11.12.2019

Usar aparelho com 5 anos - porquê?

Há cerca de 3 semanas, a Isabel começou a usar aparelho. Eram notórias, cá em casa e até junto da pediatra, não só a forma mais "ciciosa" de falar (os ésses mais carregados), assim como a forma como punha os dentes de cima em cima do lábio de baixo. Por isso, depois de duas consultas na odontopediatra, raio x e avaliação, decidimos avançar com um aparelho miofuncional. Além disto, iremos pedir avaliação de um otorrino e queremos também ter consulta num terapeuta da fala (deverá precisar de fazer terapia miofuncional), de forma paralela.

Mas que tipo de aparelho é este? 
Com dentes de leite, vale a pena? 
Não é muito nova? 

Condensei algumas das vossas perguntas no instagram (que eram também as minhas antes de iniciar este processo) e resolvi, com a ajuda da odontopediatra da Isabel, a Dra. Beatriz Jordão, Directora Clínica da Clínica Dentária do Lumiar e a maior com crianças, responder às vossas dúvidas.

[as miúdas adoram lá ir, tem um jeito muito especial para falar - e brincar - com elas, além da sala ser completamente desenhada para os receber - desde músicas da Disney, a tablet, a phones, para que não ouçam barulhos mais chatos em algum procedimento, cadeira adaptada, brinquedos... etc etc].



Vamos a isto.

O que são, como funcionam e para que servem estes aparelhos? 

São aparelhos para corrigir os maus hábitos miofuncionais (hábitos dos músculos à volta da boca, da língua, da mastigação e da respiração). Corrigem a forma da boca e melhoram o alinhamento dos dentes, através da posição correta da língua e dos lábios. A chave para este tipo de tratamento é corrigir a posição e função da língua, treinar os músculos da cara para que não façam forças contrárias aquelas necessárias para o desenvolvimento dos ossos dos maxilares. Os aparelhos são desenhados de forma a que a língua tenha um sítio específico para se posicionar, ficando na posição correta na maxila, a musculatura oral seja estimulada ou descontraída para que o crescimento ósseo dos maxilares possa acontecer.

Porquê nos dentes de leite, porquê usar tão cedo? 
São utilizados maioritariamente em crianças com dentes de leite ou dentição mista (quando ainda estão a trocar os dentes) porque funcionam através do crescimento facial, potenciando-o. Até por volta dos 8 anos temos ainda um grande crescimento facial nas crianças. Estes aparelhos guiam esse crescimento de forma a prepararem a os maxilares (língua, músculos, etc) dos mais pequenos para receber os dentes definitivos da melhor forma e evitar tratamentos mais complexos no futuro.

Sempre ouvir dizer que aparelho só em dentes definitivos… podia explicar melhor? 

Estes aparelhos miofuncionais não são aparelhos para os dentes, são aparelhos para “a cara no geral”. São aparelhos para a língua, para os músculos, para os lábios, para os ossos e acima de tudo para alterar hábitos. Hábitos que nem sempre são conscientes (como o da Isabel – por oposição a hábitos tipo chupeta e assim) e nestes principalmente precisamos deste tipo de dispositivos para nos ajudar a eliminá-los. Ainda assim… aparelho só em dentes definitivos = mito 

Exemplos práticos de necessidade
- O caso da Isabel que “morde” o lábio de baixo com os dentes de cima projectando-os para a frente
- Crianças que dormem de boca aberta: como a boca está aberta, a língua fica numa posição incorreta e empurra os dentes e faz um arco na forma da boca
- Mastigar sempre para o mesmo lado e/ou demorar muito tempo a comer ou não gostar de coisas duras - pode ser sinal de necessidade de aparelho porque os dentes “não encaixam bem” e por isso demoram mais tempo a exercer a sua função (mastigar) ou fazem-no sempre melhor de um lado.

Qual a duração e o preço do tratamento? 

A duração depende muito do problema e também da colaboração do paciente, porque a maioria destes aparelhos são removíveis e se não são colocados na boca não funcionam.

Também existem opções fixas (não para o caso da Isabel) e com essas o tempo de tratamento pode ser muito mais curto (3 a 6 meses em média). Mas cada caso é um caso e tem de ser feito um estudo individual para cada um.

A Isabel não é muito nova para usar aparelho? Afinal os dentinhos dela ainda vão cair…

Estes aparelhos podem ser usados a partir dos 3 anos, a Isabel já tem 5. Até a Luísa já poderia usar se precisasse (não precisa, felizmente!). Os dentes ainda vão cair sim, mas não estamos a tratar os dentes que estão neste momento na boca dela, estamos a preparar a chegada dos próximos! Se não atuarmos, já a probabilidade dos definitivos nascerem e ficarem inclinados é grande, com este aparelho estamos a diminuir um pouco essas probabilidades.

A minha filha de 5 anos usa há 2 semanas para correção da mordida cruzada, será o mesmo?

Talvez sim, mas existem muitos tipos de aparelhos miofuncionais. Para a mordida cruzada até é bastante comum usarem-se soluções fixas. Faz com que endireite os dentes? Sim, pode fazer. No caso da Isabel não é esse o objectivo para já, o objectivo é que os definitivos não tenham o mesmo problema. Os dentes da Isabel neste momento são de leite, no entanto mesmo os de leite podem endireitar quando bem usado o aparelho.

Quando usa?

Idealmente 1h por dia em casa e durante toda a noite.

Qual é o problema da Isabel?

Classe II divisão 1 com hábito sucção não nutritiva do lábio inferior.

Também dá para quem chucha no dedo? O meu filho tem 5 anos… 

Os hábitos de chuchar no dedo, ou noutra coisa qualquer, depois dos 3 anos deixam conformações maxilares anormais, normalmente chamada mordida aberta. Estas alterações devem ser corrigidas o mais rápido possível, para tentar reverte-las ou melhorar a forma para os dentes definitivos. Dedos e chuchas têm uma componente psicológica associada e o aparelho não substitui isso, obviamente.




A Isabel recebeu muito bem esta notícia. Não vos vou dizer que não lhe custa nada (nos primeiros dias, dizia que lhe doía um bocadinho, além de não saber bem o que fazer a tanta saliva) e não é fácil fazer com que o aparelho aguente na boca dela a noite toda. Já cheguei a acordar para procurar o aparelho e lhe colocar a meio da noite. E já houve noites em que deve ter estado, no máximo, umas 4 horas com aparelho. Mas noto que, com o tempo, ela se foi habituando bastante à ideia, que já se preocupa em pôr o aparelho mal lava os dentes; brinca um bocadinho ou lê as histórias já de aparelho; já faz parte da rotina dela. Acho que mais duas semanas e já está tudo mecanizado. Acreditam que fiquei a admirá-la ainda mais depois de ver a forma determinada e resiliente como encarou isto? Mega orgulhosa.

Se tiverem mais dúvidas e quiserem partilhar, comentem, que tentaremos responder, sim?

Obrigada à Dra Beatriz por nos receber sempre tão bem. Há pessoas mesmo talhadas para a profissão que têm.




11.11.2019

Namorado aos 5 anos?

Hoje fui chamada à casinha (até gosto do nome, apesar da piroseira) para me ser comunicado que minha filha teria iniciado a sua primeira relação amorosa. Não só que tinha acontecido como que tinha sido ela a tomar iniciativa. 

Achei amoroso, claro. Especialmente porque sempre tive cuidado de não empolar o lado romântico na Irene. As crianças devem ser crianças e sinto que não se deve espevitar o "já tens namorado?" e a questão do casamento e família. Já chegam as imposições da sociedade - umas mais silenciosas que as outras - e haverá sempre tempo para lidar com elas. No entanto, ela convive com os amigos, há de ver desenhos animados em que tal acontece e, por isso, "limito-me" a oferecer o contraditório. Falando da importância da amizade, tentado explicar o que é o amor e como devemos tratar os outros e sermos tratadas. 

O namorado "emprestado" da minha filha - porque "não damos beijinhos, mãe, por causa dos micróbios" - ofereceu-lhe hoje umas cartas Pokémon e ela tem o desenho de retribuir com uma carta de amor que escreveu sozinha - com tantos erros, que amor - para ele: "Crido XXXX, cria faser esta carta namorado". E amanhã lá vai ela entregar-lhe. 


Giro que quando ela lhe pediu em namoro, ele primeiro disse que ia pensar e só depois voltou com a resposta afirmativa. Disse que passaram o almoço todo a chamar-se namorado um ao outro. 

Claro que me ri, claro que dei a devida importância que isto tem para ela. Dei o meu melhor para não empolar, mas para pegar na situação e explicar-lhe mais algumas coisas, nomeadamente que, se o namoro um dia acabar, que é importante e possível que os dois fiquem amigos tal como a mãe e o pai ficaram. 

"Ou namorados para sempre como os avós", disse ela. 

O pai, ao telefone, quando ela lhe quis contar depois também frisou que ela deve ser sempre tratada com carinho e respeito e ela disse que já sabia. Além de lhe ter perguntado se o rapaz não teria a idade do pai só para ficar descansado, ahah. 

Pelo que, venha o que vier, seja lá o que for, a Irene sabe que antes do namoro vem a amizade e que durante o namoro e depois também. E que, tanto na amizade como no amor, o carinho e o respeito são o mais importante. 

Apetece-me ir coscuvilhar com os pais do rapaz, mas ainda me acham casamenteira, ahah. 



Já repararam que saiu um novo episódio do nosso podcast? Desta vez falamos do que é preciso fazerem para terem um blog de sucesso (grande moral, bem sabemos!). Está disponível no Spotify, SoundCloud, Achor FM e iTunes, ok? ;)



Para além disso, se continuarem nas maratonas de aniversários ou não quiserem ter um enfarte em Dezembro a tratar das prendas de Natal, aproveitem o desconto AMAEEQUESABE nas lojas Science4you. Têm 10% em toda a gama de brinquedos, hã? Claro que recomendamos as estufas que são os nossos brinquedos preferidos, os que têm o nosso endorsement. ;) São óptimas actividades para aprender, esperar, observar e comer. Tudo em família ;)

Caso não vos apeteça ir a um centro comercial em breve, ficam aqui com a loja online para despacharem o assunto não só para os vossos mas para todos os aniversários até Dezembro de 2024. 


Se calhar fomos longe demais...

É possível porque nos pusemos a dizer o que seria necessário para ter um blog de sucesso. E, por isto, quer dizer que tivemos de comparar o que fazemos com outras pessoas. Nada contra, mas há práticas com as quais não nos identificamos e também temos as nossas opiniões. 

Para vocês que estejam a pensar em ser bloggers ou algo do género, pode ser que seja interessante pensarem nestas coisas.




Já subscreveram os nossos podcasts nas nossas redes? ;) Deviam! Falamos de tudo menos de maternidade (só para desenjoar).


Também está disponível nos podcasts da Apple, claro ;)


 

11.10.2019

5 anos!

5 anos disto. 
5 anos e picos de uma amizade que deu nisto. 
5 anos em que, tu, Joana Gama, tiveste de levar com a montanha russa que eu sou, ora lá em cima e motivada, ora frustrada, desanimada e a sentir-me paralisada. 
5 anos em que tu, Joana Gama, nem sempre escreveste coisas com as quais eu concordava, mas era isso que nos distinguia e que sempre deu força a este blogue: a tua paixão e garra.
5 anos a rir-me muito com os teus textos e a reflectir e a aprender com quase todos. 
5 anos de desabafos, de disparates, de fotos de cara lavada e até de pijama. 
Sem ter medo do que os outros pudessem pensar.
A partilhar casos, histórias de outros, dores de várias mães.
A responder a e-mails de leitoras que procuravam palavras amigas e de compreensão quando mais ninguém à sua volta parecia tê-las.
A fazer rir, a descomplicar, a partilhar coisas tão íntimas que faziam com que quem estava do outro lado se sentisse normal. 
Copo menstrual, sexo pós-parto, divórcio, guarda, partos, cansaço, psicoterapia, sonhos e desilusões.
Mudança de vida.
Reações inesperadas, desabafos e partilhas que faziam com que 
sentíssemos que o que fazíamos aqui até era especial.
Um convite para escrever um livro, para idas à TV, para entrevistas, para embaixadoras de projectos e até de marcas.
Nãos, bastantes nãos, quando não consumíamos nem confiávamos em algum produto. Alguns sins que faziam sentido que nos pagavam para que pudéssemos ter tempo para escrever sobre tudo o resto. Mais que justo.
Projectos que desenvolvemos por nós, começados por ti, e nos quais sempre confiei e aos quais
me entreguei.
Dicas de viagens, restaurantes ou de consumo, mas principalmente dos valores em que acreditamos, de livros, museus, espectáculos, atividades, disciplina positiva e aquilo que uma escola deveria ser.
Textos, vídeos e depois podcast, para falarmos de tudo o que tem a ver com a maternidade e tudo o que não tem. Tudo o que somos e tudo em que pensamos.
Já errámos, já fomos intempestivas ou dissemos disparates, já nos arrependemos, já mudámos de opinião e mantivemos tantas outras. 
Mas, sobretudo, já ficámos felizes por algo que parecia tão pequenino ter chegado ao coração de tanta gente (e se só ao de uma pessoa que fosse não teria sido em vão).

Quantas vezes já chorámos com comentários muito desagradáveis? (fui só eu?)
Quantas vezes já soltámos uma gargalhada? 
(e um pum? - é retórico, não respondas Joana Gama, pleaseeee LOL)
Quantas nos orgulhámos do que andamos aqui a fazer?

Já te disse que me orgulho muito de nós? E que sinto que te tenho de agradecer muito, mesmo muito?

Obrigada, Joaninha. Companheira de blogue, mas também de vida.











Obrigada a todos os que connosco já embarcaram nesta aventura:
 à Marta, que aqui estava há 5 anos; 
à Sara-a-Dias, que nos desenhou logo de início;
- à Joana, à Inês e à Susana, que nos têm vindo a fotografar e a acompanhar todas as nossas fases; 
- à Maria que nos deixou este cantinho também muito bonito; 
- a todas as pessoas que estão nas agências, marcas, editoras, revistas, programas que um dia viram algo especial em nós e decidiram dar-nos voz e apostar em nós.

Mas principalmente a todos os que nos seguem há 5 anos (alguém ainda? ahah), mas também a quem chegou mais recentemente. 
A quem nos ajuda a crescer, quem nos abraça e quem nos questiona. 
Quem quer o melhor para nós e para as nossas filhotas (não em conjunto, embora às vezes pareça). 
Tem sido bom, muito bom!

São 5 anos, caraças!



11.05.2019

Temos de parar de fazer isto.

Temos. 
Talvez nem toda a gente veja o que eu vejo, mas acho que se nos debruçarmos um bocadinho na questão, talvez consigamos sentir o que eles poderão estar a sentir. 

A criança chora. 

Aqui abre-se espaço para imensas reacções da nossa parte. 
Suponhamos que vivemos uma vida que consigamos ter um pouco de disponibilidade emocional para ter empatia pelos nossos filhos, embora numa situação com a qual não nos consigamos relacionar. 

Exemplo: 

A criança começou a usar o tablet. 
A mãe avisou que seria só enquanto ela fazia o jantar e que depois teria que o desligar. 
A mãe volta da cozinha e retira o tablet. 
A criança chora. 
A mãe fica irritada porque já tinha exposto a situação e comunicado as regras. Sente que não foi ouvida e sente-se frustada porque já adivinhava que podia ser esse o resultado e assim aconteceu. 
A criança chora. 
A mãe não consegue ir além dos seus sentimentos e o choro escala. A criança está incapaz de ouvir. 
A criança que, tal como conseguimos imaginar por também ser uma pessoa, teve um dia que a deixou cansada. Correu, brincou, geriu frustrações com cerimónia ou com as ferramentas que tem ao seu alcance tendo em conta a sua maturidade e experiência. 
Continua a chorar. 
A mãe não sabe o que há de fazer. 
Olha-lhe nos olhos e imita-a a chorar. Gozando com o choro. 
Não quer que ela se sinta pior, mas só quer que o choro pare. 
Não pára. 
O choro escala. 
A mãe finge chorar ainda mais alto e, sem se aperceber, gozando com a criança. 

Hoje ouvi uns vizinhos meus a fazerem-no. Já vi amigas minhas também a terem esta tendência. Lembro-me de me sentir muito sozinha e até mal-tratada por pessoas que supostamente seriam aquelas que me deveriam apoiar e ajudarem a acalmar-me. Sentia como se fosse um murro na barriga depois de mostrar que estou doente. 

Será que podemos parar com isto? 

Será que conseguimos olhar para as crianças como sendo pessoas ainda que possamos ter que admitir que não temos as ferramentas necessárias para sermos sempre a solução? 

Será que conseguimos perceber que, no meio da nossa indisponibilidade - à qual muitas de nós estamos sujeitas sentindo que não existem outras hipóteses - não são as crianças que devem pagar o preço? 

Será que embora não consigamos perceber as razões que levam a uma criança a explodir numa reacção semelhante podemos sentir empatia relembrando-nos das vezes em que já estivemos no lugar delas quando éramos mais novas? Ou até mesmo quando no dia-a-dia nos sentimos incompreendidas, desabafamos e não queremos receber "gozo" de volta? 



Talvez o equivalente numa relação adulta fosse: 

- Sabes, Sónia, ultimamente sinto-me perdida, que a minha vida não faz sentido. 
- Ai, Madalena, lá estás tu com as tuas merdas. És sempre a vítima, sempre a vítima. Não consegues só deixar-te de te queixar e de seguir em frente? Que chatice!

Não é isto que procuramos, precisamos ou devíamos obter quando partilhamos sentimentos (tendo em conta as várias formas e desenvolvimento emocional de cada um). Ainda que a Sónia não tenha tido uma educação baseada na empatia e no amor ou mesmo que a Sónia tenha tido um dia péssimo. 

Don't kick them when they're down. 

Don't kick them at all. 

Não sou psicóloga, não sou orientadora ou qualquer uma dessas profissões que, por terem um lado académico, também nos transmitem mais confiança, mas já fui criança e sou adulta. 

Talvez não consigamos reagir logo. Talvez não tenhamos nada de bom para dizer. Talvez precisemos de nos acalmar um pouco ou talvez precisemos de rever a nossa vida ao máximo para que consigamos ter mais disponibilidade mental para que, nestas alturas, não falhemos com quem convidámos a que viesse habitar este mundo connosco. 

Estou zangada, sim. É uma tristeza primária que se apoderou de mim para escrever este post, mas talvez ajude a que mais gente se lembre de quando era criança. Ou apenas da última vez em que esteve triste. 





11.04.2019

Adopto a gata ou não adopto a gata?

A Isabel e a Luísa foram dormir, no sábado, a casa da tia que, além de gatos mais adultos, tem dois gatos bebés. Da última vez que lá tínhamos ido, a Isabel fez todo um número dramático porque queria ficar com um. Eu percebo-a. Eles são irresistíveis. Expliquei-lhe que não ia dar. Que não tínhamos, neste momento, vida, espaço e tempo para animais de estimação. Foram lágrimas e mais lágrimas, umas de crocodilo e outras bem sentidas. 

Mas neste fim-de-semana não houve lágrimas nem pedidos. Houve uns olhos maravilhosos de bambi de quem está absolutamente apaixonada e "mais vale é aproveitar cada segundo". Passou sábado à noite e domingo de manhã a dar-lhes colo. E nós, que até agora tínhamos sido irredutíveis, estremecemos um bocadinho das pernas. Ficaram bambas. 

Este é o gato, mas ela escolheu a gata para adoptar


Eu andei 16 anos da minha vida a pedir um cão. Chegou nessa altura e lembro-me bem da felicidade que foi. Lua. A nossa Lua. O meu pai foi buscá-la ainda estávamos no apartamento em Santarém, mas tinham comprado casa na aldeia, com terreno e espaço para ela correr à vontade. Aquele ano foi um "inferno", com destruições atrás de destruições, óculos e paredes roídas e o diabo na terra. O engraçado é que não a trocaríamos por nada. Foi nossa amiga durante tantos tantos anos. Deu-nos o Pipo, que ainda é vivo, já velhote. Quando a minha mãe me ligou a dizer que ela tinha morrido, envenenada, chorei tanto, mas tanto. Andei quase uma semana deprimida. Ainda me comovo a pensar nela. 

Por isso, eu sei da importância de se ter um animal de estimação. Da relação e das memórias que se criam. Claro que queria dar essa experiência às minhas filhas, mas também - assumo - sou bastante comodista. Sou preguiçosa para limpar a casa. E só de pensar em ter ainda mais responsabilidades e mais um ser que depende de mim até estremeço. Por tudo isto, ponderámos bastante. 

