quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Mal eu sabia...

É mais uma chapadinha. 

Vou tentar ser sucinta porque queria que todas lessem até ao fim. 

Fui de viagem com uma amiga e o filho dela. Uma viagem de uma hora ou quase. Fomos juntas no carro: a Irene, ela, o filho, eu e a cadela. 

Pouco depois de partirmos de Lisboa, o filho disse que tinha vontade de ir à casa de banho. A mãe disse para ele esperar um pouco que estávamos quase a chegar. 

Fiquei ligeiramente... intrigada, porque não era verdade, mas "não é meu filho" e segui em frente. Aliás, não segui, eu estava no banco de trás entre eles os dois que a cadela ficava mais relaxada à frente - tudo bem. 

Há um crescendo nos avisos do miúdo. Um crescendo acompanhado de um agarrar na zona da braguilha enquanto se contorcia. Ouvimos uns "estamos quase a chegar", "tens de ter paciência", "procura os aviões", "lembras-te quando fomos todos...", "olha a Irene que vai ali...", "está quase filho", "já sei que tens vontade de fazer xixi, mas aguenta um bocadinho", "filho, olha, lembras-te...?". 

Continuava ele com um choro intermitente, daquele sem lágrimas, mas muito aflito. Ia entesando as pernas e fazendo força com as mãos. 

- Mãaaaaaaaaae! 

- Filho, olha ali o sinal, está a dizer que está quase a chegar a bomba de gasolina!" - olhei para o sinal e dizia "bomba a 30 kms". 

Não aguentei: 

- Olha lá xxxx, eu não me importo nada que paremos. Encostamos aqui à beira da estrada, até posso ir eu com ele fazer xixi, nem sais do carro nem nada... a sério!

- Não, Joana, estamos quase a chegar. 

Não vos sei explicar. Houve vários pensamentos que me assaltaram por completo. Fiquei de todas as cores por dentro. Tive vontade de arrancar o miúdo dos cintos, puxar o travão de mão e tratar eu do assunto, até que pensei: "ela lá sabe, isto tem que ter uma explicação, caramba!". E, então, perguntei: 

- Isto acontece muitas vezes, é? 

- Acontece, Joana. Tu não tens noção a quantidade de vezes que já parámos a caminho de todo o lado. Parámos nas bombas de gasolina e ele depois até se esquece do que o levou a sair. Quer sair do carro, apenas, não gosta de estar preso. Sabe que o xixi é a melhor arma porque costuma resultar e, então, é isto. 

- E tu sabes que ele não tem xixi porque fez antes de sair de casa? 

- Pois. 

- Ok. 

Provavelmente se tivesse assistido a isto na rua, escreveria linhas a fio a julgar esta mãe porque, por não a conhecer, não nos teria dado a oportunidade de ir além do óbvio. Já julguei a mãe que gritava e já grito de vez em quando - escreverei sobre isto quando já tiver processado melhor, já julguei a mãe que quer usar trela com o filho, já julguei... e estava a julgar a mãe que se estava a borrifar para o filho ao ponto de nem sequer se importar se ele estava aflito para fazer xixi. 

Preciso de um keep calm pelo rabo acima. 





a Mãe é que sabe Instagram

14 comentários:

  1. Independentemente da quantidade de vezes que o miúdo já tenha feito esse filme é sempre necessário parar!Crianças que tenham feito xixi há 10 minutos por vezes têm necessidade de fazer mais,e mesmo que só façam umas pinguinhas é o suficiente para relaxarem .Essa ansiedade que o suposto xixi lhe causa não deve ser ignorada!Se é chato parar muitas vezes durante uma viagem,é...mas olha suck it up!Assim não só o cão vai mais relaxado como também a criança ,já viu a maravilha?!
    Filipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo o que quer dizer, Filipa, claro, mas como pessoa que ia no carro com eles, o que me fazia mais confusão era o que acabou por não ser real. E a mensagem que quero passar é que às vezes, se calhar até na maioria, não sabemos "o que se passa lá dentro", como no dizer que agora não me lembro que agora tenho muito sono. :)

      Eliminar
    2. Já viu a maravilha de respeitar o funcionamento de cada família?
      Já viu que para aquela mãe é importante a criança perceber que só se deve parar quando é mesmo necessário? O meu filho também pedia para parar inúmeras vezes porque achava graça. Quando possível começamos a fazer os mesmos percursos a pé e nunca pediu para fazer xixi. Deixamos de fazer muitas viagens por causa desde problema. Explicamos até que deixou de pedir. Hoje em dia quando pede é porque precisa.

      Eliminar
    3. A minha filha faz o mesmo. Depois de 20 vezes já conhecemos o truque e as razões. Também o faz com dores de barriga.
      Eles percebem que ao dizer certas coisas nós reagimos de determinada maneira e, como seres inteligentes que são, utilizam os truques que conhecem para manipular as acções dos pais.
      Quando a minha filha mais velha começou a fazer isso com dores de barriga, dores de cabeça e dores de garganta, eu ficava aflita e pensava que ela tinha mesmo algum problema. Depois fui-me apercebendo dos sinais e já sei o que é fita e o que é realidade.
      A tua amiga teve uma boa atitude porque não negou nem fez pouco caso do que o filho lhe disse. Em vez de lhe dizer :"Sei que isso não é real." disse-lhe para aguentar mais um bocadinho que estavam quase a chegar.

      Eliminar
  2. Também já julguei muito, muitas atitudes de outras mães, principalmente quando ainda não era mãe, mas mesmo depois da minha filha nascer já o fiz algumas vezes. Agor não julgo tanto. Aprendi que cada mãe, salvo raras e más excepções, faz o melhor que sabe e pode pela sua cria.

    ResponderEliminar
  3. Uma vez ia na auto Estrada e o meu filho com pouco mais de dois anos deixou cair a bola que tinha na mao e pediu para a apanhar. Expliquei que nao podia bla bla bla mas quando chegássemos apanhava a bola. Pouco depois pede para fazer xixi saí na primeira saída 4 piscas e la fui eu aflita.. mal abro a porta ele diz "mae apanha a bola" e nao fez nem uma gota de xixi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha filha, quando ainda comia na cadeira da papa fazia isso para sair da cadeira, quando nao queria comer mais. O argumento do xixi resltava sempre, porque na dúvida, tirávamo-la da cadeira.

      Eliminar
  4. Joana revi-me completamente na tua posição.
    Acho que também teria sugerido que parasse para ele fazer xixi, ainda por cima se estava assim tão choroso, aflito e a contorcer-se.
    Só não percebi uma coisa, afinal ele tinha xixi? Fez no carro? Ou efetivamente a mãe tinha razão e conhece "demasiado" bem a sua cria?

    ResponderEliminar
  5. Não é bem de um Keep calm que precisas, mas pronto...

    ResponderEliminar
  6. Olá Joana :) Como eu percebo como te sentes... Antes de ser Mãe cheguei a julgar tantas outras, ou era pelas birras que os filhos faziam em público ao ponto de se mandarem para o chão ( acontece comigo ), ou era por facilitarem a compra de algo para evitarem a catástrofe total caso não fizessem a vontade à criança ( quantas vezes...), ou por estarem a chorar e os pais não lhes darem ouvidos ( acontece comigo quando sei que é chantagem que está a fazer )... Enfim uma série de coisas que pensava antes e comecei a perceber depois!!! Mas acho mesmo que no teu caso teria sentido e reagido da mesma forma :) Beijinhossss

    ResponderEliminar
  7. A minha filha faz o mesmo. Agora já sei distinguir quando é a sério e quando só quer sair do carro. :)

    ResponderEliminar
  8. Joana adorei este post. Parabens. Para todas nós mães em relação a umas às outras: keep calm pelo rabo acima. É mesmo assim :)

    ResponderEliminar
  9. Esta mãe conhece bem o filho que tem e conhece as suas manhas, não há que julgar. Aliás, Cada mãe conhece os seus filhos e sabe a melhor forma de lidar com eles. Nenhuma de nós gosta que venha alguém de fora opinar.
    Só por curiosidade, uma amiga contava-me há dias, muito irritada, que o enteado está tão habituado a não ter de esperar para chegar a casa ou a um sítio próprio para fazer xixi, que no outro dia fez à porta de uma pastelaria conhecida de Lisboa. Tudo porque não habituaram a criança a aguentar. Ora sempre que o menino pede, onde quer que esteja, e mesmo que não esteja assim muito aflito, ou que o wc até não esteja muito longe, toca de pôr a pilinha de fora e fazer xixi.
    Se nós mulheres, desde pequenas que somos habituadas a aguentar, pois não é em todo o lado que baixamos as cuecas e fazemos, creio que se eles aprenderem a esperar um bocadinho, também não lhes faz mal nenhum.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que situação ridícula! Mas vê-se tanto por aí

      Eliminar