quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Algo que me ajudou muito quando a Irene foi para a escola.

A Irene foi para a escola - sortuda - pela primeira vez aos dois anos e meio. Já era "tão crescida" que conseguimos explicar o que ia acontecer e até esteve uma semana a gostar de ir. Depois percebeu que, mesmo quando não queria que iria e as coisas complicaram-se. 

Na altura fantasiei com uma espécie de Bipper (lembram-se?) com o qual ela me poderia enviar um boneco e eu responder com outro ou algo do género. Fica para alguma de vocês - mães empreendedoras a nadar em dinheiro - seguir com isso. Como acho que ainda não há, inventei um smile na mão dela a esferográfica e um smile na minha. Disse-lhe: sempre que precisares de miminho tens aqui o smile que te lembra da mamã e do papá que estão a penar em ti, sempre. Funcionou para mim também. Ao longo do dia lembrava-me que ela poderia ver a mão e sentir-se acarinhada. 

Pensei em tatuar o smile na minha mão e tudo, pelo significado que tem para mim e que teve para ela, mas fui aconselhada a não tatuar a mão pela tinta não aguentar "em ordem" muito tempo. 

Este ano, no primeiro fim-de-semana em que foi para o pai levou uma pulseira especial. Tanto ela como eu temos no pulso uma pulseira muito simples - foi ela a escolher no site - com uma borboleta (engraçado o significado, já que falamos de um afastamento natural do crescimento dela e meu). Disse-lhe o mesmo: vais estar muito feliz com o pai e com os avós, sempre que olhares para a pulseira, a mamã estará a pensar em ti e, se calhar, a olhar para a dela. 


Deve haver outros sistemas giros, vocês podem ou já devem ter criado o vosso, mas gosto muito destes dois. Eu tenho, porém, a tendência de tornar físicos os meus sentimentos com piercings e tatuagens e colares e...  Não sei como será convosco.

Sei que a Irene gosta. E que, pelo menos, o momento em que o fazemos é especial. Se depois funciona, não sei. Mas, por exemplo, com os smiles era já ela a pedir que os fizesse de manhã.


Só quero que ela saiba e sinta que a amo mais do que tudo no mundo. A minha missão é que ela tenha uma grande fasquia do que é ser amada para saber o que é bom para ela e o que é mau.

Fotografia: The Love Project 
Pulseira: Portugal Jewels
Smartwatch: Fóssil 


a Mãe é que sabe Instagram

6 comentários:

  1. Joana, acho que a Irene vai ter uma recordação maravilhosa quando crescer. Beijinho para as duas

    ResponderEliminar
  2. Sou professora no 1º ciclo e há dois anos atrás tive 1 aluno que fez uma adaptação muito difícil à escola. Como nos primeiros dias ele chorava muito, quer na despedida, quer ao longo do dia, a mãe passou a entregar-lhe de manhã um pequenino saco de pano, que ela "enchia" de beijinhos e que ele levava no bolso para quando sentisse saudades dela. Era vê-lo de vez em quando levar a mão ao bolso, "tirar um beijinho" e po-lo na cara. Suspirava... e ficava melhor. Achei lindo e a verdade é que funcionou e a partir daí a adaptação tornou-se muito mais fácil para ele e acredito que para ela também.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até me vieram as lágrimas aos olhos com este texto. Obrigada Joana por falares de temas tão interessantes para nós mães. Adoro o Vosso blog. Beijinhos

      Eliminar
  3. Porque é que eu não me lembrei de uma coisa assim?? Que boa ideia! Obrigada

    ResponderEliminar
  4. Bem acho mesmo que tenho de adoptar uma técnica destas, ou da pulseira ou do saquinho dos beijinhos, como disse a anónima das 08:29.
    Apesar de não ter mudado de escola, tem sido difícil, muito difícil :-(

    ResponderEliminar
  5. "A minha missão é que ela tenha uma grande fasquia do que é ser amada para saber o que é bom para ela e o que é mau." Tão tão importante! 😍😍😍😍

    ResponderEliminar