sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Mamã, mamããããããã!

Chegou aquela fase.

Eu, que achava saudável a Isabel sentir-se segura e calma no colo do pai, afinal tive de me confrontar com A fase. A fase em que os nossos filhos só têm olhos para nós. A fase em que a palavra "mamã" é a que mais sai da boca deles. Pelo menos cinco vezes por minuto. A fase em que só nos querem a nós para os adormecer. Para dar lhes banho. Para os tirar do banho. Para brincar. Para mudar a fralda. Para TUDO. Afinal aquela história do pai também ser Mãe, é assim e não é. Pelos menos não aos olhos deles.

E, no meio disto tudo, vejo um pai que ainda não sabe lidar muito bem com isto, até porque ela faz uma birra de morte quando ele a pega ao colo. Até aos 18 meses da vida da Isabel, tudo o que um fazia, o outro fazia. Menos dar mama, vá. O colo dos dois acalmava-a, a voz dos dois confortava-a, as macacadas dos dois faziam-na rir. Agora, só existo eu. A mamã.

Sempre achei que ia rejubilar com o facto de ter alguém absolutamente fanático por mim. Agora, não sei se é de andar muito cansada, mas sempre que, durante a noite, o David vai tentar acalmá-la e a ouço gritar "mamãããã!" (e ultimamente, com a tosse, são 29 vezes por noite), o meu coração acelera muito e fico nervosa. Desde que ela deixou de mamar, com 9 meses, começámos a repartir as idas ao quarto dela durante a noite, para conseguir ter alguma sanidade mental. Agora, sinto que a ando a perder.

Pelo menos durante a noite. Depois, de manhã, tudo passa (menos as olheiras). O meu coração enche-se quando ela me vê e diz, sorrindo, "mamã". Quando ela me vem mostrar as meias da "Mimi" (Minnie) ou quando me mostra o panda pela enésima vez naquela semana, sempre com a mesma satisfação. De manhã, com uma noite bem ou mal dormida (sim, porque se há noites difíceis para nós, para eles também o são), a Isabel encontra nas mais pequenas coisas razões para festejar. Tenho tanto para aprender com esta miúda.  

Desculpa, filha. 
 Amo-te Sempre (mesmo quando não parece),
Mãe


6 comentários:

  1. O meu já tem quase 2 anos e regressou agora a essa fase... passou por ela há uns 6 meses atrás, só o meu colo servia. Agora voltou ao mesmo, estende as mãos para mim e quando o pai tenta leva logo com um "num" redundante! É fofo é, também um pouco cansativo, mas fico com dó do pai que fica triste que ele se nega assim a ir ao colo dele... mas passado um pouco já se ri das macacadas dele e é com o pai que mais brinca, mais do que comigo... há-de passar :)

    ResponderEliminar
  2. O meu também andou assim mas está melhor, mas para o pai era sempre "tai" (sai) e que querer a mamã para tudo. Já está um pouco melhor e ainda bem porque eu grávida de 7 meses já não tenho costas para andar com ele ao colo! :)

    ResponderEliminar
  3. Sei o que sentes Joana, o meu filho só me quer a mim, para tudo, desde sempre...é super desgastante.
    E quando vai o pai, diz: eu chamei a mãe! não és tu! é a mãe !

    ás vezes só me apetece fugir ...

    ResponderEliminar
  4. É engraçado que quando não era mãe achava tudo isso estranho, deve ser a mae que faz tudo e depois dá nisso. Afinal não é bem assim... São fases, que vão e vêm. O meu pequenino de 14 meses já teve pelo menos duas fases dessas (acho que é quando estão mais chochos o meu é dentes ou quando andamos mais atarefadas e eles cobram) aqui acho que o mais importante é os pais não desanimarem e as mães mais uma vez suspirarem fundo e força. Eu mentalizo-me sempre aproveita depois eles crescem e a mãe é só chata... Nessas altura reforço os mimos e a brincadeira, mas mesmo assim é a minha pequenina lapa ou carrapato ahahah =)

    ResponderEliminar
  5. A Lara tem dias. Houve uma fase só de papá, outras só de mamã. Mas confesso que derreto-me toda a ouvir "mamã, mamã" e vou logo a correr toda feliz! Claro que digo isto porque, de noite, é sempre o pai que vai. Para mim é muito difícil acordar várias vezes durante a noite. Fico doida, varrida mesmo.

    ResponderEliminar
  6. A minha tem 24 meses e começou agora essa fase. é bom, mas ao mesmo tempo cansa... O pai aproveita-se da situação, claro está. :)

    ResponderEliminar