segunda-feira, 2 de novembro de 2015

É hoje.

É hoje que volto ao trabalho, mas mais ou menos. Afinal hoje vou só a uma reunião para me designarem as minhas tarefas. Ontem foi um dia complicado. Tanto me parecia um dia normal, como rebentava em ataques de choro. O pior foi quando acordei da sesta (aproveitei para fazer a sesta dela porque as noites têm sido do piorio). Acordei com um peso enorme em cima do peito (e não é das maminhas descaídas de amamentar há 19 meses). Acordei com aquela sensação de que algo tinha mudado imenso na minha vida e que não havia como voltar atrás. Sensação semelhante a quando acabamos um namoro e nos apercebemos disso no dia seguinte, não sei como explicar. 

O desafio agora é grande. A Irene e eu estamos habituadas a um ritmo, a partilharmos tudo uma com a outra a toda a hora. Não digo que, com esta mudança, não surjam coisas óptimas para nós porque vão surgir, mas vai custar o desmame. Talvez me custe mais a mim. As músicas que eu danço e canto com ela são as que vou ouvir no meu trabalho, ela vai ficar em casa com o pai e ele vai enviar fotografias...  Sei que são tudo "problemas", mas vai ser difícil. 

Acima de tudo preocupa-me como vai ela interpretar as minhas saídas. Ao longo da vida dela, quando saí, foram raras as vezes em que saí com ela acordada. Agora vou ter que me despedir. Sei que isto são "problemas", mais uma vez. Sei que tudo podia ser pior, mas não deixa de se fazer sentir como mau para mim, no momento. 

Resta a pergunta, como é que se aproveita todo o tempo quando o tempo deixa de ser todo? 

Entretanto vou focar-me em comprar um bloco novo para o trabalho, uma caneta, maquilhar-me e vestir qualquer coisa que me fique bem. Não sei porquê mas ajuda. Comprar cadernos e canetas sempre me ajudou, vá-se lá saber porquê. 

Bem sei que isto não é "um post", é mais um desabafo, mas não conseguiria escrever sobre outra coisa hoje. 

Estou pronta para o pior e depois para o menos mau e depois para um novo "normal". 



Obrigada pelo apoio <3

13 comentários:

  1. Já estava com os phones prontos para a ouvir. :)
    Bom recomeço! Muita força!

    ResponderEliminar
  2. Coragem! Vai correr tudo bem.
    Um beijinho e bom regresso!

    ResponderEliminar
  3. Eu passei por isso há pouco tempo e só de ler este texto até fico com nó na garganta! Estou solidária, mas acredite que a nossa mente tem uma capacidade enorme de se adaptar! E rapidamente são horas de ir para casa ter com a mais que tudo!!!

    ResponderEliminar
  4. Beijinhos e um abraço bom.... vai tudo ficar bem!!!!!

    ResponderEliminar
  5. Percebo bem essa dor... mas a gente tem que a aguentar... a minha menina rápido ganhou novas rotinas que também passou a adorar!!! Existem aqueles dias que tudo corre bem e até me sinto "descansada" ao sair de casa e existem aqueles dias que tenho que sair com ela a chamar por mim e a suplicar "pu favoooo" fica comigo... Já tive dias desses que fiquei do lado de fora da porta a chorar à espera que ela se calasse! A chorar porque sinto-me uma porcaria de mãe em deixá-la quando ela suplica para não o fazer... Mas temos que o fazer... Mas o dia passa depressa e logo matamos as saudades todas! É a vida que temos que viver! Muita força e vai correr tudo bem! Ela fica bem entregue! Bjss

    ResponderEliminar
  6. Vão inserir novas músicas à vossa "banda sonora" privada. E ao mesmo tempo que constroem esta vossa nova rotina vais dar música a outras mamãs e fazer parte das memórias de outras crianças. Passando o choque inicial acho que será algo positivo, não dizem que a felicidade quando partilhada cresce?? Então toca a trabalhar nisso. Esta mamã da-te toda a força do mundo e agradece também. Quando pensei no comentário era algo cheio de carinho mas acho que saiu uma confusão, privação de sono é uma treta. Beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Não deve ser nada, nada, fácil. Eu já ando a tentar mentalizar-me: terei que deixar o meu pequeno na creche no final do mês, ainda com quatro meses. Ainda não sei onde irei encontrar forças mas o "tem que ser " não se compadece e leva sempre a melhor.

    ResponderEliminar
  8. Não deve ser nada, nada, fácil. Eu já ando a tentar mentalizar-me: terei que deixar o meu pequeno na creche no final do mês, ainda com quatro meses. Ainda não sei onde irei encontrar forças mas o "tem que ser " não se compadece e leva sempre a melhor.

    ResponderEliminar
  9. Engraçado que eu também compro cadernos e canetas... é quase como um regresso ás aulas!!!!
    Custa ao inicio mas depois corre bem. Ok, custa sempre dizer "até logo!"... mas depois no trabalho estás concentrada e quando chegas a casa é maravilhoso aquele abraço apertadinho.

    ResponderEliminar
  10. A sensação do não poder voltar atrás e o que passou passou,acabou e não volta mais. É a melhor descrição do sentimento que é voltar, comigo foi assim também e o q me fez sofrer foi mesmo essa sensação do "acabou..." Mas rapidamente voltamos ao "normal" mas a uma rotina diferente do antigamente. Organize-se para que quando estiver com ela, esteja com ela e somente isso. Eles precisam e nós tb. Boa sorte

    ResponderEliminar
  11. Por cá vai se começar na próxima segunda... Custa só de imaginar quanto mais viver! Força!

    ResponderEliminar
  12. Estou a 14 dias de me acontecer o mesmo mas com inconveniente que o pai não pode ficar em casa com ela, e se for para a creche é o primeiro dia que lá fica e terá de ser o dia todo sem qualquer adaptação... :(

    ResponderEliminar