sexta-feira, 17 de julho de 2015

Coisas que não vou repetir com um segundo filho.

Não é que tenham sido grandes erros, mas são coisas que, depois de ter visto o resultado, não vou voltar a fazer. Se vocês o fizeram ou quiserem fazer é convosco. Estou a falar de mim e das minhas decisões. Nota-se muito que estou com uma dor de cabeça enorme pela Irene ter passado o dia todo meio birrenta? Ui. Está-me a "apanhar" a parte em cima dos olhos e tudo. Credo. É o que dá escrever em cima da hora. ;)

Bom, coisas que não pretendo repetir:



  • Não vou insistir na chupeta. - a Irene nunca usou chupeta durante o dia, nem nunca a pediu. Quando usava é porque me apetecia ou porque achava que um bebé devia ter chupeta. Não é necessária, a meu ver. Não é suposto ser assim. Falei sobre isso aqui.
  • Não vou permitir que me impinjam leite de lata no hospital. - Não estava devidamente informada, o início da amamentação não correu bem e não estava num hospital amigo da amamentação. Por causa disto, a Irene tornou-se alérgica à proteína do leite de vaca. Falei disso aqui.
  • Não vou mudar de casa nos primeiros dias logo a seguir ao parto.  - o Frederico gostava muito da casa de solteiro dele onde morávamos e era ao lado do hospital. Disse-lhe que, para ele ficar mais contente e descansado que ficávamos na casa dele até eu ter alta. Erro. Piores momentos de sempre: estar toda hormonal, preocupada, ansiosa, bebé recém nascido e ter a casa de pantanas e pessoas a trazerem coisas (obrigada na mesma, sogrinhos).
  • Não vou mudar o filhote para o quarto dele no 2º dia de vida. - não sei o que me deu, se foi falta de apego, por causa do baby blues, mas não via motivo nenhum para não a por no quarto dela, até porque não conseguíamos dormir com ela lá. Agora será diferente. Falámos disso aqui, neste artigo do Observador. E falei disso aqui também quando ainda não tinha mudado de opinião.

  • Não vou usar Aero-Om para o calar. - eu sabia lá o que estava a fazer e a aflição era muita, agora sei que a maior parte das vezes, quando um recém nascido chora é porque se sente inseguro, porque precisa da mãe. Lá estarei e menos nervosa, de maneira a não precisar disso.
  • Não vou dar leite de lata quando tiver a paranóia de que me falta leite nas maminhas. - não há leite fraco nem pouco leite (na maioria das situações). A Joana Paixão Brás falou sobre isso recentemente aqui, num texto lindo, lindo, lindo.
  • Não vou ficar três meses em casa por ordem da pediatra por uma questão dele não ter vacinas. - levei mesmo a sério o que ela me disse e acho que acabei por ficar menos bem ainda da cabeça. 
  • Não vou evitar por batata na sopa.  - que parvoíce, acreditam? Via a batata como um legume mau e afinal é só "mau" porque as pessoas que estão de dieta não devem comê-lo na sopa. Burra.
  • Não vou misturar 42 vegetais por sopa. - queria que ela tivesse uma alimentação equilibrada, eheh, a verdade é que nem eu eu conseguia comer aquilo.

  • Não vou obrigá-lo a comer quando não quiser.  - Agora já sei que temos de confiar neles e que, se não comem é porque não têm fome ou porque não gostam ou porque não estão bem. Pelo menos, no caso da Irene, pronto. Falei sobre isso aqui.
  • Não vou dar papas de leite artificial. - Há alternativas sem ter que dar leite das maminhas de outro animal. Há papas casairas, há papas naturais, há papas com leite materno. À pala disto a Irene foi parar ao hospital e assim descobrimos que ela era alérgica à proteína do leite de vaca.
  • Não vou cortar-lhe o cabelo. - cada macaco no seu galho, credo! Falei disso aqui. 
  • Não vou ser fuça e fazer eu tudo - vou deixar o pai participar mais mesmo que não lhe apeteça tanto ou que a mim me apeteça mais, vou permitir-lhe ter as mesmas etapas de aprendizagem que eu.
  • Não vou ficar acordada durante as sestas dele para limpar a casa ou arrumar coisas ou ver programas da trampa na televisão. - isso está mesmo aprendido.

  • Não vou estar sempre a ver o Facebook enquanto lhe dou de mamar nos primeiros meses, vou aproveitar para descansar. - até porque ter o telemóvel sempre ao pé do bebé é capaz de não ser muito bom. 
  • Não vou ao quarto dele dar-lhe mama sempre que ouvir um gemido. - e não é que a miúda até a dormir grita mamã? Agora é que eu sei que ela dantes nem dormia assim tão mal, tem é mau dormir!
  • Não vou usar medicamentos para provocar a descida do leite. - por ter andado muito ansiosa, inibi a produção de oxitocina que é a a hormona (entre outras coisas) responsável pela ejecção do leite (e não da produção) e, à pala disso, tentei usar um medicamento perigoso. Não. O segredo está no relaxe e noutras técnicas que vim a aprender. Resultaram.
  • Não vou limar-lhe as unhas em vez de as cortar com uma tesoura. - ficavam todas mal amanhadas, uma tesoura não é assim tão perigosa. Conseguimos dar conta do recado.
  • Não vou comprar-lhe brinquedos antes dos 6 meses, para aí. - é mesmo parvo, não lhes liga nenhuma e um pedaço de papel ou uma tampa fazem o mesmo efeito.

  • Não vou dar-lhe medicamentos para as cólicas só porque não percebo bem o que ela tem. - o que os nervos nos fazem. Os bebés não têm tantas cólicas quanto pensamos. Ou melhor, nem sempre que choram têm cólicas. Eles precisam de nós, ponto. Aconselho a leitura do livro "Os Bebés também querem dormir" de Constança Ferreira. 
  • Não lhe vou fazer um Bebegel precocemente só por estar preocupada com o cocó. - Vim depois a saber que os bebés amamentados podem demorar mais um pouco a evacuar. Sem stresse.
  • Não vou tirá-lo do ovo demasiado cedo só porque tem calor. - Que erro. Andar de cadeirinha no carro, numa daquelas que dá desde o nascimento até aos 2 anos ou lá o que é. Não estão feitas para eles, não como um ovo. Que parvoíce. Falei sobre isso aqui.
  • Não vou fazer a cama com lençóis de cima e edredão. - Não vale a pena. Saco de dormir.

  • Não vou acordá-lo enquanto estiver a mamar para mamar mais rápido. - Vou estar mais disponível, mais calma. Usar um sling se for preciso ou amamentar deitada. 
  • Não vou andar com ele no carrinho enquanto for confortável para ambos andar numa mochila porta-bebés ou sling. - o ideal é estarem sempre perto de nós.
  • Não lhe vou comprar sapatos até ele começar a andar. - Dah!
  • Não lhe vou comprar pijamas de marca. - Para quê? É indiferente sair cocó da fralda nuns ou noutros.
  • Não vou deixá-lo adormecer de exaustão. - Estarei mais informada sobre os ritmos de sono e saberei melhor os timings antes dele estar a gritar de exaustão. 

  • Não vou pedir só uma baixa de 5 meses e depois "logo vejo". - Sei que vou querer estar mais tempo com ele. 
  • Não vou stressar tanto quando recusar a maminha aos 3 meses ou aos 9. - tudo é ultrapassável e mais ainda se se estiver calmo.
Não me lembro de mais, neste momento. Vivendo e aprendendo. 

E coisas que não pretendam repetir com o próximo filho?  

32 comentários:

  1. Por acaso com a primeira nao fiz nada disso que disseste :) mas fiz coisas que nao vou repetir

    Nao vou parir num hospital e sim em casa, se estiver bem de saude e sem risco

    Nao vou desviar os olhos do bebe para ninguem lhe dar leite artificial - bebeu uma vez, no hospital, quando sai para tomar banho

    Vou fazer ginastica na gravidez para nao engordar tanto

    Vou tentar que toda a gente se alimente bem

    Vou organizar melhor a roupa para nao ir descobrir vestidos lindissimos que lhe serviam ha dois meses mas estavam numa caixa

    E acho que é so isto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou de opinar nestas coisas mas não resisti ao ler logo o início deste comentário. Por favor informe-se dos riscos de parir em casa mesmo para mamãs saudáveis.. Há riscos durante o parto e logo após o mesmo que podem causar a morte da mãe e do bebé e muitos desses riscos não podem ser previstos. Que podem ser rapidamente revertidos se estiver no hospital. A mortalidade materna e infantil reduziu-se imenso nas últimas décadas porque se acabaram os partos em casa. Espero que corra tudo bem com os seus próximos bebés ;)

      Eliminar
    2. Tenho mesmo que comentar: o mais importante é estarmos devidamente informados e procurar profissionais competentes e responsáveis!
      Vanessa, se é sua intenção fazer o parto em casa informe-se muito bem, procure um profissional que saiba aconselha-la e que faça as coisas com consciência. Nos dias de hoje também é possível nascer em casa em segurança, temos é que estar devidamente informados e acompanhados.
      Joan

      Eliminar
    3. Tambem achava o parto em casa lindo e maravilhoso ate ter tido uma hemorregia pós parto e perder 2,5l de sangue. Se tivesse em casa nem dava tempo da ambulância chegar. E eu tive uma gravidez sem problema nenhum, sem excesso de peso, sem antecedentes na familia, tudo 5estrelas e nada faria prever o que aconteceu

      Eliminar
    4. Não me querendo meter mas já metendo, LOL
      Quando li "Nao vou parir num hospital e sim em casa, se estiver bem de saude e sem risco
      ", pensei logo What? E o que passou a Joana Paixão Brás, que ela própria contou aqui no blog?!... se estivesse em casa? daria tempo? o que teria acontecido?
      Antes de ler o testemunho dela não fazia ideia que estas coisas se podiam complicar assim tanto e tão rapidamente...
      Desejo-lhe o melhor :-)

      Eliminar
    5. ahahahah que tolinha que eu sou, cometei este post como se ele tivesse sido escrito agora.
      Quando a Vanessa comentou, a Luísinha ainda nem devia estar feita hihihi

      Eliminar
  2. Nao vou deixar que me pressionem a provocar o parto só porque já estou de 39 semanas; vou fazer ioga pré-parto, mesmo que tenha que me deslocar vários km; Nao vou parir sem uma doula; não vou deixar que me digam que o freio da língua curtigais é relevante, e que o bebê mama mal porque tenho mamilo pouco saliente; não vou deixar que durma 5h seguidas enquanto a amamentação não estiver estabelecida; não vou andar com aero-om atrás porque sou toto e não sei como acalmar o bebê; mas acima de tudo não vou achar que o próximo vai ser igual a este E que por isso já sei tudo;, nem sentir-me uma falhada cada vez que não consigo ser o ideal que imaginei que ia ser. vou confiar muito mais em mim e no meu instinto!!

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigada pela sua partilha, a Maria (a minha primeira filha) está quase a nascer e é precioso para mamãs de 1ª viagem como eu lerem estes testemunhos reais e verdadeiros. :)

    ResponderEliminar
  4. Amei!!
    Revejo me tanto.
    Coisas q fiz e q hoje eu sei q n estava a fazer correto.

    ResponderEliminar
  5. E coisas igualmente giras.. O que vais repetir com o segundo?

    ResponderEliminar
  6. Eu pari duas vezes num hospital amigo da amamentação e sinto que, por causa disso, das duas vezes os meus bebés perderem imenso peso logo nos primeiros dias de vida (eu sei que é normal haver alguma perda de peso mas a deles foi acima do normal). Com 5 dias de vida a minha filha tinha perdido 400g. Isto é muito para um bebé e eu acho que nesta altura ela já tinha recuperado algum do peso perdido. Na primeira consulta tanto no centro de saúde como no pediatra olharam para mim sempre com um ar muito preocupado pela enorme perda de peso, de tal forma que me fizeram sentir culpada de não ter ou não dar leite suficiente aos meus bebés e começam logo a considerar a introdução de leite artificial. Das duas vezes o meu leite só subiu no 3º dia, por isso durante o tempo que estive no hospital eles pouco conseguiram mamar. A partir de certa altura as enfermeiras passaram a trazer leite artificial como complemento, mas era tão pouco que eles estavam sempre com fome. Quando o leite subiu (coincidiu mais ou menos com a nossa chegada a casa) eles passaram a mamar exclusivamente o meu leite até aos 6 meses e depois continuaram a mamar até terem mais de 1 ano. Os dois andaram sempre acima do percentil 75 tanto de altura como de peso. Nunca rejeitaram a mama e em casa nunca precisei de comprar leite artificial. Apesar de ser completamente contrário ao que é defendido pelos amigos da aumentação se eu voltasse a engravidar ía fazer o possível para que bebessem um complemento mais satisfatório nos primeiros dias de vida e não voltava a deixar que eles passassem fome. Eu sou a favor da amamentação mas sou contra fundamentalismos. Na primeira gravidez eu não sabia, mas na segunda a perda de peso foi ainda maior (talvez por a primeira consulta ter sido mais cedo) e eu senti-me muito culpada porque eu já devia saber que ía ser assim e devia ter feito alguma coisa para evitar. Se houver uma terceira gravidez vai ser diferente.

    Lia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu leite só lhe subiu ao 3º dia? O leite de todas as mulheres não sobe antes disso, é o normal. Nos primeiros 2 dias os bebés alimentam-se de colostro, o melhor e mais rico antibiótico de sempre e que fica para a vida. Abençoado hospital, já agora qual foi para ter lá o meu próximo filho?

      Eliminar
    2. Eu compreendo o que a lia disse.... Eu só ao fim de 5 dias é que o colostro saiu. Até lá ia fazer o quê?! Só quando me espremeram os mamilos é que deram conta que não estava a mentir. Sou contra fundamentalismos tb. O bem estar vem em primeiro lugar.

      Eliminar
  7. Joana...gostei de ler! Eu sou mamã de dois. O mais velho tem 3 anos e a pequena 9 meses..tinha imensas expectativas da segunda. Achava que ia ser uma mãe mais segura (e sou) e menos preocupada, ou melhor mais descontraída...mas o universo mostrou-me que não posso ter nada por adquirido! A pequena veio ao mundo e dez dias depois foi internada nos cuidados intensivos durante 20 dias deitando por terra tudo o que tinha elaborada para ser uma mãe ainda mais completa. Enganei-me. Mas fiquei a saber que sou uma mãe capaz de lidar com terramotos, intempéries e grandes tempestades. Aconteça o que acontecer, penso que haja um segundo, terceiro, quarto filho, iremos sempre seguir a intuição materna...iremos repetir alguns "erros" (pelo menos assim os pensamos), iremos desvalorizar umas coisas e valorizar outras. Mas no fundo, a essência é a mesma: ser mãe e tudo o que representa essa palavra. Eu costumo dizer: "que a pequena veio ao mundo para me dizer que eu sou mãe de guerra"! Um beijinho a todas...e principalmente, as mamãs que tiveram o infortúnio de passar por um experiência hospitalar com os seus filhos!

    ResponderEliminar
  8. Ena! Não se castigue por ter cometido esses erros! Se é que se lhe podem chamar de erros, pois só os fez porque pura e simplesmente estava a aprender a ser mãe!...
    Vou falar-lhe um pouquinho mais sobre mim (desculpe, já deve estar fartinha de mim!...): eu já trabalhava há mais de 5 anos numa IPSS quando a minha filha nasceu, e julgava eu que por ter tido alguma experiência com bebés no Berçário que me ia safar bem... errado!!! Primeiro: apesar da responsabilidade ser muitíssimo maior, não tem comparação possível tomar conta dos "filhos dos outros" e dos nossos, porque a imensidão do amor que sentimos é totalmente diferente; segundo: eu tinha experiência sim, mas de bebés a partir dos 4 ou 5 meses, que nada tem a ver com recém-nascidos; e terceiro: as hormonas que adquirimos durante a gravidez combinadas com a falta de dormir são uma combinação letal para pensarmos com toda a clareza!...
    Eu digo, e sem vergonha alguma, que também cometi falhas que, quando penso nelas, vejo que poderia ter feito de outra maneira. Mas isso só demonstrou que sou humana!...
    Mas eu olho para a minha filha, perfeitamente imperfeita, e tenho muito orgulho dela. É bondosa e educada, como gostaria que fosse. Portanto, também fiz muitas coisas acertadas!... Você de certeza que também as fez!
    Agora que estou grávida do meu segundo filho penso: vou tentar não cometer os mesmos erros!... Pois, mas é bem provável que cometa outros!...

    ResponderEliminar
  9. As estatísticas n conheço, mas tenho mtas reservas sobre a relação do leite artificial com a alergia à proteína do leite de vaca.
    O meu filho nunca bebeu leite artificial (até aos 6 meses) era alérgico, felizmente quando fez um ano fizemos a introdução e correu lindamente.
    O irmão da minha afilhada mamou até aos 2 anos e ainda hoje em dia, com 4 anos, é alérgico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Associei uma coisa à outra por sugestao de profissionais da area, nao foi criatividade hehhe

      Eliminar
  10. Adorei!
    o meu não gosta de chupeta.em relaçao à marca de roupa, pessoalmente acho um pouco desnecessário, mas isso sou eu. além de ser adepta de quase tudo low cost os bebés crescem muito rápido, mas esta lá, não tenho muitas possibilidade financeiras, portanto vai do mais barato lol.

    ResponderEliminar
  11. Adorei a parte do "Não vou cortar-lhe o cabelo". A Irene e os teus futuros filhos agradecem! XD

    ResponderEliminar
  12. "Não vou permitir que me impinjam leite de lata no hospital. - Não estava devidamente informada, o início da amamentação não correu bem e não estava num hospital amigo da amamentação. Por causa disto, a Irene tornou-se alérgica à proteína do leite de vaca. Falei disso aqui."
    A sua filha é alérgica a proteína do leite de vaca, não tem absolutamente nada a ver com o facto de ter bebido leite artificial! Ela não se tornou alérgica por causa do leite!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois anonimo, a certeza nao tenho mas existem estudos nesse sentido e é uma hipotese, ok? 😊 entretanto ja lhe passou 😥

      Eliminar
  13. Olá, 3 meses em casa por não ter vacinas?? o meu pequeno tem 3 meses e de facto não acertei com o pediatra logo a primeira, contudo uma das primeiras coisas que me disse foi para desfrutar de passeios com ele. claro, locais calmos e agradáveis ao ar livre, shoppings por exemplo ainda hoje evito. Apesar disso não pudemos desfrutar destes momentos com eke até agora, mas por outros motivos. Obrigada pelas histórias e partilha de todas as experiências :)

    ResponderEliminar
  14. Concordo com tudo:) menos com os pijamas - quem é que usa pijamas nos recem nascidos?! upsss...
    AeroOM foi a coisa mais parva que dei a minha filha...só para ver se ela pegava na chucha, nem era tanto para as cólicas que nem achei que resultasse nada de especial.

    Tenho uma questão a que a Joana aludiu ao de leve: dar de mamar deitada. Faço isso imensas vezes, mas ultimamente tem sido pior porque adormeço (adormecemos as duas) e pouco tempo depois ela volta a acordar-me porque não ficou satisfeita... Conclusão: tenho noites em que acordo 3-4 vezes, quando o normal seria 1-2. Alguma dica?

    Outra questão: voltei a trabalhar depois da licença de 5 meses e sinto que mal chego a casa nos últimos 3 dias ela quer mamar independentemente de ter fome ou não. Além disso, tem demorado quase 1h a mamar às 17h00 mas também à noite. Podem ser saudades? Eles acabam por se habituar? Quando tento tirar a mama ela fica furiosa e parece mesmo ter fome, mas duvido que assim seja! Eu dou, mas tem sido cansativo...

    Obrigada e parabéns pelo blog (sou a que esteve a ler tudo de fio a pavio nos 1os dias de trabalho.....apanhada!)

    ResponderEliminar
  15. Não vou criar expectativas sobre como as coisas vão correr... Os bebés são todos diferentes e o facto de eu desejar (e achar que mereço - é isto é só estúpido!) ter um bebé calminho e fácil, não quer dizer que assim seja e poderei levar mais tempo a adaptar-me ao meu bebé...E mais cansativo será.

    Vou reler o livro da Constança um milhão de vezes e andar com ele para dar na tromba de quem me der sugestões estúpidas, especialmente profissionais de saúde!

    Vou pedir mais ajuda aos amigos. Tratar de um RN com outros 2 filhos pequenos, deve ser dose!

    Devo pedir ajuda a uma Doula, porque o meu Dr. Fernando Cirurgião é um querido, mas é quando somos pouco informadas... Talvez tenha de desapegar-me dele e arranjar outra OB...

    Dê por onde der, se for cesariana o pai vai estar comigo. Vou usufruir da minha petição! [se puder ser parto vaginal, eu vou ficar ainda mais feliz!]

    [Isto se me atrever a ir ao 3º]

    ResponderEliminar
  16. Eu já sou mãe de 2 e aquilo que posso opinar é: não façam planos nem imponham regras antes do tempo. Tudo aquilo que podem pensar agora é fruto da experiência passada, e a única coisa que se pode assegurar entre 2 filhos é que eles serão incrivelmente diferentes e que aquilo que antes funcionou pode não funcionar no futuro.
    Os radicalismos não são benéficos para ninguém; o meu 1o filho não mamou; não fazia bem a pega, eu não tinha experiência, as opiniões eram muitas...acabei por lhe dar leite meu (tirado à bomba) e leite de lata. Se correu bem? Correu! Consegui a tranquilidade que precisava. Se repetia? Não! Porque a tarefa de retirar leite à bomba é extenuante e mais uma rotina adicionar aoa dias já tão complicados. O rapaz cresceu bem, sem problemas associados ao aleitamento e a integração no berçário foi fácil.
    Com o 2o filho consegui amamentar, em exclusivo, e ainda guardava leite no congelador (estava orgulhosa). Se correu tudo bem? Não! Quando precisei de usar um biberão para lhe dar qualquer coisa (nem que fosse agua) o rapaz rejeitava, e continuou sempre a rejeitar. Por isso imaginem como foi quando ele teve que ir para o berçário, leitinho nem vê-lo! Nem com o meu próprio leite, nem com todos os 234 modelos de tetinas, nada!!!!! Logo, se repetia? Não! Também com o 2o filho, no inspirada pelos movimentos anti-leite artificial e com a segurança de eu própria conseguir ter leite, questionei o pediatra acerca de lhe dar papas sem leite de vaca ao que ele me perguntou "mas vai excluir o leite de vaca da alimentação dele para sempre?", ao que eu respondi que não mas que se calhar nesta fase era melhor. Segundo ele, esta fase da introdução de papas lácteas tem também como objectivo "apresentar" o leite de vaca ao organismo (gradualmente) para que este aprenda a digeri-lo e que existem vários estudos que demosntram que a "não-apresentacao" está relacionada com maior probabilidade de se tornar incapaz de tolerar as proteínas do leite de vaca.
    Por isso, posso dizer, numa 3a gravidez (que não está de todo prevista nem pretendida) mudava alguma coisa? Provavelmente mudaria muito. Mudava tudo aquilo que precisasse para viver uma gravidez e maternidade tranquila e sem ansiedades, adaptando-me o melhor possível às características desse bebé mas tbem não esquecendo que existem mais filhos que vão interagir nessa relação.

    ResponderEliminar
  17. Olá Joana :) Gostei muito do seu texto e identifico-me com a maioria das coisas que não quer fazer com o segundo filho...
    Sou mãe de uma menina de 9 meses e, de um momento para o outro, ela deixou de querer mamar e não aceita sequer colocar a maminha na boca...
    Pergunto-lhe se passou por esta fase e como ultrapassou?
    Isto já dura há 4 dias e estou com receio de estar a ficar sem leite...
    Agradeço desde já a ajuda!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola daniela! Posso pedir-lhe para escrever no google vamos dar de mamar e ligar para esse nr para ter apoio de especialistas? Nao se preocupe que ha solucao para quase tudo! Ate maes adoptivas amamentam e ate leite que "seca", pode ser reactivado! Nao desespere! 😊 um beijinho e forca!! Se quiser falar comigo só para desabafar, tambem pode enviar mail para amaeequesabeblog@gmail.com um beijinho

      Eliminar
    2. Ola daniela! Posso pedir-lhe para escrever no google vamos dar de mamar e ligar para esse nr para ter apoio de especialistas? Nao se preocupe que ha solucao para quase tudo! Ate maes adoptivas amamentam e ate leite que "seca", pode ser reactivado! Nao desespere! 😊 um beijinho e forca!! Se quiser falar comigo só para desabafar, tambem pode enviar mail para amaeequesabeblog@gmail.com um beijinho

      Eliminar
  18. Concordo quase tudo. Menos a questão dos brinquedos. O meu tem 3meses e adora estar no ginásio com os brinquedos por cima. Ja agarra neles e puxa para por na boca.

    ResponderEliminar