quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

As mães preocupam-se demasiado?

No outro dia, uma mãe ficou impressionada com a quantidade de palavras que a Isabel dizia. Disse-me que a filha, de 19 meses, ainda só dizia quatro ou cinco palavras e que estava a pensar ir com ela a uma consulta de desenvolvimento, ou o que era. 
Não sou médica, mas falei-lhe da minha experiência. Já tinha estado ali. Não com a mesma preocupação, mas eu tive uma filha que dizia aquilo que eu achava serem poucas palavras para a idade. "Percebe tudo, tudo o que lhe dizemos, é uma esperta que só ela, mas falar nada." Idem idem, aspas, aspas. Era assim a Isabel. Mas...
Dei-lhe tempo. Sabia que a estimulávamos, que falávamos muito com ela, contávamos muitas histórias com entoações giras, brincávamos muito e que, mais tarde ou mais cedo, o dicionário que ela estava a registar na cabeça acabaria por passar para a língua. 
Assim foi. Em menos de um mês, passou a dizer muitas, muitas palavras. Agora, todas as semanas tem mais umas quantas novas. Já faz frases, pequeninas. "Anda cá, pai, dá a mão". Continua a fazer frases enormes, em que mistura a língua dela com o português, mas lá vamos percebendo mais ou menos o que ela quer. Termina muitas canções (diz a última palavra de cada verso).
É trapalhona, troca imensas sílabas e tivemos recentemente esta conversa:
- Pocu
- Copo
- Pocu
- Copo 
- Água.

Hahaha pronto. A atalhar caminho. Eles são mais espertos do que possamos imaginar. Uma esponja. Por isso, mães preocupadas antes de tempo, não o estejam. Dêem tempo ao tempo. Falem com pediatra, claro, mas não sofram por antecipação. Não podemos desejar que os nossos filhos sejam "os primeiros" em tudo. A Isabel começou a trepar cadeiras e sofás e a subir e a descer escadas cedo. Desenvolveu a linguagem mais tarde. E, de tudo isto, o que eu mais gostei de saber, na avaliação da escola, foi que é atenta, curiosa, gosta de aprender e de fazer trabalhos manuais. Eu já desconfiava, mas é giro saber que se comporta da mesma forma na escola. Bate nos meninos e a seguir dá-lhes beijos, mas isso é toda uma outra história. :) 



Vamos lá a confissões: preocupamo-nos demasiado, não é? Se não é com o peso, é com os olhos que parece que entortam, se não é com as pregas assimétricas é com o sono ou com o desenvolvimento da fala... Não temos descanso? Chiça! ;)

4 comentários:

  1. Sou eu sou.
    Por acaso a Lara, com a idade da Isabel só diz meia dúzia de palavras. Mas percebe tudo o que lhe dizemos e não estou demasiado preocupada.
    Mas já estive muito preocupada com outras coisas:
    - Está a dormir há quantas horas?! Dez!!!!! Estará a respirar?
    - 10 meses e ainda não tem um único dente?!!!!! Ficará desdentada?! As próteses são tão caras!!!!!
    - Não achas que está muito magra!!!! Estará subnutrida?
    - Não achas que tem as bochechas gordas demais?!!!! Estará a ficar obesa?
    - Está a tentar colocar o supositório no rabo?!!!!!!!! O que é que isso quer dizer?!!!!!!!!
    - O chichi está cor de rosa?!!!!!!!!!! Que horror!!!!!! Uma infeção urinária???????
    Esta última situação acontece sempre que come sopa de beterraba.

    É muito isto.

    ResponderEliminar
  2. Tão verdade...a minha tem 16 meses tá s querer começar andar sozinha (acho que sai à mãe que foi só aos 18 meses) e também ainda não fala...então confesso que estando todo dia com ela esta semana desesperei,chorei,culpei me...mas há textos que vem na hora certa...
    Obrigada pela partilha...

    ResponderEliminar
  3. Posso dizer que tenho 2 meninas gémeas e ate a nível de desenvolvimento são diferentes. Enquanto a Gabriela com 21 meses diz imensas palavras e já constrói frases pequeninas,a Sofia fala muito menos e e muito trapalhona com as palavras. A nível motor é ao contrario, a Sofia sempre a fazer primeiro que a irmã! Isto para dizer que não ha 2 crianças iguais, cada criança tem o seu tempo.
    Inês

    ResponderEliminar
  4. Posso dizer-tê a minha mais recente preocupação. Quando não temos inventamos, e quando temos dois inevitavelmente mentalmente passamos o tempo a comparar. Quase 4 anos, esperta, mas esperta, conversas de gente grande, um às dos puzzles e a usar tesoura... Mas não atina com as cores. Passo o tempo a pensar que há ali um problema de daltonismo, será possivel? O irmão com 2 anos sabia as cores de trás para a frente. Dou-lhe tempo, ela ha-de chegar la...

    ResponderEliminar