sexta-feira, 27 de novembro de 2015

a Mãe desbronca-se (#16) - Voltaríamos a fazê-lo?

Já sabem que podem fazer-nos perguntas aqui que vamos respondendo conforme coiso? 

Esta foi a da Catarina, já há uns tempos, mas é assim a vida ;)


Creio que talvez a resposta mais interessante seria a da Joana Paixão Brás, porém, como a Catarina também falou de mim, vou achar-me digna de responder. 

A Irene tinha dois pares de avós disponíveis para ficarem com ela, mas visto que, felizmente, tive a possibilidade de estar um ano sem vencimento achei que seria o melhor para todos. Foi um ano muito muito complicado para mim, confesso. Ficar um ano "em casa", focada 24h por dia na miúda... 

Imaginem a licença de maternidade prolongada por mais um ano porque foi isso mesmo. Foi tão bom quanto cansativo e gratificante. 

A família é muuuito importante, claro, mas a mãe e o pai,  nos primeiros meses, ainda mais. Por ter amamentado em exclusivo até aos 6 meses em livre demanda e por acreditar que um bebé não pode ter horas para mamar, a logística de a deixar com alguém era demasiado complexa e, sinceramente, também não me apetecia. Continuo a amamentar, mas já há uns bons meses que não interfere com a rotina diária dela. Se a mãe não estiver, não está. 

Agora já come de tudo, já não sofre por não haver maminha em casa e, por isso, foi tudo feito (e ainda está) no ritmo o mais natural possível por ser o ideal a nível de desenvolvimento emocional para ela, dizem. 

Voltaria a fazer o mesmo.

Porque sinto que foi difícil por muitas adaptações que tiveram que haver da minha parte a este novo papel de ser mãe e, assim, foi tudo de enfiada. Tudo, claro que não. Muito, pronto.

Consegui conhecê-la melhor e a mim também... 

Não quero entrar em pormenores porque sei o quanto tantas mães adorariam ter tido este privilégio e não quero deixar ninguém triste.

Não digo que tudo não corresse bem na mesma porque correria, mas adorei que tivesse sido assim e aproveitei TODOS os dias. 

A Irene vai ficar com o pai em casa e com os avós quando ele não puder até fazer 2 anos e meio (Setembro), depois vai para a creche. Parece-me bem. 

Um beijinho para todas as mães que podem e querem ficar em casa, para as que querem e não podem e para as que não querem e que vão para o "mundo real" mais cedo ;)

E obrigada, Patrícia, pela pergunta!

5 comentários:

  1. Desejei tanto, mas tanto ficar em casa com o meu filho, mas infelizmente tinha ele 4 meses e 1 dia e já estava no infantário!
    Mas no segundo (se vier...) vou tentar agilizar as coisas para poder ficar o mais tempo possível em casa com ele/a!
    Psicologicamente, senti-me pressionada a voltar ao trabalho, achei que fazia muita falta. Conclusão: Não fiz falta nenhuma e podia ter ficado mais uns 2 meses com o meu menino, mas arrependimentos não servem para nada, aliás, servem sim: Para aprender se repetirmos a dose!
    Aconselho a todas as Mães a ficarem o máximo de tempo possível com os seus filhos em casa, faz-nos bem a nós e a eles!

    ResponderEliminar
  2. Eu sou daquelas mães que ficou 4 meses e duas semanas com o filho em casa, depois voltou feliz e contente ao trabalho, deixando a criança com o pai mais um mês. E depois foi para a creche, sem qualquer drama para nós, que achámos que era o melhor para nós e para ele (e sim tinha uns avós por perto que não se importavam nada de ficar com ele). Não estamos nada arrependidos. Correu tudo sobre rodas.
    E logo eu que antes de ser mãe achava que cinco meses era demasiado cedo para ele ir para a creche, mudei completamente os meus princípios - também ajuda o facto de ele ser super independente e desenvolto (sim ele começou a arrastar-se pela casa fora com cinco meses).
    Se voltava a fazer o mesmo? Sinceramente depende do próximo filho, mas estou muito satisfeita com as escolhas que foram feitas até agora :)

    ResponderEliminar
  3. Fiquei com a minha filha até aos 5 meses e depois ela ficou com a avó até aos 18 meses, altura em que entrou na creche. Sinto-me muito bem com as escolhas que fizemos mas se pudesse escolher, ficaria com a minha filha em casa até aos 3 anos. Seria diferente vê-la crescer com mais tempo e sem tantas pressões. mas as coisas são como são e o que interessa mesmo é fazermos o melhor possível com o que temos. Muitos beijinhos para todas as mães que colocam os seus filhos em primeiro lugar, signifique isso ficar com eles até mais tarde ou ir trabalhar logo.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar