6.13.2015

Furar as orelhas de bebés: Sim ou Não?

Uma petição no Reino Unido quer impedir os pais de furarem as orelhas de bebés e crianças pequenas, uma "forma de crueldade e abuso infantil", segundo o documento.

"Dor severa e medo são infligidos às crianças desnecessariamente para satisfazer a uma vaidade dos pais. Outras formas de danos físicos às crianças são ilegais - então não deveria ser diferente".
Se quiserem ler mais sobre esta petição, a informação está aqui, na revista Crescer, da Globo.

Muitos dos pais que optam por furar as orelhas das filhas, em bebé, fazem-no por acharem que dói menos, uma vez que o lóbulo da orelha é mais fino. Outros por considerarem que, mesmo que doa, se vão esquecer mais facilmente da dor. 


Até ter sido mãe, nunca tinha pensado muito nisto. Sou daquelas que até achava graça e não me chocava minimamente. Agora ainda não choca, não fico exaltada, mas quero dar essa escolha à Isabel. Ela até pode não querer nunca usar brincos. Já faço tantas escolhas por ela, sem saber se têm a ver com a futura personalidade, que acho que não tenho de fazer mais uma. Ela pode não se identificar. Não lhe quero impingir mais nada.

Além de não me imaginar a fazer-lhe furos (feridas por cicatrizar), que lhe possam causar dor (eu acredito que dói, durante e depois, por experiência própria), por razão nenhuma que eu considere forte o suficiente. É capricho, é vaidade.

Vi estes vídeos (e mais alguns...) que só reforçaram mais a minha postura neste assunto:




Seja por dor, por susto com o barulho, pelo aparato, as crianças choram. Não gostei de ouvir os risos dos adultos, confesso. Nem o "vai ficar linda!". Nem o "tadinha", num tom de pena, misturado com risinhos, nervosos, presumo. No fundo, sabemos que não está ali nada de bom, mas são "males que vêm por bem", para evitar dores maiores no futuro.


Claro que há outros assuntos que nos deveriam inspirar maior preocupação e não sei sequer se faz sentido esta petição. Mas pensar sobre as coisas nunca fez mal a ninguém, não é verdade?

Qual a vossa sensibilidade sobre este assunto? Faz-vos confusão, acham normal, ou nim? O que dizem os pediatras sobre isto?


27 comentários:

  1. A minha mãe não me furou as orelhas quando era pequena pois quis dar-me a escolha. Confesso que desde os meus 8 anos "culpava" a minha mãe por não me ter furado as orelhas quando eu era bebé, pois eu queria usar brincos mas tinha medo de ir fazer os furos com receio que doesse. Aos 12 anos lá me decidi e furei as orelhas com a minha melhor amiga. Foi a melhor coisa. Já era crescida para saber o que queria e já era eu a tratar dos furos. Depois dos 18 anos lá vieram mais alguns furos. Não é uma dor muito grande, mas sim, dói, a recuperação pode ser chata. E enquanto bebés não vai haver qualquer cuidado de não tocar nas orelhas (e nos primeiros dias dói!), coisa que não acontece quando somos crescidas. Se tiver filhas vou deixá-las escolher. Isso e a religião, como tive a sorte de poder escolher. Já impomos tantas coisas... porque não deixá-las escolher aquilo que der?
    Catarina.

    ResponderEliminar
  2. Por acaso este assunto já me tinha chamado a atenção...e eu nunca o faria, lembro me quando me furaram as minhas e odiei...ainda hoje não uso brincos! Se essa for a escolha da minha filha que seja ela a tomar iniciativa e não eu...infligir dor só pela vaidade nunca!

    ResponderEliminar
  3. Furei as orelhas com 12 anos. Antes chateava a minha mãe por não mas ter furado em bebé, exactamente pela lógica de que agora já não me lembraria da dor. Depois de ter furado mudei de opinião. Dói sim, na altura e depois, e acho cruel inflingir essa dor a um bebé sem motivo válido. Picas na minha Eva, só das vacinas.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho q eles não ganham nada por terem as orelhas furadas, estar a inflingir dor pra quê? Uma vez, tinha ela um ano ou assim, na Claire's impingiram-me furos às orelhitas dela. Disse q nao, mas insistiram muito e comecei a passar-me dos carretos. Como tu, penso q não faz sentido ser eu a fazer essa escolha pela minha filha e sim, tb considero abuso físico, pq nao os benificia em nada, só magoa.

    ResponderEliminar
  5. Nunca tinha pensado nesse assunto até agora. Felizmente e por decisão do meu pai, não me furaram as orelhas. Quando o fiz tinha 12 anos e consciência do que estava a fazer. Furar as orelhas a uma criança é bárbaro e deixou—me completamente mal disposta ver estes vídeos. Tenho uma sobrinha de 4 semanas e não consigo conceber a inflação da dor a um ser tão pequeno.... para quê?

    ResponderEliminar
  6. Já agora, a petição está aqui: https://you.38degrees.org.uk/petitions/ban-ear-piercing-for-babies-toddlers
    Se alguém morar no Reino Unido por favor assinem também se concordarem

    ResponderEliminar
  7. Furaram-me as orelhas quando era bebé.
    Na adolescência fiz mais 2 furos com pistola - numa ourivesaria - que me doeram imenso e deixaram as orelhas a arder durante longas horas. Alguns meses depois, furei eu própria as minhas orelhas com uma agulha de costura, umas 8 vezes. Naquela altura "usava-se" uma fileira de argolas de prata pela orelha acima. Nos primeiros furos, "anestesiei" a zona com um cubo de gelo, nos últimos nem isso. Acreditem ou não, doeu muito menos que com a pistola na ourivesaria.
    Hoje, não uso brincos. Não gosto, acho que não me ficam bem e vivia bem sem as pequenas cicatrizes que tenho nas orelhas. São pequenas, mal se notam, mas preferia não as ter.

    Isto para dizer que, as pessoas têm o seu próprio tempo para decidir o que querem fazer com o corpo. Não é justo que lhes impinjam (ainda por cima dolorosamente) dois furos no corpo, que ficam para sempre, sem que tenham uma palavra a dizer.
    Claro que é uma questão cultural e os pais não são uns sádicos horríveis por furarem as orelhas dos bebés mas, tal como bater aos filhos como forma de educação é um ato cultural que tende a desaparecer pela sua absurdidade e inutilidade, furar as orelhas também deve ser desencorajado, senão mesmo proibido.
    Se há assuntos mais graves e pertinentes que devem ser discutidos? Há, com certeza que há. Mas, como em tudo, as melhorias têm que começar por algum lado.
    Por isso sim, acho esta discussão pertinente e espero que resulte numa proibição de furar as orelhas das crianças até elas atingirem uma idade adequada, o que já dará matéria para outros debates.

    ResponderEliminar
  8. Sempre que vejo um miúdo de 6 anos de orelha furada, com uma argolinha toda bimba ou bebés com brincos, que nada se adequam à sua faixa etária, confesso que fico com os cabelos em pé. Também acredito que é um capricho dos pais e que esses até achem a sua piadinha... são esses mesmos meninos de argola, cabelo cortado à Ronaldo e afins e afins, são os mesmos que seja onde for, fazem "trinta por uma linha", e os pais continuam a achar a sua piadinha. Eduquem-nos , que falta muita boa educação e transmissão de valores por aí e quando tiverem idade de fazer as suas escolhas, então furem-se e façam as suas modas... estou fartinha de dizer: enquanto a minha filha estiver sob o meu tecto, terá de aceitar as minhas decisões. Muito radical?? Sim!! Mas acredito que mais tarde terá as suas repercussões

    ResponderEliminar
  9. Não me faz a mínima confusão o ato de furar as orelhas aos bebés. No entanto, as crianças terem brincos já é outra questão. Furei as orelhas na escola primária, não sei precisar a idade (infetaram por cuidados excessivos da minha mãe-galinha mos tirar e por todos os dias para desinfetar). Sem problema, voltei a furar com 10 anos. O furo nunca me doeu. Os brincos é que, por vezes, me causavam desconforto ao dormir (a parte de trás picava-me) e ainda hoje os tiro para dormir, coisa que não se pode fazer enquanto as orelhas não estiverem cicatrizadas.
    Em bebés faz-me confusão pensar que os brincos os podem picar de noite. Ou que podem rasgar a orelha puxando por eles, ou que podem cair e eles porém na boca (como, naturalmente, põe na boca tudo o que apanham nas mãos). Como educadora de infância, já vi um brinco cair de uma criança de 1 ano durante uma brincadeira e já apanhei uma parte de trás de um brinco de bebé no chão da sala de 1 ano (o mesmo que teria acontecido ao outro se eu não tivesse visto cair). É certo que isso só aconteceu uma vez mas nunca fiando. E isso sim, faz-me confusão porque com bebés todo o cuidado é pouco.
    Por tudo isto, acho que basta furar as orelhas às crianças na escola primária.

    ResponderEliminar
  10. Eu furei as orelhas a minha filha a semana passada ela tem 21 meses...confesso que foi por vaidade minha mas assim como o é vestir lhe roupas bonitas e com folhos.... correu tudo bem obtei por furar as duas orelhas ao mesmo tempo para lhe custar menos...se chorou 30 segundos foi muito...deixou limpar assim como deixa todos os dias, nao lhe doi, porque se lhe doesse chorava e nao deixava mexer... obtei por brincos que nao lhe magoa a dormir, nao estranhou nada... para mim era impensável passar a minha filha por aquelas experiências dos videos, ate porque eu disse que se ela começasse a chorar com medo ficava tudo sem efeito.... mas correu tudo as mil maravilhas e nao é um bicho de sete cabeças como têm feito.... quem quer furar fura quem nao quer nao fura...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Andreia, discordo completamente de "quem quer fura quem não quer não fura". Começo por dizer que não a considero uma mãe pior ou melhor por furar as orelhas da sua filha, certamente que não. Mas, furar o corpo, com dor, de alguém que não tem consciência se quer ter o corpo furado ou não, não é bom, principalmente por vaidade. Ainda bem que correu tudo bem com a sua filha mas podia não ter corrido e nem se trata disso. É agressivo, é algo que deixa cicatrizes, é totalmente desnecessário, para quê submeter alguém a isso? Eu detesto ter as orelhas furadas, não odeio os meus pais por terem furado as orelhas, mas está na altura da sociedade evoluir nos direitos das crianças também em relação ao seu corpo. Se fosse fazer um piercing no umbigo da minha filha de certeza que toda a gente se opunha. Fazer dois furos nas orelhas não é diferente. Simplesmente é aceite socialmente, com era há anos bater com cinto para educar e colocar os filhos a trabalhar aos 10 anos. Claro que estes são exemplos excessivos mas é um facto que assim era e deixou de ser. Furar as orelhas às crianças é um direito que os pais não devem ter. É o corpo de outro ser que estão a furar. Caramba, a tradição não é tudo.

      Eliminar
    2. Boa tarde purpurina, é a sua opinião e respeito isso, lamento que deteste ter as orelhas furadas sendo que não foi uma decisão sua...compreendo o que diz e em alguns pontos sou de acordo, mas nao concordo do agressivo...na minha filha nao foi em mim nao foi nao conheço um caso direto que tenha sido mas ja vi que os ha.... ela ate pode vir a dizer que nao gosta de ter as orelhas furadas mas sinceramente duvido muito.... mas tem de haver opinao para todas.... e sinceramente as orelhas furadas é o menor dos problemas dos direitos da criança. ...provavelmente tem essa opiniao porque tem uma expriencia negativa.... mas sao opinioes e como disse respeito. Um bem haja.

      Eliminar
    3. Boa tarde purpurina, é a sua opinião e respeito isso, lamento que deteste ter as orelhas furadas sendo que não foi uma decisão sua...compreendo o que diz e em alguns pontos sou de acordo, mas nao concordo do agressivo...na minha filha nao foi em mim nao foi nao conheço um caso direto que tenha sido mas ja vi que os ha.... ela ate pode vir a dizer que nao gosta de ter as orelhas furadas mas sinceramente duvido muito.... mas tem de haver opinao para todas.... e sinceramente as orelhas furadas é o menor dos problemas dos direitos da criança. ...provavelmente tem essa opiniao porque tem uma expriencia negativa.... mas sao opinioes e como disse respeito. Um bem haja.

      Eliminar
    4. A minha filha tem 21 meses tb e eu era incapaz de lhe furar as orelhas só pq sim (embora ela seja super vaidosa e adore brincos nas outras pessoas). Comparar o "mutilar" o corpo da sua filha com o vestir-lhe folhos é preocupante ... é como a purpurina disse, se fosse um piercing no umbigo, na sobrancelha, ou noutro sítio da orelha, ja ng tolerava. Qual é a diferença? furar é furar, e é errado os pais acharem que tém esse direito.

      Eliminar
  11. Eu furei as orelhas a minha filha a semana passada ela tem 21 meses...confesso que foi por vaidade minha mas assim como o é vestir lhe roupas bonitas e com folhos.... correu tudo bem obtei por furar as duas orelhas ao mesmo tempo para lhe custar menos...se chorou 30 segundos foi muito...deixou limpar assim como deixa todos os dias, nao lhe doi, porque se lhe doesse chorava e nao deixava mexer... obtei por brincos que nao lhe magoa a dormir, nao estranhou nada... para mim era impensável passar a minha filha por aquelas experiências dos videos, ate porque eu disse que se ela começasse a chorar com medo ficava tudo sem efeito.... mas correu tudo as mil maravilhas e nao é um bicho de sete cabeças como têm feito.... quem quer furar fura quem nao quer nao fura...

    ResponderEliminar
  12. Seria incapaz de provocar este tipo de dor à minha filha só por vaidade. Quando ela tiver consciência deste ato e da dor que implica, aí sim poderá dizer se quer ou não e se quiser irei com ela com todo o gosto. :)

    ResponderEliminar
  13. Olá Joana, sou Mãe de uma Júlia que tanto tem de feminina como de Maria Rapaz com quase 5 anos, sempre defendi que ela só teria as orelhas furadas quando assim o entendesse. Nunca houve da minha parte uma intenção de o fazer antes disso, mesmo que isso pudesse evitar que eu estivesse sempre a dizer (que mesmo de vestido cor de rosa se tratava de uma menina e não de um menino - o cabelito foi muito parco até há pouco tempo) que era uma menina.
    No dia 8 de Março de 2014, um sábado, tinha ela 3 anitos, estávamos as duas a "trabalhar" no meu escritório, até que ela me pediu colo e começou a mexer as minhas orelhas, e claro está vieram as perguntas da idade "os teus brincos são tão lindos" "porque é que os meus não são assim" (ela tinha uns de autocolante para usar em dias de paródia feminina), e eu expliquei-lhe que quando era pequenina me tinham feito uns furinhos nas orelhas para usar brincos destes, disse-me prontamente "Eu também quero".
    Argumentei que doia, que ela ia chorar, se tinha a certeza.
    Voltou a dizer "Eu também quero"...
    E lá fomos, rua abaixo até à ourivesaria do prédio onde tinhamos morado, fui todo o caminho, cerca de 5 minutos a pé, a perguntar se tinha a certeza. Obtive como resposta um, "Quero Mãe".
    Entrámos, escolhemos os brincos para o furo (dito assim parece horrivel), e escolhemos uns brincos de ouro da Kitty para trocar depois (parolos que até doia na vista, mas ela gostou e eu comprei)... Foi uma menina crescida, no primeiro furo não pestanejou, no segundo já sabia ao que ia mas aguentou como pode, quando saimos chorou... Muito... Porque doia... Doeu-lhe a ela, doeu-me a mim que me senti horrivel por a ter deixado escolher algo tão importante sendo tão pequenina... Chorou durante 20minutos porque doia... Depois passou... Tirou fotos, mostrou aos avós no skype (moram no estrangeiro e são a paixão dela), perguntou se estava linda...
    No dia seguinte, perguntei se ainda doia, respondeu prontamente que "Não, doeu um pouquinho ontem, mas eu gosto muito".
    E foi assim, continuo a defender que sendo Mãe no futuro de outra menina farei o mesmo, só quando ela quiser...

    ResponderEliminar
  14. Olá Joana, sou Mãe de uma Júlia que tanto tem de feminina como de Maria Rapaz com quase 5 anos, sempre defendi que ela só teria as orelhas furadas quando assim o entendesse. Nunca houve da minha parte uma intenção de o fazer antes disso, mesmo que isso pudesse evitar que eu estivesse sempre a dizer (que mesmo de vestido cor de rosa se tratava de uma menina e não de um menino - o cabelito foi muito parco até há pouco tempo) que era uma menina.
    No dia 8 de Março de 2014, um sábado, tinha ela 3 anitos, estávamos as duas a "trabalhar" no meu escritório, até que ela me pediu colo e começou a mexer as minhas orelhas, e claro está vieram as perguntas da idade "os teus brincos são tão lindos" "porque é que os meus não são assim" (ela tinha uns de autocolante para usar em dias de paródia feminina), e eu expliquei-lhe que quando era pequenina me tinham feito uns furinhos nas orelhas para usar brincos destes, disse-me prontamente "Eu também quero".
    Argumentei que doia, que ela ia chorar, se tinha a certeza.
    Voltou a dizer "Eu também quero"...
    E lá fomos, rua abaixo até à ourivesaria do prédio onde tinhamos morado, fui todo o caminho, cerca de 5 minutos a pé, a perguntar se tinha a certeza. Obtive como resposta um, "Quero Mãe".
    Entrámos, escolhemos os brincos para o furo (dito assim parece horrivel), e escolhemos uns brincos de ouro da Kitty para trocar depois (parolos que até doia na vista, mas ela gostou e eu comprei)... Foi uma menina crescida, no primeiro furo não pestanejou, no segundo já sabia ao que ia mas aguentou como pode, quando saimos chorou... Muito... Porque doia... Doeu-lhe a ela, doeu-me a mim que me senti horrivel por a ter deixado escolher algo tão importante sendo tão pequenina... Chorou durante 20minutos porque doia... Depois passou... Tirou fotos, mostrou aos avós no skype (moram no estrangeiro e são a paixão dela), perguntou se estava linda...
    No dia seguinte, perguntei se ainda doia, respondeu prontamente que "Não, doeu um pouquinho ontem, mas eu gosto muito".
    E foi assim, continuo a defender que sendo Mãe no futuro de outra menina farei o mesmo, só quando ela quiser...

    ResponderEliminar
  15. Quando a minha filha nasceu, muitos me perguntaram se não lhe ia furar as orelhas... a resposta era "para já não, quando ela quiser, se quiser, tratamos disso"...
    Desde os 3 anos que quase todas as semanas dizia que queria brincos... que queria furar as orelhas...
    Na semana que fazia 4 anos falei com ela... perguntei se queria mesmo, expliquei que doía... e ela disse que ainda assim queria furar as orelhas...
    Fui com ela, portou-se bem, cicatrizou bem, e tenho uma filha toda contente com os seus brincos em forma de estrela...
    :)

    ResponderEliminar
  16. Não sou mãe mas um dia que o seja também não vou furar as orelhas a uma filha minha! Os meus pais esperaram que fosse eu a pedir isso, devia ter uns 13 ou 14 anos quando aconteceu! Se um dia tiver uma filha também só o vou permitir quando me pedir tal coisa

    ResponderEliminar
  17. Até ser mãe achava que furar ou não as orelhas dos filhos era irrelevante.
    Hoje com um filho bebé, custa-me horrores vê-lo a levar vacinas, mas é algo para o bem dele, necessário.... Sendo assim, era incapaz de furar-lhe as orelhas, acho uma maldade :(

    ResponderEliminar
  18. Aos 19, paguei uma cirurgia com dermatologista e enfim livrei-me de meus furos.
    Eu os odiava. Nunca gostei de brincos.
    Passei a infância brigando até desistirem de colocarem-me eles.
    E eu tive orelhas furadas quando ainda era um bebê.
    Já hoje em dia sinto-me inteira como vim ao mundo.
    Pensem no preço que se paga pela vaidade.
    O que há de belo, afinal, em um buraco em meio a orelha?

    ResponderEliminar
  19. Adorei ler este post e os comentários! Estou grávida e não quero furar as orelhas de minha filha ainda bebê, mas não tem ninguém que eu conheço que tenha a mesma opinião. Pelo contrário, acham super esquisito e sem sentido eu não querer furar! Agora fiquei mais confiante na minha decisão. Obrigada!

    ResponderEliminar
  20. Bem, minha filha acabou de completar 1 ano e ainda não direi a orelha dela, porque achei desnecessário infligir dor pra satisfazer o que os outros pensam, se eu estava com dúvidas, não estou mais graças a este post e aos comentários de todos, muito obrigada, mas eu estava pensando em ir em um acumputurista, nem sei se é assim que escreve... vi um vídeo e a bebe não chorova, mas vou escolher não furar mesmo, ela é linda mesmo sem brinco.Obrigada :-)

    ResponderEliminar
  21. Também acho cruel, nossos bebês já sofrem demais, com cólicas, e outras coisas que eles nem entendem...

    ResponderEliminar