Ou então não, nem pensámos assim tanto, sentimos que poderia seria bom e pronto. Decidimos que vamos trazer a gata para casa. Que ela vai fazer parte da nossa família. Ainda estou um bocadinho em choque, tal como quando descobri que estava grávida (ahah não me gozem). Já desenterrei o aspirador robot que estava na despensa e que eu não usava há séculos - já sei, nem precisam de dizer: PÊLOS. Já sei que tenho de comprar um arranhador, uma caixa para ela deixar os seus presentes, uma caminha, mantinha; que vai levar vacinas agora em breve e todos os anos (é isso?); que tenho de a ensinar a não trepar para as bancadas da cozinha, etc, etc. Mas como é que isto se faz?

E é nesta parte que eu estremeço. Não percebo nada de gatos. A minha avó Rosel teve muitos gatos mas eu tentava não me afeiçoar muito a eles, ora porque morriam atropelados ora porque apanhavam doenças. Chorei tanto que deixei de sentir coisas fixes. Tenho até - não diria medo - respeito por eles. Fico assim sempre meio desconfiada quando um me vem parar ao colo. Não consigo relaxar. Não sou, pelo menos até agora, uma cat lover. 

Mas adoro que as minhas filhas gostem de todos os animais com que se cruzam. Que tenham este amor todo para dar. E não vou ser eu a passar-lhes este pequeno arrepio que se me dá. 

Por isso, aqui vamos nós para mais esta aventura (ainda está na minha cunhada até levar a vacina).

Deixem dicas, conselhos, lojas porreiras para comprar o material e comida, sosseguem-me, deixem histórias felizes que é para eu deixar de estar meio ansiosa com isto e passar a sentir só coisas boas.

Obrigada :)



11.03.2019

Ser mãe não é SÓ como nos anúncios

Agora que és mãe vamos dizer-te o que ninguém nos disse. 





Aqueles primeiros meses podem ser extenuantes. Queremos dar o máximo, ser a mãe que aquele ser precisa, queremos dar conta. Queremos estar bem. E, às vezes, fingimos dar conta. Fingimos estar bem. Damos o máximo, mas o máximo parece ser claramente insuficiente. No meio do caos de uma casa, do sono e da exigência, esquecemo-nos de nós. Temos vergonha de pedir ajuda.

Por isso, queremos dizer-te que é normal. É normal sentirmo-nos impotentes, cansadas e, até, desesperadas. Mas pedir ajuda é fundamental. E este é o nosso hino. Um hino à maternidade, mas principalmente um hino às mães.

A Meghan Markle, duquesa de Sussex, mulher do príncipe Harry, agradeceu ao jornalista que lhe perguntou se ela estava bem. Mais facilmente nos focamos no bebé do que na mãe. E não, não é vitimização. Não nos comparemos com as nossas avós ou bisavós que tinham de ir trabalhar no dia a seguir ao parto ou que os levavam para os campos e que "não estavam para aqui como mimimis” (expressão que até me dá comichão).

Claro que temos de “andar para a frente”, mas cuidar de nós, não nos armarmos em super mulheres e não fingirmos que está tudo bem, quando não está, é essencial. Falemos disto. Das coisas boas - que são inexplicavelmente boas - mas também das difíceis.

Estamos juntas?


Só para o caso de terem esbarrado connosco só agora, somos duas Joanas, uma com duas filhas e claramente mais cansada e lenta, uma com uma filha e claramente mais maluca: Joana Paixão Brás e Joana Gama respectivamente. Temos este blogue e podem seguir-nos também em www.instagram.com/amaeequesabe.pt e em www.instagram.com/joanapaixaobras e www.instagram.com/joanagama assim como no nosso canal de Youtube, onde abordamos os mais diferentes assuntos relativos à maternidade, mas não só.

Subscrevam este canal para conteúdos parvos e para outros de qualidade, que somos feitos de muita coisa, certo? Certo.

Ah! Só mais um recado: estamos a preparar mais um A Mãe É Que Sabe Ajudar, onde iremos a casa de uma recém-mãe ou grávida quase quase quase a parir, levar jantar, passar a ferro ou ajudar no que for preciso. Levamos presentes e, por isso, se as marcas desse lado se quiserem associar, são bem vindas. Email: amaeequesabeblog@gmail.com