Mostrar mensagens com a etiqueta humor. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta humor. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Vocês não sabem com quem estão a falar!!

É que não sabem mesmo. Vêm aqui ao blog, querem ler coisas sobre crianças e bebés e respectivas mães, mas não fazem a mínima ideia com quem estão a falar!!

Sabem quem eu sou? Sabem o meu passado? Não sabem! Vocês nem imaginam o que tenho sofrido nos últimos 30 anos cheia de nervos a tentar estacionar. A tentar estacionar de lado. A estacionar com gente atrás à espera. E... pior: a estacionar de rabo!

Ai vocês que nasceram com o rabo virado para o lugar, sem terem que fazer 20 mil matemáticas, não sabem do que estou a falar. 

Sinto que as pessoas que estão à espera de me ver estacionar que estão a ver os Malucos do Riso, que estão a enviar videos por Whatsapp a dizer "olha-me esta avantesma", que estão a fazer stories e a tagar-me no instagram, que...  e, no meio de toda essa pressão imaginária, ter que estacionar!

Foi difícil. Foram muitos anos a tentar estacionar e, muitas vezes, a não conseguir. Depois de 10 minutos de tentativas, às vezes tinha que levantar a mãozinha fazer um "obrigada" quando, na verdade, só pensava "pá... não publique isto, por favor" enquanto me dirigia de fininho para o lado oposto do estacionamento, esperando que ninguém reparasse no meu carro azul bebé. 

Anos, anos a andar de carro com as minhas amigas e a levar chapadinhas na cara com a facilidade com que todas estacionavam de rabo e, pior, tinham a capacidade e fé de procurar lugares mesmo em frente à porta do centro comercial. 

Sabem com quem estão a falar agora, pessoas? Sabem?


COM A CAMPEÃ DE ESTACIONAR DE RABO. 

Ah!! Quem é que dá grande abadinha a esses preconceitos todos de que as mulheres não sei quê? Quem é que agora, estaciona de rabo como gente crescida? Quem é que, mesmo numa fila de 43543 carros todos raivosos, estaciona com a sua calma e à primeira? 

Sou eu. 

Por isso, muito respeitinho. 

Sou a campeã de estacionar de rabo. 

Vou só escrever "maternidade" para não desapontar aqui as leitoras relativamente à pertinêcnia do tema. 

Obrigada. 

Uma fotografia aqui à boss quando eu sabia onde estava este chapéu. 



segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Já sei para que serve o bolso das cuecas!

Falar sobre cuecas na internet é sempre um bom tema. Espero que renda (inserir aqui trocadilho com cuecas de renda e ter dito renda). Por acaso, tanto me dá. Queria só partilhar convosco que é sempre maravilhoso constatar como é que as crianças vêem o mundo. E poderia estar a falar de coisas mais profundas como a essência e a energia das pessoas que as rodeiam, mas não, estou a falar do bolso das cuecas. 

Confesso que já me tinha debruçado a pensar nisto, nesse momento que vocês estão a imaginar, mas ainda não tinha chegado a nenhuma conclusão. Acho que na altura ainda não tinha um smartphone senão, em vez de estar a olhar para as cuecas... estaria a olhar para as milhares de contas de influencers que não sigo, muahah. 

Aliás, não vos contei, mas ontem cancelei o instagram durante um bocadinho (desinstalei mesmo o bicho para não ter tentações). Já tinha voltado a viver daquilo (não no sentido de fazer dinheiro infelizmente, mas no sentido de não largar um segundo) e eu sou das radicais (lembrei-me do Portugal Radical e do biper que o meu pai me deu que serviu para... hmm.. nada). Terei que voltar em breve por motivos profissionais mas, por agora, sinto que eu é que mando nisto. 


Bom, adiante, a Irene estava a fazer o seu número 1 quando me apercebi que aproveitou o "bolso das cuecas" para guardar alguns bonequinhos. 

- Então, Irene? Que raio? 
- Pus no bolso das cuecas. 

E é realmente um bolso. 

Entretanto fui pesquisar e é para proteger a mucosa (ahhh o quanto adoro esta palavra, acho que mucosa e rata são das minhas palavras despreferidas). Ai que ela escreveu "rata" no blog. Pronto, agora é que fui mesmo despromovida do mundo da maternidade. Já o não usar golinhas e tirar fotografias por baixo de sobreiros estava a pedi-las, quanto mais dizer rata, pelamordedeus. Já estou a ouvir o sons dos e-mails das marcas que quereriam colaborar com a Joana Paixão Brás (porque a mim chegam-me zero) a andarem para trás de fininho. 

Bom, andamos todas com a mucosa protegida - ai que bom - mas isso não explica o porquê de haver um bolso e não uma costura de ambos os lados. 

Pensei que daria jeito para pôr aí 5 euros para não ter aquela emergência de levantar dinheiro. Ou um tampão de emergência para caso nos apareça o período ou até mesmo alfazema. Um pouco de alfazema. 

Afinal é só para não fazer uma dupla-costura - o que seria deste mundo se se fizesse uma dupla costura nas cuecas das meninas (acho que técnicamente fica feio, mas ainda vou conseguir encontrar uma especialista para falarmos mais um pouco do assunto). 

Acho que o mundo visto por eles é mais divertido. Neste caso da Irene, um pouco menos confortável para a mucosa, mas também sabemos que o corpo se habitua às coisas, não é? Eu hoje pus um gorro e sinto que ainda o tenho posto. Talvez tenha de levar o cabelo. Bom, até já. 



segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Quero ficar com as paredes brancas!

Preciso da vossa ajuda: quero as paredes da minha casa limpas. Aquilo já não vai lá com CIF nem com paninhos do pó na vassoura. Também não quero arriscar numa empresa que vá lá e apareça com um jacto de areia que me tire a tinta toda e depois diga "ah, mas nós avisámos que era a areia". 

Moro em Lisboa, num T2 e quero as minhas paredes brancas (e não tenho dinheiro para mandar pintar por cima), conhecem alguma empresa com esse serviço? E que não me custe um útero e meio? 

É muito caro?  Anda a irritar-me solenemente. Principalmente quando é de dia e está ali tudo escarrapachado. É olhar para uma pessoa que nos atraia e depois faltar-lhe meio dentinho à frente ou cheirar a atum. 

Pronto. Já desabafei. Só por isto já valeu a pena, obrigada. 

Sinto que quando estiverem limpas que o meu dia a dia lá em casa vai ser assim. 



Só que sem este bom aspecto de quem ainda está na flor da juventude e um útero por escancarar. E provavelmente no meu caso teria de usar soutien, senão as tetitas apareceriam a espreitar por baixo dos rendilhados. 

Como não tenho cuecas nude de momento também se veria ali a cuequinha marcada a fazer, se calhar, as quatro nádegas. 

Como aquela música do João Pedro Pais: Nádega de Nádega. Lembram-se? 

Bom, vou tentar não me deprimir com os meus problemas hormonais actuais que, desde que tirei o DIU, a minha menstruação é a conta da EDP:  parece nunca estar certo, mas depois temos esperança que se acerte sozinho. 

.
Vá um abraço. Estou só a fazer tempo para a noite chegar para entrar em casa e conseguir não me irritar a olhar para as paredes. 




quarta-feira, 10 de outubro de 2018

O Capuchinho Vermelho Politicamente Correcto

Era uma vez uma menina (ou menino ou outro género qualquer ou não género, mas parece uma menina ao longe e tanto quanto se sabe) cujo nome não é necessário para o caso, mas que era conhecida pelo Capuchinho Vermelho (ou Verde, ou Amarelo porque não era indicativo de preferência futebolística). A mãe fez uns bolos (não sabemos se era fim-de-semana ou dia de semana, estava em casa, mas nada indica que não tivesse um emprego importante nalgum sítio, não que estar em casa não seja um trabalho de grande impacto e muito importante também) para que a/o Capuchinho Colorido levasse à sua avó. 

A mãe, preocupada com a filha e porque andar na floresta podia ser perigoso... chamou um Uber (não é normal que as crianças andem sozinhas por sítios perigosos) e ficou atenta ao trajecto desta para saber se tinha chegado bem à casa da avó. O condutor era daqueles que falava muito e que só dizia piadas parvas (não que todos digam, mas há uns que sim, como há em todas as profissões) e chamava-se Nuno Lobo. Uma das piadas foi que os bolinhos que a Capuchinho Colorido levava eram biológicos mas que, depois, iam dentro de um recipiente de plástico cheio de BPA. A Capuchinho Colorido não gostou e pediu para sair ali num semáforo perto da casa da sua avó. 



Foi o resto a pé, porque quis e, quando chegou à casa da sua avó, a porta estava aberta. Viu na cama que estava o Nuno Lobo vestido com as roupas da avó, mas não quis julgar. Achou que podia ser "a cena dele" e, por isso, preferiu alinhar para que ele não se sentisse incomodado. 

"Ai avó, mas que olhos tão grandes que tens..., mas que nariz tão grande que tens... mas que boca grande que tens..."

"É para te... assustar com o meu ladrar e uivar!"

A Capuchinho não ficou assustada porque sabia que ainda podia dar um mau rating ao Nuno Lobo. Disse-lhe para se acalmar, controlado a respiração e fazendo com que respirasse mais pelo abdomen e menos pelo peito. O Nuno Lobo acalmou-se. 

Depois dos dois calmos a Capuchinho perguntou pela avó. Estava dentro do armário. E afinal era só uma brincadeira que tanto o Nuno como a Avózinha tinham aprontado. Lancharam os três os bolinhos de espelta biológicos e, depois, o Nuno teve que ir porque o carro não era de negócio próprio e tinha um senhor que era caçador a querer ir ao Solinca para fazer um treino de força. 



quarta-feira, 19 de setembro de 2018

E estas fotos de mães todas boas na net?

Estou zangada convosco, mães tesudas. Estou zangada convosco, mulheres, que dizem "ai, com a gravidez perdi tanto peso que estou super magra". Bem sei que todas temos os nossos problemas, mas parece-me sempre que preferia ter os vossos. 

Depois de ser mãe, lembro-me que olhei ao espelho (agora apercebo-me que não foi imediatamente a seguir, que foi depois de ter ficado um ano em casa) e vi duas papadas, a cara muito mais larga, os braços tão largos que pareciam ter um garrote imaginário algures, umas pernas gorduchonas (mas já vi brasileiras com estas coxas e achei que lhes ficavam bem). 

2018 é o ano para apostar na minha sensualidade na internet, tomem um pouco de Yoga que faço com o Chama a Sofia


Pensei: ahh... pois, entrei agora no campeonato das mães. Já foi. A minha oportunidade de ficar agradável de maneira a não por uma pareo nas mamas mas sim abaixo do umbigo (bem sei que quase ninguém usa pareos hoje em dia, mas vale a pena relembrar) já está mais longe que a minha esperança de achar que ninguém repara no meu buço.

Estas influencers que foram mães, as magras por natureza e as six-packers que têm a barriga mais definida que uma televisão de 3 mil euros retiraram-me uma das maiores felicidades do mundo, a desculpa: "Oh, fui mãe, é normal que pareça um insuflável". 

É normal durante os primeiros meses e os primeiros tempos e até sentirmos força e vontade para trabalhar nisso. Não é de todo a prioridade, não temos de "ser perfeitas" ou de estarmos sempre "em cima da nossa saúde". Às vezes temos de... não nos importar, para nos conseguirmos importar com coisas que nos parecem mais urgentes, tipo um bebé que não pára de chorar durante 5 horas a não ser quando vai para o colo do pai. 

Mas estas mães do instagram, ou têm um filtrozinho de 99 centimos no Face Tune ou no Vsco que põe uns abdominais e lhes tiram "o peso da maternidade" ou, então, reencaminharam o parto do bebé para outra pessoa como eu faço com mails chatos. 

Bom, isto de ser mãe - ainda para mais quando já passaram 4 anos - já não serve como desculpa e por isso ando a cansar o rabo. Em que fase estão vocês? 

Se forem uma das mães todas boas do instagram, bom para vocês. Fico quase genuinamente moderadamente contente por vocês - não fico nada - mas, não me levem a mal se tiver que fazer um unfollowzinho só para garantir que mantenho as últimas gotas de auto-estima que me restam, 'tá? 





quinta-feira, 23 de agosto de 2018

A minha filha dorme pior do que a tua!

Está aberto o concurso: a minha filha dorme pior do que a tua! As inscrições fazem-se nesta caixa de comentários e o vencedor ganha umas palmadinhas nas costas e mais umas quantas noites de merda! Parabéns!!! 

Já deu para descomprimir um bocado. Nada que uma asneirita não resolva, não é não? [Não].

Quando eu achava que as noites estavam finalmente melhores, eis que as férias [terão sido as férias?] e as mudanças de rotina, de sítios, de tudo, voltaram a fazer mossa. Resta saber se agora vai voltar a melhorar ou eu vou continuar a morder o lábio enquanto ouvir "o meu Afonso sempre dormiu a noite toda!", "a minha Mara dorme 15 horas seguidas desde que estava na minha barriga". Inspira, expira. Ou como responderia a Joana Gama: "Isso é porque és tão chata que ele nem te quer ver mais à frente!" (algo assim, sorry Joana por não te parafrasear na perfeição).

Mas pronto, filhotas. Quando acharem que só o vosso filho dorme mal (sim, porque as colegas de trabalho têm sempre nenucos santos que comem dormem e fazem cocó digno de ser emoldurado), lembrem-se aqui da que escreve no blogue d'a mãe e sintam-se mais normais. 

Isabel - 4 anos - ainda acorda porque tem sede, xixi, calor, frio (mesmo estando 62 graus) ou um pesadelo (muito menos vezes mas ainda acontece)
Luísa - 2 anos - ainda acorda porque sim, porque não, porque tem um pesadelo, porque não quer estar na cama, porque não quer estar no chão, porque não quer viver, porque... 

Coragem! Muuuuuita coragem! Vai melhorar! (Quando é que eles bazam de casa mesmo? ;) )




Escrevi sobre o facto da miúda agora querer dormir no chão (mesmo no chão) aqui.

Tudo o que já escrevemos sobre o sono aqui.
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

domingo, 19 de agosto de 2018

É proibido dizer isto a uma grávida.


Vá, se temos acesso a vocês todas que nos lêem todos os dias, toca lá a tentar mudar o mundo post a post para ver se todas nós vamos tendo uma oportunidade mais sincera de sanidade mental pré parto, durante parto e pós parto. 

Amanhã já me passa e falo-vos de uma série que ando a papar há uns meses e que me estou a passar com o fim. Alison, como assim? Não, não!

Bom, sigamos. Tenho de fazer uma viagem no tempo para há 4 anos para me lembrar de coisinhas que me tenham dito com aquela simpatia "tuga" ou "familiar" do costume e que me tenham enervado. Não será muito difícil, vamos a isto? Podem completar!

Pronto, dizem que o interior é que conta,
conheçam-me também por dentro com a primeira eco oficial da Irene. 
Entretanto já não vou a esta clínica ;)


- "Já estás com o pano... deve ser rapariga." 

Há muitas alterações nos nossos corpos quando estamos a alojar uma pessoa dentro de nós. Uma delas - que também me aconteceu - é ficar com a cara toda escarafunchada como se tivesse posto em prática aquele meu sonho recorrente de me chafurdar num fondue de chocolate. Além de estarmos em 2018 e de já termos tido tempo para verificar as excepções aos mitos e, por isso, deixarmos de acreditar neles... nunca será simpático apontar transformações desagradáveis que a pessoa esteja a "sofrer" (viram aqui a palavra? é SOFRER!). Se há quem saiba que está com a cara toca carcomida é ... a pessoa! E não ajuda pensar que é por ser rapariga. Ou, aliás, não ajuda saber que a pessoa que nos disse isso acha, em 2000 e tal que as raparigas "roubam a beleza às mães". A sério? Vá, venham lá daí estudos sobre hormonas que diz que o estrogénio não sei quê e eu calo-me (um bocadinho). 

- "Dorme agora porque depois..."

Esta é a parte em que não é mito, mas prática comum. Ter bebés que durmam a noite toda desde sempre é algo que - segundo ouvi dizer - só acontece a quem, numa vida passada, tenha engravidado de um carapau. Nem todos tivemos essa sorte, vamos ter de lidar com a nossa (há a Constança do Centro do Bebé que poderá ajudar, cuidado a quem pedem ajuda, malta) e desejar que façamos amor suculento com um carapau nesta vida para que, na próxima, não tenhamos que optar entre amor próprio e a sobrevivência dos nossos filhos. Seja como for, a não ser que seja, então, para nos apresentarem a um peixinho com um bom traseiro, as referências ao sono - que só dão mais medo e pressão - podem passar a ser feitas para dentro de um tupperware (pode ser dos de marca branca que vai dar ao mesmo, vá). 

Realmente já fui mesmo muito magra, olhem aqui!
Acho que tenho vindo a ganhar peso desde que nasci... que esquisito! 


- "Quantos kgs já ganhaste?"

Ah, 'tá. A sério que nem enquanto estamos a desempenhar o trabalho mais importante da humanidade - assegurar a sua continuidade (já vi a Handmaids' Tale, já) - não há quem nos deixe em paz e queira falar-nos do facto de estarmos menos agradáveis visualmente para as referências exigentes e dificilmente atingíveis na sociedade actual, mesmo quando não estamos numa contagem decrescente para o parimento. 

- "Já tens tudo pronto? "

Porquê? Estás preocupada? Ah, eu vou ter um filho, mas ainda bem que me lembraste porque às vezes esqueço-me disto que se está a passar na minha vida. Se não fosses tu, o miúdo ia nascer e nem daria por ela. Deixo só aqui à vossa consideração se precisamos mesmo de tudo aquilo que compramos (também podemos pedir emprestado) e se não poderemos simplificar. Simplificar desde o início deve ajudar-nos depois em tudo (não foi o que fiz, enchi-me de tretas, claro - quanto maior a insegurança...). 


É a Isabel e a Irene, ambas com um mês de vida :) 

- "Tens medo do parto?"

Claro que não! Qualquer mulher que passe por isso uma primeira vez (ou até segunda, imagino), o que mais quer é que lhe tirem uma melão de Guadalupe ali por baixo. Ainda para mais depois de descrições como esta... não estou a ajudar! Se contribuir positivamente, a Joana Paixão Brás, no primeiro parto, acho que se pariu toda a rir (drogas naturais dela). E eu não estava lá, como assim? 

- "Vai nascer em Março? Ui!"

Há gente estúpida nascida em todos os meses do ano. Gente estúpida, teimosa, zangada triste, mal encarada, que cospe no chão, que estaciona em segunda fila (lálálá), que cola pastilhas por baixo das secretárias, que grita com pessoas do telemarketing... Isso, apareçam do nada e digam-nos que vamos criar Satanás. Além de ser bastante útil é também bastante preciso. Obrigada. 

Foi um post muito parecido com este com o qual inauguramos este blog, vejam aqui: "Como ser violentado por uma grávida."



domingo, 29 de julho de 2018

Querem fazer check-in no hotel dos meus sonhos?

Estou agora de férias num hotel que é óooptimo, mas dei por mim a pensar em como seria um hotel que fosse eu a criar e a gerir: querem fazer check-in no hotel dos meus sonhos? 

No hotel dos meus sonhos: 


AMOSTRAS DE LENÇÓIS E ALMOFADAS

- Assim que se completasse a reserva do hotel, ser-nos-iam enviados por correio três exemplos de tecidos de lençóis, almofadas e também de colchão. Assim, quando fossemos dormir, seria na melhor cama possível para os gostos de cada um. 


QUESTIONÁRIO SOBRE PREFERÊNCIAS

- Haver um mini-questionário (não mais de 5 minutos) em que os futuros hóspedes - só os que achassem giro - pudessem responder a várias perguntas sobre as suas preferências, dando hipótese ao hotel de os surpreender com apontamentos que os fidelizariam para todo o sempre. Por exemplo: flores preferidas, prato preferido, músicas preferidas para determinados momentos, melhor memória de infância (imaginando que seria fazer pão artesanal, poderiam criar uma actividade nesse sentido), etc. 


SER SEMPRE O MESMO EMPREGADO A LIDAR CONNOSCO

- Isto, claro, também seria perguntado no questionário das preferências: qual o seu empregado ideal? E, depois, se calhasse o senhor Ruben, seria o senhor Ruben a tratar de tudo o que tivesse a ver connosco: marcar jantar, deixar já claro que a Irene ainda precisa da cadeirinha, que é melhor pedir a sopa com algum tempo de antecedência para ir esfriando... 


HAVER INTERCOMUNICADORES EM TODO O HOTEL

- Ser o próprio hotel a proporcionar uma maneira de podermos deixar as nossas crianças a dormir no quarto e podermos vadiar ou ingerir algumas quantidades aceitáveis de cocktails no bar sem estarmos preocupadas com isso. Um intercomunicador que desse para toda a área do hotel com câmera. 


SALA DE ACTIVIDADES IDEAL

- Ui! Se já acharam que as minhas outras ideias eram perfeitamente utópicas, imaginem criar-se uma sala para crianças que não fosse uma sala, mas um jardim. Algo extremamente orgânico e com óleos essenciais de um anti-histamínico qualquer forte para andarem sempre tontas e a cairem para o lado. Quando as fossemos buscar estariam já a dormir.  Com animadores que não me enervassem por quererem muito conquistar o meu afecto e confiança, mas também não daqueles que acham que "eles crescem sozinhos, no meu tempo levei reguadas e estou aqui que sim senhor". 


Isto sou eu a ser super sexy de férias. Atenção que o Rúben ou Raquel também teriam de possuir uma máquina que custasse além de 2000 euros e editarem as fotografias todas sugerindo as melhores para o nosso instagram depois de uma formação em Social Media coiso.



PISCINA DE CRIANÇAS

Uma piscina em que o xixi estaria sempre a ser filtrado, mas que seria quentinha na mesma. Sempre que cada criança dissesse "mãe" ou "pai", apareceria alguém igual a nós que lhe diria "sim, filha, ai que giro!" e ainda desse um mergulho com ela ou dois para não parecer só maternidade ou paternidade à distância. 


ROUPA ARRUMADA

O senhor Rúben ou a menina Raquel fariam a maravilha de arrumar a nossa roupa toda, cumprindo os requisitos de transtorno obcessivo-compulsivo que eu tinha preenchido no questionário de preferências. Tudo por cores. Ou tamanhos. Ou... 


ROUPA PASSADA E LAVADA

Nunca haveria roupa por lavar ou suja. A roupa já usada seria rapidamente arrumada dentro da nossa mala, pronta para ir quando fosse preciso. Assim que acabassem as férias, a mala já estaria feita. 


SANITA ANTI-PUNS E CHEIROS

Quantas de nós queremos estar à vontade neste tipo e parto que se quer diário? Não queremos estar preocupadas pela pessoa que vai connosco ter acesso ao verdadeiro odor do nosso interior. E já que o interior é o que conta, que o deixemos à imaginação e idealização de quem nos ama ou que poderá vir a amar ou o que for. Isto é mesmo muito necessário, pensando bem, era só isto que eu queria. 


Pronto. Se forem muitas a dizer que fariam check-in, abro mesmo o hotel "a Mãe é que sabe". :)


sexta-feira, 29 de junho de 2018

Deviamos andar com os côcos à vontade!

É só isto.

Vocês também sentem um alívio dos diabos quando chegam a casa e atirar o soutien para a cadeira do quarto ou para o sofá?

Por que é que fazemos isto a nós mesmas? Quero muito que as mamas nativas como as minhas se tornem a moda neste Verão.

Quero muito chegar ao trabalho, sem soutien e sentir que toda a gente olha e pensa "caramba, vou operar-me para ter umas daquelas". 

O decote em vez de ser em cima, poderia passar a ser por baixo dos bolsos das calças, sem problema. Quando fosse para apertar as mamas com os cotovelos para as tornar mais cheias num acto de flirt, não há problema se ficarem entre as coxas das pernas, por mim. 

Estou é farta de usar soutien. Sinto-me apertada. As minhas mamas não são tão subidas e, pior, acho que as de ninguém - mamas gratuitas - são! Isto é como deve ter começado a porcaria da moda dos espartilhos!

Houve uma lambisgóia qualquer que, à minha semelhança, queria ter uma barriga daquelas tão lisas que quase poderiam ser incluídas numa secção de móveis envernizados no Ikea e, então, decidiu enrolar-se toda em fita-cola ou washi-tape (se fosse blogger). A moda pegou e... quando deram por ela... andavam já todas com os tetos na testa e sem conseguir respirar.

Daí resultou o soutien (não faço ideia do que estou a falar), 1/4 de espartilho, porque a malta gosta de ter contacto visual com as suas próprias mamas.

Tenho as mamas na nuca com este soutien. 


Por que razão é que o estrabismo de mamas não é aceite? Sinto que as minhas mamas se divorciaram algures no tempo e, mesmo quando não estou deitada, quer cada uma refugiar-se na sua respectiva axila. É o espaço seguro delas. 

Quando era necessário tirar leite para a Irene, bastava-me fazer de galinha com os braços e enchia copinhos da Avent que era uma maravilha. 

Seja como for, quero andar com os côcos à vontade, mas isto só funciona se ninguém fizer batota. Se andarem por aí duas ou três lambonas a usar na mesma e aproveitarem à má fila porque temos as mamas nos joelhos... não vale! 

Temos autorização para dar uma chapada nas mamas nessas sacanas. 

Combinado?

Pronto.

Bom fim-de-semana.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

As 10 coisas que mais me irritam nas crianças no geral e nas minhas em particular

As crianças são o melhor do mundo, que são. São curiosas, conseguem ver o lado bom das coisas, confiam e não têm vergonha de dançar na rua. Mas, convenhamos, há coisinhas que, por mais que sejam sinal de que estão a crescer e bem, que se exprimem e que estão a construir as suas personalidades, irritam e não é pouco. Há dias que irritam mais que outros. E há dias em que não irritam nada e que até nos dão vontade de rir.


01 - Querem sempre a última uva.

[e quem diz a última uva diz a última bolacha, a última tudo].

Quando é que se começa a fazer cerimónia e a deixar a última, como gesto de boa educação? Lá para os 24?

Lá vou eu partir a última ao meio só para evitar que se esventrem uma à outra... [sim, sim, venham cá dizer que elas têm de aprender a ceder e a resolver os seus conflitos sozinhas que só eu sei quando já tenho a cabeça em água com “mais uma birra”]


02 - Querem sempre a mesma coisa, ao mesmo tempo.

Acaba por ser redundante. Mas é isto: Se a Luísa quer o pai, a Isabel também quer o pai. Se a Isabel quer a mãe, a Luísa também quer. Se a Isabel quer a colher vermelha, porque é a cor do Benfica do pai, a Luísa já não quer a amarela. Se a Luísa quer a amarela, a Isabel pensa melhor e afinal também quer a amarela porque é a cor preferida, claro. [lá a argumentar, ela é boa]. Apetece-me comprar pratos, toalhas e roupa, que é para não nos chatearmos.


03- Conseguem mudar de ideias no mesmo minuto.

A fita que eles às vezes fazem para conseguirem qualquer coisa e assim que a têm, afinal não era bem aquilo. A Isabel arena entre defender-se a dizer que eu percebi mal ou a admitir: “enganei-me, mãe”. Pede-me arroz, quando eu tinha era massa feita, por acaso até faço arroz, vá, não custa assim tanto dar-lhe esse miminho, e afinal ela queria mesmo, mesmo era massa. A imagem que me vem à cabeça é despejar-lhe o prato de arroz em cima da cabeça, passo a redundância. (Calma, é uma imagem à Ally Mcbeal). Às vezes digo que agora vai ter de comer o arroz; outras vezes não chego a fazer-lhe o arroz, que isto não funciona como discos pedidos nem estamos num hotel.


04 - Não nos deixam mudar a fralda, vestir, pôr um chapéu, sair do banho, sentá-las na cadeira do carro.

É a fase da Luísa (2 anos). É tudo um drama sem igual. Nunca quer nada. Não quer viver basicamente.


05 - Querem ser os primeiros em tudo.

Eu quase que aposto um mindinho em como se eu propusesse à Isabel ser a primeira a comer todos os macacos do nariz, ela aceitaria, e de bom grado. A vida é uma competição. Ser a primeira a chegar ao carro, a subir as escadas, a comer, a fazer chichi. Tudo vale. Também não pode comer menos fatias de melancia do que a irmã. Nem dar menos goles de água. Seriously?


06 - Querem passar a vida em parques infantis.

Não odeio mas não aprecio. Não precisava de ter conhecido 3 parques em Dublin, ainda por cima um deles indoor. Não havia mesmo necessidade (por alguma coisa ainda não pus os pés na Kidzania). Miúdos histéricos, crianças aos gritos, pedidos para andar de baloiço de 3 em 3 minutos. “Mas ainda agora andaste”. Fazemos isto por eles e vê-los felizes compensa tudo, mas convenhamos, não é assim o mais idílico dos cenários. E eu adoro crianças (não parece, mas adoro). :)


07 - Resolvem as coisas com a trilogia gritos-chão-bater.

Reconhecem esta trilogia? “Não, o meu filho não faz nada isso”. Ora então, muitos parabéns! Não sei se já alguém te disse isto, mas cá vai: o teu filho não é perfeito, o teu filho não é normal! O normal é eles terem confiança suficiente com os cuidadores para com eles libertarem as suas frustrações da forma mais animal possível, enquanto não conseguem dominar os seus sentimentos nem têm outras estratégias para se acalmarem. É irritante? É, muito. Mas aprendamos a lidar com isto da melhor maneira, nem que seja com um grande copázio de vinho. Lá para os 35 anos melhora.


08 - Têm timings do caraças.

Desde interromperem cenas à noite que já não eram feitas há séculos (e se calhar está ali o porquê), a quererem sempre muita sede e comichão e calor seguido de frio quando é hora de dormir, venha o Diabo e escolha. Muito espertinhos: não querem cá maninhos nem pais e mãe com paciência para mais filhos.


09 - Comportam-se muito melhor com os avós, tios, primos, vizinhos e até desconhecidos.

Na casa dos outros são uns anjos. Portam-se lindamente, comem tudo e nem acordam durante a noite, quando connosco acordam 3 a 4 vezes, os sonsos. [Sim, conheço a explicação para isto, mas não invalidava que uma vez por outra pudessem ser uns querubins connosco só para variar].


10 - Terem uma luz, uma energia e uma gargalhada que nos derrete e faz esquecer todos os pontos anteriores.

Pelo menos até à próxima birra.


No Intercontinental Dublin, onde estivemos 4 dias - num próximo post conto-vos tudo das nossas mini-férias! :)

Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: