Mostrar mensagens com a etiqueta desabafo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta desabafo. Mostrar todas as mensagens

11.17.2019

Chamei o 112 e não sabia se podia sair de casa.

Não se ponham com "ai, lá está a Gama com os títulos sensacionalistas" porque foi mesmo o que aconteceu. Confesso que só agora, passado uma semana, consigo escrever sobre o assunto porque tive ainda de me reequilibrar. Perdi um bom pedaço do sentimento de segurança relativamente à nossa casa e acho que só agora estou a recuperar. 

Ora, só para que tenham uma noção, era uma da manhã. Aqui a gorda já tinha adormecido a ver uma série da Netflix e comido meio kg de amendoins. De repente, ouve uma explosão. Acorda um bocadinho, mas pensa "caramba, os meus sonhos estão a ficar mesmo vívidos..." e manteve-se deitada. Vou só parar de falar de mim na terceira pessoa, vá. Depois, começou a cheirar-me a bolo (??) e a borracha queimada. Por acaso - não é meu costume levantar-me - levantei-me para ver o que se passava e, quando fui à cozinha, já não conseguia ver nada. Estava tudo cheio de fumo e tornava-se impossível respirar. Corri para fechar a janela oscilo-batente e também fechei outras janelas que estavam assim para arejar a casa.

Reparei que a loja do r/c estava a arder. E apressei-me a ligar para o 112. Disse onde era o incêndio e perguntei se podia sair de casa e o técnico disse-me que não sabia. Irritou-me na altura porque "é esta a utilidade do serviço de emergência??", mas depois lembrei-me que o senhor sabia lá como é que estava a minha casa, se era um prédio ou não ou o quer que fosse. Antes assim do que me mandar sair e ficarmos as duas fritas à saída do apartamento... 



Os bombeiros chegaram rápido, ainda que me tivesse parecido uma eternidade. A minha querida vizinha veio bater-me à porta quando acordou para me avisar do incêndio e acho que aí saí "do choque" e apercebi-me que tinha de tomar decisões. Acordei a Irene e pu-la na casa da vizinha a brincar com a filhota bebé (acho que acabou por não ser grave para nenhuma das duas visto que puderam brincar enquanto os adultos se esvaiam de pânico). Depois fui fazer uma mala com o mínimo indispensável: documentos, carregador telemóvel, medicamentos para as convulsões da Irene e ténis para ambas. 

Ficámos à espera de saber se o fogo tinha ficado controlado. Os bombeiros depois vieram com uma ventoinha gigante ventilar a nossa casa, mas era impossível dormir aqui durante mais de um par de dias. O ar estava irrespirável. E ainda bem que a vizinha nos deu guarida. Afinal já eram praticamente 4 da manhã. 

Na manhã seguinte, reparo que a casa continua sem condições para ser habitada e que tinha de ser feita uma limpeza a fundo, assim como pintar as paredes. Assim foi. Mas, como vos disse, só agora, uma semana depois é que estou a voltar a sentir-me segura aqui, por muito tonto que isso pareça porque seria altamente improvável voltar a acontecer o mesmo. 

Lado positivo? A relação com os vizinhos ficou mais próxima, fomos dormir a casa do meu pai e foi uma noite gira, a Irene passou o dia com a avó e foi ao cinema e eu passei a dar ainda mais valor ao conforto que temos por termos uma casa porque foi terrível não ter onde estar durante esses dias. 

Já passou. Já está. 

Entretanto, sabem que temos um podcast? Chama-se "a Mãe é que sabe", mas é onde falamos sobre tudo menos maternidade. Só para desenjoar um bocadinho. Podem seguir-nos no SpotifyApple PodcastsSoundCloud e Anchor FM. Talvez sejamos boa companhia para o final do dia no carro a caminho da escola deles, por exemplo. ;)

Podem subscrever no nosso canal no youtube aqui ao lado e ainda podem fazer parte do nosso projecto "a Mãe é que sabe ajudar" em que vamos a casa da família vencedora, damos uma ajuda no que for preciso e levamos bens connosco para dar um fôlego nalgumas necessidades e conforto. Se quiserem entrar em contacto connosco, têm o nosso e-mail aqui


Para além disso, associámo-nos à Science4you para vos trazer um desconto de 10% em tudo o que comprarem por lá com o código AMAEEQUESABE, sendo que recomendamos encarecidamente as estufas de morangos, melancias e meloas. Uma prenda educativa, sustentável e comestível. Além de servir para os vossos filhos no natal (e sobrinhos, etc) também serviria para encherem a vossa casa com umas 10 caixas e ficavam já despachadas com prendas para os próximos aniversários sem terem de ir aos poucos ao centro comercial aflitas. Podem comprar já aqui, por exemplo ;)

11.15.2019

Desculpem, filhas

Desculpem, filhas.
A mãe errou.

A mãe não soube lidar com uma birra enorme e demorada. A mãe estava cansada. A mãe tentou várias coisas que não resultaram. 

Depois de eu ter avisado várias vezes que se não viessem para a cama, não poderia haver história, porque estava mais que na hora de dormirem, cumpri. Cumpri, mesmo sabendo que, muito provavelmente, haveria choro, pedidos de desculpa, promessas, pedidos desesperados e até gritos. 

E houve, houve tudo isso, mas numa proporção difícil de qualquer ser humano - que não um monge eremita - aguentar.

Falei em voz calma. Disse que não poderia ler a história, senão não estaria a ser uma boa mãe. Que para a próxima, não se lembrariam que é importante cumprir o que a mãe diz. Continuariam, todos os dias, a não ouvir a mãe. E que, assim, no dia seguinte, se iriam de certo lembrar. Que a mãe cumpre o que avisa. Que se a mãe explica uma vez, duas vezes, por que razão têm de ir para a cama contar a história nos próximos minutos: senão não dormem o suficiente. As escolhas têm consequências. E eu levei a consequência até ao fim.

No meio da birra, saí do quarto para me acalmar. Falei de forma calma. Dei água. Ofereci abraços e colo a cada uma. Dei colo a cada uma. E nada vos faria acalmar nos minutos que se seguiram. Foi desesperante. 

Eu sei que não estavam a fazer aquilo para me desafiar, para me irritar. Eu sei que estavam com sono e cansadas e frustradas. Eu sei disso tudo e sabia. E devia ter mantido o controlo. Mas não mantive. Cada uma levou uma palmada, acho que ao mesmo tempo, com cada uma das minhas mãos, quando me tentava levantar para me ir acalmar e se agarraram a mim como lapas aos gritos. Nem me lembro aonde vos acertei. Acho que nas pernas? 

Odiei a sensação. Não acho que "estavam a pedi-las". Não acho que "mereceram". Não acho que "tinha de ser". Nem que "as crianças de hoje em dia têm é falta de palmadas". Muito menos que "uma palmada na hora certa" faz falta. De tudo o que tenho lido, de estudos científicos feitos, de pedopsiquiatras, psicólogos, e também de educação com apego e disciplina positiva, nada parece apontar que faça falta, muito pelo contrário. A ciência evoluiu para estar do vosso lado, do nosso lado. Para que compreendamos melhor como funciona o cérebro de uma criança. Que tem neurónios-espelho, que reproduzem e imitam o que fazemos e que, também por isso, nunca os gritos e palmadas resultarão a longo prazo - e só farão com que os imitem. Que há um espectro enorme entre autoridade e permissividade. 

Eu sei disso tudo, mas, nesta noite, não consegui. 
Mas de nada serve a culpa, vamos a estratégias para que não volta e acontecer. Por vocês, mas também por mim. 

- durante a semana, vamos experimentar não ter cá em casa vizinhos, que ficam mais excitadas;
- nos dias em que vos vou buscar mais tarde, como foi o caso (18h), tem de haver à mesma um tempinho para brincarem só as duas, livremente 
- antecipar ainda mais os horários / sequências do que vem a seguir: "depois de lavarmos os dentes, contamos logo a história, para termos tempo para tudo", para não ser tão em cima o aviso
- voltar a fazer yoga e meditação, para voltar a ter mais paciência

Sei que já me desculparam. Eu também já. Errar é humano. Continuar a errar sem tentar fazer nada para evitar errar é que já me parece um bocado totó.

Se tiverem desse lado alguma dica (dentro da disciplina positiva, ser ser "eu daria uma bordoada a cada uma logo no início que é para verem quem manda", pff), sou toda-ouvidos. 


11.05.2019

Temos de parar de fazer isto.

Temos. 
Talvez nem toda a gente veja o que eu vejo, mas acho que se nos debruçarmos um bocadinho na questão, talvez consigamos sentir o que eles poderão estar a sentir. 

A criança chora. 

Aqui abre-se espaço para imensas reacções da nossa parte. 
Suponhamos que vivemos uma vida que consigamos ter um pouco de disponibilidade emocional para ter empatia pelos nossos filhos, embora numa situação com a qual não nos consigamos relacionar. 

Exemplo: 

A criança começou a usar o tablet. 
A mãe avisou que seria só enquanto ela fazia o jantar e que depois teria que o desligar. 
A mãe volta da cozinha e retira o tablet. 
A criança chora. 
A mãe fica irritada porque já tinha exposto a situação e comunicado as regras. Sente que não foi ouvida e sente-se frustada porque já adivinhava que podia ser esse o resultado e assim aconteceu. 
A criança chora. 
A mãe não consegue ir além dos seus sentimentos e o choro escala. A criança está incapaz de ouvir. 
A criança que, tal como conseguimos imaginar por também ser uma pessoa, teve um dia que a deixou cansada. Correu, brincou, geriu frustrações com cerimónia ou com as ferramentas que tem ao seu alcance tendo em conta a sua maturidade e experiência. 
Continua a chorar. 
A mãe não sabe o que há de fazer. 
Olha-lhe nos olhos e imita-a a chorar. Gozando com o choro. 
Não quer que ela se sinta pior, mas só quer que o choro pare. 
Não pára. 
O choro escala. 
A mãe finge chorar ainda mais alto e, sem se aperceber, gozando com a criança. 

Hoje ouvi uns vizinhos meus a fazerem-no. Já vi amigas minhas também a terem esta tendência. Lembro-me de me sentir muito sozinha e até mal-tratada por pessoas que supostamente seriam aquelas que me deveriam apoiar e ajudarem a acalmar-me. Sentia como se fosse um murro na barriga depois de mostrar que estou doente. 

Será que podemos parar com isto? 

Será que conseguimos olhar para as crianças como sendo pessoas ainda que possamos ter que admitir que não temos as ferramentas necessárias para sermos sempre a solução? 

Será que conseguimos perceber que, no meio da nossa indisponibilidade - à qual muitas de nós estamos sujeitas sentindo que não existem outras hipóteses - não são as crianças que devem pagar o preço? 

Será que embora não consigamos perceber as razões que levam a uma criança a explodir numa reacção semelhante podemos sentir empatia relembrando-nos das vezes em que já estivemos no lugar delas quando éramos mais novas? Ou até mesmo quando no dia-a-dia nos sentimos incompreendidas, desabafamos e não queremos receber "gozo" de volta? 



Talvez o equivalente numa relação adulta fosse: 

- Sabes, Sónia, ultimamente sinto-me perdida, que a minha vida não faz sentido. 
- Ai, Madalena, lá estás tu com as tuas merdas. És sempre a vítima, sempre a vítima. Não consegues só deixar-te de te queixar e de seguir em frente? Que chatice!

Não é isto que procuramos, precisamos ou devíamos obter quando partilhamos sentimentos (tendo em conta as várias formas e desenvolvimento emocional de cada um). Ainda que a Sónia não tenha tido uma educação baseada na empatia e no amor ou mesmo que a Sónia tenha tido um dia péssimo. 

Don't kick them when they're down. 

Don't kick them at all. 

Não sou psicóloga, não sou orientadora ou qualquer uma dessas profissões que, por terem um lado académico, também nos transmitem mais confiança, mas já fui criança e sou adulta. 

Talvez não consigamos reagir logo. Talvez não tenhamos nada de bom para dizer. Talvez precisemos de nos acalmar um pouco ou talvez precisemos de rever a nossa vida ao máximo para que consigamos ter mais disponibilidade mental para que, nestas alturas, não falhemos com quem convidámos a que viesse habitar este mundo connosco. 

Estou zangada, sim. É uma tristeza primária que se apoderou de mim para escrever este post, mas talvez ajude a que mais gente se lembre de quando era criança. Ou apenas da última vez em que esteve triste. 





10.31.2019

Odiamos viver.

O quê? As bloggers não têm direito a não querer viver? Têm, têm. Não é por termos recebido um presskit na semana passada de pensos para perda de urina e, em tempos, nos terem oferecido um kg de queijo que não nos vamos queixar como as pessoas normais. Era o que faltava. Apesar desta nossa profissão de deusas também temos momentos em que odiamos viver. 

No dia de gravação deste podcast estávamos as duas piursas e fizemos questão de vos brindar com a nossa alegria.

Fotografias de quando estávamos felizes e tesudas. 


Domingo contem com um vídeo novo no nosso canal de youtube (já seguem?) como é costume ;)


Também está no Apple Podcasts ;)

9.29.2019

Não senti nada pela minha filha quando nasceu.

Bem, tal como algumas vocês dizem (às vezes de maneiras menos charmosas): "vamos por as mamas da Joana Paixão Brás" de parte. Só durante um bocadinho. Ainda que, com aquele aconchego, suspeito eu que nunca tenham estado tão juntas.


Bom, falemos de coisas mais... coiso. 

É bem polémico este título, mas não deixa de ser verdade. Quando a Irene nasceu, houve algo em mim que pareceu não funcionar. Pelo menos de acordo com aquilo que eu esperava e tinha visto nos anúncios de televisão ou que as outras mulheres me tinham contado. Será expectável? Terá sido consequência de um parto atribulado? Ou apenas o desenrolar previsível de alguém que estava aterrorizada com a experiência de ser mãe? Seja como for, há coisas que todas nós podemos tentar garantir para termos partos melhores. Ouvindo os relatos umas das outras talvez nos dê mais ideias daquilo do qual nos podemos tentar proteger e até sugerir. 

Este foi o post que escrevi em Dezembro de 2014 que reuniu muitos comentários de mães que passaram pelo mesmo. Somos muitas: https://bit.ly/2mKIANj








Podem seguir-nos no instagram em www.instagram.com/amaeequesabe.pt




Um podcast que podem ouvir no Spotify, Soundcloud, Anchor FM e Apple Podcasts. ;)



E ainda uma iniciativa para a qual convidamos marcas parceiras. O "a Mãe é que sabe ajudar". A Joana e eu vamos a casa das mães vencedoras dar uma mão naquilo que precisem e também levamos ajudas preciosas. Quem nos queira contactar, poderá fazer através do e-mail amaeequesabeblog@gmail.com. 


9.09.2019

Sou má mãe?

Sei que esta pergunta já vos deverá ter passado, pelo menos uma vez, pela cabeça. Talvez não como "sou má mãe?" mas como "fui má mãe"?. 
Li algures que só pelo facto de questionarmos, de sentirmos que pudemos ter falhado em alguma circunstância, significa que nos preocupamos e, por isso, não somos. Se fossemos más mães, não queríamos nem saber.

Ontem questionei-me. Depois de um dia fantástico de praia e de cansaço, não estavam a jantar nada de jeito. Levantavam-se 22087 vezes da mesa, fugiam, riam, voltavam, comiam uma colher, "não quero mais" e lá seguiam. Eu dizia que não se podiam levantar, que tinham de comer, senão iriam ficar com fome, etc. Até estava calma. Acho. 

Chegou a uma altura em que fiz um ultimato. Ou comiam ou eu iria assumir que estavam cansadas e que teríamos de ir lavar os dentes e dormir e no dia seguinte logo comeriam. Fiz duas tentativas, dei-lhes mais duas oportunidades. Avisei que seria a última vez que podiam voltar à mesa. Cumpri. Fomos lavar dentes e cama. A Luísa começou logo a dizer que tinha fome. A chorar desalmadamente. A pedir desculpa. Mas eu senti que fome não estariam, de facto, a passar, que tinham lanchado bem, ainda petiscaram qualquer coisa do jantar e que aquela demonstração de desagrado - totalmente compreensível e válida - foi precisamente porque achou que eu não seria capaz de fazer aquilo. 

Fiz. Não voltaram a sair do quarto e adormeceram, depois de bastantes lágrimas, pedidos e lamentações (e a Isabel a dizer que não iria conseguir adormecer enquanto a Luísa estivesse a fazer birra, todo um filme).

Senti que esta consequência lhes mostraria algo e que teria efeito, a médio prazo. Claro que a meio me apeteceu desistir, mas não quis mesmo mostrar-lhe que eu desistiria sempre que ela chorasse. Foi o combinado, elas ouviram bem, as regras estavam claras e a consequência foi esta. 

Não foi fácil. Tudo o que mexe com emoções, culpa (e pedidos de desculpa), necessidades básicas, acaba por custar bastante. Mas educar também é isto. E crescer enquanto mãe também.

Não sou má mãe. Não somos más mães.

Somos mães que erram, que querem melhorar, que se sentem abençoadas e que, por vezes, só desejavam um minutinho de silêncio. Mães que às vezes andam à procura de uma identidade, que sentem que perderam algumas coisa, mas ganharam outras. Mães que nuns dias descomplicam e que noutros são assombradas por dúvidas. Mães cheias de coragem e de vontade de educar seres fantásticos.




Ontem foi assim. Hoje há de ser melhor.

6.04.2019

Temos tido azar com os professores de natação...

Não consigo explicar porquê, embora tente e muito.  Esta foi a segunda vez que tentei inscrever a Irene na natação. No ano passado fiz o mesmo e o cenário foi IGUAL - antes que alguma hater venha para aqui dizer "qual é que é a variável comum? tu!", também eu já pensei nisso e, sabem que mais? Acho mesmo que é "azar". 

No ano passado, inscrevi a Irene numa das piscinas que frequentei durante mais tempo e, antes da professora chegar, houve duas aulas em que teve um rapaz que a substituiu. O rapaz era super divertido, brincalhão e, no meio da brincadeira, lá ensinava o que era preciso às crianças. 

Tenho várias motivações para inscrever a Irene na natação: as óbvias e eu adorar nadar e querer fazê-lo ao mesmo tempo.

Depois, quando conheceu a professora, nada sorridente mas muito focada no "trabalho", a Irene disse que não simpatizava com ela. Que ela era antipática. 

E sabem que mais? Tinha razão. A professora, naquele dia, não estava especialmente simpática. Expliquei à Irene que todos temos dias e que iríamos tentar novamente e quase de certeza que a professora já estaria mais bem disposta... mas não. 



Fazer natação naquele momento (e agora) não é algo que seja crucial e fundamental e, por isso, não ia obrigá-la a estar com uma professora que não a fazia sentir-se segura ou que tornasse a natação numa espécie de início de formação para competição ou lá o que é. A questão técnica, aos 3/4 e 5 anos não é algo que me interesse muito, honestamente. Quero que não se afogue e pronto. Se um dia ela tiver gosto por nadar, depois aprenderá a nadar. E lá fará os festivais como a mãe e ganhará as suas medalhinhas que alguém comprará naquela loja que "tem tudo para o desporto". 

Não a obriguei. O meu papel é dizer-lhe que ela não merece ser tratada assim e quero mesmo contribuir para a felicidade da minha filha. Alertei a "piscina" para a reacção da Irene, perguntei se havia outros horários com outra professora e não, não havia. Assim ficámos "em águas de bacalhau". 

Este ano, inscrevi novamente, até para ir com as amigas Luísa e Isabel. E voltou a acontecer o mesmo. As miúdas da Joana estão óptimas e nada disto as afecta. Só a mim e à Irene que devemos ter uma sensibilidade particular ou, então, como pensarão algumas de vocês, somos umas "con*s de sabão". 

Seja como for. 

Reparei que não era aquele tipo de ensino que queria para a Irene. E ela também deixou isso bem claro. Na primeira aula - que curioso - teve um professor substituto que era brincalhão e simpático (talvez por não ser aquela a rotina dele) e, na aula seguinte, quando chegou a professora residente (não sei se isto se aplica também aos professores de natação ou só aos DJs), o ambiente foi completamente diferente. A reacção da professora à inscrição de duas novas alunas foi notoriamente de desagrado (poderá estar hiper mega ultra sobrecarregada e não ter as melhores condições para trabalhar e estar muito frustrada e cansada) e reparei que o trato com as crianças não era afectuoso, era apenas directivo. 

A Irene também me chegou a contar alguns episódios que não tenho a certeza se terão acontecido mas, o facto de eu não conseguir dizer a pés juntos que não aconteceram, faz-me não ter dúvidas e mudá-la de turma ou de sítio - ainda não fui ver outras opções. 

Falei com uma mãe que é isto que ela procura para a filha dela e não julgo. Cada uma de nós teve educações diferentes, tem objectivos diferentes e procura dar coisas diferentes aos filhos. A Irene e eu não nos sentimos bem nestes casos e recuso-me a pensar que sou eu quem está errada. Não me parece ser errado procurar um local ou professor que ensine as crianças a nadar de forma divertida e com afecto. 

Ainda para mais algo... lúdico, por favor!

Posto isto, querem dar dicas de sítios em Lisboa? Please?



5.09.2019

Perdi 3 kilos em 4 dias.

Garotas.

Perder peso não é das coisas mais importantes da nossa vida.

E, quando se perde peso rapidamente, não se perde só gordura. Aliás, a primeira coisa que se perde é água.

Só quero dizer-vos que não tem sido porreiro estar a trabalhar e estar com uma gastroenterite, mas gostava de poder apanhá-la mais vezes.

Viva a Cabo-Verde. Esqueci-me de pôr esta na minha lista de coisas favoritas que vos escrevi ontem aqui.



Isto não é a cara de quem quer ir à casa de banho, mas podia ;) Sou eu com menos os kilinhos e a mostrar que apesar de estragado, o meu pipi ainda serve para fazer o amor. Foi depois de ir ao salão da minha amiga Lina na Pontinha (a foto, não o amor). Quem quiser ir lá experimentar (o salão, não o pipi) diga ;)




Façam lá as dietas dos não sei quantos passos que... no meu caso é mais não conseguir dar passos sem ter que ir à casa de banho ;)




4.25.2019

Nem acredito que isto acabou de acontecer!

Já sei o que estão a pensar: "'tá bem, mais um título sensacionalista". Epá, mas não. Vocês vão compreender. De toda a gente do mundo, são vocês. Eu sei que sim.

A Irene tem 5 anos e tenho-a adormecido desde sempre (menos nas noites em casa do pai). Vocês sabem o que isso significa, não sabem? Passar pela brincadeira do colo e da mama, deitar no berço e chorarem, acordar milhares de vezes, depois só pararem de chorar quando abanados ou enquanto dermos a mão durante 12 horas seguidas...

Sei que há mães diferentes e abordagens diferentes, mas não consigo fazer de uma forma em que ela sinta que sou eu quem se afasta. Tenho tentado guiar-me pelos timings que parecem de ambas e não me tenho dado muito mal com isso. Até aqui foi muito... duro. Guiar-me por timings de livros, timings de bitaites, de amigas, de pessoas da net, sei lá. 

Está errado? Não poderá estar. 



E até poderá dar-se o caso disto não voltar a acontecer tão cedo mas... a Irene acordou ao final do primeiro ciclo de sono, chamou por mim e eu disse-lhe: "filha, está tudo bem, a mãe não está aqui porque está a trabalhar na sala". Acrescentei: "não fujo, a mãe já vem para aqui, vou só trabalhar mais um bocadinho". 

E não é que disse "ok", virou-se para o outro lado e voltou a adormecer? Ainda fiquei em modo estátua à porta numa "vá, isto não pode ser verdade", mas é. 


Lembro-me tão bem das noites em que passei mais de 40 minutos a abanar-lhe o rabo enquanto lhe cantava várias canções.

Ela está a crescer... e uma das missões mais difíceis até agora está a melhorar, está a acabar... nem acredito. 

Mas vá, tudo são fases... amanhã vou fazer esta jogada outra vez e já sei que, por ter escrito o post que me vou "lixar". 

Vou festejar por dentro mais uns instantes, vá hehehe. 

Mães que ainda não vêem o fundo do túnel ... já escrevemos kms e kms de textos aqui sobre o sono das nossas filhas (especialmente eu, credo). Têm aqui pano para... mangas (ahah estou tão cansada que demorei ainda 1 minuto para me aperceber que isto se refere a mangas da camisola e não a mangas de fruta - estava a estranhar um pouco). 

Conseguem ficar contentes por mim? Consegueeeeeem?




4.23.2019

Mais de 40 minutos à espera de uma ambulância... morri por dentro de novo.

E a culpa, no fundo, não é de ninguém. 

No sábado, a Irene voltou a ter uma convulsão febril. Desta vez demorou uma hora inteira até recuperar consciência. Até para mim, que me "gabo" de já ter ganho calo no que toca a este tipo de situações... perdi-me por completo. 

Ainda para mais porque houve quem me tivesse dito que, com estas convulsões, acima dos 5 minutos já poderiam gerar danos cerebrais. Imaginem quando passaram 30 minutos... 

Chamei o 112 e, mais uma vez, demoraram imenso tempo a chegar. Os bombeiros até estavam cá perto, mas infelizmente a minha morada não consta no sistema do 112. Nem o nome antigo da minha rua (um provisório), nem o novo. 



Bem à tuga, acabo por só me preocupar com isso nos dias a seguir a ter acontecido mas, neste caso, não pode ser. Até porque o caso da Irene, apesar de super aparatoso, não é o mais urgente do mundo. 

Poderá haver mesmo casos de vida ou de morte e uma coisa é o senhor da pizza e das compras online nunca saber onde é que isto fica, a outra é a ambulância não conseguir.

O que se faz? Liga-se para onde? Alguém desse lado que perceba como é que isto funciona? 

Entretanto, não sei se perceberam, mas lá não fui para Cabo Verde. Perdemos a viagem, a ver se o seguro devolve o dinheiro... 

Bom, "antes cá do que lá", blá, blá, blá... Ainda bem que está tudo bem... Só acontece a quem marca viagens e tal e tal. Mesmo assim estou irritadinha e com alarmes no telemóvel para ver como está a febre.




4.04.2019

A minha filha mandou-me calar... !!!

O que eu me ri!! 

Há coisas que não admito à Irene, por muito compreensiva que seja. Mandar-me calar activa em mim um enervamento que, pela segurança e sanidade e ambas, tenho e garantir que não aconteça. 

Ontem, lá fui fazer de side-kick para o Maluco Beleza com o Rui Unas (o convidado foi Ramon de Los Santos - realizador, actor e argumentista) que podem ver aqui em baixo  e a minha melhor amiga estava a tomar conta da Irene. Tenho muita sorte ela poder querer e gostar e a Irene também. Deu-lhe banho, jantar e ainda a adormeceu...  É tão bom quando podemos ficar descansadas com estas coisas, não é?




Estarei lá todas as quartas-feiras a dar "apoio" ao Unas e ao programa. Ficam a saber :) Bom, chego a casa e tenho a miúda a dormir, meto logo a conversa em dia com a BFF e, de repente, oiço pelo intercomunicador: "mãaaaaaaaaaaaae!".
Lá vou a correr, porque parecia urgente... abro a porta e digo baixinho: "diz, amor". 
Ela diz, aos berros: "CALA-TEEEEE!". 
Eu pensei: "isto não é normal, ela nunca diria isto...".  
Então... fechei a porta e vim para a cozinha. A miúda estava a dormir! Como assim???
A miúda mandou-me calar a dormir!! No fundo, no fundo, ela odeia-me só que só o consegue dizer quando está a dormir. 



Vá, depois compensa de manhã com esta palermice toda. Ahah! Eles são queridos de propósito para ficarmos com eles... está tudo muito bem feitinho... 

4.02.2019

Coisas que mais pedem para não irem dormir.

Acabei agora de passar por essa provação. Há dias em que até corre mais ou menos - e isso significa só pedirem uma das 20 coisas habituais, mas há outros dias em que o rol de pedidos e exigências, antes de estarem prontas para dormir.

Sei qual ganha o primeiro lugar do top de pedidos, já depiis de estarem deitadas: ÁGUA. 
Mas, logo depois, vem o xixi. Mesmo que tenham feito nem há meia hora. Uma pessoa, pelo sim pelo não, acredita, não vão elas molhar a cama toda. 

Hoje, não se ficaram por aqui. Depois desta, veio o cocó. Acabada de sair da sanita, pede por favor e diz que está aflita. Lá vamos nós. Nada. Zero. Nem um de cabrinha. Rien. Entretanto já a outra, que até já nem faz sesta e adormece mais rapidamente, estava quase a dormir, despertou. Nossa senhora da Agrela. É isto e calor, frio, tapar, destapar, dar a mão, dar o pé, dar um abraço, dar só mais um recado. Acudam-me!!!

É, quando tenho coisas para fazer depois de adormecerem, das minhas maiores provações. Das partes mais desgastantes. 

Percebo que eu seja irresistível e que queiram passar imeeeeenso tempo comigo, mas pá. Dormir. É tão bom. Quando podem não aproveitam? Porquê?????

Vá, quero a vossa lista de pedidos dos senhores Reis e rainhas que mandam nessas casas 😏

Alegrem-me o dia. 





3.11.2019

09h00 e já estou cansada, pá!

São agora 09h00 e já ("já" ou será antes "ainda"?) estou cansada.

Acordei-as.

Vesti uma enquanto brincava com uns bonecos irritantes com um som demasiado alto para uma manhã.

A outra fez birra porque queria comer primeiro.

Fez birra porque eu tinha dito que podia ver um episódio dos dragões (???).

Entre respirar fundo e avisos vários de que assim não iria chegar a tempo à escola para ir ao oceanário, sentia a testa a latejar já.

A outra não queria o casaco azul aos quadrados, queria o vermelho, igual ao da irmã. Sei lá onde é que está o casaco vermelho agora.

A papa de aveia ao lume, está aqui está mais grossa que argamassa e depois mais uma birra que não está boa ou um raio me parta. Demasiada canela que saiu sei lá de onde, que o frasco tem buraquinhos pequenos mas, quando é para chatear, cai um nevão de canela. Ai comem assim, comem. Comeram. Mas o babete não era o que ela queria, claro que não. Ai vai desse que não há cá tempo para mariquices, penso para mim e sorrio enquanto lhe ponho aquilo com um sorriso cínico já: "está óptimo, é mesmo bom este babete".

Chega uma encomenda e eu a assinar no meio de um caos de uma casa de quem trouxe ontem meio mundo da casa de Santarém, que tem de ser despejada (e aqui a menina há um ano só trouxe mesmo o essencial).

Última birra porque o saco com o livro da biblioteca da escola, para devolver hoje, não era aquele, que eu tinha trocado com o da irmã (acreditem em mim: são iguais, IGUAIS!!!). O drama, o horror e uma voz de boneco animado a ser linchado a perfurar-me o tímpano.

Amo viver. 

Bom dia para vocês então.
Tenho a certeza de que alguém se irá rever. Alguém?



2.14.2019

Depois do divórcio, ela quer juntar a família... o que fariam?

Como algumas de vocês poderão saber... o pai da Irene e eu divorciamo-nos. As coisas correram da forma mais tranquila possível e ambos ficamos muito mais felizes com esta decisão. Sendo que aqui não é "ambos os dois", mas "ambos os três". 

Podem ler aqui tudo o que já escrevi sobre o divórcio no blog. 

No outro dia, dois anos depois (acho que sim), a Irene perguntou ao pai quando a veio buscar cá a casa por que não punha o carro na garagem e voltou-se a explicar. 

E cada vez mais quer ver a família junta e propõe isso mesmo. Hoje, quando a deixei de manhã, implorou para que a fosse buscar e que os avós também e que fossemos todos jantar. 

Damo-nos todos muito bem. Neste caso, a "família" eram os avós maternos, eu e quem está comigo e também o pai. 



Porém, o pai acha que devemos só estar em conjunto (com ele incluído) nos momentos especiais, para não transmitir a mensagem "errada". Claro que sabendo que o pai não está confortável com a situação (por não achar adequado), não vou insistir e não se fala disso, mas... na minha opinião, não concordo. 

Acho que ela sabe que o pai e a mãe não estão juntos, que não são namorados (é o que lhe dizemos "o pai e a mãe são muito amigos, mas não são namorados") e o irmos jantar ou almoçar juntos, sendo que até eu irei acompanhada, ela perceberá o lugar de cada um e que todos juntos funcionamos como uma família. 

Mas claro que é delicado e há que respeitar. São formas diferentes de ver e de fazer as coisas. 

Nunca pensei que, divorciando-me um dia (que nem nunca pensei ser mãe, nem casar) que seria destes ex-casais que não se importaria de aparecer em conjunto nestas situações. Sempre achei que era confuso e desnecessário. Não sinto isso agora. Acho que estou em paz e quero que a Irene sinta que tudo se junta em torno dela, naturalmente. 

Conhecem situações semelhantes? Como fazem vocês? 




2.11.2019

O pior de ter dois filhos são as BRIGAS!

Antes da Luísa nascer, eu achava que o difícil iria ser dar atenção às duas. Tinha até receio de não amar tanto o segundo filho como o primeiro (como assim amar alguém como amava a Isabel? Parecia-me impossível, de tão arrebatador que era aquele amor). Ou então o pior de tudo seriam as doenças que andariam a passar entre elas, tipo batata quente. Ou as noites. Mas não.

Chego à conclusão que o que me desgasta mais de tudo é gerir a relação entre irmãos. Com idades próximas, a disputa pela atenção e pelos mesmos objectos e jogos é mais que muita. As vontades nem sempre coincidem. E quando eu achava que a Isabel já estava bem longe de morder, eis que aprende esse truque com a mais nova.

Nem sempre o "não se morde", "não se bate", "as mãos não são para bater" resultam. Às vezes temos mesmo de as separar. Às vezes zangamo-nos. Ou temos de mostrar que não ficamos felizes com a forma como resolvem as situações. Tentamos dar exemplos. Explicar que se só há um copo vermelho e ambas querem esse copo, temos de decidir quem fica com o copo nesse dia e no outro será a outra a ficar com ele. Ou a partilharem. A brincarem juntas. Ou a saber esperar.
Não é fácil.


Coisas que percebi que vão resultando. Querem saber?

Cortar com tudo o que é TV, tablet e telemóveis durante a semana
Na semana antes de ir com o David de férias, fi-lo e achei-as muito menos conflituosas, mais amigas e mais calmas. Confesso que o tablet ou a TV com desenhos animados ou com as músicas da Disney que elas adoram) me dão muito jeito para quando estou a dar banho à mais velha (para que a outra não se arme em Picasso a pintar-me as paredes todas, já aconteceu...), mas arranjei outras alternativas. Pode ser mais desgastante nesses momentos, mas compensa. Fomos mais felizes. Vamos repetir já hoje: ponho as músicas que elas gostam no Spotify e pronto.

Criar momentos de "filho único"
Ainda ontem o David foi com a Isabel ao estádio da Luz e a Luísa ficou em casa comigo. Foi bom para todos! A Isabel estava radiante e a Luísa dormiu a sesta no meu colo, na sala. Ambas tiveram atenção especial e tenho a certeza de que lhes soube pela vida. Somos uma família os quatro, mas cada um de nós tem ritmos e gostos diferentes. Se alimentarmos as relações entre cada parelha, pode ser bom, mais calmo e pode dar espaço para todos criarem cumplicidades.

Não fazer comparações e alimentar despiques entre elas
É das coisas mais difíceis de se conseguir. Parece que já nos está na ponta da língua um "a tua irmã já está pronta", "a Luísa já acabou de comer, anda lá". Ou um "o primeiro a chegar é não sei o quê". Até parece dar jeito na altura, mas só alimenta a rivalidade entre elas. Noto que quando reforço a empatia entre ambas e a entreajuda funciona muito melhor: "Isabel, como já te calçaste, podes ajudar a tua irmã?"; "Luísa, vamos ajudar a mana a comer o que falta? Para quem é a próxima garfada?"

Respirar fundo e não perder a calma
Ui. Bem sei que custa. Mas se elas nos vêem agressivas e chateadas constantemente é muito provável que o reproduzam. Alimentar o clima de tensão em casa não ajuda em nada. Uma comunicação positiva, com regras firmes, mas sem violência, chantagens e castigos (mas assente em consequências que façam sentido para cada acção), ajuda e muito. Ajuda a que tenhamos todos uma relação baseada na confiança e na cooperação e que elas sejam as primeiras a sentirem à-vontade para expressar as suas frustrações e necessidades e a serem empáticas uma com a outra. Não há nada que me deixe o coração mais cheio do que ver a forma como brincam com os bonecos delas e as expressões que usam com eles (e até uma com a outra): uma réplica do que usamos. É algo a melhorar, todos os dias.

Querem deixar algumas dicas?

2.05.2019

Ai, agora tem é que fazer muito amor para o bebé sair.

É um bom conselho, mas mais para nós, ao que parece. Claro que duas pessoas, dois homens, não são uma amostra suficiente para retirar uma conclusão, mas tive oportunidade de conversar com eles sobre isto e... disseram que a vontade de fazerem amor por essa altura diminui. 

Esperemos que não seja com medo do bebé ficar com a cabeça amolgada (há de certeza homens, mesmo que irracionalmente, pensem assim)... Neste caso era mais por se sentirem "usados". Imaginam isto?

Sendo o sexo uma prescrição com um fim, "ajuda o bebé a nascer", parece que retirará parte do efeito sensual da coisa - o que até dá para compreender. São vistos como uma espécie de ventosa para por o miúdo cá para fora em que o pénis deles - para variar - não é o centro das atenções (calma, Capaz, ahah). 

Não que não seja legítimo. Afinal de contas quem é não se sentiu só um pedaço de donut com uma pessoa à volta quando tentou engravidar? Tirando aquela malta que foi "tiro e melro"? Usar aquelas aplicaçõesn no telemóvel para ver quando é que provavelmente se estaria fértil para coiso e ver o sexo como um meio para atingir um fim e, neste caso, criar uma vida? 

A determinada altura, aí, o sexo também já não se torna muito romântico. Para quem tinha a sorte de já sentir amor em casal antes (ahah). 

Esquecemo-nos que apesar de, por vezes, muitos serem mais rústicos na sua forma de expressar emoções, atrás daquele ar do "não entendo por que é que isto de trocar o pijama é importante" está um "gostaria que, quando fizessemos amor, fosse porque queres e não porque precisas". 

Foi amoroso ouvir.  

Estragaram tudo quando disseram que metade de pica também descia porque, nessa fase, estamos gordalhufas e, por isso, parece que estão a fazer amor com outra pessoa que não foi a que escolheram. Mas vá, depois de 5 minutos a serem vulneráveis, tinham de pontuar com um pedacinho de cretinice. 

Também é compreensível se não formos muito sensíveis relativamente ao assunto. Em 9 meses nós mudamos muito o nosso corpo e, especialmente para quem terá uma relação longa com a parceira, poderá ser esquisito. De outra perspectiva poderá acrescentar alguma variedade, mas até - com esforço e a semicerrar os olhos - dá para perceber. 



No fundo, no fundo, os homens também têm sentimentos. Temos é de saber ler nas entrelinhas. :)

Joana Gama Freire

1.21.2019

Ela estava obcecada com isto, mas conseguimos que parasse.

Uma das coisas que mais me lembro que me disseram sobre isto de ser mãe (ou pai) é "tudo são fases". Tem sido. Temos que nos lembrar que tudo passa (em princípio). 

A Irene tem tido várias fases que me têm preocupado. Porque é o que faço: preocupar-me, ahah. 

Houve uma altura em que teve para aí uns 6 meses a dizer que era um rapaz e a corrigir-me os pronomes e tudo (que irritante e imaginem o meu stress - embora estivesse a preparar-me psicologicamente para todas as possibilidades). Mais tarde, falando com especialistas sobre o assunto, apercebi-me que fazia todo o sentido dada a idade que ela tinha e o cenário que ela vive (não haver figura masculina cá em casa, etc). 

Como estava, de certa forma, a dificultar a socialização dela na escola, tive de lhe dizer para parar com a brincadeira durante uns tempos e ver o que acontecia. Passou. Continuou a brincar que é um rapaz (qual é o problema, não é?), tal como brinca que é uma sereia, um tupperware ou um panado. 

Agora, desde há um ano, a "mania" (não é manha, atenção, eu presto muita atenção a estes comportamentos e o que eles quererão dizer que a criança não sabe compreender e verbalizar - daí também se arrastem tanto tempo) é dizer que está invisível quando apareço na escola para a ir buscar, quando o pai vem buscá-la cá a casa, quando eu vou buscá-la a casa do pai, quando chegam os avós para cuidar dela ou quando vamos a casa dos avós para os visitar. 

O problema não é a brincadeira em si. Ela finge-se invisível e fica muito muito nervosa com isso. Quando a descobrimos fica ainda mais desconfortável. Tem de ser ela a decidir quando aparece, pregando-nos um susto - o que poderia demorar até meia hora. E, pelo meio, a falar na mesma, a fazer pedidos, mas enervada. 

Percebi que era ansiedade. E, mais "engraçado" ainda, percebi que também sinto o mesmo. Nos dias em que estou à espera que ela chegue, mesmo sem motivo real aparente, fico com o coração acelerado. É quando algo vai mudar no cenário e não temos controlo sobre isso. Para os mais psicanalíticos, acho que tem a ver com o parto de cada uma (que foi semelhante), mas não me vou alongar muito para 80% das leitoras não me sugerirem já um internamento - que não me dá jeito que tenho uns trabalhos esta semana. 

Quando, no outro dia (depois de meses nisto), a fui buscar à escola e - também por ser final do dia e não ter feito sesta) não conseguiu gerir minimamente a situação, tornando-se num choro imparável, senti que já chegava (arrependo-me de não ter achado isso mais cedo, mas cada uma faz o que melhor que vê e que pode, não é?). 

Em Cabeça, aldeia do Natal há um mês (ou menos).

Em casa expliquei-lhe que a brincadeira estava proibida. Que não era divertida para ninguém. Expliquei-lhe o que ela sentia (vergonha, nervos) e que há outras maneiras de lidar com a situação. Nomeadamente verbalizar que tem vergonha e que as pessoas assim perceberiam melhor o que ela sente. 

Ainda experimentou fazer mais duas vezes (afinal de contas era um hábito), mas já está a conseguir ganhar outras ferramentas e já está a conseguir lidar com o assunto. Sinceramente parece-me muito aliviada e corre tudo de forma muito mais calma para todos. Especialmente para ela que ficava angustiada e já não fica. 

Isto tudo para dizer que proibir é crucial. A forma claro que difere do momento, dos pais e da criança. Mas proibir às vezes poderá ser a solução - aparentemente tem funcionado e deixado a Irene mais leve pela responsabilidade das coisas passar para os crescidos.


Tudo com conta peso e medida e estamos a descobrir o nosso :)


12.19.2018

"mas por que não choras em frente à Irene?"

Pelo menos foi o que me apercebi. Há uns posts valentes, já não sei há quanto tempo, nem sei em que post, houve um comentário vosso que disse: "mas por que não choras em frente à Irene?". Isto porque eu tinha escrito que tinha feito um esforço enorme por me conter. 

Na altura pensei qb naquele comentário, mas na semana passada, dei-lhe ouvidos e chorei. Claro que não comecei a chorar tipo louca sem motivo algum só para lhe "mostrar sentimentos", ahah. Mas, estávamos as duas a não nos conseguirmos entender e eu fiquei mesmo muito frustrada e ela também. 

Acabei por chorar porque me apetecia e porque era importante que ela percebesse que, quando digo que estou cansada ou que está a ser difícil e que não aguento mais é a sério. Chorei e disse "e isto deixa-me triste porque quero ser a melhor mãe do mundo" - sem pressões, hã?. 



Ela olhou-me nos olhos e disse: "mas tu és...". Quando reparou que estava a chorar, disse: "os adultos também choram?". 

E eu, sorri e disse: "Sim, filha, choram. Choram, fazem birras, ficam zangados, tudo. Não és só tu. Os crescidos também.". 

Acho que aquele momento que parecia ser de frustração e de desentendimento acabou por nos aproximar mais e deixar bem claro para mim que eles precisam de ver as nossas emoções. Eu que tenho um medo que me pelo de lhe gritar - já ouvi berros que chegassem... - tenho mesmo que dar espaço para que ela veja todas as emoções em mim para também validar as suas. 

Foi bom. Eles arranjam sempre maneira de nos ensinar o que precisamos de aprender, não é? E obrigada pelo comentário construtivo desta querida leitora que estará algures aí perdida pela internet :). 

12.07.2018

Pai obriga filha a ir a pé para a escola por ter praticado bullying.

Já viram aquela "notícia" do pai que, pela filha ter sido bully e, portanto, suspensa do autocarro da escola, embora em intencionado, a obrigou a fazer o caminho a pé para a escola? Está aqui no Notícias ao Minuto, se quiserem ler e ver (o vídeo...). 

Não há qualquer dúvida que o pai está a agir como acha melhor. Que não julga nem sente estar a prejudicar a filha de alguma forma e que, ainda para mais, está a contribuir para um mundo onde o bullying um dia possa não ser um assunto por estes motivos. Agiu e de acordo consigo mesmo. Não há julgamento aí. Todos temos de tomar decisões difíceis baseadas no que sentimos e pensamos e todos corremos o risco de não serem as melhores... mas ninguém é perfeito. 

Não quer isso dizer que estes casos não sirvam para discussão e talvez para uma evolução conjunta. Tal como ainda ontem propus com o post do "A mãe vai andando..."

O pai está a fazer tudo certo de acordo com as suas premissas, mas o que é o bullying? Na prática, são actos de violência física ou psicológica constantes e intencionais. É o que diz a wikipédia.  Importante discutir aqui a "intencionalidade" da coisa, porém. É intencional, mas não consciente, tal como provavelmente esta medida do pai. 

Sem ser na prática, o bullying certamente virá de alguém que tem uma imensa necessidade de se sentir aprovado pelos outros (todos precisamos). Aquela criança está a demonstrá-lo de uma forma socialmente inaceitável e magoando e traumatizando o outro. Está a ser bully. 

Sendo este alguém (o bully) uma criança, há a possibilidade de estar a imitar um comportamento que já tenham tido consigo ou que seja repetido no seu ambiente. Um pai com este grau de determinação e de firmeza já poderá ter tido atitudes, por exemplo, que tenham feito com que a criança se tenha sentido maltratada psicologicamente sem que ele se tenha apercebido. Este poderá ser um deles. 


Este "walk of shame" até à escola, à vista do seu pai (cálculo que maioritarimente por questões de segurança da filha), não deixa de ser, em si mesmo, um acto de bullying (isolado, já que não tenho conhecimento da relação entre eles). O pai que, como reparámos, é extremamente sensível ao bullying (poderia ser interessante divagar sobre os porquês), decidiu aplicar uma medida muito recta com a filha. Esta, ao frio, porque foi bully pela 2ª vez e suspensa do autocarro da escola, vai a pé até à mesma, durante 5 miles - 8 kilómetros. Vamos acreditar que, algures a meio, a atitude do pai terá mudado e que os dois terão conversado sobre o assunto, feito "as pazes" e o pai a terá levado à escola ou, pelo menos dado uma valente boleia a mais de metade do caminho... Não sabemos. 

Não deixa de ser bullying. Não intencional, mas bullying. 

A criança aprende toda uma linguagem de "seguir o que pensa que está certo" sem olhar a contextos e forma. Ou, ainda, através da tristeza e da raiva reprimida ou lidar com este tipo de autoridade e de disciplina, poderá ter que a deixar "sair" quando se sente perto de alguém que não a fará sentir-se insegura: os mais novos da turma, os mais pequenos no autocarro ou até alguém que já a tenha provocado antes mas de quem se consiga defender. 

Aprender a lidar com a raiva, com a frustração, tristeza e com a mágoa é crucial. À semelhança de qualquer coisa que introduzamos no nosso corpo, terá que sair. Ao nos agarrarmos a esses sentimentos ou ao não sabermos trabalhá-los, ficam em nós e depois saem de forma descontrolada: discutindo mecanicamente com os nossos parceiros, falta de tolerância no geral, pessimismo e violência psicológica ou física. Creio que todos ou quase todos seremos bullies nos "piores" momentos da nossa vida. 

O que se passa com esta miúda? Qual será a sua história? E a do pai? E a do pai com o bullying? 

Seja como for, é verdade que, enquanto pais não somos santos, não deixamos de ser humanos a criarem humanos e, por isso, é impossível ter uma postura drunfada e sempre calma e consciente todo o tempo. Ainda para mais quando sentimos que o que estamos a fazer é aquilo que achamos que é o melhor não só para os nossos filhos, mas também para o mundo. 

É aqui onde entra a empatia e o auto-conhecimento. 

Já tendo percebido o que me ser bully, consigo empatizar com outros bullies e perceber que algo de errado se passa ou já se passou com eles. Já tendo sido alvo de bullying também percebo e sinto as consequências de se ser a vítima óbvia numa situação desse género. 

Gostaria muito de saber que o pai, além desta consequência que lhe terá aplicado com os argumentos que sentiu necessidade de expôr (talvez também para ter aprovação alheia por algo intuitivamente lhe cheirar a esturro), também terá tentado perceber o que se passa com a sua filha e tentar ensinar-lhe ou proporcionar-lhe a oportunidade de aprender ferramentas para gerir as suas emoções ou, até, garantir que estará a ter o máximo de apoio que precisa da família, amigos e, se necessário, de um profissional. 

Os comentários a esta notícia deixam-me com o coração apertado por todas as crianças cujos comportamentos serão visto como desafiantes e não como uma incapacidade óbvia de expressar o que sentem e o que precisam. 

Tenho as minhas dúvidas que a filha tenha aprendido com esta "lição" alguma coisa que a ajude a lidar com o que sente. Talvez o medo de ir novamente a pé para a escola a motive a deixar de agir desta forma e neste contexto, mas outro comportamento irá surgir e talvez ainda menos óbvio para os adultos conseguirem ajudá-la já para não mencionar que poderá também vir a ser mais perigoso.


12.06.2018

"A mãe vai andando!"

Para muitas de vocês que acompanham o nosso blog, têm reparado que vamos reflectindo sobre coisas que vamos fazendo. Aquele pensamento que, geralmente, me surge depois de ter deitado a Irene, uma espécie de "processamento" do que aconteceu durante o tempo em que estive com ela, o que podia ter feito melhor ou que fiz bem, aproveito para escarrapachar aqui. 

Não só porque me habituei a pensar a escrever desde sempre, mas também porque muitas de vocês poderão ter as mesmas questões e ajudarmo-nos mutuamente. 

No outro dia, a meio de uma birra, utilizei o "olha, a mãe vai andando" e fui ameaçando sair de fininho do sítio onde ela estava. 

Na prática isto resulta, é só preciso passar o tempo suficiente para que o medo se apodere deles e venham ter connosco, venham ainda zangados, com medo ou o que seja. Mas será mesmo a melhor técnica? 

A Irene já verbalizou algumas vezes que tem medo que eu desapareça. Acho que, quando a disse a primeira vez ainda não tinha vindo de quem já sabia que a morte é uma realidade, mas sim de algo muito mais primitivo. Talvez também porque como o "pai saiu de casa, quem sabe se a mãe um dia não sairá também. 

Desde aí e sempre que consigo nos momentos que considero apropriados, vou sublinhando e mostrando à Irene que a mãe veio para ficar. Que nunca, nunca irá desaparecer. O ano passado, na escola dela, a frase que a educadora mais dizia e que eu repetia era "a mãe volta sempre" (o que é diferente de "a mãe vai andando").


Prefiro dizer que nunca fugirei, que nunca desaparecerei. As minhas ausências não têm que ser sentidas como tal mas como também uma nota do meu tipo de presença. Claro que há timings. 

Quando ela era bebé e se passava da cabeça só porque eu saia da sala ou o desespero total dela quando eu saia de casa para ir trabalhar... não é o timing perfeito para, verbalizando, mostrar-lhe o quer que seja, mas começa-se o trabalho por aí também. Pesquisei e li um pouco sobre ansiedade de separação nos bebés. 

Adormeço a Irene. Deito-me com ela na cama e abraço-a ou faço-lhe cafunés. E é um prazer imenso para ambas (foi um longo caminho até aqui da minha parte porque já desesperei horrores a adormecê-la, a ter fantasias de a abanar e de tudo o que tivesse à mão para que ela adormecesse quando EU queria). 

Quero mesmo que ela sinta que os pais (falarei sempre mais por mim) são estanques. Que não fogem. Que a amam incondicionalmente. E que - agora menos unânime - somos uma equipa. 

A nossa relação é algo de parte a parte. É, tento eu, de respeito mútuo. Aliás, nem é de tentar, é mesmo o que surge entre nós. Ela exige respeito, exige ser ouvida e sente-se brutalmente ofendida quando não a oiço ou quando me imponho à vontade dela. Ontem fez uma birra enorme porque não queria vestir as calças que lhe tinha vestido à socapa, enquanto ela estava distraída. Sentindo que isso era uma falta de reconhecimento da minha autoridade, insisti. Quando me acalmei - ainda para mais a Irene está doente e, por isso, tenho de lhe dar o desconto - percebi que as calças novas que lhe tinha comprado e que lhe ficavam maravilhosamente bem (a quem vê de fora) apertavam-lhe na barriga. Ela não gostava por isso, porque lhe apertavam na barriga. 

Claro que depois de ter tirado a etiqueta, fiquei furiosa, mas não vou obrigar a Irene a andar o dia inteiro a andar com calças apertadas na barriga pelos 12 euros que me custaram ou por me sentir insegura se ela respeita a minha autoridade ou não. Independentemente de como me sinta, existe o facto de: a miúda não se sente confortável com as calças. E isso tem de ser importante. Mais importante que 12 euros ou que o meu ego. 

Por tudo isto e pela nossa dinâmica, percebo que o que me leva a dizer "a mãe vai andando" é um acto de falta de paciência e da minha forma de fazer birra "Quero que ela venha, já, agora, sem ter que estar com merdas". Ainda para mais o argumento que estava a dar para não ir comigo era "Só vou se tiveres prendas!". Eu que nem a encho de prendas, enfim. Deixa-me ainda mais enervada. Apesar de já ter percebido por aqui que é uma fase. O materialismo será sempre mais apelativo às crianças, mesmo que tenhamos de educar para o resto. 

A Irene não tem feito sesta na escola. A Irene entrou para uma sala nova este ano com colegas mais velhas que, a fazerem o que têm de fazer, a têm feito sentir pequena. E a Irene, afinal, já estava a cozinhar uma gastroenterite. E eu, perante a situação e a minha ignorância momentânea (e também tenho os meus motivos para ser menos paciente e compreensiva) fingi que me ia embora sem ela. 

Nem resultou, não esperei, talvez, o tempo suficiente.Talvez também pelo óptimo trabalho que tenho feito com ela em dizer-lhe que não fujo, mas não é a ferramenta certa. Isto de ser mãe, como todas sabemos, implica muito amor, muito sacrifício, tempo e... disponibilidade para nos pormos de cócoras e falarmos com eles, tentarmos ver o que é que eles nos querem dizer por trás daquela forma tão infantil (ahah, pois...) de manifestarem o que sentem. 

Essa responsabilidade é nossa. E de criarmos pessoas que um dia venham a reagir assim com os filhos e com os outros. Em vez de nos tornarmos todos bebés crescidos que cobram uns aos outros o que acham que precisam como precisam e não que se foquem na conversa que não se consegue ter. Temos que entender os outros antes que eles se entendam. 



Compaixão, empatia, amor, carinho, aceitação. 

No meu caso começa primeiro pela minha filha e, depois, vou conseguindo fazer comigo. Também temos que ser compreensivos connosco como somos com eles... Fica para um outro post, pode ser?