segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Glossário de roupas betas

Não é novidade nenhuma que as roupas betas para criança estão na moda.
Eu confesso: adoro ver a Isabel de folhinhos, rendinhas, meias até ao joelho, laçarotes, mas atenção, convém serem usados de forma comedida, o que às vezes é difícil. Apetece enchê-las de folharecos e frufrus e elas às vezes ficam a parecer um embrulho de Natal, com laços maiores que as cabeças, pobrezinhas.

Mas, regra geral, gosto, dá um bom ar, acho que os miúdos ficam com um ar querido. Gosto pouco de ver os miúdos de fatos de treino do Mickey e de ver as miúdas de 3 anos com casacos leopardo, blusas com brilhantes e saltos altos. Acho que há tempo para tudo e enquanto eles não nos pedirem essas bonecadas e enquanto elas não quiserem parecer stripers é usar e abusar de roupinhas clássicas, românticas e fofinhas.

Mas vamos lá ver se nos entendemos. Dá para pararem de inventar nomes para as roupas betas? (pronto, vão-me responder que já existem há séculos e que ninguém está a inventar nada. Mas não dá para simplicar?)

"Ora a baby M. (ainda não percebi por que razão, mas as mães betas referem-se aos bebés betos só com uma letra. Pensando bem, deve ser para abreviar o nome completo Maria do Carmo de Santa Isabel Arriaga Almeida e Pires de Sousa) tem vestido um chambre de cambraia com gola de renda rosa e uns bloomers em bombazine com pintas cinzentas e folho na parte de trás." 
Oi???

"O baby A. tem um fofo em piquet com uma golinha debruada a azul."  
Tem o quê?!
Para as grávidas, para os pais e para as pseudo-betas - que é o meu caso - cá está o glossário das roupas pipis. Escusam de me agradecer.

Carneiras
Não se exaltem, não vos estou a chamar nomes. São mesmo uns sapatinhos betos com uma palas de franjinhas. (A Isabel tem umas, óbvio.)
Pé de Pato
Chambre 
No fundo, no fundo é uma camisa, normalmente de golinha (corrijam-me mães betas mais experientes, please!)
Ma Petite Pricesse
Cueiro
Peça que se usa nos primeiros tempos do bebé. Vestido comprido, até aos pés, muito fácil de vestir, porque, normalmente, tem abertura atrás.
Bloomers
Se pensarmos bem, podiam chamar-se simplesmente calções, mas para quê facilitar? Ou ceroulas, mas isso não seria um nome nada chique.
Ma Petite Princesse
Fofo 
A primeira vez que ouvimos o pai da criança a usar este termo correctamente é toda uma emoção.
Ora um fofo é um macacão a acabar no rabo, ou melhor, um vestido que fecha nas pernas, fazendo normalmente um efeito balão.
Tilly
Golas 
"Que fácil, isso toda a gente sabe, são as golas altas, para o inverno". Não, não são, caros ignorantes de roupa infantil beta. São aquelas golas de meio metro com debruados e rendas ou folhos, tudo à volta dos pescocinhos das crianças. Quando maiores, melhor. 
Maria Gorda












Qualquer semelhança com esta é pura coincidência:

 

Piquet (ou piqué)
Não confundir com piquete - c'horror! - nem com o giraço do (Gerard) Piqué. 
É um tecido que mistura algodão e poliéster com umas "microcovinhas" em forma de losango. Cá está um cueiro (ó p'ra vocês a usarem já a nomenclatura beta) em piquet:
Coobie
Tapa-fraldas
Simplifiquemos, são umas cuecas. Mas umas cuecas especiais, com folhinho, com laçarote, com frufrus. Pode usar-se por cima de um body e ficam a ver-se os refegos todos das perninhas que é uma maravilha. Se a um tapa-fraldas juntarem umas meias até ao joelho com laçarotes ou pompons, os vossos filhos ficam uns betos de primeira. E talvez rapem algum frio, mas isso é acessório.
Wedoble
[a Isabel tem um igualzinho e fica um amor]

Touca
Não, não é a touca para a piscina. É um gorro betinho, que eu adoro:
Patachoka
Mas se formos a ver bem, o que é que nos faz lembrar? As toucas dos amish!


Faltou-me alguma peça must-have (decorem esta expressão porque têm de a usar SEMPRE)?
Falta algo para completar estes kits (apontem esta, que também é imprescindível) neste glossário de roupas betas?


123 comentários:

  1. Eu também sou uma pseudo-beta. :)
    Post completamente imprescindível. ;) ;)

    ResponderEliminar
  2. Meninas, e os feijões? Haveis esquecido os feijões?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui! Um pai a tramar-me?!?! O que é isso? ;)

      Eliminar
    2. Penso que seja um modelo de sapato ;-)

      Eliminar
    3. Sim, acho que também se chamam Merceditas!! (são sapatos de miuda com a presilha por cima do peito do pé!)

      Eliminar
    4. De todo Joana, beijinhos
      https://www.google.pt/search?q=merceditas&espv=2&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=StOEVM_mD83saquOgegH&ved=0CAYQ_AUoAQ&biw=1920&bih=1019

      Eliminar
  3. eheheh muito bom, fiquei esclarecida desconhecia alguns nomes ;)

    ResponderEliminar
  4. ahahahah!Joana, confesso que para mim, toda a vida, só fez sentido os bebés se vestirem assim. não gosto cá de mini homenzinhos... By The Way, feijões são os sapatinhos de presilha!
    Frederica Pires

    ResponderEliminar
  5. E fica aqui o primeiro comentário anti bebés betos! Sou totalmente a favor dos fatos de treino do Mickey e outros que tais. Mas não poderia ser diferente visto eu ser uma mãe que até aos 12 anos (14 anos vá....) queria era andar de fato de treino. Para não falar que todas essas roupinhas betas com nomes très chic, custam, na maioria das vezes, os olhos da cara! Mais alguém in the house a favor da simplicidade e comodidade (sim....comodidade, que aquelas mães que dizem que as roupinhas betas são SUUUUUPER cómodas, tá a ver.....não me convencem) ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comodidade sempre! Seja do Mickey ou do que calhar a criança deve andar confortável. Aos 5 aninhos talvez mas até lá roupa beta só em dias de festa! Isto claro se não for suposto a criança brincar!! Ana A.

      Eliminar
  6. Pois eu sou a favor do meio termo. Roupa confortável para o dia a dia e roupa beta para as ocasiões especiais ;).
    E faltam as merceditas...

    ResponderEliminar
  7. Feijões e merceditas. Faltaram essas duas!!!

    ResponderEliminar
  8. Joana, bloomers podem ser calções, claro, mas nunca ceroulas! As ceroulas são uma espécie de collants sem pés que os homens usam!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh bolas, verdade! O google (esse péssimo conselheiro de moda) atraiçoou-me! lol
      Mas as mulheres chegaram a usar uma peça inspirada nas ceroulas, nos antigamentes, que pelos vistos se chamava pantallon. Para a próxima, contrato-te como fashion adviser! ;)

      Eliminar
    2. Correção: contrato-a e não "contrato-te"

      Eliminar
    3. Tome e embrulhe, isto não e tu ca ,tu la... <3

      Eliminar
  9. Eu sou mãe de uma coquete (beta custa-me tanto!!) e adoro tudo o que é folhos, golas e afins. :)
    Não concordo nada com as pessoas que dizem que os miúdos não andam confortáveis... o post da Joana explica tudo: haverá algo mais confortável para um bebé/criança pequena do que andar com uma espécie de cuecas (o tapa-fraldas) o dia todo?
    Se pensarem bem os bebés coquetes vestem o mesmo que os não coquetes, só com um pouco de glamour, digamos assim: um fofo não deixa de ser uma espécie de jardineiras; uma body de gola é um body como outro qualquer, de algodão fofinho e confortável, ao qual foi apenas acrescentada uma golinha giríssima, uns bloomers são uns calções aos quais se acrescentam uns folhos no tutu (às vezes nem isso); uma touca não é mais do que um gorro com um laço ou uma presilha, o que na minha opinião até é melhor porque evita que eles estejam sempre a arranca-los da cabeça, deixando-os mais protegidos e quentinhos; um cueiro não deixa de ser um vestido comprido (eu confesso que a minha filha não os usou, mas não vejo nada de errado neles), onde o bebé pode mexer-se à vontade; e sapatos são sapatos e têm todos os mesmo grau de conforto ou desconforto, quer se chamem carneiras, merceditas e feijões, ou ténis, sandálias e demais nomes que se possam dar aos sapatos. :)
    E sim, Joana... é muito bom quando os papás começam a perceber de que falamos e até ajudam na escolha do novo kit das pipocas!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa mas não concordo nada com a questão do confortável em algumas peças ou então calhou-me na rifa uma miúda esquisitinha (dou esse beneficio da dúvida)!

      O tapa-fraldas é confortável quando não tem laçarotes de meio metro, vesti-lhe o primeiro, jurei para nunca mais. Logo em acto continuo o que fez foi levar a fita à boca, 5 segundos depois aquela fita era só baba e bolsado..... Está uma mãe a embonecar a filha para isto!

      O body de gola a mesma coisa, se a gola for daquelas ao melhor estilo babete, 5 segundos depois, imaginem...... está na boca!

      Os bloomers são calções muito giros se não tiverem 568546984 folhos atrás que dificultam para caraças vestir e sentar! Olhem que já vi uns assim, ao melhor estilo armado mais armado não há, só lhe faltava o arame estilo crinolina.

      Resalvo apenas a questão dos fofos, acho das coisas mais práticas de sempre, é o melhor substituto aos vestidos. Dão aqueles ar aprumado dos vestidos sem prender os movimentos, principalmente se já gatinham, não ficam tão amachucados como as saias (principalmente porque existe muito boa gente que não sabe pegar as criancinhas ao colo quando estão de vestido, são raras as alminhas que arranjam aquilo atrás sem ficar tudo amarfanhado).

      Para mim, mais do que a questão do ser confortável é a pequena fortuna que pedem por peças tão básicas! Para mim, uma peça destas para ocasiões especiais é bom, um enxoval inteiro não se torna viável ao comum mortal (a não ser que se seja rico, então aí kits completos a 75/100 [sapatos incluídos] são perfeitamente banais.



      Eliminar
    2. Vamos concordar em discordar! ;)
      Felizmente nunca encontrei um tapa fraldas cujo laço chegasse à boca da miúda (imagino que isso fosse algo exageradíssimo, o que não é nada o estilo que me agrada) e as golinhas têm sido poupadas ao mesmo destino. Os bloomers, tapa fraldas e fofos com folho no rabiosque nunca foram impeditivos aos movimentos da minha pipoca, mas mais uma vez digo que as coisas querem-se sem exageros, o quanto baste é o que se quer.
      Em relação às pequenas fortunas que se podem gastar... já há marcas mais económicas a comercializar este tipo de roupa (na zippy, por exemplo, já se podem encontrar fofos, golinhas e tapa fraldas, entre outras lojas), pelo que não tem de ser necessariamente assim. E o bom das carneiras, por exemplo, é que só precisa de ter um par de sapatos para ter uma panóplia de escolhas, basta mudar as franjas ou trocar os atacadores por fitas de cetim com cores diversas, e pode conjuga-las com qualquer kit. :)

      Eliminar
    3. Eu bem disse que dava o beneficio da dúvida, vai na volta é mesmo esquesitinha a catraia.

      O tapa-fraldas era do género do da imagem mas com fitas de cetim compridas, não era exagerado mas ela consegue desfazer os laços (apesar dos 300 nós) e as fitas soltas garanto que chegam à boca.

      Eu até gosto de algumas peças deste género, sou mega fã de fofos e bloomers sem folhos (vá lá, com um folhinho simples para dar o ar de sua graça), não consigo viver sem toucas (acho que ela tem mais toucas que vestidos e fofos) e adoro cueiros em recem-nascidos (a minha não usou porque nasceu no pico do inverno e sendo prematura, estava mais preocupada em mante-la quente do que gira).

      Não quero ser mal interpretada porque o comentário prendeu-se mesmo com alguns exemplos dos mais exagerados e não se dirigiu a ninguém em particular (foi como resposta porque tenho algumas amigas com este tipo de discurso do confortável e são exactamente essas que caem no exagero). Claro que nisto, como de resto em tudo, é preciso equilíbrio e os exemplos que dei foram exagerados propositadamente.

      Quanto aos preços vamos mesmo concordar em discordar.... Apesar de já existirem sim algumas marcas mainstream com este tipo de peças, sei que quem opta por este estilo procura também alguma exclusividade, pelo que terá algumas peças da zippy mas irá sempre gastar numa qualquer "maria qualquer coisa".

      Posto isto, não acho piada a fatos de treino do mickey, nem doutro boneco qualquer, detesto bonecada e acho que existem n opções ao fato de treino, bem mais giras e tão confortáveis. Sou apologista de um estilo casual clássico com direito a um qualquer devaneio coquete ocasional. ;-)

      Eliminar
    4. Eheh, afinal não discordamos assim tanto! ;)
      O importante é que vistamos as crianças da forma que cada uma gosta/pode/quer, seja coquete/beta ou outro estilo qualquer, e respeitemos o estilo e gosto de cada um.
      E que os miúdos andem quentes e confortáveis, claro está!

      Eliminar
  10. Ahahah gostei especialmente deste! Sim, que apesar desta matéria não ser no imediato para mim, eu ando atenta ;) e este texto está muito giro!

    ResponderEliminar
  11. Sou completamente contra as crianças andarem com golas e vestidos do século passado por exemplo para ir para a escola...
    Haverá algo mais bonito que ver uma criança... sim uma criança com roupa apropriada para a idade? Uma coisa é para cerimónias, outra é para a escola... Se não usarem o Mickey a Minnie e afins em pequenos vão usar quando?
    Ah... e pelos vistos os "betos" não devem fazer exercício físico, ou será que fazem de Carneiras e Golas?
    A maioria dos pseudo betos não têm onde cair mortos e esta moda é apenas para "mostrar" aos outros... Ahhh tão lindos quinhentos filhos vestidos de igual...
    Podia escrever tanta coisa, mas é melhor ficar por aqui Táver?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo :) Conforto acima de tudo, também não sou adepta de golas, laçarotes e afins, mas confesso que acho alguma piada, não para usar sempre, mas em ocasiões especiais. Em relação a bonecadas também não acho piada, mas aqui em casa os de palmo e meio adoram e para mim sinceramente é o que interessa. O resto é conversa :)

      Eliminar
    2. Este é um tema que mexe com as minhas entranhas... No final de contas todos devemos comprar e vestir aos nossos filhos aquilo com que nos identificamos (enquanto eles não definem o seu próprio estilo!!! - porque na minha opinião, a partir de uma certa idade, eles devem poder escolher e expressar a sua identidade, mesmo que esta não seja a mais acertada para os pais) á parte disto o que me custa é sermos uma sociedade de "maria vai com as outras" andamos todos em rebanho com medo de sermos nós próprios ou pior ainda e nem sequer nos permitimos conhecer a nossa essência e então aderimos a todas as modas que surgem para não corrermos o risco de sobressair ou de sermos criticados. Para além disto, gostava de saber se ninguém recicla as roupas dos miúdos??!!! Entre amigos e família há sempre uma montanha de roupa que podia ser reaproveitada! Mas isso não deve ser nada de bem??!!... Hahahaha não existem apenas os betos e os ranhosos do fato de treino!! Há mais vida para além disto, ok??

      Eliminar
  12. O meu filho não tem um único fato de treino do Mickey ou algo semelhante. Não tem sapatilhas e não deixa de andar confortável. Vestir beto não é uma questão de dinheiro mas de bom gosto . E mais fácil comprar um fato de treino bimbo na Primark ou zippy do que andar em busca de peças elaboradas e baratinhas. Para as mamas preguiçosas compra se um fato de treino , poupa se dinheiro e tempo. Mais fica para gastar com elas próprias . Enfim. ..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sério? "Para as mamas preguiçosas compra se um fato de treino , poupa se dinheiro e tempo. Mais fica para gastar com elas próprias " Uau...
      Já pensou que pode ser uma questão de gosto? Para si "Vestir beto não é uma questão de dinheiro mas de bom gosto " e eu discordo, já não gostava de vestir à beta quando era adolescente e estava na moda, e gosto ainda menos agora que crescemos e a moda voltou, nos nossos filhos. Ora uma maria-rapaz veste os filhos como ela: fatos de treino para a creche, que as criaturas estão a aprender a ir à sanita sozinhas e querem é descer e subir as calças à vontade. Calças de ganga com cintura elástica também é bom, e combina com tudo, tá a ver? Sapatilhas são práticas, confortáveis e não saltam facilmente dos pés. A minha garota começa agora a ter cabelo, mas não há gancho que páre naquela cabeça. A Minnie e o Mickey? Adora, até porque os vê na TV, mas tem pouca roupa deles, e foi toda oferecida. E a maior parte da que usa já herdou do irmão (sim, a minha filha é muitas vezes confundida com um rapaz, e está-se borrifando).
      E quando eram bebés? Babygrows. Em casa e na rua, até cerca dos 6 meses era babygrows e fatos de treino (muito fofos, por sinal), quentinhos e aconchegados, fáceis de lavar, secar e passar (nem imagino o trabalho que devem dar aqueles folhos).
      Preguiçosa? Muito. O dinheiro poupo-o para comprar coisas que fazem falta, como comida, sabe? Ou em fatos de treino do Mickey para mim....

      Eliminar
    2. O seu filho não deve fazer qualquer tipo de atividade física, certo???!! Ou como o faz sem fato de treino e sapatilhas??!!

      Eliminar
    3. sem exageros, somos todos diferentes e ainda bem...

      Eliminar
    4. Pois eu acho golas de renda e laços de prenda na cabeça de um extremo mau gosto. Para mim isso é que é bimbo. E que diz que os cueiros são práticos tem com certeza quem lhe passe a ferro. Também devem achar prático comer com talheres de prata...

      Eliminar
    5. O meu filho só calça sapatos e sapatilhas confortáveis. Não tem um único par em formato mais clássico. Terá muito tempo para usar gravata e sola seca. E não, não são baratos. Mas o conforto para mim está em primeiro lugar. Quanto ao bom gosto... é sempre relativo. Eu, por exemplo, acho que tenho uma criança de carne e osso e não um manequim para embonecar... perspetivas.

      Eliminar
  13. Concordo plenamente com o Anónimo. A minha filha também não anda cheia de bonecadas. Odeio. Anda sim de gola, carneiras e afins. Está-se a confundir crianças com classe com crianças pirosas pois não acho q seja "beto" (não sei se será o termo mais adequado mas foi o que aqui se utiilizou) andar com tapa fraldas com laços até à boca e fofos carregados de folhos. Há lojas e lojas.
    Quanto a preços temos de tudo mas se há golas desde os 12/14 € não me parece que a zippy pratique precos abaixo por uma camisa. É sim uma questão de gosto e aliás pode-se actualmente vestir uma criança.com muita pinta em zippys, zaras H&M's...basta saber escolher.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Classe" não me parece uma característica própria de uma criança. Às crianças, deixem-nas ser crianças. A nós mães, que as vistamos como queremos e gostamos. Chamar "pirosa" a uma criança que anda de fato-de-treino também não me parece nada apropriado. Bom...

      Eliminar
  14. Acho que faltam os calções à espanhola ou de peitilho que não se vê outra coisa, para além dos já referidos feijões e merceditas!

    ResponderEliminar
  15. "Vestir beto não é uma questão de dinheiro mas de bom gosto"
    AHAHAHAH Esta matou-me!Talvez nunca tenham explicado a esta mãe que o gosto é subjectivo, o que para ela é sinal de bom gosto para o vizinho do lado pode não ser.

    "...comprar um fato de treino bimbo na Primark ou Zippy"
    Olhe, nem sei o que dizer. Digo assim, para o vizinho do lado bimbos são aqueles que saem de casa para ir para a escola vestidos como se fossem para o casamento da tia Adelina porque os pais quiseram ter uma versão xpto de um Nenuco ao invés de uma criança!

    "Para as mamas preguiçosas compra se um fato de treino , poupa se dinheiro e tempo. Mais fica para gastar com elas próprias."
    Esta pérola é de tamanha alarvidade que nem consigo ir mais além! Olhe, há quem tenha fatos de treino herdados de outras crianças da família e amigos, há quem trabalhe de sol a sol não tem tempo para andar no shopping à procura daquela peça beta, há quem viva fora das cidades e que valorize o contacto com a terra, com os animais pelo que vestir beto é descabido e até, imagine-se, quem goste de fato de treino e o prefira. Mais importante, existem mães que gostariam de ter mais para o poder gastar com os filhos quanto mais com elas (esta parte então é inqualificável. Enfim....)

    Colocar a questão desta maneira é de uma arrogância e má educação sublime! Mas infelizmente vivemos numa cultura na qual mais do que ser, é importante parecer. E assim vai a nossa sociedade, mesquinha, preconceituosa e sem valores, sem educação mas isso não interessa nada, porque ao menos os nossos filhos andam todos betinhos.
    A si, anónima beta, só lhe digo assim, prefiro mil vezes um cigano de fato de treino da feira, educado e com valores do que um betinho vestido de ouro que conteúdo tem Zero (como a mãe).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aplaudo de pé este comentário e peço BIS!!!

      Eliminar
    2. COMPLETAMENTE DE ACORDO...
      VIVA AS CRIANÇAS QUE NÃO ANDAM COM GOLAS E ROUPAS DO CASAMENTO DA "TIA ADELINA".

      Eliminar
    3. Vivam as que nao andam? E as que andam? Nao merecem vivas? Isso sim e preconceituoso.
      Gente pequena! Meu deus!!!!!

      Eliminar
    4. Tia Adelina ??? Gente normal não tem tias Adelinas. Quando muito uma sopeira Adelina, vá.

      Eliminar
    5. Ui tanta mãezinha da margem sul. ..tanta Bruna tanto Ruben Alexandre

      Eliminar
    6. Amei o comentário da Bruna e do Ruben Alexandre ahahahahah!

      Eliminar
    7. Sim... porque é apenas é giro... ser Zé Maria, Maria Carlota, Maria Inês, Maria Clara, António Maria, Francisco Maria...
      E já agora... desconhece a realidade da margem sul cara mãezinha.

      Eliminar
    8. Eu sou uma mãe da Lapa (agora é Estrela, vá...), o que eu conheço da margem sul é a Casa da Cerca (perdoem-me as pessoas da margem sul) e jamais vestiria essas golas horrendas aos meus filhos, muito menos aos rapazes. Só de imaginar aquilo cheio de baba! Acho mal estarem para aqui a classificar as pessoas consoante o sítio onde moram. Eu lá por ter nascido onde nasci não tenho que vestir os meus filhos como a vizinha veste os dela, o mesmo é válido para as pessoas de outras zonas. E por acaso a única Maria do Carmo cá de casa é a empregada ("sopeira", a sério?!).

      Eliminar
    9. Mãe da Lapa, adorei! Eu sou uma mãe queque da Av. de Roma. No meu círculo social está toda uma grande cidade, Margem Sul incluída (a sério que não entendo o preconceito, ultrapassa-me). Ninguém se importa com o que a prole veste! who cares! na minha cabeça estão os museus que eles ainda não visitaram ou que querem visitar outra vez, os passeios pela serra da Arrábida (alerta margem sul!), as pizzas caseiras que vamos fazer todos em conjunto e as roupas que temos que dar a quem precisa porque eles crescem! e se as crianças querem sair de casa de galochas, leggings às pintas, uma camisola do batman e uns óculos de massa verde alface, so be it. temos todos coisas mais importantes em que pensar.

      Eliminar
    10. Que belo comentário!!! Muito bom!! De uma vizinha de Bairro!! Alvalade!!

      Eliminar
  16. Faltou além do piquet, os outros tipos de tecidos de xadrez como tartã, principe de Gales, pied de coq, pied de poule. Chambre e cueiro são termos que oiço desde sempre, aliás tenho cueiros que foram do meu pai e sempre se chamaram assim. Não acho que se deva catalogar as criancas pelo que vestem. Para a escola concordo o confortável, mas em bebé que mal em aproveitar o facto de lhes podermos vestir o que nos apetece e termos pequenas princesas e príncipes. Cada um tem o seu gosto e ninguem tem que achar melhor ou pior. Para mim é bem pior deixarem as meninas com 12,14,16 etc andarem com calções totalmente decotados para se deslocarem à escola, a uma consulta medica, etc. Só porque é moda?! E deixarem meninas de pequeninas andarem de saltos, uma questão de saude, os saltos nao fazem bem muito menos em criancas pequenas. As carneiras são uns sapatos excelentes e recomendados para o desenvolvimento do andar na criança. Infelizmente a minha filhota odeia.
    Não devia haver betos ou bimbos ou sei lá, estamos a falar de criancas bebés, quem quer quer, quem pode pode, quem nao pode nao pode. Cada um usa o que pode ou quer nao interessa.

    ResponderEliminar
  17. Adorei!
    Pois claro q faltam os carapins, feijoes, merceditas e lonas.
    As meias com ponpons e laços, o veludo cotele e os lacos de fita de seda ou gorgorao. Outro must have é o bordado ingles que nao pode faltar em peca nenhuma!
    Para as maes que dizem q é tudi um balurdio, experimentem fazer na costureira do bairro ou elas proprias ou comprarem nos saldos ou em segunda mao. Nao e nada caro! Entao comparado com os fatos de treino da disney!!
    A minha usa isto tudo e eu nao tenho ordenado de tia espirito santo horta e costa meirelles de menezes ;)

    ResponderEliminar
  18. Os bloomers (palavra que desconhecia) podem ser traduzidos por culotes :)

    ResponderEliminar
  19. Gostei do artigo! Ainda bem q somos todos diferentes senão n haveria fatos de treino do mickey nem golas suficientes para todos! Ahhah! Acho uma estupidez estes fundamentalismos! Cabemos todos cá e todos fazemos falta! E a roupa nunca influenciou a educação... Seja ela cara ou barata. Sou fã destas roupas n compro mais pq n posso.

    ResponderEliminar
  20. Tive que roubar e partilhar no meu blog. Está o máximo.Também sou uma pseudo-beta e também adoro vestir os meus gémeos com estas "mariquices" todas. Fico a aguardar pela versão atualizada com os carapins, feijões, peitilhos e outros que tais. Se quiserem vejam aqui: https://maedetwins.blogspot.com.

    ResponderEliminar
  21. faltam as sandálias inglesas e a cambraia diria a minha avó :) acho que cada um veste os seus filhos como pode, quer e gosta. E ainda faltava aqui discutir a questão de vestir, ou não, a cor preta aos bebes/crianças. Eu adoro e é tão raro encontrar peças pretas :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu não gosto nada, mas não gosto do preto em si, mas procure no FB a "bogoleta" que tem coisas para as crias em pretos girissimas e com uma qualidade preço fantásticos ;)

      Eliminar
  22. Ah e já agora dizer "A minha" Maria/Sofia/ISabel é do mais brega possível. As crianças de blusão à aviador e de casaco de leopardo (ui ui q é tão quentinho) são as Katias Vanessas de amanhã. Cristas,..oh as cristas "nos meninos" matam-me. Mini Ronaldinhos..socorrrooooooooo

    ResponderEliminar
  23. Sou suspeita para falar pois tenho uma marca de roupa infantil handmade, mas penso que cada criança acaba por definir o seu estilo independentemente do que lhe vistam em bebé.
    Não gosto muito daquelas golas farfalhudas, é verdade, mas adorei implementá-las e adaptá-las às capas da minha Colourbymim (a minha marca...). Não sou fã de rendas, mas um bom bordado inglês numas mangas evasé fica lindíssimo. Por outro lado, adoro misturar cores, padrões, tecidos... e o lado prático de tudo o que faço (temos uma coleção de peças todas reversíveis, por exemplo). Fundamentalmente, o que quero dizer é que tudo tem um lado positivo e que se soubermos retirar o que há de melhor das coisas, conseguimos aliar a beleza ao prático.
    Apesar de ter página no facebook, se quiser dar uma espreitadela àquilo que quiz dizer, estaremos num evento de Crafts e Design no Jardim da Estrela, em Lisboa todos os fins de semana de Dezembro.
    Há espaço para tudo e todos e mesmo os fatos de treino... não precisam de ser do Mickey e da Minnie... Podem ter estilo e ser um pouco mais... "cuidados" sem deixarem de ser práticos! ;)
    Fiquem bem. <3

    ResponderEliminar
  24. Gosto de tudo com conta peso e medida, mas adoro ver a minha filha de vestidos e o meu filho de fofos. A minha filha tanto usa camisolas da Doutora Brinquedos como vestidos betinhos mas detesta calças o que acaba por ser uma sorte porque tem umas pernas parece uma aranha. O meu filho quando nasceu recebeu uma quantidade considerável de calças de sarja, polos e camisas... há quem goste, eu detesto! A criança acabada de nascer parecia que ia trabalhar para um banco ou andar de barco. Sou muito mais pseudo-beta a vestir o meu filho que a minha filha, até porque acho que para menina existem coisas lindas a bom preço, já a roupa de menino é mais cara e feia. Quem não pode comprar muito pode fazer como eu e começar a fazer umas coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com a minha filha faço exactamente o mesmo, tanto visto uma coisa como outra, depende da ocasiao. Mas confesso que o que deixa a minha filha (3 anos) feliz é vestir um fato de treino e uns tenis!

      Eliminar
  25. Não consigo perceber qual é o problema das crianças vestirem artigos do Mickey ou de outros desenhos animados. São crianças. .. para além do mais se lhes derem a escolher entre uma blusa com golinha e outra do Mickey. ..tenho a certeza q irao escolher o Mickey. .. só se é crianca uma vez na vida. Ha tb roupa do Mickey e da Minnie para as mães, o q por sinal é um must have da estação. Entao para q censurar a opção da crianca qd as mães de hoje tb vestem disney pq é IN. Os meus filhos tb se vestem de betos, mas se tiver de ir ao supermercado ou leva-los a creche, obviamente q nao vão de folhinhos e vestidinhos... e sim com roupa pratica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui está um comentário sensato...

      Eliminar
    2. As crianças não têm nada que escolher o que vestir. Que seria. Acho uma graça aos paizinhos que perguntam às crianças o que querem vestir. Temos que ser sensatos na hora de vestir as crianças. É obvio que não mando a minha filha para a ginástica de laço. Há que ser razoável. Mãezinhas vestidas de Mickey--é o apocalipse. São (des)gostos !

      Eliminar
    3. Pois se algumas crianças escolhessem de vez em quando aquilo que queriam vestir, de certeza que andariam bem mais felizes. Sou professora e tenho alunas que escolhem o que querem vestir com 6 anos e olhe que nunca vão mal vestidas. Muitas vezes vão de sais de folhos e tule e parecem verdadeiras princesas. Pode não ser aquilo que é mais prático, mas é o que as faz felizes! Não é isso que é mais importante?
      Com a minha filha farei o mesmo e se eu vestir de Mickey e ela também e parecermos umas parolas, isso não interessa nada. os desgostos para uns são felicidade para outros. :)

      Eliminar
  26. Meu Deus... porque é que vestir à "beto", seja lá o que isso for tem de ser desconfortável?! Tem de ser impeditivo de correr, saltar, brincar, andar no meio da terra, fugir das ondas do mar seja verão ou inverno?! Não fazer ginástica?! Os meus fazem tudo isso e não andam de fato-de-treino, andam, sempre andaram e sempre andarão, à beto, e digo-vos, não tenho, nem de perto nem de longe, carradas de dinheiro ou tempo para compras. Tanto na zippy como na primark também se encontram roupas à beto e é tudo uma questão de gosto e procura. Somente isso. Os meus três andam quase sempre coordenados nos "kits" ;) , herdam muita roupa e muita comprada em vendas de garagem, outra feita por encomenda ou nas mães do FB e... passam a vida na rua em contacto com a natureza com as suas carneiras e galochas, calções, vestidos, saias e meias até ao joelho, tapa fraldas, golas e golas à padre, toucas e lacinhos. Gosto, adoro e fazem sucesso, seja numa segunda feira, num domingo ou numa festa, casamento ou batizado porque para além da roupa têm também educação e são felizes! E este é o truque, porque uma criança feliz, e de bem com a vida, ficará igualmente bem de fato de treino do mickey ou de calções, meias até ao joelho e camisa "pipi", ou de babygrow ou de cueiro ou tapa fraldas. E, se, inequivocamente, para um recém nascido dá mais jeito vesti-lo de cueiro ou tapa fraldas em vez de babygrow, quem disser o contrário nunca, mas mesmo nunca, experimentou os cueiros ou os tapa fraldas com body, uma criança é muito mais fácil vestir um fato de treino e t-shirt mas... a nós também e prender o cabelo em rabo de cavalo, mas não andamos assim vestidos, ou andamos?! Sendo que numa menina ou numa mulher nada é mais prático e rápido que um vestido! Ah... e andar de meias até ao joelho com pernas ao léu não é sinónimo inequívoco de frio se estivermos quentinhos na parte de cima do corpo. Leiam o "escu/otismo para rapazes" e vão perceber.

    Para quem ainda assim ficou perplexo ou com dúvidas que crianças betas e felizes podem andar no meio da terra, a chapinhar na lama e a apanhar molhas de mar no inverno assim como serem provenientes de famílias em dificuldade dêem uma olhadela no meu blog maefaufa.blogspot.com ou https://www.facebook.com/pages/Blog-maefaufa/306230676172687?fref=ts .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com tudo o que disse. Mas acredite q ha muitas mães q não deixam os seus filhos brincarem livremente para não sujar ou estragar as suad belas vestimentas. E isso sim é descabido. Qq criança precisa de se sujar, seja cm roupa de marca ou não.

      Eliminar
    2. Tal como muitas mães adeptas dos fatos de treino os deixam fechados em casa o dia inteiro. Acho que há determinadas coisas que não se podem generalizar. O importante é as crianças serem felizes e o sendo têm pinta vestidas de qualquer maneira. A única coisa que me faz impressão é ver pais e mães "aperaltadas" e os filhos não. Porque é que os pais não andam de fato de treino no dia a dia e os filhos sim?! ;)

      Eliminar
    3. No meu caso em 1 os meus filhos, mas sobretudo comida na mesa. E sim, tds os pais tb tem direito a vida e nao devem deixar de fazer ou ter as coisas q gostam p causa dos filhos. Isto é desde q nao tirem dos filhos p o seu bem estar. E como sabe existe empregos q requer uma boa apresentação msm q a pessoa nao tenha certas condições p as ter. Acho q o importante é q nada falta aos filhos. "Comida, amor e saúde". Eu sou mãe e visto os meus filhos tanto de "betos como o dito fato de treino". Nao é pelo q se veste q se ve o caracter das pessoas.

      Eliminar
  27. ca em casa so fa das carneiras pq aguentam tudo!!! para a escola n ha melhor... os sapatos dao mesmo p guerra lololol
    acho sinceramente q gostos n se discutem e q cd um e como cd qual.
    as minhas filhas n usam fato de treino completo pq eu n gosto mas nos dias de ginastica levam leggings e sweat pq e o q precisam p fazer ginastica. golas exageradas n gosto pq uma vez tentei e cd vez q olhava p elas so me faziam lembrar o marques de pombal lolololol
    usam meias ate ao joelho sem pompoms e vestidos e saias sem folhos. gosto muito de xadrez e de tecidos betos mas em coisas simples. e usam carneiras e merceditas c calcas de ganga e gorros com pompoms e nunca usaram toucas nem cueiros nem outras coisas do genero. gosto de preto em detalhes e tb usam camisolas da minnie e afins pq adoram e ficam felizes.
    penso q mais importante do q se vestirem a betas ou a dreads para mim e o conforto e o n demorarem 3h a engomar umas jardineiras por causa dos folhos e lacos e bordado ingles e rendinhas e afins tudo junto mas afinal... e td uma questao de gosto e acho q n devemos comecar a catalogar as criancas pois tem td uma vida pela frente para serem catalogadas de alguma coisa :)

    ResponderEliminar
  28. Esta na moda roupa queque acho que é so isso...algumas mamas e pricipalmente de meninas caem no exagero e olhamos para as criancinhas e parecem fantasmas dis filmes de terror do seculo passado...
    Quanto aos fofos adoro a versão o masculina do meu marido: cuecas com alcas lol

    ResponderEliminar
  29. Por favor não digam Mamã ou Papá. É trágico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digam por favor que também é trágico

      Eliminar
    2. Então ? diz-se Sefaxavor ?

      Eliminar
    3. Um pelo amor da santa ou um credo cai sempre bem!
      Lololll

      Eliminar
    4. Ahahahahahahahah isto é do melhor! Do m-e-l-h-o-r!

      Eliminar
    5. Não digam Mamã e Papá mas digam CRIAS

      Eliminar
    6. Os miúdos. Ou os meus filhos. Ou então: a Maria, o Manel, a Inês. NUNCA a minha Maria, o meu MANEL- NUNCA.

      Eliminar
    7. ahahah e a "menina" ??...Vais buscar "a menina" à escola? ou melhor: a "menina" fez febre ! ahahahah. Até fico arrepiada.

      Eliminar
  30. Eu sou uma mae super descontraida e gosto que o meu filho se sinta bem, apesar de adorar o estilo" beta" o papá não gosta logo estou em desvantagem!! "Ahahahah" o meu filho adora roupa do Mickey e eu adoro faze-lo feliz !!!

    ResponderEliminar
  31. Mães como vejo aqui e que fazem as crianças de hoje em dia.. Crianças que no futuro irão se achar mais que outras. Adoro Minnie, Mickey e afins.. Detesto roupas de betinhos, além que os betinhos são fúteis e sem nada na cabeça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OMFG!!!
      Really??????
      :@

      Eliminar
    2. ahaha sem nada na cabeça ? ahah mas com MUITA EDUCAÇÃO.

      Eliminar
    3. sem nada na cabeca???? Nunca!!
      Meninas sempre de laço!

      Eliminar
  32. Eu gosto de tudo. Infelizmente falta-me o dinheiro para coisas supérfluas. Os meus filhos vestem o que lhes dão e não são menos que os amigos. São eles com as suas personalidades vestidos com o que a vida lhes ofereceu.
    A mãe não pode oferecer porque não consegue trabalho, portanto voto na matéria. Mas a verdade é que a mistura do estilo "beta" com a bonecada não cansa. Quando se pode variar porque se vai comer só batatas????

    ResponderEliminar
  33. Eu fico triste com o facto de estarmos em pleno séc. XXI e perceber a quantidade de preconceito instalada...é a mesma lenga lenga de sempre....os "betos" a dizerem mal dos "parolos" e os "parolos" a dizerem mal dos "betos"!!! depois admirem se que as crianças apanhem os preconceitos em casa e dps os apliquem na escola, ou acham que o bulling é magia? um "beto" é levado a desprezar o "parolo" e vice versa! vamos parar de criticar numa tematica que não deveria nc dar debates de pros ou contras!!! deixem as mães escreverem sobre o que gostam porque é disso msm que se trata, gostos pessoais! cada mãe é feliz e ama os seus filhos com o que gosta e se quer escrever sobre fofos ou mickeys é com ela porque é pessoal! Não é uma crónica de must wear da Vogue!
    Vamos perder mais tempo a ser felizes e ficar felizes porque esta mãe é feliz e gosta de falar do que a deia feliz em vez de criticar com o que nos faz feliz a nós! É "lapa alice" que somos todos diferentes, ou não???

    ResponderEliminar
  34. Eu sou Mãe, de um Zé Maria, por sinal. Que por acaso adora o Mickey. E por acaso eu também simpatizo com a personagem (apesar de odiar os fatos de trieno do dito cujo). Aliás, odeio qualquer fato de treino.
    E se é beto? Ou pseudo-beto por causa do nome? Duvido, aliás, é um nome tipicamente Portugues.
    Acho que todos estamos certos, somos pessoas diferentes, e com gostos diferentes, Muito diferentes!
    Usou tapa fraldas, cueiros, chambres, e tem carneiras. E tambem tem fatos de treino. e adora combiá-los galochas. Nao vivo numa cidade muito grande e convivemos com alguns animais. Veste aquilo que se adapta a cada ocasiao. Nao vai brincar para as poças de agua com carneiras e meias altas. eu visto-lhe a porra do fato de treino (no fundo ele existe para isso também). E o mickey? claro, tem uns pijamas que ele adora. Há que saber balançar as coisas e acima de tudo aceitar que todos somos diferentes, e que todos estamos certos. Ah, e que gostos nao se discutem. Mas já agora: O meu ZM é beto, pseudo-beto ou da MArgem Sul? (as tantas ja nao sei....)

    ResponderEliminar
  35. Achei este post por acaso e como tenho uma marca de roupa infantil a LoboMau, sediada no facebook para quem estiver interessado, entendi deixar aqui o meu testemunho/opinião em relação ao assunto. Usei roupa de "betos" até aos 8 anos e agora não consigo gostar de uma única fotografia minha até aquela altura, fiquei de tal forma traumatizada com golas que seria incapaz de as colocar num filho meu, mesmo que fosse no dia do batizado. Acho que tudo o que é exagero deve ser combatido e usar o meio termo é mesmo o correto, ou seja, também adoro tapa fraldas, fofos e cueiros, tenho-os na minha loja, com cores mais alternativas aos tons bebés, porque gosto de ver as crianças com um ar de valentes e destemidas e não de florzinhas de estufa, mas também acho imprescindiveis os fatos de treino, afinal vamos educar obesos ou miúdos desportistas, é que nào entendo como se faz desporto sem ténis ou roupa de treino e a minha filha já o faz desde os 2anos.... por isso, não sejam preconceituosos, nem deixem os vossos filhos terem vergonha do que um dia foram ou vestiram, usem tudo com peso e medida, se o bom gosto lá estiver, está para todo o tipo de roupa, seja a de "beto" como a "stripper", de "cool" ou whatever que lhe queiram chamar.

    ResponderEliminar
  36. Oh meu deus a volta q um posto sobre roupa beta deu. As crianças são apenas crianças devem andar confortáveis no dia a dia devem poder brincar saltar correr sem estarem com a preocupaçao de n se sujarem pq dp a mamã vai ralhar e dar castigos vão ter MT tempo para andarem vestidos cm totós em adultos.

    ResponderEliminar
  37. Sinceramente não consigo perceber tanto preconceito e, até mesmo ignorância! A maltinha que diz mal de cueiros e afins, golas e blommers, carneiras já os experimentaram?! É que não os acho menos confortáveis que fatos de treino e afins e até mesmo para dormir babygrows em bebés não acho que dê jeito nenhum, já experimentei e não me dei nada bem já que para mudar a fralda tenho de despir o bebé todo e se são mexidos num instante sobem os pés e ficam aflitos que não os conseguem encaixar outra vez. Qual é mesmo a diferença entre uns calções de bombazina ou sarja ou fazenda e uns de fato de treino em termos de conforto?! Em termos de temperatura asseguro que os de fazenda e de bombazina são bem mais quentes. Tudo depende de gosto! Hoje em dia tanto fica caro como fica barato vesti-los "à parolo" ou "à beto". Não atirem é areia para os olhos com questões de conforto. e... quem desdenha quer comprar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é uma questão de conforto, porque o conforto é subjectivo! Também não será uma questão de gosto, porque, lá está, também é subjectivo! Há gostos diferentes e mercado para todos!
      Aqui tanto se falou mal de cueiros, bloomers, fofos e golas, como de fatos de treino de bonecada, questionaram-se determinadas escolhas e até houve quem falasse dos exageros.
      A questão não está em se trocar ideias (que acho que era objectivo principal do post) mas sim em se utilizarem termos como parolos, bimbos, betos, coquetes, frases e termos depreciativos para justificar escolhas tão pessoais como a roupa que vestimos aos nossos filhos! Achar que somos melhores porque vestimos ou não determinado tipo roupa aos nossos filhos é somente parvo. E aqui já existiram insultos (dissimulados mas bastante insultuosos) tanto da parte dos defensores de roupa "coquete" como dos defensores do "fato de treino do Mickey". Aliás, o argumento do "quem desdenha quer comprar" é um exemplo que não o sendo, roça o insulto e pode melindrar quem lê.

      Nem sempre quem desdenha quer comprar! Até porque com a democratização da moda e dos preços, só não compra determinadas peças quem não quer, se comprei babygrows foi porque não quis comprar cueiros, da mesma maneira que se comprei fofos foi porque não quis comprar fatos de treino. E sim, já experimentei golas, bloomers, cueiros, fofos, carneiras, tapa-fraldas, vestidos, toucas, chapéus e fatos de treino, umas achei mais confortáveis e práticas, outras nem tanto e outras achei que era uma questão de moda.

      No final o que importa é as nossas crianças serem crianças felizes!

      P.S.- Claro que existem tecidos melhores e mais quentes, mas uns calções (ou vestidos) que tapam metade da perna não é de todo comparável com calças (que tapam toda a perna), até porque no inverno chegamos a vestir collants debaixo das calças e mesmo assim não chega. ;)

      Eliminar
  38. Não percebo mesmo qual é o problema dos fatos de treino do Mickey... Juro.

    ResponderEliminar
  39. hummmm... a mãe pseudo-beta no seu glossário foi buscar um anglicismo (ou um american 'bimbolicismo'?!?) para uma peça que, desde o tempo das minhas avós, que são da época em que se tocava piano e falava francês, tinha uma designação galicana bem catita... culottes :D

    ResponderEliminar
  40. Pois eu acho opimo que olham as criancinhas vestidas à Jessica Solange (leia se umas botinhas até ao joelho, umas leggings tigress, um blusão com lantejoulas ou tudo ao mesmo tempo). Pois se as mães se vestem assim!
    Deixem as "betas" vestirem os filhos de "netos",. A genética é uma merda e não há volta a dar. Se a mãe é porosa, a filha dificilmente não será pirosa. e podem lhe por cueiros amorosos na mesma, a carrinha da criança está . e provavelmente fica gira ( e prática) com um gró (babygrow) castanho. É quentinho e prático e a criancinha fica vestida à cagalhão pois então! Mas está quentinha e isso é que importa! Não há nada pior que os "one be" uma Carina Vanessa com uma filha Matilde será sempre um Carina Vanessa e vai sempre carregar esse peso ( do nome claro!). Já não há Carinas Vanessas nas escolas. Agora são todas Beneditas, Matildes e Martins. Depois quase que batem nos pais, mas já t~em um nome Beto (lá está one be beto, mas não posso assumir)

    ResponderEliminar
  41. Oh! My god! O que eu já me ri com isto! Tenho a dizer que já levei um sermão "daqueles " das minhas tias betas por ter levado as minhas filhas de um e três anos de babygrow do "Rudolfo" para o jantar de consoada. Na minha inocência achei que estariam mais quentinhas e confortáveis. ... e sempre era um babygrow natalício. .... lolll
    Mas Confesso Que Acho Giríssima A Roupa Dita "À betinho". As miúdas agora são crescidas mas se fosse hoje lá alternaria o belo do fatinho de treino com um fofo muito fofinho.....

    ResponderEliminar
  42. Acho que o problema deste post foi o rótulo "beto" criado em função das roupas que as crianças vestem, dá ideia de que estamos a gerar classicismos que na verdade não existem. Acho que o estilo de roupa que se usa depende mais do factor gosto do que propriamente de um "wannabe". Mas para além disso não vejo assim tanta estranheza nestes termos sendo q a maioria deles se usam desde há muito, mais que não seja podem apenas ter renascido mas isso são modas certo? Alémn disso, que eu saiba, piquet é um tipo de tecido, uma touca não é um gorro, golas muitas peças de roupa têm e tapa fraldas não substituem cuecas, enfim....

    ResponderEliminar
  43. Há aqui um problema muito grave!!!! Não é o beto nem o bimbo, nem as crianças! São as MÃES!!! Prefiram um ou outro estilo, ao ler estes comentários todos por aqui abaixo, o que constato é que os vossos putos podem andar nus ao sol e à chuva, porque com golinhas, bloomerzinhos feijoezinhos merceditas ou com a bela sapatilha de mola, o que a maioria de vocês não se livrará é de criar uma grande fornada de cromos com merda na cabeça (sai à mamã) e essa opção não há na zippy nem na marques soares nem na maternidade nem na internet -> ESTÁ NA VOSSA CABEÇA!!!! Daqui a 30/40 anos venham cá queixar-se que o Mundo é todo uma merda. até lá preocupem-se em ensinar aos vossos filhos que a maneira como os amigos deles se vestem nao é importante, nao os torna melhores nem piores, preocupem-se com isso porque é das coisas mais dificeis de fazer entender a uma criança uma vez que as crianças vêem o que a sociedade lhes mostra, e a sociedade, pra todos Nós, começou na nossa Mãe! Parir e brincar aos bonecos é fácil!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. clap clap clap! nem mais, anónimo. tendo nascido e sido criada num ambiente o mais "beto" possível (as aspas são propositadas porque na altura beto era uma expressão própria de gente menos afortunada, as meninas eram "bem" e as roupas eram "boas"), sofri as agruras das golas isabelinas, dos laços enormes, dos mocassins, dos cueiros da Casa Xangai. mas felizmente que para quem me criou isso não tinha importância nenhuma. e só me vestiam assim porque era o que havia. ninguém pensava 2 segundos no raio das vestimentas: era o que havia e pronto. e obviamente que as roupas passavam de mão em mão pela família toda, a minha filha usou cueiros da minha avó, pasme-se. ninguém me disse que usar fato de treino era mau (aliás a farda de desporto no colégio era um desses). ninguém me disse como vestir a minha filha. ninguém nunca me educou para diferenciar as pessoas através do que vestem ou dos sítios onde moram ou dos nomes que lhes deram, mas apenas pelas boas maneiras. essa história da pseudo-betice é uma coisa indescritível e que fede a complexos de classe (estamos no sec. XXI pessoas!). vistam as criancinhas como gostam / querem / é mais conveniente. no one should care. e preocupem-se mais com o conteúdo dos seres humanos que estão a criar, isso sim.

