde do trabalho, as deslocações...). 

Ao contrário dos adultos, a falta de sono nas crianças não se revela em bocejos e em apatia, mas sim em hiperactividade, irritabilidade e uma rápida falta de tolerância. E é sabido que alguns diagnósticos de hiperactividade mudam depois da criança passar a ter uma rotina adequada de sono (cuidado com isto, hã?). 

Dormindo menos que o ideal ou desejável não conseguem gerir tão bem (quanto possível para a idade) as suas emoções até porque revelam um nível de cortisol (stress) mais elevado. 

A privação de sono antes dos 3 anos pode perturbar o desenvolvimento verbal da criança e nas capacidades não verbais nas crianças de 5 e 6 anos. 

Além de que contribui para um risco acrescido de excesso de peso ou de obesidade.


Quanto é que as crianças devem dormir? 

Se conseguirmos estar atentas, conseguimos ver pelo comportamento deles, pelas olheiras, pela energia (excesso ou falta dela) que estão cansados. Geralmente, quando adormecem no carro, é porque estão em privação de sono evidente, por exemplo. 

Tudo depende da qualidade de sono da criança. A Irene, por exemplo, por ter alguns problemas respiratórios, a qualidade do sono dela é inferior, de momento, à desejável e, por isso não me posso reger pelos valores habituais. Nada como observarmos os nossos filhos, se conseguirmos. Digo muitas vezes "se for possível" ou "se conseguirmos" porque, durante muito tempo, não consegui por não estar minimamente calma. 

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Pediatria, estas são as recomendações de horas diárias de sono: 

1) Lactentes dos 4  aos 12 meses: 12 a 16 horas por 24 horas (incluindo sestas)

2) Crianças de 1 a 2 anos: 11 a 14 horas por 24 horas (incluindo sestas)

3) Crianças de 3 a 5 anos: 10 a 13 horas por 24 horas (incluindo sestas)

4) Crianças de 6 a 12 anos: 9 a 12 horas sono noturno por 24 horas

5) Adolescentes de 13 a 18 anos: 8 a 10 horas sono noturno por 24 horas


Aproveito também para deixar a tabela muito clara que toca às repercussões da privação de sono nas crianças: 



Só para não ficar aqui só um post de pânico geral, queria deixar algumas sugestões para melhorar a qualidade e quantidade de sono da criança (pode ser que ajude alguém que não saiba ainda):

- Criar uma rotina de horários de sono (mantendo-a aos fins-de-semana, tentando que haja apenas, no máximo, 30 minutos de diferença, de acordo com a SPP);

- Incentivar a utilização de um objecto de transição e respeitar essa necessidade;

- Não permitir a visualização de ecrãs e a utilização de aparelhos electrónicos pelo menos trinta minutos antes de adormecer;

- Ter uma rotina para deitar, os rituais e as ordens serem os mesmos;

- etc. 


Acima de tudo, o que queria deixar claro com este artigo é que não podemos responsabilizar uma criança que está em cenário de privação de sono pela incapacidade de gerir as suas emoções, pela sua hiperactividade e agressividade e pelas dificuldades de aprendizagem. 

Aquilo que poderá parecer uma atitude de revolta ou de falta de educação é, nestes casos, o melhor que a criança poderá fazer. Sendo da responsabilidade dos pais e da escola que a criança tenha o mínimo de sono adequado para a idade e para cada caso.

A Irene precisa de 11 horas mais uma sesta, ainda, por aí.

Tem sido difícil gerir tudo, mas só temos que fazer o melhor que conseguirmos.



Referências: 

Petit D, Montplaisir J. Consequences of Short Sleep Duration or Poor Sleep in Young Children. In: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Petit D, topic ed. Encyclopedia on Early Childhood Development [online]. http://www.child-encyclopedia.com/sleeping-behaviour/according-experts/consequences-short-sleep-duration-or-poor-sleep-young-children. Published December 2012. Accessed January 7, 2019.

Sociedade Portuguesa de Pediatria, RECOMENDAÇÕES SPS-SPP: PRÁTICA DA SESTA DA CRIANÇA, 1 de Junho de 2017. 

8.23.2018

A minha filha dorme pior do que a tua!

Está aberto o concurso: a minha filha dorme pior do que a tua! As inscrições fazem-se nesta caixa de comentários e o vencedor ganha umas palmadinhas nas costas e mais umas quantas noites de merda! Parabéns!!! 

Já deu para descomprimir um bocado. Nada que uma asneirita não resolva, não é não? [Não].

Quando eu achava que as noites estavam finalmente melhores, eis que as férias [terão sido as férias?] e as mudanças de rotina, de sítios, de tudo, voltaram a fazer mossa. Resta saber se agora vai voltar a melhorar ou eu vou continuar a morder o lábio enquanto ouvir "o meu Afonso sempre dormiu a noite toda!", "a minha Mara dorme 15 horas seguidas desde que estava na minha barriga". Inspira, expira. Ou como responderia a Joana Gama: "Isso é porque és tão chata que ele nem te quer ver mais à frente!" (algo assim, sorry Joana por não te parafrasear na perfeição).

Mas pronto, filhotas. Quando acharem que só o vosso filho dorme mal (sim, porque as colegas de trabalho têm sempre nenucos santos que comem dormem e fazem cocó digno de ser emoldurado), lembrem-se aqui da que escreve no blogue d'a mãe e sintam-se mais normais. 

Isabel - 4 anos - ainda acorda porque tem sede, xixi, calor, frio (mesmo estando 62 graus) ou um pesadelo (muito menos vezes mas ainda acontece)
Luísa - 2 anos - ainda acorda porque sim, porque não, porque tem um pesadelo, porque não quer estar na cama, porque não quer estar no chão, porque não quer viver, porque... 

Coragem! Muuuuuita coragem! Vai melhorar! (Quando é que eles bazam de casa mesmo? ;) )




Escrevi sobre o facto da miúda agora querer dormir no chão (mesmo no chão) aqui.

Tudo o que já escrevemos sobre o sono aqui.
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

8.06.2018

A solução para noites mal dormidas.

Será que é por ser por volta desta altura que tudo nos parece estar a ficar mais fácil? Por muito cansativo que seja criar uma criança de 4 anos, acho que nada voltará a ser tão cansativo e exigente como aquelas primeiras semanas... :) 

Estou a conhecer mães felizes, mães que não se queixam nas conversas (como eu). Mães que conseguem ver sempre (parece) o lado positivo das coisas e que se metem em (mais) trabalhos porque estão (parece-me) só gratas por terem os filhos. 

Claro que não deverá ser a todo o momento, mas noto que têm uma postura muito diferente daquela que me parece ser a minha "natural" (assim inclinada para o negativo) e que lhes sai sem esforço. 

Até poderia dizer que são as mães que sempre puderam dormir, mas não é verdade. Há para todos os gostos. 


A história que contamos a nós mesmas poderá ser mais forte que noites mal dormidas. 

A Irene não dormiu durante 3 anos ou mais. acordava entre 4 a 6 vezes durante a noite e o meu dia girava em torno do meu sono e da tortura a que estava sujeita. Foi bem pior. Nem a aproveitei como deve ser e só me deitei mais abaixo. 

Um conselho para as mães que estão agora a passar por isso? Pode parecer ingrato, mas... desvalorizem! Abstraiam-se. Encolham os ombros e pensem: "é a vida, vai passar". Porque vai. 

Claro que há problemas de saúde e coisas que terão de ser pensadas antes da postura da relativização, mas acredito que todas, naturalmente, já terão percorrido uma lista interminável de coisas que vos pudesse estar a escapar. 

É a vida. Faz parte. Vai passar. 

Se, além do sono, lhe adicionarmos a nossa negatividade, mais do que sono, vmaos perder a força. E sem força é tudo pior. 

Prontas para contarem outra história? 


6.27.2018

Quais são as últimas coisas que lhes dizem antes de adormecer?

Ontem, a minha mãe foi lá a casa fazer-nos também uma visita e acabámos por falar as três das últimas coisas que a minha mãe me dizia antes de adormecer. No outro dia lembrei-me delas enquanto adormecia a Irene. 

A minha mãe dizia algo como: 

"Boa noite. Dorme bem. Sonhos cor-de-rosa. Dá palha ao burro... e come... também!"

Disse isso à Irene e ela gostou muito. 

Nem sempre lhe digo porque quando digo uma vez ela pede-me para repetir umas mil (e nem sempre estou relaxada ao ponto de admitir essa possibilidade). 

Geralmente digo: "Boa noite, filha, adoro-te, dorme bem..."




Ontem foi mais ela a dizer "boa noite, mãe elástica" e eu disse "Boa noite, Violet". 

6.11.2018

Tudo o que já fiz para a adormecer...

Se andarem para trás nos posts daqui do blog, especificamente aqui, vão ler todos os meus dramas sobre o sono da Irene. Não dormiu uma noite inteira até aos 3 anos (dormiu até aos 3 meses, depois tudo virou) e, para além disso, adormecê-la era uma dor enorme, para as duas. 

Tudo o que pensava na altura: 

- Tenho de a adormecer completamente no escuro, porque isso faz com que ela fique mais calma e não se distraia tanto. 

- Não podia sair do quarto enquanto ela não adormecesse senão estaria a dizer-lhe que, se chorasse, que iamos sempre para a sala (às vezes ficava duas horas a tentar adormecê-la e também nas sestas).

- Desistia n vezes numa pilha de nervos e ia para a sala. Sentia que tinha "falhado" e estava toda eu um cúmulo de ansiedade. 



Até ao 1º ano: 

- Ela dormia no berço. 

- Dava-lhe de mamar na poltrona e, quando adormecesse na mama, voltava a pô-la no berço. 

- O berço "tinha picos". 

- Tinha de esperar até que ela estivesse em sono profundo, fazendo o truque do braço (levantar o braço dela e ver se o deixava cair ou se ainda estava "consciente"). 

- Às vezes não conseguia tê-la no quarto comigo, estavamos as duas muito ansiosas, então punha-a na espreguiçadeira, na sala. 


Até aos 2 anos e meio:

- Dormia num colchão no chão com barras protectoras laterais.

- Eu adormeci-a deitada. Dava-lhe mama já deitada. Quando ela adormecesse rebolava ou eu saia da cama de fininho (sendo que 90% das vezes acabava por adormecer)

- Comecei a cantar-lhe músicas e a abanar-lhe o rabo depois de uma longa viagem para descobrir que maneira de a abanar e que músicas devia cantar. 

- Deixei de me deitar com ela para a adormecer, apenas para a readormecer com mama a meio da noite, sendo que acabva por adormecer lá a maioria das vezes. 

- Passei a dar-lhe mama na poltrona e deitá-la depois já com a "mama dada", passando imediatamente para o abanar de rabo. 


Até aos 3 e picos: 

- Dormia numa cama alta individual com barras protectoras laterais. 

- Dava mama sentada na cama e, quando apagasse a luz, era para adormecer. 

- Deitavamo-nos e abanava-lhe o rabo enquanto cantava até adormecer. 

- Quando estivesse em sono pesado, saía de fininho do quarto. 


A partir dos 4: 

- Sem barras laterais (cama encostada de um dos lados à parede).

- Dou mama sentada (cada vez mais rápido e menos vezes).

- Deitamo-nos (e contamos uma história) e, quando apagamos a luz, é para ficar em silêncio (not).

- Festinhas na cabeça ou massagens nas costas até adormecer. 


Agora é a melhor fase de todas. Tenho amado adormecê-la. Finalmente. É tão melhor para as duas quando tudo corre bem. Esotu mesmo muito feliz.

O que queria com este post é que vocês sentissem que os vossos "hábitos" não são mais "estranhos" do que os de qualquer outra pessoa e que, acima de tudo, tudo melhora :)


Tudo melhora. :)

Estamos a fazer o desmame noturno!

Tenho algum receio de que estes post possa incentivar-vos a que tentem também o desmame sem que estejam preparadas (vocês e eles). Aconselho-vos, primeiro, a tentarem perceber o vosso bebé, a lerem, pesquisarem, a falarem com Conselheiras de Aleitamento Materno, de forma a que o façam da forma mais delicada e menos abrupta possível para todos. 

Conto-vos a minha história. Estou muito contente com a forma como está a correr o desmame noturno, agora que a Luísa já fez 2 anos. Foi fácil, muito mais do que eu imaginei. Se calhar também só foi fácil porque ela já está preparada, não sei. 

Já há algum tempo que, durante a noite, não me apetecia dar-lhe mama e tentava dizer-lhe que tinha de fazer óó, pegava-a ao colo ou dava-lhe festinhas, pedia ao David ou dizia-lhe que as maminhas estavam a dormir. Normalmente, ela zangava-se e eu raramente levava aquilo até ao fim, até porque não gostava de vê-la sofrer nem queria que a casa fosse abaixo, acordasse a irmã ou o prédio todo. Desisti.

Na semana passada, depois de falar com a Patrícia Paiva (quem me tem ajudado com a amamentação, desde sempre, enchi-me de coragem e calma, e que é CAM na Amamenta Setúbal), fez-se luz: precisava de reforçar outros momentos de conexão com ela durante o dia - e só com ela, em exclusivo. Assim o fiz, dei-lhe banho, sozinhas as duas, li-lhe uma história na cama e, quando ela me pediu maminha (o nosso ritual antes de dormir), eu disse-lhe apenas que à noite as maminhas têm de fazer óó e que já estavam a dormir. Expliquei que estavam cansadas e que precisavam de descansar. Choramingou (mas eu esperava todo um berreiro, que não chegou a acontecer). Disse-lhe que a mãe estava ali e que íamos dormir agarradinhas. De manhã, com a luz do sol, as maminhas acordariam e já podia. E não é que ela entendeu? Adormeceu relativamente rápido para o que eu estava à espera e dormiu melhor que o costume.

Segundo dia igual e desta vez tive de a adormecer ao mesmo tempo que a Isabel. Isto tudo já no quarto delas (desde que pede para dormir no chão que temos tentado mudá-la e está a correr bem). Demoraram mais um bocadinho (quando são as duas põem-se a falar e a brincar), mas a noite depois foi muito melhor. E já vamos no quinto dia, ou quinta noite. Demoram mais a adormecer e a Luísa acorda às 6h, é verdade, mas tem dormido a noite toda, o que, para mim, e dadas as mudanças, é um autêntico milagre. [Atenção que o desmame não significa que eles acordem menos vezes (até sei de um caso que piorou bastante. No nosso caso, não sei se ainda irá regredir e voltar a acordar - já não alimento grandes expectativas quanto a este assunto ;) ].

Parece-me estar óptima durante o dia. Faz conversa, lá com o português dela, sobre o facto de durante a noite não haver maminha mas de forma tranquila, parece-me. De manhã, é ouvi-la rir-se muito de felicidade por poder mamar.

Ainda não a sinto preparada para o desmame total (ela adora mamar) e quero fazer tudo com muita calma, não tenho pressa nenhuma. Durante o dia, não me incomoda mesmo nada, até gosto. Não ofereço e só dou quando ela pede, sendo que às vezes tento adiar e que perceba que, às vezes, tem de esperar. Durante a semana, só acontece de manhã e, às vezes, depois da escola. Durante o fim-de-semana, pede mais uma ou duas vezes.

Tudo certo.




P.S. Tentem não gogglar muito sobre este assunto, que já encontrei por aí umas supostas "estratégias de desmame" que têm suposta informação a sustentá-las muito pouco científica...
Este artigo, porém, é muito fixe.


Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

5.29.2018

As duas coisas que mais me custam nisto da maternidade

1. SONO
Muito, muito. Um bocadinho menos, desde que a miúda começou com a pancada de querer dormir no chão (falei-vos da última aqui). A verdade é que - até tenho medo de falar - a miúda agora só tem acordado duas vezes por noite e numa delas eu ainda estou acordada. Sim, sortudas que dormem a noite toda desde sempre e que ainda se gabam disso, quando eles acordam (SÓ!) duas vezes por noite, já é uma bênção.
Mas sim, é sem dúvida a maior privação por que já passei na minha vidinha. Tenho superado, dado a volta e sobrevivido. Caso estejam desesperadas, peçam mesmo ajuda (há o Centro do Bebé, com a maravilhosa Constança, por exemplo). 

2. FILHAS À PORRADA
Deve ser normal, que eu e o meu irmão tínhamos a mesma diferença de idade e andávamos muitas vezes engalfinhados, mas custa muito ver as discussões constantes e aqueles "arrancares de olhos". Amam-se e odeiam-se as minhas filhas e eu nem sempre tenho paciência. Embirram mesmo uma com a outra, sabem? Disputam as mesmas coisas, põem pés nas caras uma da outra, fazem aquela coisa irritante do "ai, ai, ai, ai" e fazem muitas queixinhas. Há dias em que tenho a cabeça em água. Temos sobrevivido. Yeah!

E vocês, quais são as coisinhas que às vezes vos fazem sentir saudadinhas daquele sofá disponível e silencioso depois de um dia de trabalho?




Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

5.11.2018

Adormeço as minhas filhas. Até quando? Até deixarem de querer.

Já estive em todas as fases: a fase de desespero, quando ela demorava muito tempo a adormecer e eu tinha toda uma vida para acontecer; a fase de adorar, quando não tinha nada para fazer e adormecia com ela; a fase de ter duas para adormecer e de ficar um bocado ansiosa se a primeira (a Luisa) acordava a meio de adormecer a segunda; e agora a fase em que me sabe muito, mas mesmo muito bem os minutos que tenho só para a Isabel antes de a adormecer, as conversas tão divertidas que temos, as novidades que escolhe contar na cama, as coisas bonitas que me diz nesses momentos e quando me dá a mão e fico a ouvi-la respirar e adormecer, serena.

Claro que já desejei ter filhas que se despedem na sala e que vão sozinhas para a cama. Claro que já desejei despedir-me com um beijinho, aconchegá-las nos lençóis e dizer “dorme bem e até amanhã” e sair do quarto. Claro que já me passei da cabeça quando, ao fim de não sei quanto tempo, ela me pede água ou creme ou tem calor ou comichão ou... vocês sabem. Custa-me muito quando adormeço e tenho coisas para tratar. Mas passou a ser menos difícil a partir do momento em que assumi que as minhas filhas (ainda) precisam de se sentir acompanhadas para adormecer e, por vezes, até para readormecer. A Luísa ainda dorme no nosso quarto, por isso, diria mesmo, que ainda necessita de companhia para dormir. É o que é. Alguns diriam que as habituámos mal, eu prefiro acreditar que respeitámos as necessidades delas. Ter isso em mente facilita todo o processo.

Adorei adormecer a Isabel esta noite. Rimo-nos muito quando eu vesti as calças de pijama do David e ela me chamou papá. Disse-me coisas lindas antes de dormir e eu a ela e demos as mãos. Foi o momento cúmplice do dia. Gostei de adormecer a minha filha de quarto anos. Enquanto ela quiser, assim será. Eu sou das que gosta de dormir acompanhada, por isso percebo-as bem. Enquanto me quiserem, ter-me-ão.*


* o pai também as adormece, vamo-nos revezando
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

4.09.2018

Finalmente já não tenho que a abanar mais para a adormecer!

Há imensa gente que sabe do que estou a falar. Somos muitos os prisioneiros de um mecanismo qualquer de adormecimento nos nossos filhos. 

No meu caso e da Irene começou por ser com a maminha. Mais tarde, negociado, tive de arranjar outro recurso para a adormecer  ou, até mesmo com a maminha, quando a punha no berço, arranjar maneira para que ela lá ficasse (foi até bastante pacífico graças à Constança do Centro do Bebé). Desenvolvi, visto que ela não falava, o "abanar o rabo". 

E atenção que nada era pacífico no momento de a adormecer. Dava-lhe mama sentada e depois punha no berço e acordava e chorava. Ou dava-lhe mama em pé a vaguear pelo quarto e ela não parava de chorar. Ou tentava não lhe dar mama ela chorava na mesma. Punha-a só no berço e chorava. Nunca foi fácil. Nunca. 

A quantidade de vezes em que me escorriam lágrimas enquanto tentava adormecê-la... Cansada, irritada de não conseguir mas, acima de tudo, cansada. Não dormia. Mesmo quando dormia não dormia e adormecê-la era como uma prova de resistência, daquelas que fazíamos na escola de correr durante 10 minutos sem parar ou mais. 

Voltava para a sala com ela, milhões de vezes. Em que tinha de respirar fundo, tinha de chorar. Tinha de a pousar algures para voltar a sentir os meus braços, mas sempre com a cabeça a "lixar-me o juízo": "não dormiu agora, vai adormecer mais perto da hora do lanche e depois para pegar o sono da noite vai ser pior". E, se me permitem, naquela altura, pior que tudo isso? Eu não podia ter tempo para mim. Nem apenas uma hora em que fingiria que iria dormir a sesta só para estar um bocadinho sozinha ou em que tentaria mesmo dormir. 

Tentei muitas coisas. A contar números até ao infinito, a contar histórias sem nexo (ela ainda não falava) e que, às vezes, até resultavam porque eu própria me perdia nos enredos e acabava por me acalmar até que descobri: abanar o rabo. 

Virá-la de barriga para baixo e cantar ou contar uma história enquanto lhe abanava o rabo ao mesmo tempo que fazia com que ela ficasse imobilizada (nossa, que violência), fazia com que ela fosse obrigada a descontrair o corpo. Já tinha de estar na cama também, o que ajudava. Depois, para tirar a mão era outro terror. Tive de desenvolver técnicas e timings ninja para conseguir tirar a mão sem que ela acordasse, mas sempre melhor do que a ter ao colo durante horas (eram mesmo horas,  às vezes). 

Confesso que foram algumas as vezes em que, mesmo assim, chorando de desespero, lhe abanava o rabo. Às vezes, se calhar, rápido demais para a distrair ou para lhe fazer um snap out of it. Agora, olhando para trás, o cenário, se alguém nos tivesse visto, seria impressionante, seria mesmo de quem precisaria de alguém que nos ajudasse. E precisávamos.

Pelo meio passou a dormir a noite toda (aos 3 anos). Isso fez com que eu conseguisse ter um pouco mais de paciência e de esperança e de - vocês sabem - vontade de viver. 

Abanar o rabo passou a ser o sistema. A rotina é ler a história, dar mama, pôr na cama, e abanar-lhe o rabo enquanto canto uma música que o pai inventou para conseguir adormecê-la quando voltei ao trabalho tinha ela 1 ano e meio. E assim tem sido até recentemente. 

Aos poucos têm surgido outras possibilidades e, de repente, já não tenho de ficar com o braço dormente e tentar trocar de braço sem que ela repare. Ou estar sempre a cantar a mesma música ou... De repente, o que "surgiu" foi fazer-lhe cafuné, festinhas e massagens nas costas ou nas pernas quando dorme sem calças... Caramba. Como tudo mudou e para tão melhor. 

Acabou a prisão - até ver - de lhe abanar o rabo e agora tenho só de lhe fazer miminhos - que chatice!! Agora quase que nem tenho pressa para que ela comece a adormecer sozinha. Gosto tanto. De repente, o pior momento do dia passou a ser um dos meus preferidos. Aquele é que me recalibro. 

Desculpa, filha, a Mãe estava tão cansada... Ou às vezes está tão cansada... 


Isto, claro, quando não "tenho pressa". Senão perco-me toda na mesma, mas agora com mais margem de conversa visto que a miúda já tem 4 anos. :)

Como é que vocês os adormecem?

Tudo o que já escrevemos sobre o sono aqui
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: