quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O Livro.

Passamos a nossa vida inteira a estudar, a conhecer pessoas, a ter namorados, a actualizar o facebook, a fotografar a nossa comida no instagram e, pelo meio, a enterrar o nosso instinto maternal.

Dantes, como as meninas cuidavam dos irmãos mais novos, como viam as irmãs a terem bebés mais cedo, como viam as mães a dar maminha aos irmãos, era tudo muito mais natural e menos questionável. Alguma vez imaginam as nossas avós a pensar "tenho de ver se vou fazer um workshop sobre amamentação, tenho medo de não dar bem com isto"?

Qualquer dia as miúdas têm nenucos para os deitar na cama delas enquanto mexem no telemóvel. Vai ser isso que, para elas, será normal. E contra mim falo.

É estúpido sentirmos a necessidade de ler um livro de instruções sobre nós próprias mas, a verdade, é que ajuda.  Eu li e continuo a ler dezenas de livros sobre aquilo que se entende por "puericultura" e, tem-me ajudado a sentir cada vez melhor comigo própria. A ouvir-me enquanto mãe.

Este foi o meu primeiro livro do género. Fez-me bem. Respondeu a praticamente todas as minhas perguntas sobre cuidados a ter com o bebé. Aquelas coisas que nos confundem na maternidade, nas aulas de preparação para o parto, as sogras aconselham coisas que hoje em dia a Organização Mundial da Saúde diz que matam bebés. É bom ter uma referência actualizada de um bom pediatra.

Chamaria este livro a bíblia. Atenção a comprar sempre a última versão. Faz diferença. 

Só não concordo com a indiferença do Dr. Mário em aquecer o leite materno no microondas. Ele afirma destruir poucos nutrientes e, portanto, ser de pouca relevância. Por mim, são todos a conservar e banho-maria, bem feito, é rápido. Mas isto é porque sou uma "fundamentalistazinha" da amamentação. ;)


Até o ofereci à minha sogra para ela aprender umas coisinhas e me ensinar outras. ;)


Sem comentários:

Enviar um comentário