sábado, 6 de fevereiro de 2016

Ai Carnaval, Carnaval...

Duas coisas que podiam desaparecer para sempre: a guerra no mundo e o carnaval. 

Vá, estou a brincar. Tenho de dizer isto ou ainda levo com um trio eléctrico em cima um dia destes.

Não sou foliona (é assim que se diz?, nem sei), não aprecio especialmente estes dias, não acho graça nenhuma a ver gente semi-nua a apanhar com chuva e frio (acho descabido) e na última vez que me mascarei devia estar com os copos porque não é mesmo a minha praia. Foi há uns 3 anos. Tentei convencer-me de que ia ser giro e que eu estava a ser uma careta. Consegui convencer o David a acompanhar-me e nem foi em troca de favores sexuais. Não sei o que lhe deu para ir na conversa (nós quando queremos conseguimos mesmo dar-lhes a volta, não é?)
Fui ao baile de Charlot e ele de Schwarzenegger ou Exterminador. Casal mais lindo. O Charlot aos beijos ao Exterminador. How sad?




Já não me mascarava há uns bons 16 anos. Quando era miúda gostava. Os meus pais não tinham dinheiro para andar a comprar máscaras todos os anos (não eram acessíveis, como são agora, e lá em casa não havia grande jeito para manualidades) e, por isso, mascarámo-nos umas 4 vezes do mesmo: eu de índia e o meu irmão de cowboy. Depois houve um ano em que trocámos. Sei que houve um ano em que me mascarei de nazarena ou de peixeira, não me lembro, e já mais crescida de cigana (era a maior fã de uma novela chamada Explode Coração, com o Igor, a Bianca...). Gostava dos balões de água (cheguei a mandar alguns do 6º andar...) e de andarmos todos a fugir uns dos outros.

O mais estranho desta minha antipatia para com o carnaval é o facto de adorar teatro. De já ter feito (teatro amador) e de adorar "mascarar-me" nessas situações. Levava aquilo mesmo a sério (uma vez fiz de velha e adorei o texto. Emocionei-me muito a fazer de mãe que perdia o filho na guerra e lembro-me bem do que tinha vestido). Mas carnaval... naaa. Só no Brasil, com umas caipirinhas e muito calor (já tive essa sorte e adorei, adorei). Não gosto de ser a tuga que monospreza as nossas "tradições", mas não consigo encaixar o carnaval, como ele é vivido por cá, nas minhas preferências.

Agora que tenho uma filha, vá, vou esforçar-me. Ainda não foi este ano. Este ano, foi com um vestido de princesa que saiu numa revista, três números acima do dela - mas eu dei um jeito de prender - e só me dei ao trabalho de lhe comprar uma coroa e uma varinha na H&M. 

Ficou feliz? Ficou. Isso é que interessa. Não quero ser a mãe chata que lhe corta o barato. Não custa nada esforçarmo-nos um bocadinho. Qualquer dia, até me mascaro eu!

9 comentários:

  1. "Duas coisas que podiam desaparecer para sempre: a guerra no mundo e o carnaval." Ahahahahah mataste-me

    ResponderEliminar
  2. Também não sou nada fã mas o prazer de ver o meu filho mascarado de batman e todo alegre vale por tudo!

    ResponderEliminar
  3. Eu também não gosto nada do Carnaval mas confesso que estou encantada com o vestido de Branca de Neve que mandei fazer para a minha piolhinha!!

    ResponderEliminar
  4. Também não sou fã!! Não acho graça! Está sempre frio! Agora que tenho una bebé acho piada mascará-la, para a escola, para os primos, para a foto! O ajo passado, com 6 meses, foi de princesa, este ano, capuchinho vermelho!

    ResponderEliminar
  5. Também não gosto do Carnaval. É daqueles dias em que aproveito para ficar em casa ou afastar-me o mais possível da cidade de Ponta Delgada. Por aqui fazem-se batalhas de limas (uma espécie de bolas de cera cheias de água) e não é muito aconselhável andar pelo centro da cidade sem capacete (se calhar estou a exagerar um bocadinho).
    mas, desde pequena que não gosto do carnaval, daquele êxtase repentino de pessoas mascaradas e daquela máxima de "é carnaval ninguém leva a mal". Faz-me lembrar um bocadinho o filme "A Purga" (outro exagero) em que o pessoal fica todo exultante e atrás de máscaras sente-se à vontade para libertar o folião que há em si.
    :)
    Gosto de alegria todos os dias e de uma certa dose de loucura. Mas esta época do ano não me apraz mesmo nada.
    De qualquer forma vou mascarar a filha filha e tirar-lhe umas fotos. Infelizmente ela está doentita e não vai poder sair de casa mas, não vá ela ser uma grande apreciadora do carnaval e ficar traumatizada por não ter fotos mascarada em bebé, vou vesti-la de Minnie e tirar a foto da praxe. :P

    ResponderEliminar
  6. Com filhos tudo mhda! Vibramos mais nós do que eles! Deixa a crescer um pouco e vais ver. A minha mais velha foj de anos 20 e a pequena de rockeira, cabelos pintados no ar. Adorei preparar tudo e o dia de ontem foi muito engraçado!

    ResponderEliminar
  7. Pelos filhos fazemos tudo :-)
    O meu marido não gosta nada de carnaval, mas nunca ousou dizer que não iria à festinha da creche.
    A pequena vestiu-se de branca de neve, vestido feito pela creche, e estava mesmo 1 linda princesa.

    P.S. Joana, tu e o David estavam espectaculares. Mesmo a rigor :-) Gostei.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Concordo....
    O meu so se comecou a mascarar com 2anos, para ir para o infantario...
    O que vale e que ele acha piada, mas nao e fanatico, por isso nao ha grandes stresses...

    Agora, o que falas de "ver gente semi-nua com chuva ou ao frio" concordo plenamente! Ainda tinha a sua piada quando o Carnaval era uma critica social, havia os cabecudos (apesar de eu lhes ter um medo brutal)... Mas quando comecou a ser samba e mais samba, comecei a ter ainda mais razao para detestar! Faz algum sentido? E ainda por cima chamar-lhe Carnaval PT?...
    Se e assim, se querem Carnaval com mulhers nuas vao para o Brasil, se querem Carnaval tuga vao a Torres, ou a Cabanas (para a danca dos cus) ou a Tras-os-Montes para os Caretos...
    Esses ainda sao Carnavais... Um dia vou mostra-los ao meu filho :-)
    Desculpem, la estou eu a ser demasiado patriota hahahaha

    ResponderEliminar
  9. Eu não consigo achar piada ao Carnaval... é que não consigo mesmo!
    Estão as escolas de samba portuguesas (?!!) não entendo.

    ResponderEliminar