sábado, 28 de março de 2015

Afinal Havia Outra (#17) - Não queria ser mãe.

Esta foi uma questão que me assombrou durante muitos anos. Foram uns tempos valentes em que tive completamente convencida que nunca viria a ser mãe. E verdade seja dita, estava feliz com a minha decisão.

O único incómodo eram todas as mães que me rodeavam e que não conseguiam compreender a minha escolha. Como se fossem elas que nas suas conversas iguais me conseguissem de alguma forma convencer. Sim, porque tendo filhos eles até seriam criados por elas, não é?!

Olhava para aquelas mães conformadas em que a felicidade estava toda em ser mãe e deixar de ser mulher e sentia-me cada vez menos convencida.

Quando muito, mas mesmo muito, esporadicamente pensava sobre ser mãe, era sempre pelos motivos que considero errados. Sim, gostava de experimentar estar grávida e ter "aquela" barriga para exibir; sim queria receber mimos e presentes; sim, queria ser o centro das atenções enquanto grávida. Mas queria um bebé, dependente de mim, que precisa de comer, tomar banho, dormir, chupetas e birras, vómitos e cocós, ou até mesmo brincadeiras intermináveis e gritos e gritinhos? Não, não queria nada disso.

Gostava da minha vida tal como ela era. Dormir até tarde ao fim de semana... Decidir às nove da noite que não me apetece fazer jantar e ir a qualquer lado... Fugir das compras e do supermercado até restar apenas um enorme vazio no frigorífico... Sair à noite com os amigos... Apanhar umas bebedeiras... Prolongar os meus dias até tarde, porque não há horas para ir para a cama... Pegar nas poupanças e estourá-las em sapatos... Eu era MUITO, MUITO feliz assim.

Chegou-me durante felizes 9 anos de casada, e acreditem, continuava a chegar, e continuaria. 
Um dia, tudo mudou, afinal tudo muda! Não sei como nem porquê, e nem sei se os meus motivos estão certos ou errados, porque nem motivos tenho afinal. Mas tudo mudou.

Dia 5 de Novembro de 2014, apareceram 2 riscas naquele pedacinho de plástico, que mudaram tudo.

Não foi acidente, pelo contrário, eu queria aquelas riscas... Porquê? Não sei... Não sei mesmo. Sei que era feliz, com a minha vida irresponsável, e sou igualmente feliz agora enquanto me adapto à nova realidade.

Dúvidas? Tenho muitas... Afinal de contas, sei lá eu ser mãe.



Ana Filipa Guerreiro

7 comentários:

  1. Bem, não queria engravidar, estava contente com a vida que levava, engravidou não sabe bem o porque de o ter feito? Espero que depois não se arrependa pois é assim que começam algumas das depressões pos parto....

    ResponderEliminar
  2. Peço desculpa mas não estou a ver esta mãe a ter uma depressão pós parto.... Ela não disse que estava infeliz.... Antes pelo contrário.... Boa sorte para o resto da sua gravidez e uma vida feliz ao lado do seu filhote ;)

    ResponderEliminar
  3. Bolas, isto podia ter sido escrito por mim, mudando apenas de 9 anos de casada para 6 e o nome em baixo...

    ResponderEliminar
  4. Às vezes as coisas que menos esperamos são as que nos fazem mais felizes!
    Ate uns seis meses antes de planear de engravidar eu nem queria pensar em filhos,gravidez ou a minha vida dependente de um bebé..afinal o que é que os bebés tinham que deixavam toda a gente babada por eles? Qual era a piada de ter um bebé com o qual nem podiamos falar ou brincar? E será que as grávidas não têm vergonha de andar com aquela grande barriga? Toda a gente vê que estão grávidas!!!
    E de repente dei por mim a pensar "e se...", "e porque não?" E uns meses depois lá estava eu nesta grande aventura que é ser mamã e a exibir a minha barriguinha e a perguntar-me "como podia eu não gostar de bebés?"!!!
    Só lhe posso desejar as maiores felicidades e que desfrute deste mundo encantado dos bebés ☺

    ResponderEliminar
  5. Obrigada por partilharem a minha história.
    O bebé está quase a chegar, é um rapaz de nome Vasco! Estou feliz, e preparadissima para tudo o que aí vem...
    (Mesmo que implique uma depressão pós-parto...isso depois passa :D )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao implica nada vai ver... Nem pense muito nisso... Quer um conselho? Nao se feche em casa com o bebé (1 mês fechada como é suposto é que a deixa a beira de tarde ma depressão lol) passeie e aproveite cada momento... Felicidades

      Eliminar