Mostrar mensagens com a etiqueta passeio. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta passeio. Mostrar todas as mensagens

1.02.2020

Sugestão de escapadela: eco-hotel no meio da natureza

Foi ali que a Luísa deu os primeiros passos. Foi ali que, em 2017, eu, a minha mãe, as miúdas e o meu irmão passámos um fim-de-semana incrível, na natureza, a dar mergulhos na piscina, a comer pratos divinais e a passear ao longo do rio. A poucos dias do fim do ano, voltámos ao Vale do Rio, em Oliveira de Azeméis, para respirar ar puro. E, desta vez, com o David.



Soube tão bem. Eu, que deixei de conseguir ir com as miúdas à natação, pude ver a desenvoltura que já ganharam desde aí e o quanto amam água (o difícil foi tirá-las de lá). Jogámos Quem é Quem, Bingo, Party & Co. às refeições e na sala e ainda montaram a pista de carros que a Isabel tanto pediu ao Pai Natal. Viram, pela primeira vez, um jogo de snooker e os pais sem jeitinho nenhum a discutirem as regras. Passeámos no bosque, à procura de seres mágicos e de renas. Ouvimos o som do rio a correr e pusemos a mão sobre o musgo e sobre as árvores. Equilibraram-se em troncos e viram sair vapor da boca uma da outra. Vimos teias de aranha enormes e os raios de luz a atravessarem as copas das árvores altas. E ainda fomos conhecer o parque de La Salette, com lagos com patos, com uma capela no topo e com espaço para correrem e para andarem de trotinete (e caírem…) à vontade.

Foram dois dias que souberam a mil e que me fizeram sentir, mais uma vez, que estarmos juntos, sem grandes planos, é dos maiores privilégios que podemos ter.

























3.31.2019

Fim-de-semana só de miúdas!

Ai meninas, estou cansada.

Claro que o que vou dizer agora depois disto vai soar a estranho, porque não estive propriamente na lavoura nem a trabalhar, mas as miúdas estavam especialmente eléctricas nestes dias e hoje, que vão para a escola, é que me vai saber mesmo a férias. Mas bem, não quero parecer mal-agradecida.

O fim-de-semana foi óptimo. Consegui convencer a Raquel Mourão (cá em casa é conhecida assim porque há mais Raquéis nas nossas vidas) a ir comigo e com as miúdas até Viseu (falei-lhe em vinhos do Dão e não mencionei o facto das miúdas terem acordado às 6h00 da manhã ou às 7h).

Sexta-feira lá fomos nós até lá acima, até às Casas do Lupo, que ficam ali na Lapa do Lobo, e acabámos por já nem sair de perto. A primeira coisa foi sentarmo-nos ao balcão do cafézinho da aldeia, que tinha cassetes de música popular portuguesa à venda, e onde bebemos umas minis e uns copos de leite, respectivamente. Soube-nos mesmo bem. 

Entre um passeio a pé e a aproveitar ali a zona da piscina, totalmente silenciosa, elas andaram descalças à procura de bichinhos e a apanhar laranjas e limões e a comparar os vários tipos de folhas. Que sítio bonito e que casas tão bem decoradas, mantendo a traça antiga e o granito por todo o lado, mas com um toque moderno e até retro. Há de tudo um pouco mas com muito bom gosto. O nosso quarto era o da Belavista e tinha realmente uma vista lindíssima para a Serra da Estrela. Olhem adorámos.









No sábado ainda aproveitámos a zona da piscina (estava sol e calor até) e depois fomos até à adega Caminhos Cruzados na Quinta da Teixuga. Além de visitarmos a adega, muito moderna, onde pudemos ver onde se armazena e produz o vinho (adoro o cheiro das barricas de carvalho, mesmo), fizemos degustação ao almoço (harmonização, não é mesmo) e depois fizemos ainda um jogo de aromas, onde teríamos de identificar vários aromas em frasquinhos (desde limão, a torrado, a amoras ou a trufa - não é nada fácil, digo-vos já!) e tentar adivinhar que aromas estariam depois nos vinhos. Foi muito divertido: a Isabel adorou jogar - uma vez disse "pipoca" e era caramelo ou algo do género e não estava mesmo nada longe. A Luísa dormiu uma sesta no sofá (adoro saber que elas se adaptam a qualquer circunstância e zero culpa deste lado).






À noite, fomos até a um dos melhores restaurantes da região, o Bem Haja, em Nelas, e estava tudo incrível: desde os pastéis de massa tenra, ao peixinho com puré de batata aos secretos de porco preto com arroz de feijão, chegando, claro aos doces (aliás, à entrada está logo uma mesa enorme de doces e especialidades (as farófias estavam divinais, assim como o arroz doce - e eu costumo ser muito chatinha com arroz doce porque o da minha avó Rosel é o melhor do mundo, já sabem...). Ainda provámos o Biscoito de Azeite Mondegão que é candidato às maravilhas de Portugal, como se sobrasse espaço no estômago.

Na manhã seguinte, depois do pequeno-almoço das Casas do Lupo e da despedida da Lapa do Lobo (uma aldeia muito querida onde nos cruzámos com vizinhas de carrinho de mão com couves e batatas - e elas metem conversa com as senhoras todas, felizmente), fomos até Viseu, onde conhecemos o brunch do Aromático 54. Para já, o espaço é muito giro, com espaço exterior rodeado de flores, plantinhas e de ervas aromáticas, claro está (e lá dentro também muito agradável e bem decorado), e depois tudo o que comemos estava bom - os ovos benedict, os ovos mexidos e a sopa para elas no menu kids e - o grande momento do almoço - o prato com panquecas e manteiga de amendoim. de que elas andavam a ressacar há dias, que parecia uma torre, com morangos, banana, frutos secos e uma bola de gelado, com uma flor comestível por cima. Sim, senhor. Adorámos.






Foi um fim-de-semana cheio, bem regado (pena eu amanhã ir começar uma dieta e ter comprado vinho para trazer snif snif) e com comida do melhor que há e uma amiga - que vem por último mas devia vir logo em primeiro - que foi mais que mãe. Tenho mesmo sorte nas pessoas que me rodeiam, a verdade é só esta. 

Olhem, adorámos. Para sair de casa e descobrir sítios novos, estamos sempre prontas.

Conhecem aquela zona?



P.s. Podem ver todos os vídeos do passeio aqui, nos stories.


11.04.2018

Hotel para a noite de núpcias? Este, sem dúvida!

Foi ali que me despedi da vida de solteira (como se a vida se tivesse alterado depois) e onde passámos a noite anterior ao casamento juntos. Sim, sabíamos do "grande erro" que seria os noivos dormirem juntos na véspera do casório e mesmo assim quisemos arriscar. Pausa para explicação: não somos supersticiosos e muito menos achamos que faça sentido dormirmos juntos há 9 anos e, de repente, separarmo-nos na véspera do grande dia só porque alguém diz que tem de ser assim. Respondi a toda a gente com um "mas nós não vamos dormir" por ser uma grande marota :) Não ficámos ali na noite de núpcias porque o casamento não era na região de Lisboa, mas se fosse, podem crer que seria ali.


E que maravilha de hotel! Não que eu tenha grandes termos de comparação, já que não ando propriamente a esfregar este corpinho pelos melhores hotéis do mundo, por falta, essencialmente, de tempo, claro (plim plim - som da caixa registadora), mas já estive precisamente num hotel também de 5 estrelas ali mesmo ao lado (ganhei a estadia num concurso há uns 6 anos, depois conto-vos este episódio que teve imeeeeensa piada, já que eu andei 3 horas a achar que tinha ganhado um BMW e depois afinal... não) e o InterContinental Cascais-Estoril ainda conseguiu superá-lo. É uma experiência única.

O quarto então é uma coisa sem explicação, mas eu vou tentar. Enorme, com uma cama daquelas digna de filme, bandeja com fruta e vinho a receber-nos, uma varanda gigante com vista para a piscina e para o mar, uma banheira excelente com um apenas um vidro a separá-la do quarto... um verdadeiro luxo. É o sítio ideal para uma noite de núpcias ou para descansar antes do grande dia, como fizemos. 







Tevemos a sorte de, em outubro, apanhar uma tarde de piscina mesmo boa. Lanchei, ali mesmo, com o Renato e a Raquel, os meus padrinhos e depois fomos até ao SPA e à piscina interior, um espaço também muito agradável e sossegado.




Depois do banho, fomos jantar ao Atlântico, o restaurante do hotel, envidraçado, com uma vista linda e com pratos mesmo, mesmo saborosos, pelo chef Miguel Laffan, de Cascais e já com duas estrela Michelin no currículo.














Ao acordar, aquela vista e o nascer do sol foi o cenário perfeito para escrever os votos. Emocionei-me muito, ali, na varanda. Senti-me muito feliz. Depois do banho e de um pequeno-almoço que tinha tudo para ser perfeito - e só não o foi porque eu tinha o estômago embrulhado do nervosismo (dá Deus nozes a quem não tem dentes...) -, lá nos despedimos e só nos voltámos a ver para nos casarmos, eu vestida de noiva e em lágrimas, ele sorridente e nervoso.









A experiência aqui foi toda muito, mas muito boa. E começou logo na recepção. Não é todos os dias que nos vão estacionar o carro, que levam as nossas malas até ao quarto, que nos fazem uma apresentação do hotel tão simples e simpática (obrigada, Frederico!) e que somos tão apaparicados. 
Soube mesmo bem! Mais do que aconselho este hotel. Que sejam tão felizes ali quanto nós fomos. 








Sigam-nos também no Instagram: