quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

A minha sogra tem um problema...

Suas sacaninhas! Vieram todas ver o que é que eu tinha a dizer mal da minha sogra, não é? É sim senhora, que eu sei. Loucas para partilhar esses dissabores da vida, esses familiares com os quais também nos casamos mas que não podemos ter nada a dizer! Pois é, pois é... 

Olhem, eu sei que vou dar uma sogra terrível. Só não ponho "terrível" em maiúsculas e separada por sílabas porque não sei o que fazer com os dois rr. Afinal, se calhar, aquelas tretas do 7º ano até fasem alguma falta - sim, o "s" em fasem foi de propózito (agora também!). 

A verdade é que é muito difícil gerir as diferenças de gerações, de mentalidades, de tradições familiares (e os Natais e não sei quê?), os ciúmes, as exigências, os bitaites... As sogras conseguem dar quase mais trabalho e mais nervos que um recém nascido que não defeque durante 6 meses seguidos. 

Temos sempre de andar de pezinhos de lã entre o dizer as verdades e não sermos antipáticas e não parecer que somos implicativas... 

A minha sogra tem um problema: é demasiado querida. 

Ela é, de longe, a pessoa que eu conheço com mais boa onda, energia, vontade de fazer os outros felizes, áurea bonita, brincalhona, positiva, preocupada... É mesmo um anjinho, uma doçura.

Confesso que demorei muito a habituar-me à relação que ela tem com o filho porque nunca vivi nada disso. A mãe do Frederico fazia compras, ajudava a limpar a casa toda, lavava a roupa e passava, quando ia lá a casa almoçar também levava almoço ou cozinhava ela... Provavelmente é este o cenário normal de mães e filhos (homens), mas confesso que não estava habituada a que alguém interferisse tão de perto com a minha vida. Ainda hoje me faz confusão a minha sogra arrumar coisas quando a casa é minha, que ela queira arrumar a cozinha quando eu estou em casa, etc. Não gosto, mas o raio da "miúda" insiste e quando dou por ela já me está a por sal na máquina de lavar loiça (e trouxe-o de casa!!). E o engraçado é que parece que anda de nenúfar em nenúfar porque não a oiço é mais rápida que um AVC.

Às vezes preferia que a minha sogra fosse um monstro, que fosse uma pessoa horrível, que quisesse discutir, que nem se levantasse para arrumar os pratos do almoço, que não me enchesse de miminhos porque...

... porque me parte o coração dizer-lhe coisas que não gosto que ela faça ou que eu acho que não estejam bem. 

Nota-se perfeitamente que ama a Irene vezes mil, que a vive e respira vezes mil, que sonha com ela, que vive muito para ela (mais ainda do que para o filho) e que nos adora a todos e o que mais quer é ver-nos todos felizes. Como posso eu - perante este cenário perfeito e maravilhoso - dizer que não gosto da maneira como ela lhe põe a fralda porque isto ou aquilo ou que odeio que ela arrume a cozinha? (vá, quando eu não estou, até adoro chegar e ter a cozinha limpa, isso confesso). 

Fossem os problemas de todas as sogras este, não era? 

Tenho uma sogra perfeita e... o problema é esse! ;)

Nota: totalmente verídico, não é por eu saber que ela está a ler que estou a dizer estas coisas todas. Beijinhos, sogrinha!!

*este post não foi escrito em parceria com ninguém. ahah

34 comentários:

  1. Ai ai ai, e o que é que a tua sogra vai dizer em relação ao "coisas que não gosto que ela faça ou que eu acho que não estejam bem"? :)
    Tens é muita sorte. E eu também porque tenho uma bem parecida.
    O meu problema é mais com os meus pais. Parece esquisito não é? Em vez de me queixar dos sogros, queixo-me dos pais. O problema é que nunca segui um único conselho que me deram e ainda não consigo perceber como podemos ser tão diferentes. Já lhes perguntei se era adotada. :D
    Bem... não me dou mal com eles (desde que vivo a milhares de quilómetros de distância) mas não concordamos em quase nada. Deixo aqui uma amostra muito soft das nossas discordâncias. Desde que o meu pai aderiu ao Facebook que não me posso esticar muito.
    http://www.vinilepurpurina.com/2016/01/30/coisas-que-os-nossos-pais-diziam-com-as-quais-eu-nao-concordo/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem vida própria? É que faz sempre tudo igual aos outros..
      Já cansa tanto comentário com as suas histórias de vida.

      Eliminar
    2. Achava que era só eu... A achar esta senhora uma super melga. Credo!!! Tem sempre que dizer e comentar e, pior, deixar sempre o link para a sua história. Não há pachorra.

      Eliminar
    3. Também já tinha reparado. Chata que dói...

      Eliminar
    4. Ai que me apetece dizer que este "Anónimo" é a mesma pessoa!... Oops já disse.
      Não quer ler, não leia anónima, passe à frente e siga com a sua vidinha!
      Raio desta pessoa que até me irrita.

      Eliminar
    5. Finalmente alguem disse o que muitos pensavam! Ja percebemos que tem um blog e que o quer promover, mas para além de não ser interessante (sim, já o visitei) não fica lá muito bem estar sempre aauto-promover-se num blog de outros!

      Elisabete Azevedo

      Eliminar
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    7. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    8. Desculpe Inês Silva, mas não posso concordar consigo. As pessoas estão a manifestar a sua opinião sobre uma leitora que usa indevidamente o espaço de comentários de vários blogues para se auto-promover. Existem grupos no Facebook para fazer essa dita promoção e divulgação de páginas e posts. Nunca manifestei o meu descontentamento, porque o blogue é das Joanas e apenas elas devem moderar da forma que acharem mais correcto o "A mãe é que sabe".
      Que fique bem claro, não sou contra a Purpurina comentar (todos) os posts das Joanas apenas acho errado a auto-promoção.

      Eliminar
    9. Todos nós temos a nossa opinião, e já não vivemos numa ditadura, eu tenho livre expressão ;)
      Relativamente aos comentários, eu só redigi o primeiro, portanto não é a mesma pessoa.
      E continuo a achar bastante incorrecto essa senhora usar o blog dos outros para se promover.
      Mas tudo bem, tal como disse, cada um tem a sua opinião e ninguém deve desrespeitá-la.

      Eliminar
    10. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    11. Acho que estamos a falar de questões diferentes. Não sei quem é a Purpurina (nem sequer sabia que tinha um blog). Aquilo que li foi um comentário aparentemente normal e pessoas a cairem-lhe em cima com ofensas. Não percebi o porquê dessas ofensas. Foi apenas por isso que reagi, porque infelizmente há muita gente que só respeita a sua própria opinião. Quanto à auto - promoção, é outra questão.

      Eliminar
    12. Olá anónimos.
      Poderia escrever aqui um texto sem fim, respondendo às vossas críticas e explicando de que forma, pelo teor dos vossos comentários, não me deixa sem dormir o facto de acharem o meu blog desinteressante.
      Mas, com franqueza, apesar de comentar quase todos os textos deste blog (que é um dos meus preferidos de sempre e é por isso que aqui venho e comento) acho que as críticas aos meus comentários está a ocupar espaço demais aqui e não sou eu que vou contribuir para mais “spam”. Por isso, esta é a única resposta que vão ter (pelo menos a comentários tão construtivos como os que tenho lido).
      De facto a minha vida é desinteressante e parecida com as dos outros: sou mulher, mãe, grávida, tenho uma sogra e partilho os dilemas da maior parte das mulheres nas mesmas condições que por acaso são as autoras dos blogues que eu sigo. É estranho?! Pois, se calhar é.
      Porque é que ponho links para o meu blog? Para não vos dar uma seca ainda maior, quem estiver interessado clica, quem não estiver não vai levar com um texto enorme. Caso não tenham percebido, não preciso de colocar link de texto para o meu blog. Qualquer comentário já tem link associado. Coloco mesmo porque acredito que há quem queira ler e que o que escrevo acrescenta qualquer coisa ao tema.
      Mas, obviamente, respeito e acho muito desejável que partilhem a vossa opinião e têm toda a liberdade para o fazer. Eu também faço comentários negativos sempre que acho que devo fazer. Quero acreditar que os faço de uma forma mais construtiva e menos belicosa.
      Para terminar, e dentro do meu estilo que não vou alterar apenas porque não vos agrada, deixo um link com um texto que explica melhor o que penso sobre comentários agressivos. Atenção que os vossos não são do teor daqueles que falo. Quero deixar isso bem claro. Mas, o texto serve para explicar porque é que não vou alimentar comentários onde, pouco mais fazem do que fazer juízos de valor sobre a minha pessoa e a minha vida. 
      http://www.vinilepurpurina.com/2016/01/26/o-que-ha-de-pior-no-mundo-virtual/

      Eliminar
    13. Inês Silva e Joana, obrigada. :)

      Eliminar
    14. bem tenho so a dizer que eu como primeira anónima a comentar há um mês e tal o facto de a purpurina ser presença habitual em TODOS os post das joanas e nao só. percebo que não sou a única a achar demais.

      Eliminar
    15. Eu fui à segunda anónima, e não, não somos a mesma pessoa, querida JuTiMi.
      Beeemmm, ainda bem que não estamos sozinhas, primeira anónima.
      Agora, querida Purpurina, você comente lá bem o que quer, quando quer, só acho de muito mau tom espetar sempre o link do post que também teve que fazer parecido.

      Para as/os restantes, todos temos direito à nossa opinião, ou não?

      Já agora, o meu nome é Daniela e pertenço ao grupo dos anónimos. Agora que já revelei o meu verdadeiro nome, já todos/as me conhecem, não já. É que realmente há uma enorme diferença entre se comentar em anónimo ou com o nosso nome.

      Fui.

      Eliminar
    16. Terceira anónima aqui. Ups... somos mesmo três. Continuo a achar uma chatice sem fim os comentários com brinde que a senhora deixa em todos os posts. Se alguém quisesse saber... guess what? Tinha visitas no blog... Enfim... (por acaso na maioria das vezes consigo ler apenas os posts e não chego a abrir os comentários. É uma sorte...) (e até quando é para comentar os comentários tem uma historieta qualquer para espetar aqui... irra!!!)

      Eliminar
    17. Boa tarde,
      Não me quero intrometer nas "discussões"(até porque este blog é das Joanas e não vamos perpetuar uma discussão estúpida), mas para mim, deixar um comentário como "Anónimo" com teor algo depreciativo, é não ter tomates para o dizer cara a cara, se me faço entender. De notar que não conheço a purpurina, nem tão pouco o blog da mesma.
      O que me irrita são mesmo os comentários sem nome.
      Vocês apresentaram-se mas é como que se não o tivessem feito, continuam anónimas.
      Se a purpurina quer comentar tudo e mais alguma coisa, que assim o faça.
      Já conheço a foto da mesma pela quantidade de vezes que vejo comentários, mas não me chateia, nem tão pouco me chateia que se auto-promova ou não!
      Cada um sabe se si, e se as autoras do blog não removem os comentários, porque se preocupam vocês com isso?!
      Reitero que o que me chateia são a quantidade de anónimos, diga-se pessoas que não se querem mostrar, que vêm para os blogs comentar, assim fica-se sem saber com quem se está a "falar" e leva a que se tirem conclusões, como eu, de que se o título da autora do comentário é "Anónimo", então será a mesma pessoa!
      Portanto, Daniela e etc., queridas, não se ofendam com pouco por favor.
      Voltando ao tema... que é o mais importante...
      Não deve ser fácil ter uma sogra quase perfeita, eu já não tenho a minha mãe, e tenho a certeza que seria uma excelente avó, por outro lado, a minha sogra... bem... já tem uma idadezita... há coisas que me irritam, com os seus 70 anos, é complicado explicar bem... tudo... já nada é "como no tempo dela", então tenho que andar com pezinhos de lã, ou mesmo evitar. Adora o neto, mas não respeita os pais do neto, o que para mim é essencial.
      Parabéns pelo texto.

      Eliminar
  2. eu tenho uma sogra que adora a neta eu sei que sim. mas infelizmente não me respeita enquanto mae, faz coisas nas minhas costas e não nos diz nada, nem a mim nem ao pai. deste que a minha filha nasceu os meus sogros têm uma obsessão com a minha filha. quando foi com as minhas sobrinhas (da parte do marido) não me lembro de ser assim, mas com a minha filha eles têm que a ver todas as semanas quase por obrigação, no primeiro mês então era demais, tinha sido mae pela primeira vez e eles não me deixaram desfrutar porque eu queria estar à vontade com a minha nova família e os meus sogros estavam cá todos os dias, e quando não estavam ligavam via skype para ver a menina. era demais. e a minha sogra é aquela pessoa que não tem filtros e que está sempre pronta para me mandar abaixo. numa delas ligações via skype eu fazia sempre questão que eles vissem o filho com a neta ao colo e tivessem ali o seu momento, eu estava super dorida ao fim de 4 dias estava ainda pior que o trabalho de macramé que me fizeram estava a repuxar por todos os lados e sentar, levantar, dar de mamar tudo era difícil e por eu pedir a ajuda ao meu marido o comentário feliz da minha sogra foi, 'se não fosse o meu filho coitada da minha menina que ninguém tratava dela'. depois quando precisei que ela ficasse com a menina não houve dia em que ela não me dissesse que estava gorda, que tinha que me mexer, todas nós mães sabemos o que pesa um ovinho e ela mora num segundo andar, sem elevador, levar a criança no ovinho todos os dias era dose. nunca respeitava nem respeita, nada do que eu dizia se eu dizia que tinha que comer as 16h ela dava de comer às 15h e a seguir a criança bolsava tudo porque a minha filha tinha refluxo gástrico não tinha a válvula maturada e tinha mesmo que comer de 3 em 3 horas para respeitar a digestão e bolsar o mínimo possível. mais tarde quando a criança começou a comer sólidos e ainda hoje insiste em dar doces quando sabe que nós não a queremos a comer doces, na minha família os genes são para engordar e uma bebe de 8 meses e agora de 15 não precisa de açúcar para nada, mas da parte dela já comeu gelados, queques, bolo, azevias, tudo sem nós sabermos que ela sabe a nossa opinião e só nos conta as coisas semanas depois ou então ficamos a saber por deslises em conversas. já a minha mae é igual à sogra da Joana e compensa tudo o resto. peço desculpa do testamento mas aproveitei para desabafar -.-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe mas estou chocada depois de ler o seu testemunho. É de lamentar de facto ter de conviver com uma pessoa assim :(( que horror! Espero que as coisas melhorem de futuro. Qualquer mãe merece mais apoio!

      Eliminar
    2. A senhora tem uma paciência de santa para admitir tais abusos. Não permita que abusem da sua paciência, saúde e da sua pequenina. Um beijinhos e espero que as coisas melhorar de futuro :) Força mãe!!!

      Eliminar
    3. A minha sogra é excelente comigo mas tem o problema dos doces que a sua sogra tem. Desde cedo que eu lhe disse categoricamente que a minha filha não comeria doces antes dos 2 anos e sei que ela, às escondidas, lhe dá.
      Mas, relativamente ao resto do que conta... é complicado, principalmente nos primeiros meses depois de sermos mães em que ainda estamos bastante frágeis e inseguras. Já falou com o seu marido sobre isso? É necessário que, também ele, tome uma posição para a salvaguardar dessas situações.
      Quando a minha mãe diz algo que acho impertinente em relação ao meu namorado, sou a primeira a chamar-lhe a atenção.
      Boa sorte e que tudo corra bem.

      Eliminar
    4. Obrigada pelo apoio é bom perceber que não sou eu que estou a ver mal as coisas, sim eu já falei com o meu marido mas ele não se quer chatear, porque ate com ele a resposta da mãe é que já foi mãe e que sabe fazer as coisas. mas ela faz tudo como lhe apetece, a verdade é que nos primeiros 2 dias que ficou com ela tivemos que lhe ensinar a por fraldas porque as punha com os elásticos para trás. o que dá imenso jeito. Eu não quero arranjar mais conflitos com ela acha que o faz não tem mal nenhum, a criança comer o recheio das azevias de natal não tem mal, que ela até gosta muito, que é só um bocadinho e que é só um dia, a minha vontade era dizer lhe que mais valia dar lhe um pacote de açúcar de quilo que era igual. o meu marido também se chateou com ela no dia de natal chegou mesmo a manda-la à m*rda por estar a insistir que a criança queria azevias e bolo rei. enfim, não é uma relação fácil. mas as coisas com a minha mãe são bem diferentes. porque ela sim respeita me e faz as coisas como eu peço.

      Eliminar
    5. Sei que o post tem mais de um ano, mas vejo-me nesta situação que descreveu. Tenho um bebe de 3 meses, e estou à beira de me separar. Quando o meu bebé nasceu a minha sogra tirou férias e esteve na minha casa de manhã a noite e estava sempre a acordar o meu bebé, por causa disso hoje durante o dia apenas dorme 15 min, eu pedia para não fazer e ela fazia pedia para não dar beijos nas mãos e ela dava e fazia questão, qd ninguém está de me fazer ouvir," a avó dá beijinhos na mão do menino dá" enquanto olhava para mim, entre outras coisas. Agora não a posso ver, e por causa disso estou a separar me, porque o meu marido diz que não a pode proibir de ver o neto, eu percebo mas o problema que só faz mal ao neto, e o meu marido ainda diz que ela gosta de mim. Estou a entrar numa depressão por conta disso

      Eliminar
    6. Eu já teria xingado ela, eu não tenho paciência nenhuma com a minha sogra... Já fiquei noiva e disse para o filho dela que quero distância... E já era

      Eliminar
  3. A minha é um amor, uma santa, uma bff. só não gosto q ela ache q a criança está sempre c frio e a agasalhe demais xD minha pobre chouricinha. LOL

    ResponderEliminar
  4. TE-RRI-VEL. Se fosse para mudar de linha (translineação) era TER-RIVEL. E isso não se dá no 7 ano mas sim na escola primária :p É normal estares esquecida :p

    Nisso da arrumação é pior a minha mãe do que a minha sogra. Atenção, a minha sogra também é muito arrumadinha, mas o espaço do filho é do filho e ele não ia permitir uma coisa dessas (já a minha mãe, quando vem cá a casa.. No fundo critica mais do que arruma mas pronto, a verdade é que critica tudo é que não estiver à maneira dela :p E também já chegou a limpar). O que vale é que vivemos na terra dele a 100km da minha. A minha mãe veio cá a casa 1 única vez. (E a minha sogra também, nós é que vamos quase todos os dias a cada dela).
    Beijinhos e aproveita masé hehehe

    ResponderEliminar
  5. Como eu compreendo!!!! Tenho uma sogra igual. Uma santa que faz tudo pelo filho... e o problema é mesmo esse! Não se mete na nossa vida mas ao mesmo tempo da bitaite sobre tudo. O k nos vale é k vivemos a 100 kms e a senhora já tem uma certa idade senão eu tenho a certeza que ia ser pior. O problema é que são tão queridas que sentimos k não temos o direito de nos queixar. A minha mãe é completamente diferente sempre me deu espaço.

    ResponderEliminar
  6. Começo a pensar que vou ser mais uma "Sogra". Ai o meu menino! Tás magrinho filho, tens comido? Tás triste filho? Conta à mãe! :DDDD
    Quanto à minha sogra é um amor também mas as vezes tenho que lhe meter um travão :)

    ResponderEliminar
  7. a minha é uma bruxa disfarçada de coitadinha.
    E a esfregar me na cara que o filho gosta mais dela...
    E o parvo é cego pela mãe
    Já tivemos quase quase...não é fácil
    Aproveita mas é !
    Acende uma velinha!!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Sorte! A minha só pensa nela, acha que tudo o que ela diz é que está certo, e já me disse que não percebe porque é que uma cunhada dela gosta tanto de mim!! Sempre disse que não tinha muita paciência para ficar com os netos, não muda nada na vida dela por eles, mas eu tenho que estar sempre disponível quando ela os quer ver. Mas o pior, é que o filho dela, acha sempre que sou eu que estou a implicar. Ela, coitada, é uma santa!!

    ResponderEliminar
  9. A mãe do meu namorado é uma pessoa extremamente baixa. Dessas que faz barraco com estanhos por sombra de guarda sol na praia, fala alto, chama a filha de prostituta e fica o dia inteiro em joguinhos do Facebook. Ela diz que afasto a familia dela, mas para mim isso é síndrome da casa vazia, uma pessoa que viveu a vida apenas com o objetivo de criar os filhos e não consegue vê- lo tomando seu próprio rumo. Descontralada, ela fica dizendo para meu namorado não casar comigo, que esperava que ele fosse arranjar uma pessoa melhor e que nunca mais quer me ver na frente dela. Sorte a minha! As pessoas precisam cuidar das próprias relações e parar de se intrometer na vida do casal, do filho.

    ResponderEliminar