      Eliminar
    2. Agradeço o contributo de ambas para esta vomição imane e atroz que têm sido os posts anteriores... Temo as gerações vindouras, criadas por mães para quem "Jessica Solange", "Vânia Marisa" ou "Jezabel Miriam" são formas de insulto. Que diriam as nossas Marias Agustinas (Bessa-Luis), Natálias (Correia), Florbelas (Espanca), Lídias (Jorge), Elviras (Fortunato), Miquelinas (Sardinha) ou Telmas (Monteiro), arquétipos, estes sim, do que se deve almejar ser?? Às crianças (e a nós, pelo que aqui se lê), fazem falta Valores. Com ou sem carneiras, fatos de treino, cueiros ou calças rotas... É por estas e por outras que somos um país de rotos - vestidos à "beto" mas rotos. Rotos de alcance, rotos de engenho, rotos de argúcia, rotos de inteligência, rotos de bondade. Há mal em chamar "putos" às crianças mas não há mal em olhar de viés quem veste/age/fala diferente do resto da manada? Ensinemos aos nossos aquilo que realmente importa. Exupery resume-o e bem: "o essencial é invisível aos olhos", minhas senhoras. Estamos a tempo - acordemos! (E vistamos aquilo que nos apraz e nos faz felizes. Essa é a liberdade do pronto-a-vestir!!)
      Marta, moradora em moradia própria, comprada com o dinheiro do meu trabalho, na Avenida dos Combatentes, Antas, Porto. Incapaz de ser referir a alguma funcionária como "sopeira" ou a alguma criança como "pirosa". Mãe de um rapaz que veste calça de bombazine, sapato de vela, sapatilha ou galocha, conforme se adeque à situação. Que não quer saber se o vizinho veste Polo Ralph Lauren, Miuccia Prada, Zippy, Pili Carrera ou Primark. Desde que seja educado. E bom.

      Eliminar
    3. Uma verdadeira mulher do Norte carago! Assim é que se fala.

      Eliminar
  44. Referir-se às crianças como "os putos" também é do mais fino !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas qual é o problema de dizer "os putos"? Aqui no Norte é absolutamente normal, assim como "canalha". Não tem nenhuma conotação negativa. E sinceramente no meio disto tiudo acho qua as mães/pais é que têm uma grande panca. Apesar de não ser adepta da chamada roupa de beto, porque acho que alguma não são propriamnte confortáveis para as crianças, o que me choca mesmo é ver miúdas de 11 e 12 anos vestidas como quem vai rodar a carteira na esquina. É tops minusculos de rendas, é calções a verem-se as nádegas. As mães que deixam as miúdas sairem de casa naqueles preparos mereciam um chapadão nas trombas.

      Eliminar
  45. Isto é tudo uma cambada de pobretanas armados em.novos riquinhos.
    Não têm dinheiro para leite do bom.
    Mas vão à zara buscar roupa a imitar o chic

    ResponderEliminar
  46. Perder tanto tempo a falar de acessórios quando a maior preocupação deveria ser com o conteúdo da educação!!!! Claronque essa é descurada na maior parte dos casos e depois temos adultos mal adaptados ou déspotas.....

    ResponderEliminar
  47. Hoje tenho as crias vestidas de calcoes, calças e tapa fraldas de ganga, sapatos de carneira e tênis de montanha, t-shirt manga comprida e camisa com gola redonda. Sweat shirt do Mickey para a cria masculina e da Minie para as femininas... E agora?! Betos ou bimbos ou parolos ou... Ecléticos, é isso! ;) têm o melhor dos mundos todos, apreciam-no, observam-no e têm um juízo critico sem fazer juízos de valor sobre ninharias, e a vestimenta é uma ninharia da vida, sabendo que não são bem melhores nem piores que os outros que são eles pp, únicos e por isso tão ricos como qualquer outra pessoa.

    ResponderEliminar
  48. Tudo muito bonito, sim senhor... Ou então, não!
    Talvez, mas experimentem vestir um bebé bolsador como o meu assim. Cum caneco, nem quero pensar! Roupinhas pilhas chefias de botõezinhos e lacinhos, e tirinhas e folhinhos!!!!

    ResponderEliminar
  49. Tem piada... aqui no Reino Unido so a classe media baixa tem esse tipo de preocupacoes; a classe alta e especialmente a classe aristocratica veste as criancas com "hand-me-downs" (camisolas Arran herdadas do tetravo, dos irmaos mais velhos ou do jardineiro) e cabelos emaranhados de caracois.

    So os novos ricos e a classe media baixa apresentam as criancas com roupa novinha em folha, toda a condizer.

    Ou pior ainda, a fazer "pandan" (que expressao horrenda!), como muitos dizer ;)

    PS: Desculpem a falta de acentos.

    ResponderEliminar
  50. Oh meus amigos e minhas amigas, cada um é como cada qual e ainda bem pois caso contrário este mundo seria uma seca! Preocupem-se sim em dar EDUCAÇAO às vossas crianças, e em transmitir-lhes valores humanos, porque é ai que vai estar a verdadeira diferença.

    ResponderEliminar
  51. Por acaso não gosto nada de ver crianças vestidas assim, tenho um bebe de 4 meses e o meu estilo preferido e mesmo o escandinavo, acho que ficam muito mais cool's e cheios de pinta

    ResponderEliminar
  52. O meu interesse aqui baseia-se na terminologia em português sobre roupa de criança.
    Já agora: é "pendant" do francês; querendo usar a palavra aportuguesada será "pandã" (que faz par com outro, que combina, que condiz) e Camisola de Aran e... aproveito para dizer que concordo com o seu comentário.
    Concordo igualmente com o comentário de 3 de Janeiro de 2015.

    ResponderEliminar
  53. As crianças devem ser felizes, devem brincar, aprender, crescer com saúde, ter uma família tranquila, independentemente daquilo que trazem vestido. É tão secundário...

    ResponderEliminar
  54. Já agora... e na altura de deixar as fraldas? Deve ser tão engraçado esfregar o folho de bordado inglês branco borrado!e o pique mijado?

    ResponderEliminar