domingo, 3 de setembro de 2017

Primeiro fim-de-semana sem a minha filha.

Estou neste momento a escrever este post com uma vista soberba, a ouvir uma banda que me diz muito depois de ter visto dois vídeos que o Frederico me enviou com a Irene na casa onde estão a passar este fim-de-semana com os avós. A minha filha nua. Nua nos braços do pai, na piscina, a brincarem ao "golfinho do meco". 

Apesar de termos acordado que a Irene passaria "fim-de-semana sim", "fim-de-semana não" com cada um, temos feito as coisas devagar e podia dizer que era só para o "bem da Irene", mas acho que é para o bem de todos. 

A primeira vez em que ela dormiu na casa do pai foi a primeira vez que não dormi com ela. Este foi o primeiro fim-de-semana, as primeiras três noites sem ela. Aliás, ainda está a ser.


A post shared by Frederico Pombares (@pombares) on


Ela está fabulosa. Está feliz, irrequieta e numa nova fase: está tanto a querer ser um bebé como "mais velha". Tanto quer maminhas, como diz "não quero maminha, para ser diferente". Está a crescer, com tudo o que isso quer dizer.

Este tempo sem ela entusiasmou-me. Vai ter muito pai, um pai que dança, que mergulha, que vai cuidar dela que a vai estrafegar e partir os ossinhos. Vai ter a avó que a alimenta, que a estrafega, que lhe mostra a beleza das pequenas coisas, que a faz gostar de pedrinhas e ervinhas e que lhe diz coisas como "Necas, já viste a cor do céu?". Consigo ouvi-las daqui: os risinhos e os inícios de birra. O avô sempre um passo mais atrás para controlar a retaguarda, para ver a big picture, sempre com um olho em tudo e o outro no resto.

A Irene a ser e a ser a maestrina dos corações de todos. 

Não sinto saudades. Sinto uma contemplação distante. Sinto que daqui consigo ver a Irene que temos. A Irene que é muito feliz, sem "apesar".  Estou genuinamente feliz por esta ordem das coisas que não só permite que todos nós a amemos sem merdas como também me permite desenterrar ou redescobrir a Joana que é profunda e extensa. Os meus braços servem para me segurar a uma cama de rede ou para dançar na piscina se estiver a dar uma boa música (ou tão má que dê a volta). Os meus olhos servem para me comover com uma vista lindíssima. As minhas pernas servem para ficar dormentes de estar tanto tempo à conversa sentada à mesa de jantar. As minhas mãos podem trabalhar levando-me o vinho à boca nos momentos em que ouço.  Os meus pés podem percorrer riscas direitas no chão sem ter que olhar para os lados ou para a frente com preocupações. Posso dizer asneiras, posso cantar no carro aos berros, posso falar sobre o meu passado, posso falar sobre o que me possui e começo a sentir-me. Posso adormecer e não saber onde pus o telefone. Não tenho relógio de pulso, sequer. O pôr de sol não significa nada que eu tenha que fazer. Posso ver. Só. 

Enquanto isto está a minha filha no colo de quem lhe quer o melhor. Enquanto isso a minha filha está a fazer o "golfinho do meco" nos braços do pai que a absorve ao milímetro com os seus olhos e que tenta reproduzir a beleza dela por palavras mas que nunca conseguirá, apesar de ser dono de palavras e de as saber fazer dançar. 

O primeiro fim-de-semana sem a minha filha é o primeiro de muitos fins-de-semana comigo.

Eu sou a mãe da Irene, mas tenho um nome.



a Mãe é que sabe Instagram

8 comentários:

  1. Obrigada por este texto Joana .. estava mesmo a precisar.
    Um dia espero sentir-me assim .. um dia quando já não doer tanto.

    Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia, faço minhas as suas palavras...
      Às vezes penso, quando é que vai parar de doer... Se algum dia isso acontecerá

      Eliminar
  2. Eu preciso tanto de um fim de semana comigo .

    ResponderEliminar
  3. Acho a vossa relação "pós divórcio" mais que perfeita! E é assim que deve ser, principalmente quando há filhos! Eles estão em primeiro lugar. Parabéns! Aos dois! Parabéns pela maturidade e amizade. Parabéns por estarem a "construir" uma filha que irá dar valor ao universo que a rodeia. Que valorizará as boas relações e felizes!

    ResponderEliminar
  4. Faço minhas as tuas palavras... mas troco a dor pelo medo... e falta de confiança de quem a leva... não é fácil....

    ResponderEliminar
  5. Parabéns Joana! Muitos parabéns por deixarem a vossa filha ser feliz
    Sandra

    ResponderEliminar
  6. Parabéns Joana todas as crianças mereciam passar assim por um divorcio.

    ResponderEliminar
  7. Joana estamos todas curiosas..e a amamentação?? ??

    ResponderEliminar