terça-feira, 17 de novembro de 2015

Afinal Havia Outra - A minha filha nasceu com 670 gramas


"Dia 27 de Julho, depois de longos 4 anos com tentativas falhadas o teste era positivo! Não fiquei contente como esperaria, estava já muito doente e tinha de me cuidar para que a gravidez corresse sem mais precauços. Sabia dentro de mim que ia ter uma mini eu, ia ser uma menina, chamar-se-ia Bianca. 
Dia 2 de Dezembro, 23 semanas e 4 dias, fui dormir, acaricei a minha filhota e disse-lhe que a amava mais do que à própria vida. Às 2 da manhã o rebentamento de membranas, vindo do nada e levando-me ao desespero. A minha bebé, nasceu depois de 5 dias de internamento e muitos cuidados intensivos. 
Não pude tocar na minha menina quando nasceu, não a acariciei, não lhe dei a mama, não a beijei. Levaram-na para um outro hospital, abandonada, sem o carinho da mamã. Sonhei que tinha a minha barriga durante dias seguidos, estava a ser racional mas não queria acreditar que não a tinha ali, segura. Pesava 670 gr, estava muito instável, não a podiamos tirar da Incubadora, o primeiro toque foi lá dentro, a 37 graus, com alarmes, cabos, medos, incertezas e muitas lágrimas. Não queria acreditar... o meu coração estava ali, todos os dias. Não houve mais amanhã ou depois de amanhã, havia o hoje e o agora. Vivemos entre apneias, paragens cardio respiratórias, tranfusões de sangue, exames diários, olhos atentos de quem cuidava mas por vezes não deixava cuidar. Não havia colinho para adormecer, nem fraldas sujas, nem camisolas a cheirar a vómito de bebé. Havia sim um banco, uma cadeira, muito café, poucas horas de sono e muita aflição. Os nossos 110 dias foram-se vivendo ali, esperando ansiosamente a nossa ida para casa, vendo outros pais com mais ou com menos sorte que nós. A minha Xoninhas venceu todas as dificuldades, uma a uma, não deu tréguas à luta e batalhou como uma guerreira. Mostrou-me o fio condutor da vida e a certeza de que nada é certo mas que o amor, esse sim, é infinito."


Joana Costa Oliveira 


Obrigada, Joana, por partilhares connosco a tua história, neste dia mundial da prematuridade. 
❤️ Um abraço enorme a todos os pais que passaram por dias como estes. E aos filhotes. Heróis, é pouco!

4 comentários:

  1. Há mães fortes e depois há estas... guerreiras, resilientes, verdadeiras heroínas! O meu coração encheu-se de alegria deste final feliz! :)

    ResponderEliminar
  2. Estas sim são mães guerreiras.
    Por ter convivido bem de perto com esta realidade, faz-me uma certa comichão quando há mães que por algum motivo se separaram dos pais das crianças se tentam igualar a seres tão fortes e humanos, que vivem taco a taco com a insegurança de perder os filhos a qualquer momento e se autointitulam como mães guerreiras por dá cá a tua palha.

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente passamos por uma situação similar se bem que os gémeos tinham masi algumas semanas. Fico tão feliz de saber que correu tudo bem. Beijinhos para todos os pais de bebes prematuros

    ResponderEliminar