segunda-feira, 13 de julho de 2015

A sorte de se ter uma bisavó.

Têm 78 anos e dois meses de diferença. Dão-se bem, muito bem. Mas, às vezes, não sei porquê, a Isabel ralha com ela, naquela língua que bem tentamos perceber. Fartamo-nos de rir.

A minha avó é a melhor cozinheira de que há registo e só à conta dela engordei uns dois quilos esta semana, em que ficou cá em casa para me ajudar na recuperação. Arroz doce, torta de laranja, torta de côco, bolo chiffon... estão a imaginar, não estão? No final da semana, quando eu já me sentia bem para ir passear, fomos as três ao parque e ao jardim. A Isabel insistiu em levar a cesta do piquenique, com os bonecos lá dentro, a fazer óó.










Esta bebé foi a melhor coisa que aconteceu na vida da minha avó. Meses depois de ter perdido um dos filhos inesperadamente, o meu tio Jorge, nasceu a Isabel para lhe devolver alguma alegria. As gargalhadas que a bisavó dá à conta dela são lindas de se ouvir.

 Macacão - Laçarote
Laço - Fitas para Chuchas & Companhia
Cesto de Piquenique - Tiger
Maria Fininha (a boneca que é uma lavadeira de Lisboa) - Pom Pom



A propósito, lembrei-me deste texto que escrevi em Janeiro de 2014, quando aguardávamos a chegada da Isabel:

"As mãos que hoje sentiste, filha, estão carregadas de vida, de dor, de anos, de histórias. São umas mãos velhinhas, com veias salientes, com socalcos. Os dedos são irregulares, de diferentes tamanhos e feitios, tortos como a vida tantas vezes foi. A pele macia como o veludo, a contrastar com a dureza de tantos anos de trabalho.
São as mãos ternas e meigas da tua bisavó Rosel. As mãos que farão o melhor arroz doce que alguma vez provarás, os melhores pastéis de massa tenra, o magusto a saber a natal. As mãos que te embalarão com a ternura de quem já te ama tanto. És a esperança, a esperança de anos melhores, de uma alegria devolvida depois de tantos dias cinzentos. Isabel, a bisavó aguarda a tua chegada com o coração cheio. E tu verás o quão grande é o coração dela. 
A avó Rosel fez hoje 78 anos. Oferecemos-lhe aquilo que ela mais gosta: um livro. A rainha branca, para se juntar à vasta coleção de livros históricos e ficcionais de reis e rainhas. Mas ela deu-nos um presente ainda mais doce a seguir ao jantar: arroz doce com canela. Gostaste, eu sei. Mexeste-te tanto!
Mas o melhor da noite, que nada supera, foi o momento em que estivemos as três tão próximas. A minha mão, a mão da avó e tu, filha, tão perto, cada vez mais perto, a dares-nos tanto sem saberes."



Há por aí sortudos com bisavó?

14 comentários:

  1. Eu fui uma sortuda até há 5 meses atrás. A minha princesa tem 2 anos e meio (anda na mesma escola que a Isabel e nunca te consigo apanhar para te dizer que adoro o vosso blog e para te dar umas dicas de comida veggies para a tua princesa ;) ) e até fevereiro deste ano que tive a sorte e a alegria de ter a minha avó (bisavó da Diana) todos os dias a meu lado. Fui criada por ela e desde que a Diana nasceu que a alegria da minha avó ia aumentado todos os dias. Vivia para a bisneta! :) Infelizmente faleceu em fevereiro e o que mais me custa é ela não saber (pelo menos por este mundo físico) que estou grávida de um Gui. Mas o que mais me impressiona, e acho que nada acontece por acaso, a minha avó faleceu há 22 semanas e estou grávida de 22 semanas... Cioncidências??
    É uma sorte poder ver a alegria das bisavós/avôs com os bisnetos!!!

    ResponderEliminar
  2. Que querida! Deixa a rapariga provar o arroz doce, para saber o que é bom! :) o João Maria ainda tem 3 bisavós e conheceu os 4 bisavôs, infelizmente perdemos o avô do meu marido o ano passado, que era uma pessoa muito querida. A minha avó que cozinhava maravilhosamente, e com um arroz doce capaz de competir com o da tua!, ele nunca conheceu, nem o meu avô João. Apesar de ainda ter tantos velhotes ao redor, acaba por ter mais contacto com a bisavó algarvia! Adora os petiscos e comidas que ela faz! E já a vai buscar à cozinha pela mão e "ordena" que se sente no sofá!

    ResponderEliminar
  3. A minha filha de 4 anos conheceu todos os bisavós, o meu bebé de 2 meses já não conhecerá um, o meu avô paterno que faleceu há um ano. E também eu tive o privilégio de conhecer todas as bisavós e um bisavô... Saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Isabel só conhece o bisavô da parte do pai e esta bisa. Só conheci, que me lembre, duas bisavós.

      Eliminar
  4. Cá por casa ainda temos uma bió que, quando tem momentos de lucidez mostra que continua com sentido de humor :) Nenhum dos bisnetos conhecerá a "verdadeira" bió, mas nós estaremos cá pra lhes falar dela :)

    ResponderEliminar
  5. Ahhh a minha avó também faz o melhor arroz doce do mundo, e pão de ló. :) As coisas que só as avós sabem. Acho que se chama "cozinhar com muito amor".

    ResponderEliminar
  6. O meu filho de 3 anos e meio tem 3 e adora :)

    ResponderEliminar
  7. Tão bom ter uma bisavó :) A minha filha de 8 meses tem uma de 81 anos e adoram-se! :)
    Fotos perfeitas! Que máquina usa? ;)

    ResponderEliminar
  8. Tive a felicidade de conhecer 4 bisavós e de conviver até aos 27 anos com uma. A minha filha com 19 meses felizmente ainda tem 4 para lhe darem muitos mimos, é uma benção quando temos os nossos avós. Ana

    ResponderEliminar
  9. A minha menina, felizmente, tem 5 bisavós. Infelizmente não convive muito com eles, mas ela gosta de todos eles!

    ResponderEliminar
  10. Sim o Diogo ainda tem uma bisavó. Infelizmente o bisavô faleceu no passado Natal...
    Este fim de semana fomos até a casa deles e o Diogo, tão pequenino ainda se lembra dele... foi devagar até ao quarto espreitar.
    Ele já não estava lá.

    É uma sorte ter avós e bisavós assim.

    ResponderEliminar
  11. Que linda... :)
    E que sortuda é a Isabel, por ter uma bisavó.
    Aqui também temos uma bisavó que foi "salva" pelo nascimento da sua bisneta, a minha filha.
    Há 2 anos e meio que não ouvimos coisas como "já não faço cá falta nenhuma", "para o Natal que vem já cá não devo estar".
    Estas princesas salvam corações, sem saberem!

    ResponderEliminar