Mostrar mensagens com a etiqueta felicidade. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta felicidade. Mostrar todas as mensagens

domingo, 7 de outubro de 2018

Cuidado com as opiniões dos outros.


Se ligasse às opiniões dos outros – como já vi muita gente ligar, eu incluída a determinada altura – já me teria morto.

Não estou a tentar ser engraçada ou dramática, estou a contar-vos algo pelo qual já tive que passar para estar aqui onde estou. Houve uma altura na vida em que, se as opiniões dos outros determinassem o que é real, não valeria a pena estar viva.

Estamos programados para ver o que queremos ver. Sendo que o que queremos nem sempre é o que precisamos, mas sim o que temos em “nós”. Não somos o que fazemos. Não somos o que achamos que somos. Temos uma linha paralela à nossa existência, uma substância inalterável de riqueza e de luz que não é alterada pelos acontecimentos, pelas consequências.

Existe um espaço em nós que raramente algo ou alguém consegue chegar e que, mesmo dentro de um sítio muito pequeno, de um sítio violento, de um sítio morto, de tristeza, de desapontamento, essa luz continua cá dentro.  A luz que mesmo depois de uma perda monstruosa, nos dá força para continuarmos por cá, por exemplo.

Somos mais do que a ausência ou presença de likes, muito mais do que o número de pessoas que concorda connosco ou que discorda. Somos mais do que as opiniões que queremos ouvir ou que os sítios onde querem que estejamos. Somos água, não somos listas de tarefas. Não é o número que rege o que está certo ou errado. Não é a quantidade, é a qualidade. É a qualidade das pessoas e a sua relação connosco.

E a relação delas consigo.


Da mesma maneira que existe uma grande necessidade para o pintor de fazer um recuo relativamente às suas obras para ganhar perspectiva, também  nós deveríamos fazê-lo, embora hoje em dia seja ter cada vez mais difícil: o tempo parece que nos tira tempo e vamos com a corrente em vez de confiarmos que sabemos nadar contra ela - faz-me lembrar do poster que a personagem principal do Fargo tinha na lavandaria.


Claro que a nossa essência não consiste em estarmos constantemente a lutar contra (seja o que for). A nossa essência, o nosso propósito, quem somos verdadeiramente (despidos de status, de histórias que nos contaram sobre nós próprios e que continuamos a repetir para dentro, de roupas, de iPhones, de ausências ou de meias-presenças) não se poderá definir por uma postura relativa à maioria, mas sim uma postura relativa a nós mesmos.

Poderá parecer egoísmo para muitos. Poderá parecer imaturidade para outros. Arranjámos muitas maneiras de medir quantitativamente algo que é só impossível de medir: o amor. Não podemos julgar, pesar, equacionar o quanto alguém gosta de nós por ter estado connosco ali ou por ter saído ali. A vida acontece independentemente de nos sentirmos o centro da vida dos outros ou que merecemos estar no centro da vida dos outros.

A primeira pessoa que devemos aprender a amar é a nós mesmos. Sabendo saborear o que nos parece mais doce e amargo, desenvolvemos o nosso paladar. Todos os sabores fazem parte deste. Só doce é aborrecido. E do que seria a vida sem o pressuposto da existência dos contrários?

Cobramos. Julgamos. Acima de tudo a nós próprios. Sinto muito isso no pêlo no que toca à imagem corporal que tenho, ao conceito de sucesso profissional e à imagem que temos da “mãe” perfeita. Não somos quadrados, não temos que nos encaixar num conjunto de requisitos para sermos considerados aptos enquanto: mulheres, seres, trabalhadores, mães, filhas, amigas, namoradas, etc.

Da mesma maneira que o sexo poderá funcionar de forma criativa e livre quando duas pessoas se deixam de prender (ou se passam a prender, dependendo dos gostos), todos os outros conceitos que nos rodeiam também poderão ter essa fluidez e verdade. Uma verdade que é moldada às pessoas que fazem parte da relação e não o oposto.

Não temos de construir pessoas para que encaixarem nas nossas expectativas. Nem nós.

Claro que a vida não é um passeio de barco, de vela estendida consoante onde o vento nos leve. Claro que a vida não é só um passeio solitário onde nos guiamos apenas por aquilo que sentimos. A cabeça tem de ser um instrumento para sentirmos melhor e não para deixarmos de nos sentir. Ser algo não é estar em todo o lado ao mesmo tempo.

É estar onde o coração manda.

Ouvindo-o é ouvir-nos.

E quanto mais e melhor nos ouvirmos, mais cuidado temos com as opiniões dos "outros".

Sou cada vez mais feliz.

Hoje de manhã.







sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Se eu soubesse isso sobre cólicas...

A Irene berrava que nem uma louca ao final do dia. Ela berrava e eu não a conseguia acalmar. Depois berrava ela e chorava eu, choravamos as duas e eu não percebia o que estava a acontecer e nem conseguia mudar nada. Experimentei o clássico dos probióticos, mudar a alimentação (amamento), deitar mais cedo, deitar mais tarde, virar a cama para sul, o desespero era... todo. 

Se eu soubesse estas coisas sobre (bebés) ou, neste caso, sobre cólicas: 


- Os bebés nascem  9 meses "mais cedo": 

Os bebés nascem "imaturos", sem estarem prontos para se afastarem da mãe. Somos a espécie que fica mais tempo dependente. Passamos por uma espécie de nova gestação fora do útero, a exterogestação. Leiam mais sobre isto num site de uma marca conhecida de marsúpios (makes sense). Há mais 9 meses depois da gravidez em que o bebé. Se o bebé e a mãe não estiverem alinhados com estes princípios é normal que o bebé também se ressinta e, ainda para mais, ao final do dia com o "cansaço" todo em cima e outras coisas que vou dizer a seguir. 

- O sono aparece ao final da tarde: 

Existe uma hormona do sono que é segregada ao final do dia. Já houve quem me tivesse tido que é a partir das 18h (mas haverá mesmo horas para isto?). Principalmente para recém-nascidos é quando cai o cansaço todo em cima. E, por isso, também, o descontrolo. Eles sabem lá gerir as suas emoções, nem os braços conseguem controlar, quanto mais!

- Ressaca

Para nós, um dia em casa parece ser extremamente simples. Para um bebé, existem milhares de cheiros, temperaturas, o barulho da televisão que não sabe de onde é, as texturas dos lençóis, o mudar a fralda, a voz da mãe, as horas do dia... Tudo isso são informações que o bebé tem que processar. Ao final do dia, se houver hiperestimulação (isto é só em casa, imaginem num espaço público com muita gente ou actividade), é normal que possa ter mais descontrolo por estar mais "cansado". Costumo comparar isto ao dia a seguir a ir a uma discoteca quando ainda se fumava lá dentro. Mesmo sem álcool, a cabeça dói, os olhos estão péssimos e o corpo está exausto... 




- Imaturidade do intestino.

Como nascem mais cedo, também ainda estão a "aprender a fazer cocó. Não se esqueçam que os bebés amamentados podem ficar mais tempo sem fazer cocó, não se stressem tanto. E é provável que os bebés alimentados com outros tipos de leite tenham mais problemas de digestão (é mais complicado digerir).

- Qualidade da pega. 

Amamentar não tem que doer, sabiam? E há várias maneiras de pedir ajuda (procurem por CAMs ou, se forem de Lisboa, liguem para a Amamentos). Há muitas respostas na net e bons grupos de Facebook (foram essenciais para eu conseguir continuar a amamentar a Irene). Se o bebé fizer barulhos a mamar, o som de beijinho por exemplo, é sinal que está a engolir ar enquanto mama. E vocês já tiveram muitos puns que, enquanto não sairam, vos doia incrivelmente a barriga, não já? Imaginem um bebé com o intestino imaturo e sem se saber expressar e ao final do dia... Poooois! 



- Ansiedade e ambiente.

Eles são esponjas. Não só em bebés, mas particularmente em bebés. Tudo à volta deles é informação. Quando estamos mais nervosas, o nosso cheiro muda, a pulsação também. Os gestos, tudo. Eles sentem isso e respondem a isso com medo e desconforto. A mãe está insegura e enervada, como é que se hão de sentir calmos? Tudo o que ajude a melhorar o conforto da mãe e da família é de extrema importância (sempre, mas principalmente nesta fase em que ainda estão todos a perceber o seu lugar).


Há de haver questões médicas que desconheço que vão além disto, mas do que tenho reparado, há muitas mães que ficam perdidas quando os médicos já não conseguem ajudar e recomendam coisas que nos fazem sentir "milagrosas", que nos dão descanso enquanto temos fé mas que, não resolvendo, pioram o desespero. 

Não há mal em tentar ou compreender a criança numa óptica não só física. Até porque nós somos tudo e está tudo ligado, não é?

Estão à vontade para me corrigirem no que estiver enganada, isto é só um resumo de muita coisa que li, mas estou sempre receptiva a receber mais :) 











terça-feira, 21 de agosto de 2018

Quero ser mais feliz do que isto (#1) - Adeus instagram!

Ahhhhhhh! Não sei se é por estarmos a chegar a Setembro e ter sido, desde sempre, o meu "começo de ano preferido" (por poder estrear cadernos e dossiers, livros com cheirinho a novo e também por ser o meu aniversário), ou se é porque estou "cheia de vida" por ter vindo de férias e, por isso, já me dou ao luxo de pensar nalgumas coisas com vista a resolver outras. 

Acabou-se o instagram!
Quer dizer... não acabou, acabou. Mas... acabou na medida em que o abria mais de 40 vezes por dia. Em que, em vez de estar a brincar com a Irene, estava a ver o feed de coisas que não me interessam mais do que a minha filha e stories de pessoas que vejo todos os dias no trabalho.... 

Não preciso de estar sempre on. Porque é que tenho de saber no PRECISO momento quando é que alguém me comentou alguma coisa ou leu uma mensagem? Eu é que mando nisto! Eu é que, quando tiver tempo para ir ver se tenho mensagens, vejo se tenho mensagens - simples! 

Já reparei que "assim que me chamam", que me sinto pressionada a ir e naquele instante (por causa da curiosidade e da vontade de resolver rápido - ansiedade) e, por isso, mudei aqui algumas coisas: 

- Só vou ao instagram duas vezes por dia - estou a prever aquela volta matinal na cama, mais por alto e aquela volta à noite, antes de dormir. Se, por acaso, houver algum motivo ESPECIAL, poderei abrir a meio do dia ou quando isso estiver a acontecer, mas é uma excepção e não a regra. 

Isto foi em Outubro de 2015 :) Agora é The Love Project, conheçam a Joana Bandeira. :) 

Depois desta resolução (que comecei a por em prática ontem), reparei que podia fazer mais umas quantas coisas por mim para "ganhar mais tempo" na vida real e andar menos ocupada a ver a vida dos outros (por acaso não sigo muitas contas de "malta", fiz uma razia às contas que seguia para ver se tornava o meu feed mais interessante): 

- Desliguei as notificações do instagram (TODAS! Mensagens, comentários, amigos a fazerem directos, tudo!). Se calhar, para vocês, isto não tem grande impacto, mas sendo eu uma pessoa conhecida de categoria rafeirinha (tipo z, vá) em que 80% do meu trabalho passa por redes sociais, isto é big deal! 

- Desliguei as notificações do mail do trabalho. Isto já foi há uns tempos, mas a verdade é: se estou no trabalho, estou a trabalhar. Se não estou no trabalho não quero estar a stressar com coisas que não estão no meu horário e, por causa disso, também prejudicar o meu trabalho por "fazer tudo em cima do joelho". Não era melhor profissional por estar sempre atenta ao e-mail, fosse a que hora fosse.

- Desliguei as notificações de grupos no whatsapp. Nada nunca será importante ao ponto de ter de ser notificada disso ao ponto de interromper o que estou a fazer no grupo dos pais da ex-turma da Irene, do meu grupo de comediantes ou de amigos do colégio ("aiii eu vi logo que esta também tinha ar de betinha" - não sejam venenosas!). 

- Desliguei as notificações do mail pessoal e do mail do blog - Pelos mesmos motivos: nada de responder à pressa e de serem "as outras pessoas" a mandarem no meu tempo. Eu é que decido quando é que posso ir ao e-mail e, por isso, estar em condições de dar a melhor resposta possível. Acredito que vou poupar muito trabalho assim e que farei trabalho de melhor qualidade. 

- Desliguei uma luzinha que pelo menos os Samsungs terão (alguns) que notifica quando é que recebemos uma mensagem ou não, mesmo que o telefone tenha o ecrã apagado.  Não quero sentir a tentação de interromper o que estou a fazer para ver algo que ainda lá estará daqui a minutos. 

- Tirei o icon do instagram e do Facebook do ecrã principal - Vocês não têm a noção quantas vezes fui hoje em automatico à procura do icon no sítio do costume... 


Hoje já olhei muitas mais vezes para a Irene. Ela não teve que me chamar nem 1/10 das vezes para olhar para ela. Não fiquei irritada por ela me interromper porque não estava hipnotizada com aquela trampa. O tempo parece que alargou e consegui fazer mais coisas e acho até que a minha disposição mudou. Sei que é o primeiro dia de desmame, mas aqui vou eu. Acho que é uma boa decisão. 

Também estou a por outras em prática. Depois conto-vos. :)



domingo, 15 de julho de 2018

O dia em que quase fui a uma RAVE com a Irene.

Há imenso tempo que não estava com o Miguel. É um dos melhores amigos. Desde que me lembro que me sentei ao lado dele na escola desde o 6º (acho eu) até ao 10º. Nunca deixámos de falar. É... parte de mim, da minha vida. 



Perguntou se queríamos fazer qualquer coisa no fim-de-semana e já há muito tempo que a Irene andava a pedir para acampar. Tenho algumas lembranças de num ou outro fim-de-semana que passei com o meu pai, ele me ter levado a uma mata em Linda-a-Velha e termos armando a tenda para passar lá a tarde ou o dia. Tinha 7 anos, talvez, mas nunca mais me esqueci. 

O Miguel teve a ideia de irmos acampar ali para os lados de Sintra para fugirmos ao trânsito e assim foi. Às tantas, depois de almoçarmos, começámos a ouvir imenso Puntz Puntz e apercebemo-nos que havia ali uma rave. 

Era tudo o que eu queria para ter fé em que conseguiria adormecê-la para a sesta (not!). Não ia correr bem, já tinha aceitado (pode-se escrever aceitado, sim ;)). 

Até foi um rapaz ter connosco a dizer "Vocês estão mesmo a fazer um piquenique aqui? Isto é real?". Era, senhor x, criador de répteis, que já não é veterinário e que tinha os olhos super abertos como se tivesse visto a morte, mas enquanto ouvia Jungle ou Drum and Bass. 

Não era este contacto com a Natureza que estava nos meus planos, mas nada me ia deitar abaixo o meu recém chegado optimismo (calma que ainda não bebo shots de Erva Trigo que passei a estimar muito o final do meu sistema digestivo depois do parto). 

Mas... sabem que mais? Consegui!!! Consegui que a Irene dormisse a menos de 50 metros de uma rave. Impensável! Quando ela era pequenina, o mínimo som a acordava. E aqui estava, a primeira vez que a Irene adormeceu com barulho e que barulho! 

Tirámos uma fotografia para comemorar. E agora punha-se uma questão... 



Se estamos por baixo de pinheiros, a qualquer momento pode-nos cair uma pinha na cabeça. Não queria muito abrir a cabeça num Domingo à tarde em Sintra. Pelo que desenvolvi o meu kit anti-pinhas (não incluía ter metade do mamaçal de fora) que foi: por um pano grosso por baixo do chapéu. Tive vontade de fazer xixi e tive de me estrear na arte de fazer xixi ao ar livre. Sendo que tenho 31 anos, sei que imensa gente vai achar estranho, mas nunca tive essa necessidade (devo ter uma bexiga gigante). 

Eu a saber que arraso no concurso de sensualidade com o meu kit anti-pinhas.

Dado o aspecto ruralóide da mãe (até por causa da rosácea), não digno de instagram e blog, a Irene decidiu, com o seu vestido que já foi amarelo bom antes da mãe o juntar com umas calças de ganga, deu o seu melhor modeling. Aí está. Vestido de 5 euros. Um mimo. Dois anos. 






Dantes julgava que tudo aquilo que nos deixa felizes ou que nos divirta custa dinheiro, mas a nós só nos custou a gasolina. De resto, tínhamos tudo em casa e foi dos melhores dias de sempre...

Sabem o melhor disto tudo? Ainda deu tempo para ir à praia... mas sobre isso, conto-vos amanhã que quero fazer-vos uma pergunta ;)




Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:
                                                  www.instagram.com/joanapaixaobras

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Querem ser mais felizes? É isto.


Depois de ter lido o post da Joana sobre fazer 32 anos e como "Está tudo bem como está: é o possível e o possível é suficiente.", não deixo de concordar. Temos de parar de tentar sempre sermos perfeitas em tudo, mas nem por isso podemos arranjar umas boas estratégias para "poupar tempo", aproveitar melhor o dia e sermos felizes :) 



Agora que chegou o sol, que os dias ficaram mais longos, temos um novo boost para reorganizarmos o nosso dia e nos sentirmos mais felizes :) Querem saber o que faço para aproveitar melhor o dia? 


# Acordo cedo

Aquele acordar à rasquinha não traz um princípio de dia calmo. O descanso da noite (para quem já durma ;)) desaparece rápido e começamos logo a ficar tensas a pensar em tudo aquilo que temos para fazer. Acordar cedo, mais cedo que "o necessário", dá-nos tempo extra para ficar no banho, para passar o creme, para limparmos a nossa pele, demorarmos mais a tomar o pequeno-almoço, prepararmos a nossa mala (e não andarmos sempre com a mesma durante semanas, uma neutra para combinar com todas as roupas, eheh) e acordar os nossos filhos com calma, termos mais tempo para os mimos. 

# Digo mais vezes que sim 

Aqueles pedidos que vão fazendo e que parecem perfeitamente e inusitados quando estamos com pressa para sair de casa, às vezes, não são assim tão demorados e ganhamos mais em dizer que sim do que mudar o ambiente para pior.


# Repensar as nossas rotinas a nosso favor

Por muito que gostemos, temos tempo para ir ao supermercado durante a semana? Ou far-nos-ia mais feliz, agora no Verão, ir esse tempo para o jardim com os miúdos? Nada como encomendar online e pedir para que entreguem mais tarde. Ou, em vez de cozinharmos num dia da semana, ser o dia de encomendar frango. Que seja. Não se cozinha e aparece feito.


# Multi-tasking

Somos peritas nisto. Acho que somos mesmo boas demais até. É perigoso para quem é ansioso por nunca conseguir viver no "presente" enquanto faz algo, mas nada como a satisfação de conseguir ter as coisas prontas mais cedo para aproveitar o tempo que resta. Um dos multi-taskings que eu faço é enquanto a Irene está a tomar banho sentada (atenção que tem 4 anos), arrumo o meu quarto e o dela (dá para olhar para dentro da casa de banho durante).

# Listas curtas

Amo listas, mas é mais uma coisa com a qual se tem de ter cuidado. Listas demasiado longas podem deixar-nos frustradas. A ideia é pôr, por ordem de importância, o essencial a ser tratado nesse dia. Se conseguirmos fazer tudo a tempo, acrescentamos mais assuntos.


E vocês? Como fazem para conseguirem aproveitar o dia ao máximo (possível)?




domingo, 17 de junho de 2018

Vamos tirar a barriga de misérias?

Chegou o Verão. Pelo menos até agora vou acreditar nisto. 

Chegou a altura de aproveitarmos as horas até o sol começar a desaparecer. 
Aquelas tardes em que ficamos até mais tarde no jardim. 
Aqueles finais de dia na praia, com o cabelo cheio de sal, a pele ainda quente de todo o dia ter estado a ser queimada pelo sol enquanto se fazia castelos, jogava raquetes ou se fugia da água gelada para não tocar logo nos pés. 

As piscinas de areia feitas com os braços do pai ao pé do mar. 
Andar de maminhas de fora, de chapéu e fazer pegadinhas do tamanho 20 e tal na areia. 


O não comer sopa, o jantar fora e pedir-se de vários pratos. O estar cheia de sono e adormecer em viagens de carro ou ao colo de um dos pais enquanto os crescidos falam. 

Conhecer crianças no mesmo restaurante e ficar a falar delas durante dias. Ir para a praia em família. Ter areia em todos os buracos do corpo. Usar roupa de Verão. Comer gelados. Sentir o cheiro a carvão. Comer em restaurantes com vista para a praia, muitas tostas mistas e batatas fritas. 

Piscinas. Com prancha ou sem prancha. De água salgada ou doce. Com o pai, com a mãe, com o padrasto, na Madeira, no Algarve. 

Fazer rodas na areia, tentar fazer pinos. Ter medo e nojo de algas. Inventar brincadeiras. Não parar de chatear os pais. Apanhar lixo da areia e pôr nos sacos. Querer comer fruta. Muita. Querer que chegue a hora de almoço para comer tudo o que se levou para a praia. Estar sempre ansiosa por chegar a casa e ver que marca se ficou do fato de banho e se o cabelo ficou mais loiro.

Acreditar quando diziam que, com as maminhas ao sol, cresciam mais rápido. Apanhar muito sol nas maminhas. Sestas debaixo do guarda-sol. Frustração por não poder ir ao mar. Comer meloa fresquinha.

Aquele duche quando se chega a casa. O cabelo molhado, preto, penteado, liso. O pijama ou roupa de Verão para ir comer ao restaurante ali perto. S. Pedro de Moel. Figueira da Foz. Portimão. Mosteiro de Vairão em Colónia de Férias. A prima que passa sempre férias connosco. 

O tamagotchi que não largava, o cd dos Backstreet Boys. Não ter escola, mas brincar e fazer exercícios na mesma. Agora parece-me divertido, mas na altura talvez não tivesse gostado tanto desta parte. 

Estender 20 vezes a toalha para não ter areia. Até que passei a ter idade de ter que fazer dois buraquinhos no sitio das maminhas para me conseguir deitar sem que me doessem por ficarem tão espalmadas. 

Que tenhamos todos um Verão "daqueles". Sejam muitos fins-de-semana aproveitados ao máximo e semanas que não deixaremos escapar porque se há quem saiba aproveitar Verões é quem já os tenha sentido na pele e isso nós, portugueses, damos bailinho :)

Tirada hoje, no primeiro dia de Verão da Irene.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Foi isto que me fez apaixonar pela minha filha.

É difícil para muita gente começar a ser mãe. Para quem talvez não tivesse esse sonho como eu (a Joana Paixão Brás, sim), os desafios facilmente passaram a problemas e os problemas passaram a desesperos e os desesperos mais cansaço e noites sem dormir a solidão e tristeza. 

Os sorrisos, ouvi-la gargalhar, vê-la a fazer novas conquistas de desenvolvimento davam-me uma especial alegria, claro. Ouvi-la a acordar, já de manhã, perceber que a noite tinha passado e que ela estava bem e que até sorria apesar de parecer que nenhuma das duas tinha dormido, também me deixava calma e quase pronta para que tudo começasse outra vez. Todos os dias. Durante um ano e meio em casa com ela (bem sei que é uma sorte e que foi um risco tentar tê-la), a começar todos os dias.

Mas não havia nada melhor. Nada melhor do que o banho. A hora do banho, saber que a ia ver a brincar, que a ia ver com o cabelo molhado e com os olhos tão grandes, o interesse dela pela água, os seus pés a aparecerem acima do nível da água, o cheiro de cabelo lavado... Vê-la enrolada na toalha, relaxada, mas ainda tão pequenina para caber naquelas meias-toalhas... E... espalhar-lhe o creme. Esborrachá-la. Apalpá-la toda. Fingir que sou massagista e fazer com que sentisse cada dedo dos pés, das mãos, as coxas, a barriga das pernas, os ombrinhos de franguinho, o pescoço... 

Foram os banhos que me deixaram ver o quanto estava apaixonada por ela. 


Continua a ter um impacto enorme em mim vê-la despida e com o cabelo molhado. Fica com a cara da “Irene bebé” e, depois, com o corpo vejo que é uma mini-mulher. Uma miúda que vai conquistar o mundo. 

Da minha parte, com tentativa e erro, vou encontrando a melhor maneira de a "servir", dando-lhe a estrutura e orientação que precisa (e a que consigo dar), mas também cuidando dela. 

Se vocês sentirem ou se virem que a pele dos vossos filhos não está 100% bem, nada como tirarem as vossas dúvidas e seguirem os conselhos do Guia dos Pais




Desde cedo que fui à dermatologista com ela e, por isso, tenho vindo a aplicar algumas coisas que considero importantes nos banhos para tentar controlar aquilo a que se chama de "pele atópica": 


- A Irene até pode ficar a marinar algum tempo no banho, em "banho de imersão" (com pouca água não só para "poupar", mas também para não ficar stressada caso não esteja a olhar por uns segundos), mas não uso produtos que façam espuma, principalmente em alturas de crise. 



Prefiro que a água esteja morna e que vá adicionando mais um pouco a meio do banho para "ir aquecendo" que ter a água quente para começar. Também tenho uma pele muito sensível e sei que o resultado de tomar um banho "quentinho" são comichões ao longo do dia. 

- Uso a toalha não esfregando mas "dando beijinhos na pele". A moça não precisa de uma exfoliação, antes pelo contrário, é bom manter-lhe a hidratação da pele. 

- Depois de bem seca e de estar toda bem despidinha (a Irene, só para que continuemos sintonizadas, ahah), proponho-lhe uma massagem como nos spas (já cheguei a por musiquinha e tudo de passarinhos). Ao lhe por o creme, além de estar a fazer um favor a mim própria por eu lhe poder tocar e ela ficar relaxadinha, ela está a ter o momentão do dia, caramba! Que privilégio. E ainda fica um bocadinho a secar depois. Calma, mães, a Irene, não aguenta isto todos os dias. Faço duas vezes por semana e idealmente uma delas ao domingo para começar a semana "em condições". 



Tenho experimentado vários produtos, tanto em mim como nela, por ambas termos pele atópica. Ainda para mais, sendo blogger, vou tendo oportunidade de estar a par dos últimos lançamentos de cada marca. Sou, desde há algum tempo, uma das "caras" da gama Lipikar da La Roche-Posay (vejam o vídeo que fiz que além de estar toda tesudona - ahah - está muito giro) por ser também o que uso lá em casa. Confio na marca e vejo os resultados e agora actualizaram a fórmula: LIPIKAR AP+

Sou também uma sucker por packaging e branding e gosto quando está tudo certinho e direitinho. Processem-me :) 




Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram: