sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Que monstro é este?

Estava tudo tão bem há uma semana, não estava? Dormiam todos muito bem aí em casa (tirando o ressonar do homem, claro), a miúda (ou o miúdo, mas não estou para estar sempre a ressalvar senão o post é só isso) andava a dormir a noite quase toda, fartava-se de brincar durante o dia, quase que não birrava quando era hora da sesta e agora? De repente foi tudo para o galheiro.

O bebé (lembrei-me agora que, se calhar, em vez de dizer "a miúda", posso dizer o bebé, que estúpida) que antes era só sorrisos, que andava a entrar numa nova rotina e super agradável para toda a gente, agora está mais insuportável que nós quando acordamos com uma borbulha super evidente na ponta do nariz e que, disfarçada com base, parece uma verruga.

Que monstro é este? 

O que é que se passa para o bebé parecer que agora odeia viver e que faz cocó só para me obrigar a mexer em merd*? Parece que agora vive para me azucrinar! Não mama, não come, só chora, só geme, não está bem num sítio, não está bem no outro, acorda de hora em hora... 

E se o bebé vira monstro, a mãe vira dois! Não há pior que uma mãe que não tenha conseguido dormir, descansar e tenha que tomar conta de um bebé virado do avesso. As coisas escalam e contagiam-se mutuamente, são dias infernais. São esses dias que fazem com que depois digamos a quem ainda não tem um bebé: "tens tempo, aproveita a vida". Não é justo. 

Se compreendermos os motivos, talvez seja mais fácil não termos ataques de choro a meio do dia ou a meio da noite, com o cansaço.

Como preciso muito de compreender os motivos, porque senão sou aquela que chora muito, descobri esta aplicação: 

Sim, pela screenshot dá para ver que não tenho um iPhone, mas não me excluam da vossas vidas. Já tive, mas fartei-me. A aplicação é a pagar, mas prometo que vale a pena. Se não valer a pena e se decidiram comprá-la mesmo depois de eu explicar aqui o que é... Já foi uma decisão vossa! 



1) Adicionamos o nosso bebé, introduzindo o nome, uma fotografia e a data provável de parto (para fazer contas ao desenvolvimento do cérebro e não aos dias em que o cérebro está cá fora). Podemos adicionar várias crianças, o que dá imenso jeito (imaginem o jeito que dá à Jolie). Neste momento não tenho, porque troquei recentemente de telemóvel, mas tinha as DPP do Lucas (filho da Marta) e da Isabel (filha da Joana) para saber quando andam insuportáveis e evitar estar com eles! Estou só mais ou menos no gozo, ahah!


Aqui estão cronologicamente ordenados os saltos de desenvolvimento dos nossos bebés, com as aptidões que estão a aprender e a assimilar e os "sintomas" da sua aprendizagem ao longo do tempo. É giro ver que cumprem os "requisitos" ou que, não tarda estão a cumpri-los e, por isso, andamos mais atentas. 


O gráfico. Confesso que evito ir muitas vezes ao gráfico porque chego à conclusão que, durante o primeiro ano de vida, são mais os dias "maus" do que bons, mas é normal, certo? Eles estão a crescer, em todos os sentidos. Aquele quadradinho esquisito ali perto das 40 semanas é a fotografia da Irene (do meu marido com ela ao colo). Pus a fotografia em pequenino para não se andaram para aí a babar com o meu marido, suas gulosas. 



Já agora, ponho também a legenda e assim quase que não têm de comprar a aplicação para saberem em que "fase" está o bebé. Assim vêem a que corresponde o salto com as semanas, pesquisam na net e pronto. 

Quem é amiga, quem é? 

É a Rosinha ("a tua amiguinha, vamos dar as mãos e cantar uma canção!"). 





1 comentário: