terça-feira, 26 de setembro de 2017

Gosto das duas por igual.


Não somos todas iguais, mas quase que punha uma mão no fogo para vos garantir que não há disso de "não haver amor como o primeiro". Eu amo tanto, mas tanto a Luísa - mais do que se possa medir - que acho a maior idiotice ter chegado a pensar que seria impossível haver espaço igual no meu coração para um amor como o que tinha pela minha primeira filha, a Isabel. Acho sim, que amamos de forma diferente, mesmo que o amor seja o mesmo. Já sabemos o quão depressa passa tudo, que encaramos a coisa de forma diferente. E ao mesmo tempo estamos mais seguras de nós. Isso muda algumas coisas. 

Agora, tive receio - até recentemente - de que a minha filha mais velha pudesse sentir que eu amava mais a mais nova. Tive e vou tendo. Tanto que sempre tive presente na minha cabeça a lei da compensação. Agora já relaxo mais em relação a isso, mas há pequenas coisas em que ainda faço comparações ou momentos em que quero chegar a ambas da mesma forma. Parece-me normal sentir isto (ou estarei a fazer overthinking?).

Gosto das duas por igual, mas de forma diferente, porque também elas são diferentes e também eu sou diferente com cada uma delas. Dou-me em formas diferentes, amo coisas nelas diferentes, mas amo-as infinitamente.













Vestidos - Cordel
Camisola e calças da mãe - Ivens

Cabelo e maquilhagem - Cut by Kate
 Fotografias - The Love Project


 
www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

4 comentários:

  1. Sempre li em todo o lado que coração de mãe não se divide, aumenta! Elas são completamente diferentes, e tão lindas, cada uma á sua maneira :) lindas fotos Joana, uma doçura ! Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Já comentei aqui várias vezes que nunca senti que poderia não gostar tanto do mais novo como do primeiro, mas somos todas diferentes e isso a mim nunca me passou pela cabeça. Mas também tenho essa da compensação e é um pouco disparate mas é uma forma de tentarmos dar mimo aos dois de maneira igual.

    ResponderEliminar
  3. Eu sempre que penso em ter o segundo filho penso isso. É um medo infundado, mas existe. Entretanto, nunca pensei em não ter o segundo, pois é impensável pensar que um dia a minha filha poderá ser sozinha no mundo, sem um irmão para dividir alegrias e tristezas...

    ResponderEliminar
  4. Cada uma de nós é uma mãe diferente porque somos todas seres humanos diferentes. Eu sei que há mães que têm preferências secretas por um ou outro filho. Não é o meu caso. Com os 2 passou-se tudo de forma muito semelhante. Ambos foram muito desejados e muito amados. Tenho uma menina e um menino. São a carinha um do outro, quais gémeos com 3 anos de diferença. A mana adira o mano e nunca me fez nenhuma cena de ciúmes. Teve as suas birrinhas durante a gravidez mas mesmo sem gravidez penso que as faria de qq forma. Creio que o truque é não pensar muito nisso. O coração chega sempre pra todos. Fosse eu mais nova e tivesse mais condições teria o terceiro sem hesitar. Não sou perfeita e não era O SONHO DA MINHA VIDA mas sem dúvida eles são o que eu e o pai temos de mais precioso e creio que serão sempre muito amigos vida fora. Beijinhos!

    ResponderEliminar