segunda-feira, 26 de outubro de 2015

A melhor não babysitter de sempre.

Um dia, fui almoçar com o Frederico e estive à vontade durante 2 horas sem que a Irene me viesse pedir atenção. Sem que se irritasse, sem que precisasse de ser passeada, nada. Isto porque a Carolina, assim que chegamos (estava a estagiar no restaurante) disse: "não se preocupe, eu cuido dela". Fui dando um olhinho e confesso que me vieram as lágrimas aos olhos. Revi-me na Carolina. Tenho dois irmãos. Um mais novo que eu 10 anos e éramos os melhores amigos, uma relação muito muito próxima. Vi isso na maneira da Carolina brincar com a Irene. Pareciam irmãs. A Carolina fazia leques com as folhas que arranjava atrás do balcão, dançava com ela, foi-lhe mostrar as flores e as cores e, aqui entre nós, notava-se que estava toda contente. Sempre que ia cuscar ela dizia "não se preocupe", mas eu reparava que ela também estava a dizer "deixe-me brincar mais um bocadinho". Rapidamente me chateei com ela por me estar a tratar por você. A Irene ficou o resto do dia a falar da Carolina e a imitar as brincadeiras dela e eu, de coração cheio porque senti que tinha encontrado a solução perfeita para nós. Uma menina responsável, que adora crianças, mesmo quando não estava a ser paga para isso, que reparei que estava toda contente... estavam as duas!

Fez-se luz e propus-lhe que me passasse os contactos para quando eu quisesse sair de casa com o pai e não quisesse "chatear" os avós (vou receber mensagens a dizer "não nos chateamos, Joaninha, por amor de Deus", mas vocês percebem). 

Fiquei a saber a história dela: tem 25 anos, é de Lisboa mas sempre viveu nas Caldas da Rainha. Andou a implorar por irmãos até que, aos 10 anos, lá lhe fizeram a vontade. Nasceu a irmã Maria que ela, desde sempre, teve uma imensa vontade de proteger e de cuidar. Quatro anos depois nasceu o Manel e, com o treino da Maria, já estava à vontadinha para cuidar muito bem dele. 

Sempre quis estudar psicologia, mas acabou por ir para Turismo (daí estar a fazer o estágio no restaurante). Porém, a vontade de ajudar os outros, de retomar o voluntariado que fazia antes da faculdade no piso de pediatria no hospital das Caldas, mantém-se. Anda a ponderar dedicar-se novamente aos estudos para tirar psicologia infantil. Está em período de reflexão, diz ela.

A ideia é andar a tomar conta da Irene e de outros bebés e crianças para ir tirar o curso por si, para não ter que pedir nada aos pais. É bonito ou não? 







Queram falar com a Carolina (digam-me se forem falar que fico toda contente por estar a ajudar)? 
O mail é este

6 comentários:

  1. Como te compreendo Joana!! Também tenho duas filhas e às vezes temos que abdicar de fazer certas coisas porque não queremos estar a "chatear os avós". E confesso que não fico nada descansada em deixar as miúdas com alguém que não conheço como deve ser!!
    Também precisava de uma Carolina!! ❤❤❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou sim Joana ��
      Vamos ver se é possível... eu sou da margem sul!!
      Mas vou falar com ela. Obrigada

      Eliminar
  2. Não a conheço mas já gosto dela ☺

    ResponderEliminar
  3. Ui se essa rapariga vivesse em Ponta Delgada estava de agenda cheia. Creio conhecer uma dúzia de mães (eu incluída) que andam a implorar que alguém como ela surja nas suas vidas. Sim senhora Joana, isso é que é serviço público (estou a falar das mães). ;)

    ResponderEliminar
  4. Eu revejo-me totalmente na Carolina!! Sempre adorei crianças! Eu só tenho uma diferença para além de ter 22 anos estudei psicologia até ao 2° ano da licenciatura mas optei por sair porque infelizmente eram demasiado caras as propinas... :( Sempre foi um sonho trabalhar com crianças e um gosto ainda maior! Desde muito novinha que me propunha em campos de férias (nunca chamavam, talvez pouca sorte minha) e me inscrevia em associações onde pudesse fazer voluntariado e a cada oportunidade ficava muito feliz mas em todas me acontecia a mesma coisa que era o facto de me porem a arrumar a dispensa ou a cozinha e a frase era a mesma "tem de se começar por aqui! E depois vais subindo até poderes estar com as crianças!" ... Acabei por ficar desmotivada com o voluntariado porque eu só queria tomar conta dos meninos brincar enterte-los nem que isso fosse de graça! Só queria poder fazer o que realmente gosto mas infelizmente valoriza-se cada vez menos o trabalho gosto e entrega ao invés de cursos relacionados com a área mas cujo a vocação é pouca ou nenhuma... :/ Talvez um dia consiga concretizar este sonho :)
    P.s. Estou a adorar o vosso blog! É maravilhoso riu-me imenso! Agora que também eu estou à espera de uma princesa espero fazer tudo de uma forma tão descontraída e certamente divertida como vocês que têm duas meninas lindas!!

    Muitos beijinhos e se precisarem eu e a Carolina combinamos uma parceria e cuidamos dos vossos bebés!! Eheh

    ResponderEliminar