sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

VOLTEI A DORMIR, CARAMBA!!! Parte 2!

Continuação deste post que era suposto só ter sido lido hoje de manhã, mas algumas de vocês não resistiram e vieram cuscar mais cedo, outras vieram pelo facebook do Centro do Bebé

Também era para publicar este post mais cedo hoje à noite mas vocês, mais do que ninguém, compreendem que os horários à noite podem sair um pouco furados, não é? É. 

Estava a explicar como conheci a Constança em pessoa e o que senti naquele dia em que me deu vontade de vomitar o coração para fora e deixá-lo em cima da secretária. Controlei-me mediocremente.

Já vos disse isto, mas já antes tinha falado com uma especialista do sono (que muito adoro e que muito me ajudou), mas que a primeira hipótese era de fazer o desmame nocturno (algo que sempre fui radicalmente contra, menos naqueles momentos de exaustão extrema em que tudo parece uma hipótese, até lhe dar um pontapé nos rins). Segui o meu instinto e prossegui. Vamo-nos adaptando (mais ou menos) a isto de não dormir. O cinzento começa a ser uma cor que nos segue para todo o lado e, às tantas, até já conseguimos duplicar as pequenas mini-forças que ainda temos em nós. Tudo é, porém, 10 vezes mais custoso e 10 vezes menos divertido. Estou convosco.

A Constança perguntou-me pelos hábitos da Irene e eu lá lhe disse. Eu sempre fui muito rígida nisto do sono porque fazia tudo o que estava ao meu alcance para ter a esperança de que pelo menos naquela noite conseguiria dormir mais do que 3 horas seguidas. Raramente. Uma das coisas que a Constança disse foi "se vires que ela tem sono, mesmo fora da hora da sesta, deixa-a cochilar... no teu colo, um bocadinho no sofá, se ela tem sono é porque está cansada". Fazer um sono curtinho de 30 minutinhos pode ser óptimo para eles e eu sempre a privei disso com os meus horários tão rígidos. Ainda hoje tenho imensa dificuldade porque não gosta que ela durma àquela hora e depois não saber quando é que ela vai adormecer outra vez, mas senti-me livre por saber que escutar a Irene e não as "teorias" não era algo imbecil, antes pelo contrário. Sinto que, aos poucos, "os livros" estão a passar a ser eu e ela, o nosso "nós". 

Outra coisa que ela me disse e que me fez todo o sentido foi que os bebés precisam de processar a informação que retiveram durante o dia antes de adormecer. Se tiver sido um dia muito mexido, aquela energia toda que eles têm antes de adormecer é óptima para o cérebro mastigar informação e quanto mais mastigada for, menos acordam durante a noite porque mais descansados dormem. Atenção que a Irene tem praticamente 2 anos, não sei se isto se aplica a bebés muito mais novos.

Isto fez com que eu passasse a não estar impaciente por ela andar aos saltinhos em cima da cama e aos gritinhos e a cantar e a bater palmas. Vi isso como um momento útil para um dormir mais tranquilo. Já não me enervou. Fez-me pensar também no meu erro mais comum nisto da maternidade que é não ver a Irene como uma pessoa. Ela é uma pessoa. Quantas vezes vamos para a cama e nos custa a adormecer logo? Porque é que exigimos isso dos nossos filhos? 

Ela tem que deitar fora aquela energia toda. Adormecer num ambiente calmo. Lembrei-me daquelas noites em que adormecemos depois de uma conversa mais séria ou até de uma discussão acesa e que, durante a noite, simplesmente sentimos que não descansamos ou acordamos com a sensação que nem dormirmos. Sinto que o nosso papel (e disse-me também a Constança) é garantir que eles têm as condições ideias para se sentirem amados, seguros, calmos e tranquilos e não sermos fonte de pressão e de energia negativa por eles não serem robôs. "Irene, são horas de dormir!!! Dorme!!". É só parvo. 

Recomendou-me que depois do jantar fossemos logo para o quarto para a cabeça não viajar muito mais depois da "calma" que o jantar traz. Vamos logo. 19h40 estamos no quarto e, durante sensivelmente meia hora, ainda de luz acesa, dou-lhe todos os miminhos do mundo (ou, mais no caso da Irene - igual à mãe - faço de público para as palhaçadas dela) incluindo festinhas no cabelo, beijinhos no corpo todo, maminha, muita maminha, por-lhe as mãozinhas dentro das minhas enquanto sopro lá para dentro para fazer quentinho (chamamos-lhe "o forninho"). Não sei se para vocês é fácil imaginar, mas ela tem um colchão de adulto no chão e eu deito-me com ela. Depois dessa meia hora em que, em princípio, estamos as duas calmas (pode não ser meia hora, atenção, não sejam chatas como eu), quando ela estiver mais molinha, desligo a luz e tento só dar-lhe os miminhos mínimos necessários.

A Constança disse que o primeiro acordar da noite costuma ser uma réplica do momento do adormecimento, por isso, quantos menos apetrechos ou técnicas utilizarmos para os fazer adormecer (colo, festinhas no rabo, canções, etc), mais suave será o primeiro acordar pois não acordarão à procura das condições que havia quando foram adormecidos. Se adormecerem sem ajuda (connosco lá ao lado a ouvi-los respirar - no nosso caso tenho feito conchinha, a ver se não repito muito para não ficar "bengala" hehehehe), vão acordar só quando for "preciso" e muito mais tranquilos. Assim tem sido. A Irene acorda agora uma ou duas vezes por noite (é uma sorte enorme comparadas com as 5/6 vezes que têm sido nos últimos dois anos). E ando a fazer isto bem há pouco tempo e acho que, mais uns dias, irá acordar ainda menos. E há de haver um dia em que tenho de ser eu a ir acordá-la haha!

Deixá-los esgotar as energias, proporcionar um ambiente calmo, sem pressas, reconhecê-los como indivíduos e não como nossa posse, não fazermos (adultos) birra por eles não adormecerem quando nos dá jeito e... acima de tudo: ver o momento do adormecimento como um momento de qualidade em que não há ruído nem telemóveis, nem nada. Só nós. 

A grande mudança aqui, além dessa minha postura pacífica foi a Irene ter a maminha antes de adormecer e não adormecer por completo na maminha, só consegui fazer isto graças a três coisas: consegui explicar à Irene que depois de mamar uma vez, as maminhas ficam vazias e só no dia seguinte é que têm muito leitinho (a história da maminha que conto dezenas de vezes antes de desligar a luz e a pedido - como é que mães de bebés mais novos podem fazer isto é que não sei, ajudou a Irene já me compreender), nos primeiros dias o pai ia adormecê-la comigo para haver maior "distracção" da maminha para quebrar a rotina e, agora, ela já sabe: a maminha é o tempo que ela quiser até se apagar a luz. Depois é ó-ó. 

Sabem que sou defensora acérrima da amamentação (como se houvesse algo para defender, como se não fosse mais do que óbvio), mas tenho a dizer-vos que desde que dei uma oportunidade a outro tipo de adormecimento que descobri outras formas de amor que ainda não tinha tido tanta oportunidade: as mãozinhas, os pézinhos, as festinhas... também tem sido lindo. Mães, não é preciso fazer desmame nocturno para eles dormirem bem! A culpa não é da maminha! A culpa não é de ninguém, o mais natural não é que eles durmam sozinhos até porque seriam caçados por um bicharoco qualquer, é normal que nos procurem, que nos chamem. Porém, esta é a maneira que tem funcionado para nós.

Não fiz desmame nocturno. Ela ainda mama quando acorda de noite e acordo cheia de vontade de lhe dar maminha, não estou habituada a tanto descanso haha. 

Graças à Irene a mim e ao pai e também à fada dos bebés - que também é a fada das mamãs em delírio graças à privação do sono. 

O que a Constança faz é simples. Vai buscar-NOS ao fundo do poço para onde nos atirámos com o nosso cansaço. E, com isto, faz os bebés crescerem felizes e com uma mãe muito mais feliz também. A mãe é que sabe, meninas, é o que vos digo. 



Tenho adorado adormecê-la. Depois de passar tantas horas em ela e de chegar a casa e ter de fazer coisas, aquele momento ninguém nos tira. Até ambas adormecermos naquele colchão. Adormecermos juntas. Que maravilha. 


(Cada bebé é um bebé, não são um robot, nem existem manuais para tratarmos deles como se tivessem um número de série. Reparem que não tive que a deixar chorar, nem a deixar sozinha ou deixá-la chorar a olhar para ela a dizer "a mãe está aqui", mas sem fazer nada para a ajudar - imaginem o que vai na cabeça deles "se estás aqui e me vês assim... por que não fazes nada?". A Constança é the real deal, é empática, não é só marrona e repetidora de conhecimento alheio. Sente-se quando estamos com ela. Sente-se que ela nasceu para isto e que não é apenas mais uma pessoa a tirar partido do nosso desespero para se tornar "conhecida" e para "aparecer". Foi o que senti.) 

Para dicas mais adaptadas a vocês e à vossa família, nada como a conhecerem. Depois digam-me se não sentirem o mesmo... 

9 comentários:

  1. Adorei este texto. Acho que vou imprimi-lo para ler de vez em quando.
    A minha filha, com a idade da Irene já dormiu muito melhor que agora e, de facto, revejo-me em muitas coisas que dizes. Também não a deixo dormir quando quer com medo que adormeça mais tarde à noite, ou acorde cedo demais. Também me enervo um bocado quando ela quer brincadeira e folia na hora de dormir e fica toda tagarela durante muito tempo... Afinal parece que estou a fazer tudo errado. :P
    Vou fazer algumas alterações na nossa rotina e vou, sobretudo, tentar fazer tudo com muito mais calma e respeitando o tempo e a disposição da minha filha. Vamos ver se resulta por aqui.

    ResponderEliminar
  2. a minha filha nasceu grande 4,390kg e 55,5cm. durante uma semanas acordei-a de 3 em 3 horas para mamar depois disseram me que podia fazer um período de 4 horas à noite e fiz durante uma semana. à 3ª semana já dormia 6 horas e ao fim de um mês dormia 8h e foi sempre assim. hoje com quase 16 meses dorme 12 ou 13 horas de seguida à noite e já é assim deste os 6 meses pelo menos. as vezes acorda e vai para a nossa a cama mas normalmente e so acontece quando tem os dentes a nascer, ou quando está doentinha, e ao inicio so acordou por causa das cólicas. em compensação tem mais dificuldade em dormir sestas. variam entre 30m a 2horas, 3 no máximo. mas só faz uma sesta por dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão prende-se quando as mães querem obrigar os bebés a espaçar as mamadas e não quando parte deles.

      Eliminar
  3. Ora bem, o meu dorme qdo quer, nunca impus horas de sestas. Vai para a cama assim que acaba de jantar, porque normalmente está tão cansado da creche que se vê que não dá mais :) não há tablets nem afins antes de dormir, assim que vejo que tem sono vamos para a cama, e normalmente adormece a mamar. Vai fazer 18 meses e dorme connosco (em side car) desde o dia 1. Ultimamente tem adormecido bastantes vezes sem estar a mamar, por isso acho que estamos a caminhar no bom sentido :) no fundo acho que estou a cumprir todas as dicas, mas mesmo assim acorda várias vezes. Descanso bastante bem porque estou mesmo ali e acabo por não despertar tanto. Mas seguramente deve haver alguma coisa que pudesse mudar para que ele acordasse menos vezes.. Ou não, se calhar é mesmo assim, ele nunca dormiu muito ferrado, acorda facilmente e qdo era mais pequeno as sestas eram de 30m (no colo, na cama, a passear, não interessava).

    ResponderEliminar
  4. Joana, a minha filha com 11 meses desde os 6 que acorda 5/6 vezes por noite também. Eu também agora procurei a ajuda da Constança e as dicas foram semelhantes entre outras... No entanto desde que fui a Constança que ainda não consegui adoptar tudo o que ela me recomendou. Este fim de semana começo sem duvida. No entanto a minha dúvida é "como fazer com ela não adormeça na maminha?". Já tentei e ela começa aos berros... quando ela já está numa de adormecer, mas ainda não adormeceu, e começa a largar a maminha, eu afasto-a da maminha mas ela demasiado ofegante volta a procurar a mama, como se não houvesse amanhã e berra muito se não a encontra. Acho que a minha maior dificuldade está aí. Vamos ver. :P
    Beijinhos e fico muito feliz por ver que finalmente ela está a regularizar mais os soninhos.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho exactamente a mesma dificuldade... Como não a adormecer na maminha se ela a procura incessantemente?

    ResponderEliminar
  7. Que delícia...adorei ler...a minha bebé tem 12 meses e o livro da Constança ajudou-me e ajuda-me tantas vezes. Sempre foi dificil para dormir,mas depois que a aceitei e fizemos cama compartilhada melhorou. Revejo-nos em muitas das suas frases... Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Como a Maria não sei como adormecer a minha filhota (de 22 meses) sem ser na maminha. Sempre foi assim, não conheço outra forma... Se tento, ela chora, berra, bate... Nada a acalma. Já tentamos ser o pai mas acontece o mesmo... Joana é possível partilhar como foi alteração de adormecer a Irene? (Ideia para um novo post VOLTEI A DORMIR, CARAMBA!!! Parte 3!) O que fazer para adormecer com outros miminhos sem ser a maminha? Agradeço do fundo do coração. Beijinhos de uma mãe que já não dorme à muito, muito tempo.

    ResponderEliminar