sábado, 7 de fevereiro de 2015

Sou só eu que me enervo com isto?

Já sei que este vai ser mais um post sujeito a más interpretações não só pelas mães que já me pegaram de ponta por eu ser muito opinativa e, acima de tudo, sarcástica quando escrevo, mas também por profissionais desta área que vou mencionar que, apesar de esperar que não façam parte deste sub grupo que vou referir, vão, na mesma, desnecessariamente, dizer que não é o caso deles, blá blá.

Em vez disso, sugiro que me expliquem a razão pela qual acontece o que acontece e o que poderia ser feito para alterar isso, o que poderá estar ao nosso alcance. Acho mesmo que é um assunto sério. Não estou a escrever para ofender alguém, estou a constatar factos. Não digo que estas pessoas sejam a maioria ou a regra, mas que as existem, existem (são como as bruxas).



1 - Faço parte de vários grupos de amamentação no facebook, com mães de norte a sul do país e são demasiados (sendo que, neste caso, um já era em demasia) os casos em que enfermeiras (algumas, ok?) fazem comentários ignorantes e ridículos sobre o leite da mãe, o peso dos bebés, a forma de amamentar, a introdução da alimentação complementar, etc. 

Como é que é possível não haver umas reuniõezinhas de pessoal para comunicar as novas recomendações e descobertas relativamente ao aleitamento materno e consequentes timings de alimentação e de aumento de peso? Isto, já para não falar do facto dos próprios profissionais não sentirem, por brio e profissionalismo, a necessidade de se actualizarem, dada a importância do seu trabalho. Nós confiamos nas enfermeiras. Se elas nos disserem que "o leite da mãe é fraco", vamos para casa e só veremos sinais no bebé de que está a morrer à fome (mesmo não estando) e vamos embuchá-lo de leite artificial e fazer pior, muito pior. Tudo por um comentário ignorante (já que, quanto à nossa insegurança não conseguimos fazer grande coisa, ainda para mais nestas fases) e falta de apoio. Isto põe em causa todo o nosso sistema de confiança. Se as enfermeiras (algumas, ok?) não sabem o que dizem, em quem podemos confiar?

No meu caso, apesar de ser sempre atendida por enfermeiras muito simpáticas, algumas (apesar de, lá está, serem todas umas queridas) me aconselharam coisas estúpidas (porque me informo) sobre o aleitamento materno: desde que o "leite gordo" sair logo no início e, portanto, não terem de ficar mais de 10 minutos à mama (!!!!!!!) a dar só de uma mama, para ter sempre a outra cheia (!!!).

(Existem duas fases no leite, a primeira mais centrada numa "injecção de defesas" e a segunda, mais nutritiva. Ambas são cruciais para o bebé. O bebé pode não querer beber das duas em todas as mamadas e mamar só por carinho ou sede, por exemplo. Tempos para mamar é coisa que não deve existir em "livre demanda" e as mamas não são garrafas, não se esvaziam.)

2 - Por que é que muitos pediatras não têm uma formação adequada sobre amamentação? E, se não a têm nos seus cursos (acho que são poucas horas), por que é que não procuram tê-la? Pode ser útil para descortinar comportamentos mais diferentes nos bebés ou, melhor, até para os ajudar a recuperar mais facilmente de um problema qualquer. Visto que, muitas vezes, têm de fazer o papel de psicólogos, se conseguirem dar o apoio que a mãe precisa, podem fazer bem a toda a uma família.

Li relatos inclusivé de uma mãe que foi ao pediatra e que o pediatra lhe apertou uma mama (!!!! como se houvesse algum motivo para um pediatra nos apalpar uma mama) e, como não saiu um esguicho que ele considerasse aceitável (vá-se lá saber porquê), disse à mãe que ela tinha pouco leite. 

Outros pediatras, alegadamente, têm parcerias com marcas de leite artificial mas não quero mesmo acreditar nisso. A sério que não. Acho demasiado grave e far-me-ia sentir completamente à toa. Mais uma vez, se não podemos confiar nos médicos (alguns, ok?), em quem vamos confiar?

Pelo menos, se não têm essa formação ou vontade de a complementar, saibam reencaminhar as pacientes (ou clientes, como até me faz alergia dizer) para quem as possa ajudar.

Como podemos mudar isto? Já passaram por alguma destas situações?

Para mães que estejam a passar por alguma coisa menos boa na amamentação aconselho-vos vivamente a aderirem a grupos de amamentação no facebook, a ligarem para o SOS Amamentação, consultarem Conselheiras de Aleitamento Materno.

Aqui  e aqui podem também encontrar algumas das principais dúvidas esclarecidas por uma CAM. Estou a tentar fazer a minha parte. :)

*Imagem do site We Heart It. 

17 comentários:

  1. Desde que surgiu o meu desejo de ser mãe que o amamentar foi uma certeza para mim. Conheço pouca gente que amamente e apesar de nunca me terem incentivado a isso, excepto a minha nutricionista e as enfermeiras da maternidade, não pus em causa amamentação. .. mas lá está valeu me toda a procura que fiz antes de dar a luz e depois caso contrário eu já teria desistido... lembro na 3 semana de vida do meu filho em que ele so tinha engordado 160 gr, a enfermeira do centro saude dizer que era pouco e possivelmente eu estava a ficar sem leite... como so teria consulta dali a 15 dias para ter atenção ao leite pois talvez teria de passar para o leite artificial. ..
    Procurei ajuda na sos amamentação e fiquei descansada pois alem de ter bastante leite o meu menino ja tinha ultrapassado o peso de um mes em 100gr.
    Continuo amamentar e o meu menino engorda por semana cerca de 300gr. Da trabalho... leva me muito tempo mas é muito bom saber que estou a dar o melhor a ele e isso faz lhe bem...
    Vale me a sede de conhecimento para tomar as minhas decisões e nao me fiar em tudo o que me dizem os profissionais.

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente. E o pior é que isto tudo começa logo na maternidade, após darmos à luz e estarmos vulneráveis, uma vez que só queremos o melhor para os nossos filhos e confiamos naqueles que exercem aquele tipo de funções. No meu caso, confesso que estava muito pouco informada acerca da questão amamentação. Tinha ideia que queria amamentar mas se não desse, paciência. E apesar de ter frequentado um curso de preparação para o parto, não fazia ideia do mau que é a subida/descida do leite. Assim, quando acordei com as mamas três vezes maiores e a ferver, não fazia a mínima ideia do que fazer. Bem tentei ligar para a linha sos amamentação mas em pleno mês de Agosto e a um sábado, ninguém me atendeu, nem retornou as minhas chamadas. Ainda por cima, o meu bebe era molengão a mamar e preferia dormir. Valeu me o instinto e a ajuda do meu marido que me massajava as mamas até nao haver amanhã, inclusivamente quando o bebe mamava, para ajudar o leite a fluir. Mas tenho a certeza que se o meu bebe não tivesse aumentado rapidamente de peso, muito provavelmente teria cedido à pressão do suplemento e dado as garrafinhas de leite artificial que me deram na maternidade, caso não me adaptasse à amamentação. Também tive sorte porque o meu bebe sempre fez uma boa pega e nunca me provocou dor ou desconforto, o que tornou toda a experiência mais agradável. Mas agora que estou bem informada e já pesquisei abundantemente acerca do assunto, sinto me muito orgulhosa de ter amamentado o meu filho em exckusivo até quase aos 6 meses e de ter feito as melhores escolhas relativamente ao assunto amamentação.

    ResponderEliminar
  3. Olá Joana!
    Infelizmente partilho da mesma opinão.

    Tive uma triste experiência com a primeira enfermeira que encontrei no recobro, após o parto, que, depois de uma única tentativa falhada de por o meu bebé à mama, me perguntou se tinha levado bicos de silicone, que se não tivesse, tinha que dar leite adaptado ao meu filho.
    Eu, que sempre quis amanentar, e estava determinada a tentar tudo por tudo, pedi ao meu marido para ir às 4h da manhã procurar uma farmácia aberta para comprar os bicos de silicone. Assim que ele saiu, uma outra enfermeira (uma querida, por sinal!) perdeu 5 minutos connosco, tentou 3 ou 4 pegas diferentes até que o meu bebé pegou, e não mais as largou!
    No meu caso acabou por correr bem, porque eu já ia informada e formatada para tentar tudo para que o meu filho mamasse, mas uma outra recém mamã que se cruzasse com a tal enfermeira, e não estivesse tão para aí virada, facilmente sairia do hospital com o seu bebé com leite adaptado e com maminhas pouco estimuladas...

    ResponderEliminar
  4. Como eu a entendo, aprendi a fazer ouvidos moucos e a dizer que sim com a cabeça e chegava, ficavam contentes. Claro que depois fazia o que mandava o meu instinto aliado à informação que pesquisei.
    E se optarem por amamentação exclusiva até aos seis meses? E continuarem, como defendido pela OMS a dar mama até aos dois anos ou enquanto a criança quiser! Preparem-se porque aí vão ser autênticos ET's.... Desde: isso faz-te mal e à crianç, ao não podes engravidar (dito por vários médicos, um dos quais ginecologista/obstetra)!!!! Não se fiem eu amamentava,planeei a segunda gravidez e continuei a amamentar quase até ao fim.

    ResponderEliminar
  5. Olá Joana,
    Sou mamã de 2 princesas... uma com 16 anos... a 20 dias dos 17... e da Maria com 3 anos e 4 meses...
    Amamentei as duas, mas com a Maria fui até aos 25 meses...
    E hoje faria exatamente a mesma coisa... quer no timing quer nas palavras que me entraram a 100 e saíam a 200...
    Não me importei nem importo que para as minhas amigas continue a ser a mãe "vaca leiteira"... voltarei a ser e com muito gosto... ;)

    ResponderEliminar
  6. Tenho um bebé com 4 meses e nunca me tinha passado pela ideia não amamentar. Estava totalmente informada, sabia que podia não ser fácil o início e que teria de ter cuidado com as opiniões alheias. Nunca pensei que fosse tão difícil. Fui sedada durante a cesariana e passado 4h quando fui dar mama pela primeira vez, não pegou. Deram um biberão, primeira frustração. Como continuava a não pegar deram me logo os bicos de silicone. Parecia correr melhor! 2° dia mais um biberão até que eu disse, chega, quero amamentar, já a implorar ajuda. Depois tive sorte com as enfermeiras que todas as mamadas me iam ajudar na pega. Pena que as primeiras não me ajudaram num momento crucial e com os biberões ainda complicaram mais. Ele perdeu 15% do peso, fiquei preocupada mas achava que era uma questão de tempo, o meu filho era tão preguiçoso além de ter uma má pega . Fui ao pediatra, "chorava baba e ranho", queria amamentar! Ele encorajou-me, disse-me que estava tudo bem e para continuar. Desmarquei todos as pesagens e só ouvi o pediatra, numa altura de desespero disse o que eu queria ouvir e só me perguntou, aguenta? Claro! Consegui retirar os bicos de silicone porque ele só chuchava, por vezes estava 1 hora para pegar na mama, cheguei a ter de o deitar, respirar fundo e voltar a tentar, mamava sentado para não adormecer até que ao 17° dia começou a recuperar peso. No dia que fez um mês pegou na mama sozinho! Valeu a pena toda a dedicação e as horas que passei para perceber como ia conseguir fazê-lo pegar na mama. Adoro amamentar e percebo que era tão fácil ter desistido porque cheguei a pensar se estava a pôr em causa a saúde do meu filho.
    Tive azar com as primeiras enfermeiras, mas tive muita sorte com as outras duas que se dedicaram mesmo depois de sair da maternidade, com o pediatra e a família que me deram os parabéns quando começou a aumentar de peso. É preciso investir na formação dos profissionais e acabar com a história "ah o leite é fraco". Eu poderia ter sido o exemplo de leite fraco. Se iniciasse o leite artificial, era isso que iria dizer caso não estivesse informada. Existe uma grande pressão à volta do peso e dos percentis e uma grande publicidade aos leites artificiais que comprometem a amamentação. Além de toda a questão hormonal que nos deixa também fragilizadas perante as dificuldades. Mas o meu sucesso devo-o a bons profissionais!

    ResponderEliminar
  7. Olá Joana! Quais são os grupos de amamentação de que faz parte?

    ResponderEliminar
  8. Este tema dá pano para mangas! Então aqui vai a minha experiência: O JM nasceu em Dez 13 com 3750g as 38 semanas. Era um rapagao! Teve boa pega e mamava regularmente apesar de adormecer muuuuito. À saída da maternidade não pesaram, por isso não sei quanto perdeu lá. Passado uma semana fomos ao centro de saúde e ele estava com 3350g! Ia morrendo? Como tinha perdido 400g? Ouvi da enfermeira que ele só podia mamar 15 min de cada lado, tinha de fazer intervalos de pelo menos 2h...essas pérolas. Também olhou para mim com ar reprovador quando constatou que ele tinha os pés frios! Quando todos os bebés tem sempre os pé frios...mas enfim. Bem, passada uma semana, nova pesagem: 3300, seguida de outra uma semana depois, finalmente na pediatra (foi difícil arranjar pediatras em Dezembro!) e tinha 3300g...nesta altura ele coitadinho já tinha olheiras e tudo. Mas a verdade é que NUNCA ficou a chorar com fome, que é o que me consola, pois numa situação destas, depois de nos virem varias vezes com a conversa do suplemento, já achamos que estamos a fazer o nosso filho passar provações. Nesta altura começou a beber suplemento e numa semana ultrapassou o peso de nascença. Quando fez 1 mês tinha somente mais 100g do que quando nasceu. Mesmo a pediatra veio com a conversa dos 20 minutos de cada lado e intervalos grandes...e eu feita parva e ja a pensar que estava a fazer o melhor. É uma situação complicada pois queremos fazer o melhor pelos nossos filhos e não temos experiencia. Entretanto aderi a um desses grupos onde me deram dicas óptimas e consegui nunca deixar de amamentar, quase que amamentava a 100% mas às vezes precisava mesmo de complementar com o suplemento. Amamentei até aos 6 meses, depois disso ele não quis mais. N próximo filho já sei ao que vou e vou fazer de forma diferente claro.

    ResponderEliminar
  9. Concordo a 100% com esta situaçao. Queremos amamentar, estamos dispostas a tudo pois sentimos que é o nosso papel principal quando damos á luz e queremos amamentar. Sinto uma enorne tristeza ao ter-me deixado levar por toda uma serie de opinioes, algumas de profissionais de saude.Sinto que alguma coisa tem que ser feita para acordar mentes que nao veem a influencia que teem nos comentarios que fazem. A minha experiencia de amamentaçao foi muito curta, sinto que houve um "complô" que me fez acreditar que nao tinha leite suficiente . Na maternidade a primeira vez que dei mama, a bebe nao estava a pegar bem entao a enfermeira teve este belo comentario: "olhe tem quem lhe empreste uma maquina electrica para tirar leite??? É porque nao conseguir amamentar, voce nao tem os mamilos para uma boa pega... " e pos- me um bico de silicone. Inexperiente que era aceitei o bico e a bebe la mamou e assim foi sempre... mas pensei para mim que nao ia desistir por um comentario estupido e insensivel. Fomos a primeira consulta na pediatra a bebe com uma semana tinha recuperado o peso de naacimento. Senti- me radiante... na 2/3 semanas de vida da minha bebe começaram os problemas a bebe mamava a toda a hora e todo instante, de dia, de noite... começa a pressao do pai, da sogra, da mae, que secalhar era fome, ( pico de crescimento sei agora) que nao tinha leite suficiente enfim tudo comentarios que so deitam mais abaixo a pouca confiança que estava a ter... a matança final foi chegarmos a pediatra e a bebe tinha aumentado "so" 200 gr... " deveria" ter cerca 400gr... (ainda recordo esta situaçao com a angustia de nao ter tido um anjo salvador para me ajudar) a pediatra coloca em cima da secretaria uma lata de leite em pó para começar a tirar o leite com bomba e dar no biberao pRa sabermos que a bebe bebia tudo o que precisava ou queria... foi o fim de tudo. Eu parva fui atras da conversa. O cansaço, a falta de apoio tb nao ajudaram, "os mil dedos apontados do afinal tinhamos razao a menina andava a passar fome"... claro que com o biberao a bebe deixou de reconhecer a mama como fonte dealimento e nunca mais consegui amamentar, com a tristeza e o stress deixei de conseguir tirar leite... contudo e tardiamente, infelizmente, quando aos 2 meses fomos vacinar a menina a enfermeira quis saber mais acerca de eu ja nao amamentar e ai sim fiquei mais de rastos ao perceber que tinha sido uma parvoice ter tirado a mama a bebe e dar biberao. Ainda tentei algumas tecnicas para tentar que a bebe pegasse na mama, mas nao consegui... sinto uma magoa muito grande por ter tido sempre o azar de calhar com pedras em vez de pessoas... conto a minha experiencia porque desejo que ninguem passe pelo mesmo. A industria do leite em pó dá mais dinheiro que o leite materno. Gostava de puder fazer mais para qie situaçoes como a minha nao se repitam, mas inlizmente nao nem serei a primeira nem a ultima. Peço dscp pelo testamento.

    ResponderEliminar
  10. Na linha saúde 24 disseram-me para não dar de mamar mais que de 2 em 2 h e 20 min de cada vez. No hospital da estefânia a mesma conversa. Bebé que já sofria de cólicas e choro inconsolável ainda chorava mais com a fome e falta do conforto da maminha. Ao fim de dois dias dessa brincadeira (pq se o bebé chorava só podiam ser gases.... Ng se lembrou que chorar e engolir mto ar nas sessões de choradeira é que causava os gases) quando senti as maminhas a ficarem com menos leite, aprendi a fazer ouvidos moucos. O chamado 4º trimestre acabou e com ele foram as sessões de choro. Não tinha nada a ver com a amamentação e a pessoas, profissionais de saúde, a repetirem aquilo como se fosse evangelho...

    ResponderEliminar
  11. lololol muito bem dito xD sim vai haver sempre profissionais que ás vezes saiem-se com coisas eu mais valia estarem calados como por exemplo "a papa causa obesidade infantil!" o meu filho tem 9 meses come papa uma vez por dia!!!! Só porque eu disse na brincadeira e é verdade: ele agora prefere a papa á sopa! Mas disse isto sem pensar que poderiam pensar que eu só dou papa ao meu filho! eu retifiquei-me e disse ele come as duas coisas, mas é claro que a sopa como não sabe tão bem como a papa ele abre mais rápido a boca á papa que á sopa... e só porque disse aquilo disseram que os miúdos tem obesidade infantil por comerem papa!!!! Oh céus!!!! eu vim de lá a rir-me e a pensar: deixa andar.... xD

    ResponderEliminar
  12. Sou mãe de uma bebé de 6 meses..e médica de medicina geral e familiar..se foi mais fácil por já ter conhecimentos na área da amamentacao? Não, não foi. tive as mesmas dúvidas que muitas mães..e muito desespero tb!
    Tive de usar mamilo de silicone porque a bebê não fazia a pega. Se isso é mau? Claro que não..no dia em q começou c o mamilo não mamava à mais de 10h...usou mamilo durante mto tempo e n me arrependo.
    No 4º mês não cresceu..se o leite era fraco? Não acredito, foi me ensinado que não..a verdade é q ela mamava como sempre mamou..não se queixava muito..sugeriram me introduzir o leite adaptado..se me arrependo? Não!
    Aos 5meses ficou doente e rejeitou me a mama..o biberao lá ia bebendo..até que melhorou e optei por lhe dar apenas só adaptado. Se me arrependo? Não! Se gostava de ter dado pelo menos até aos 6 meses? Claro que sim! Mas n me arrependo de nenhuma das minhas opções. Foram tomadas com consciência e informada..
    Agora que fui mãe entendo mais os dois lados..e a verdade é que a angustia é tão grande por estar sempre a chorar por nãoestao star a crescer que penso que muitas vezes sugere-se o leite adaptado para curar a mãe e alimentar o filho. A sub-nutricao pode ter sequelas graves no desenvolvimento psicomotor do bebé..tenho a certeza que nenhum profissional de saúde sugere o leite adaptado só porque sim...
    Mães que tiveram bebés que nao estavam a crescer como deviam!: lembram se de como estavam qd procuraram ajuda?
    E quanto tempo acham que é aceitável esperar até o médico/enfermeira sugerir o LA? Só se tiver sequelas? E se não sugerissem e depois o bebé ficasse com sequelas? A culpa n seria do profissional de saúde?
    E quando falo do LA, tb estou a falar no sugerir o extrator de leite ou o mamilo de silicone.
    A verdade é que existem bons e maus profissionais em todo o lado..falo pro experiência propria como mãe e como médica.
    Se existem médicos a impingir LA com objetivos secundários, não sei nc vi..mas se pensarmos bem as farmácias tb nos impingem muita coisa..inclusive o leite que escolhi foi sugerido pela farmacia..vou desconfiar se têm benefícios com isso..sinceramente não era nisso que estava preocupada..o pediatra tb sugeriu a papa que mais gostava..se acho q ele ganhava com isso? Não sei nem me interessa...se formos a desconfiar de todos nao vamos a lado nenhum..e aconselho a quem não confie/não goste do medico/enfermeiro que mude..porque sem confiança não se consegue cuidar...
    E apenas um à parte, sem querer ofender, muitos queixaram se dos disparates dos profissionais..mas tb li muitos disparates nos comentários..espero que quem esteja a ler consiga filtrar a informação que pretendem transmitir..as vezes alguns comentários contados por segundos e fora do contexto real podem ser mal interpretados.
    Espero que tenham compreendido o meu post. Tomem decisões informadas e com consciência...e não atirem tantas pedras...
    Felicidades para todas

    ResponderEliminar
  13. Acho isto muito engraçado até porque está relacionado com o tema da minha dissertação de mestrado. Há hospitais que são "amigos do bebé" (ex: o de Castelo Branco) e aí os pais podem ter toda a ajuda que precisam relativamente à amamentação e introdução de alimentos complementares :) e tirar outras dúvidas, claro!

    ResponderEliminar
  14. Concordo com tudo:)) Dou mama há 1 ano e se tivesse feito tudo o que diziam, tinha dado mama em exclusivo até aos 4m e não aos 6m como fiz, teria mamado com tempo limitado e de uma só mama(sempre mamou sem tempo contado e das 2), se chorava um bocadinho para os de fora era sempre fome ou leite insuficiente.. fiz orelhas moucas.. enfim... tem quase 1 ano e continua a mamar de dia e noite:)

    ResponderEliminar
  15. Joana concordo plenamente. Tenho um bebé com 2 meses e tenho andado a esforçar-me para tirar o suplemento e dar apenas a mama sem olhar a horas.Há 2 semanas atrás comecei por dar um único biberon, de noite , o rezto do dia era só mama. E há 5 dias k tirei por completo e tenho andado a dar só mama .

    ResponderEliminar
  16. Joana concordo plenamente. Tenho um bebé com 2 meses e tenho andado a esforçar-me para tirar o suplemento e dar apenas a mama sem olhar a horas.Há 2 semanas atrás comecei por dar um único biberon, de noite , o resto do dia era só mama. E há 5 dias k tirei por completo e tenho andado a dar só mama . Mas ele perdeu 200 gramas. Estou a ficar cheia de dúvidas outra vez. E lá está, os médicos e a família não ajudam, smp a apontar k o bebé tem fome. Acho que vou ter mesmo com enfermeiras da sos amamentaçao para ver no que me conseguem apoiar.

    ResponderEliminar