segunda-feira, 29 de outubro de 2018

A decoração do casamento - todos os pormenores!

Já sabia há algum tempo o tipo de decoração que queria para o casamento. Algo simples, com branco e verde, com muitas folhas. De resto, não sabia muito mais. Ainda bem que encontrei a minha alma gémea, a Renata da Cravo - Event Concept Designers e juntas definimos o conceito. Ela era o meu pinterest, com a diferença de já ter experiência na área e de ter o seu próprio pinterest no instagram - tudo de sonho! Digo "juntas" e não "juntos" porque, convenhamos, o David deixou esta parte do meu lado: ele não tinha sonhado com o dia e não tinha muito tempo, mas, de vez em quando, pedia-lhe opiniões. 

A Renata foi o meu braço direito e, a par da Raquel e do Renato, os meus padrinhos, quem mais me ajudou com o casamento. Além de nos termos tornado amigas (ela é um docinho e eu desejo-lhe toda a sorte do mundo: se precisarem de ajuda a planear o vosso casamento, a receber conselhos, podem confiar nela).

Mas vamos a pormenores: 

As alianças chegavam até nós numa caixinha com vidro e repleta de folhas de oliveira. Adorei! 

Elegante, simples...



Em vez do arroz no final da cerimónia, a Cravo também encheu saquinhos de papel craft com folhas de oliveira. A ideia mais querida! 






Os convites da Molde Design Weddings definiram a parte gráfica de todo o casamento. Os menus, nas mesas, e os marcadores de lugar, com os nomes dos convidados, seguiram-se. Ficou tudo tal e qual foi pedido.

A Renata (Cravo) colocou, na hora, raminhos de oliveira em cada marcador, em cada lugar. 













 A Placa de Boas Vindas foi sugestão da Renata também e ficou maravilhosa, com acrílico e vinyl (design da Molde). 








O topo do bolo da Molde Design também seguia a linha do casamento: com os nossos nomes, com o mesmo lettering e romântico.



Um livro de honra para que os convidados pudessem escrever umas dedicatórias e duas máquinas instantâneas ficaram numa mesinha, com uma placa também em acrílico e vinyl e umas washi tapes.

O livro é da Rosa com Canela, personalizado com o nosso nome e a data, e as câmaras instantâneas brancas foram um presente que veio mesmo a calhar, da FNAC, para que pudéssemos registar os melhores momentos do dia e dos convidados. "Não percas o momento!" e nós não perdemos nadinha. Tenho o livro na mesinha no meu quarto e adoro folheá-lo, rever cada fotografia e ler o que nos escreveram as pessoas que melhor nos querem nesta vida.




























O painel "It Was Always You", feito à mão pela Renata da Cravo, foi mais um pormenor que me deixou muito feliz e acabou por ser o sítio onde fizemos as fotografias mais "clássicas" com a família e os amigos. Detalhes que fazem a diferença.



E, por fim, como já vos mostrei aqui, tivemos um cantinho especial para as crianças, que teve as mãos de fada da Maria das Festas (que são mais "Marias", na verdade) e ficou muito bonito. E bem doce. Elas podem dar um toque especial ao vosso casamento.
"Roubei" um daqueles arcos de oliveira para a minha cabeceira de cama, adoro a recordação.





Acho que está tudo. Espero que tenham gostado, que se inspirem e que partilhem com quem vai casar alguma ideia de que tenham gostado <3

Obrigada a todos os fornecedores por tamanho talento e paciência.

Com a Renata <3 

Fotografias The Love Project 

💗

Sigam-nos também no Instagram:





domingo, 28 de outubro de 2018

Como se namora sem a miúda saber?

Ahhh! Muitas de vocês perguntaram como é que conseguia levar este namoro de um ano em segredo, sem que a miúda soubesse...  (contei-vos que estou muito feliz há um ano a namorar :) aqui: "E namorar depois do divórcio? Eu tenho gostado! ;)" ) como é que quem está comigo tem lidado com isso. Vou responder para inspirar outras mães, mas adianto já que é com muita paciência e aceitação. 

Claro que há muito menos tempo em casal do que um dia haverá quando a relação estiver assumida, mas tudo devagarinho, com calma. E, acima de tudo, há sempre vantagens: ninguém se está a precipitar e avança-se com certezas. Especialmente de que a Irene esteja preparada - claro que tudo sob a minha perspectiva, nunca saberei mesmo,  ahah. 

Nos fins-de-semana em que a Irene está com o pai, claro que não se perde um segundo, eheh. 

Nas noites de dormida a meio da semana, a mesma coisa. :)

Nos dias em que tenho a Irene, combinamos planos a três e jantamos algures ou se janta cá em casa e, quando a vou adormecer, despedem-se como se ninguém mais dormisse por cá, mas dorme... estão a perceber, hã? Hã? De génia! Ou, então, chega depois da Irene e eu irmos para o quarto ler histórias, que é aí por volta das 21h ou das 20h (em dias que não faça sesta).



De manhã, a saída ocorre antes da Irene acordar ou, então, falseia-se um "veio cá buscar qualquer coisa", algo do género. 

Não é porreiro acordar "tão cedo" e sair "à pressa", mas encontra-se sempre uma vantagem: dá para ir ao ginásio, chegar mais cedo ao trabalho e não apanhar trânsito... compensa :) Não para mim, que eu tenho de dormir cá em casa na mesma por causa da Irene, pelo que só tenho a ganhar ;)

Pelo meio há um banho que a Irene não me pede a mim, há brincadeiras em que não estou envolvida por estar a aproveitar para fazer as minhas coisas ou o que for e vão se criando laços... que, aliás, já estão tão criados que a Irene chega a pedir para que "seja assim para sempre". Óbvio que me farto de chorar quando isso acontece. 

Ansiosa pelo que aí vem. Todas as fases vão ser boas à sua maneira e todas terão o seu motivo. Esta é boa para dar espaço a toda a gente e também para não se passar muito do "namoro" para "morar junto", etc. 


É bom sentir que está tudo apaixonado.

Obrigada, Irene, por me/nos fazeres andar com calma :)



quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Encontrei o desporto que mudou o meu corpo e não só...

Já experimentei muitos desportos e modalidades na minha vida: natação (anos), basquetebol, ginástica (trampolim, zero jeito), ténis (muito pouco jeito), cardio kick boxing (muito pouco tempo),  danças de salão (bem criança), ginásio, urban streaptease aerobics (não vale gozar, era bem girooooo, tipo dança de videoclip pop com uma professora fantástica)... ginásio 1, ginásio 2, ginásio 3, ginásio 4 (só da última vez, quando estava em Santarém, consegui gostar!) e mais uns quantos que me devo estar a esquecer.

Neste último ano, desde que regressámos do campo para a cidade, não mexi uma palha. Não sabia encaixar; tinha como prioridade dormir (e ainda tenho); achava a hora de almoço curta para ir ao ginásio, tomar banho e voltar ao trabalho; ir buscá-las já às 19h, casa, jantar e banhos: impossível à noite... até que descobri o Yoga, através da Joana Gama, que andava a "chamar a Sofia" (viram o que eu fiz aqui, Chama a Sofia ? uau!, que trocadinho nunca antes visto!...).

Experimentei, na fase mais louca da minha vida, com os preparativos para o casamento, filhas, trabalho e blogue (e com o David a trabalhar mais), à hora de almoço, e percebi que era isto. Era o que me fazia falta, era o que me fazia relaxar verdadeiramente e - eu não fazia ideia - está a ajudar-me a sentir músculos que eu nem sabia que tinha. A focar-me em mim, a centrar-me em cada parte do corpo. A aprender a respirar. A replicar o que sinto nas aulas para momentos de maior ansiedade. Ajuda-me a relativizar tudo, a afastar as más energias e pensamentos para longe de mim. A exigir mais um bocadinho de mim, da minha flexibilidade, do meu equilíbrio, mas a aceitar os minhas limitações. Com calma.

Eu era céptica, tão céptica. Tenho a certeza de que a minha mãe até se ri ao ler isto. Ela que fazia yoga e pilates e meditação e eu acenava com a cabeça a fingir que estava a ouvir o que ela me dizia. Era miúda.

Cheguei a tempo. Estou cá. E é para sempre.

Obrigada Mahima por me ajudares a descobrir-me, pelo incentivo e pela sabedoria.


Não quer dizer que não venha a fazer outras coisas entretanto e ao mesmo tempo: acho divertido dança, às vezes até tenho saudades de correr e até de alguns exercícios no ginásio, mas, para já, está a saber-me muito bem (só) isto. 

Sigam-nos também no Instagram:


Há casamentos que proíbem crianças

Durante os preparativos para o casamento, alguém comentou que tinha recebido um convite para um casamento que dizia "NO KIDS". Já tinha ouvido falar de amigos de amigos que tinham pedido aos convidados, ou alertado, para não levarem filhos.

Também já aqui vos falei que, até com 1 mês, a Luísa nos acompanhou a um casamento de uns amigos. Aliás, nem me recordo de algum casamento a que tenhamos ido os dois e a que a Isabel não tenha ido. O que às vezes fazíamos - quando dava - era deixá-las, depois do jantar, com a avó. Fizemos isso mesmo ainda no último a que fomos e, sinceramente, foi melhor assim: aproveitámos as garotas até uma hora decente e depois divertimo-nos os dois juntos.

Eu gosto de ter as minhas filhas connosco na maior parte do tempo. Aproveito essa tarde para as ver, ver como brincam, apreciar a forma como dançam, dar colo e matar saudades da semana. Uma amiga chegou a dizer-me que até equacionou deixar as filhas com os avós, mas como tinha estado uns dias sem elas antes, em viagem, não iria conseguir. Percebo-a e bem.

Nós temos filhas, temos sobrinhas, temos primos pequeninos e temos filhos de grandes amigos, com os quais convivemos e dos quais somos chegados, pelo que não fazia sentido limitar o nosso casamento a eles. Agora, não me choca que alguns noivos, que não tenham crianças na família, nem muitos amigos com filhos, queiram reduzir stress e, quem sabe, até custos, e que proponham isso aos amigos, até para que eles se possam divertir. Acho que só se consegue pedir isso com bastante confiança. No entanto, até nós tivemos de enfrentar essa situação. As crianças no espaço onde casámos não podiam ultrapassar uma determinada percentagem relativamente aos adultos (e só nos apercebemos disso mais tarde... demasiado tarde) e perguntámos, aos dois colegas do trabalho do David com filhos - porque achámos que eles não se iriam importar -, se se importariam de não levar. Com algumas pinças e cheios de medo de estar a ser indelicados. Corremos esse risco.  :/
E mesmo assim tínhamos 13 crianças para 67 adultos, noivos incluídos. 

Eu, que por acaso gosto muito de levar as minhas filhas connosco a tudo e mais alguma coisa [menos lua de mel, vá ahahah], não ficaria chocada se me perguntassem se eu teria com quem deixar as crias ou se me sugerissem ir sem elas. Apenas não saberia se isso seria possível. Mas também percebo quem fique chateado. Sou sensível aos dois lados da questão.

Para mim, era ponto assente que, no nosso casamento, teríamos crianças e que teríamos babysitters. As 3 meninas da On Nanny eram muito simpáticas e profissionais e conseguiram entretê-los com pinturas faciais, balões, deram-lhes o jantar e brincaram com eles. Os pais comeram descansados. Achei uma boa qualidade preço! 

Depois, quis ter uma mesinha com alguns doces e a Maria das Festas trataram do assunto em menos de nada (foi praticamente de um dia para o outro, são incríveis). "O amor é doce" estava escrito nos saquinhos para que pequenos e graúdos se servissem. A decoração foi ao encontro de todo o casamento: adorei! [Atenção que a Maria das Festas agora, a par das festas de anos e eventos corporativos, também faz casamentos, a coincidência! Boa sorte, meninas!!!].





































Estes chocolates estavam lindos! Como não tínhamos presentes para os convidados senti-os como a recordação do dia

Fotografias The Love Project 


E vocês? Ficariam ofendidas caso vos pedissem para não levar filhos? 
Levam sempre? O que acham deste assunto?


Sigam-nos também no Instagram: