quinta-feira, 18 de maio de 2017

Uma das melhores decisões de sempre.

Sei que nem toda a gente tem esta hipótese. Sei que também tive sorte, mas a verdade é que naquilo que depois pude ser responsável por decidir, decidi bem. 

Neste momento (e calculo que por muitos anos), moro a menos de 5 minutos do trabalho, a 5 minutos da escola dela e a 7 minutos do ginásio. Os três sítios que frequento obrigatoriamente e diariamente. 

Quando a Irene andava numa escola bem mais longe, pelo menos 40 minutos eram passados em viagens à tarde e, com o pai, uma hora e tal de manhã. 

Isto de ter de estar na escola a determinada hora e poder sair 5 minutos antes faz com que o tempo estique. Faz com que os dias tenham as horas que têm e que pareça haver tempo para tudo - apesar de poder não haver energia. Faz com que eu consiga estar a escrever este post de manhã, sem ter de "aviar chouriçada" à noite para conseguir fazer tudo a tempo. 

Faz-me pensar que dantes é que era: trabalhar na aldeia, conhecer toda a gente, os miúdos virem para casa a pé. Vivi um pouco disso quando (atenção à revelação) morei na Rinchoa/Fitares. A casa da minha avó Isabel era tão perto da escola (nº2 da Rinchoa) que ficava a ver-me a chegar à tarde ou conseguia ver-me no recreio com jeitinho. 

Uma das melhores decisões de sempre: ter a Irene na escola ao lado da minha casa que é ao lado do meu emprego.

Quem tiver essa possibilidade, considere seriamente.

Sinto que está tudo alinhado. 

Num jardim bem perto de tudo o que vos falei também. 


........................................

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.


7 comentários:

  1. Pois eu, felizmente, também tenho a mesma sorte. Claro que, para isso, saí da minha zona de conforto e de perto da família (pais e irmãos) há 12 anos e vim morar a 180 km deles. No início foi difícil estar aqui sozinha, mas agora, que já tenho a minha família, que trabalho a 5 minutos de casa e a 5 minutos da escola do pimpolho, a 2 minutos do hipermercado, que até é pequeno, familiar e onde as pessoas já me cumprimentam e me conhecem. Parece que vivo numa aldeia, apesar de já ser cidade e está tudo à mão de semear. O Hospital está na capital de distrito mas é apenas a 15 minutos. Portanto, compreendo bem como se sente!! E sabe bem!!

    ResponderEliminar
  2. Revelação TOP!! Também andei nessa escola 😊 E é o que tive nesses tempos, de ir para a escola a pé e não ter tido a minha mãe preocupada ou a stressar no trânsito ou em transportes para eu poder chegar à escola, que quero para os meus filhos (quando os tiver). Não é fácil mas estou a fazer por isso. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  3. coisinha mais fofa! Esse vestido é mesmo giro!

    ResponderEliminar
  4. Por aqui igual. Comprámos casa quando a minha filha de 3 anos tinha 4 meses e na decisão pesou acima de tudo a localização.

    Estou a 7 minutos do trabalho, da creche, de lojas, bancos, parques infantis... e até de piscinas naturais. Só uso carro ao fim de semana para fazer compras e dar uma volta maior.
    O apartamento é pequeno e custou o mesmo que custaria uma casa grande com jardim no interior de São Miguel mas até agora não nos arrependemos nada. O tempo que ganhamos todos os dias com as nossas filhas não tem preço. É a diferença de uma hora e meia todos os dias que não gastamos em viagens entre casa, trabalho e creche.




    ResponderEliminar
  5. Está linda nesta foto, parece uma senhora em miniatura :-)

    ResponderEliminar
  6. Adorava poder fazer o mesmo, seria um sonho mesmo. Só que no meu caso morar na caríssima Foz do Douro (onde trabalho) não é de todo viável. Passo mais de 40 minutos no trânsito, se correr bem, senão chega perto de 1h30 mas vale-me tê-la a 5 minutos do trabalho e passamos esse tempo juntas.

    ResponderEliminar
  7. E, perdoa-me a intromissão Joana, mas porque é que a Irene inicialmente frequentava uma escola tão afastada de casa e também do teu trabalho?

    ResponderEliminar