quinta-feira, 12 de maio de 2016

Fiz o mais difícil: desisti.

Não, desistir não é para os fracos. Tenho aprendido isso, todos os dias. É para os fortes. 


Desistir implica desfazermo-nos de algo a que estávamos ligados ou afeiçoados, renunciar a algo que estava lá, que fazia parte dos nossos dias, e que, bem ou mal, fazia parte de nós e do que éramos. Desistir implica levantar a cabeça e ter força para abraçar um recomeço. Implica ter de lidar com olhares de espanto e - alguns - de reprovação. 
Desisti, nos últimos meses, de um trabalho, de uma casa e de uma vida na cidade. De algum conforto monetário. Desisti de uma vida intensa, de malabarismos com as horas, de alguma sofreguidão e agitação, de admiração por conseguir chegar a tanto lado e fazer tanta coisa. Desisti de tentar ser uma Super Mulher, cheia de tudo, mas [afinal] tão incompleta.

E procurei. Procurei, cá dentro e naquilo que importa, o recomeço. E encontro, todos os dias, um bocadinho. Não me encontrei ainda, não totalmente, mas o caminho não está a ser tão sinuoso como previ. Desisti para me encontrar. Para ter tempo. Para mim e para os que (me) importam. Para a que cresce em mim e para a que cresce ao meu lado [e sempre aqui dentro, no peito]. Para me ouvir, para escutar o que o meu coração me diz. Para redefinir o futuro. Com mais inseguranças - materiais - mas com mais confiança naquilo que sou e no que estou a construir. Prefiro demorar mais tempo, mas ter pilares mais fortes.

Não sei onde estarei nem o que farei no próximo ano. Mas sei o que serei. Mãe a dobrar, namorada, filha, mulher. 
Grata. Pela força dos que me rodeiam e pela força que tenho dentro de mim. Que sempre tive. Para desistir, para procurar, para recomeçar, para acreditar.


Assusta. Mete medo. Mas é importante desistir [nunca de nós, da nossa essência, daquilo que nos faz bem. Do resto]. Disse sim à mudança. Aos recomeços, de dentro para fora.


*Imagens WeHeartIt

25 comentários:

  1. Que bonito texto! Conseguiu meter-me a suspirar com uma lagrima no olho... num segundo percorri vários momentos da minha vida... Momentos em que efectivamente desisti e agora compreendo o quão dificil isso foi! Realmente não fui, não sou fraca! Beijinhos para si e obrigada por este momento

    ResponderEliminar
  2. Eu não lhe chamaria "desistir". Mas sim, recomeçar.

    ResponderEliminar
  3. É preciso uma coragem enorme! Desistir por amor. Às vezes são estas decisões que mudam o rumo da nossa vida para melhor... É preciso ter é coragem para as tomar e ter apoio da família (fundamental)!
    Muita força Joana!

    ResponderEliminar
  4. Eu tambem! e sei muito bem o que dizes e sentes! Tal como estou feliz por ter "desistido", sei que o estas tambem. Mas premite-me uma correcao: Nao desistimos de nada, pelo contrario. Ate aqui estavamos a desistir do que e importante para nos e nos faz bem. Agora nao, agora sim tivemos a coragem de assumir a nossa posicao neste mundo! E com isso, todas as consequencias que implicam essa decisao! Beijinho e Parabens a nos! :-)

    ResponderEliminar
  5. Olá Joaninha! Não destas...nunca! Antes recomeça...sempre!
    E vai em frente naquilo que te completa, que te faz crescer. Enfrenta os teus receios e medos sempre com um olhar mais à frente...verás que logo, logo te animarás e tomarás consciência que a decisão foi a mais certa!
    Beijo grande!
    Cat

    ResponderEliminar
  6. Melhor texto de sempre, JPB!!! :) e algo me diz que também a melhor decisão de sempre ;) tudo de bom e sereno para a família!

    ResponderEliminar
  7. :)
    Que tudo corra pelo melhor!
    Desistir pelo que mais importa! É poético! É Amor próprio e pelos teus! É coragem!

    Muita admiração deste lado!
    Beijinhos e muita força!

    ResponderEliminar
  8. ADOREI, COMPREENDI, REVIME... Não sou de comentar posts mas este MEXEU! :)

    ResponderEliminar
  9. Texto mais bonito do blog! Gostei muito, também prefiro a vida numa zona mais calma do que na correria da cidade.

    ResponderEliminar
  10. Também queria fazer o mesmo, cagar para tudo e ficar só com a minha filha...

    ResponderEliminar
  11. Também eu estou prestes a desistir de um trabalho de 4 anos só para puder deitar o meu filho á noite. Tenho a certeza que tomei a melhor decisão, tal como tu Joana.

    ResponderEliminar
  12. Somos pessoas em construção... recomeçar (e não desistir) faz parte deste percurso de construção :)

    ResponderEliminar
  13. Revejo-me completamente. Sinto,no entanto, que desisti, mas antes da tomada de decisão e da mudança. Desisti de rir, de acreditar em mim própria,de sentir,de viver. Há que nos reinventarmos tendo sempre o nosso propósito em mente. Neste momento sinto-me plenamente grata por estar a vivenciar cada momento e cada conquista do meu filho,ainda que outros aspetos, nomeadamente o conforto financeiro não seja o mesmo. O tempo urge e não volta para trás,por isso, há que viver o agora! Boa sorte nesta nova jornada!

    ResponderEliminar
  14. Obrigada,a mim também apetece-me desistir, mas infelizmente não posso, mas sinto que perco muito, minha filha cresce,e algo se perde!! Joana um bom recomeço!!! Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Olá Joana,
    Na apresentação do livro em Almada quando questionei a Joana Gama sobre o recomeço do trabalho e como ela se tinha sentido tb devia ter feito a mesma pergunta para ti mas mais no sentido de como foi recomeçar (talvez não desistir) do zero. Desculpa-me por isso. Os nervos não me permitiram continuar.
    Mas agora digo-lhe que tenho um orgulho enorme na tua coragem.
    Eu depois que fui mãe percebi que nasci para ser mãe e q esse é o meu papel mais importante da vida. E durante a licença de maternidade pensei muito de como seria voltar ao trabalho e se me iria adaptar novamente ao corre corre q a minha vida profissional tem sido. N foi fácil no início. Estava sempre ansiosa por chegar a casa às vezes até ficava contente quando me diziam "a Dra. Não tem consultas hoje a tarde".
    Agora q passaram 6 meses de reenicio de trabalho dou por mim a pensar... Será que estou feliz e realizada. Será que não gostava de arriscar outro percurso? Ainda não tive coragem de responder porque tenho receio da resposta. Porque a duvida vem sempre a seguir, e depois faço o q?
    Adorava mudar-me para o Alentejo. Não sou de lá. Sou do Norte. Vivo em Lisboa a 1 ano. Mas amo o Alentejo!

    Ainda não tenho a capacidade de abdicar do q uma cidade me proporciona mesmo morando nos arredores da mesma. Desapego. Essa é a palavra. Fácil de dizer mt difícil de praticar.

    Parabéns Joana pelo texto, pela coragem , pela força e determinação. As tuas filhas têm uma grande mulher como mãe.
    Beijinhos
    Desculpa o testamento (escrito enquanto ainda filha mama)

    ResponderEliminar
  16. O texto está óptimo, queria ter essa força do recomeçar, ando ,aliás a procura la dentro de mim...fez me bem ler te...e pensar naquilo que escreveste.Por vezes não é assim tão facil,mas não vou desistir.bjs Parabéns por tudo.

    ResponderEliminar
  17. Sinto que desistir tem uma conotação demasiado negativa, na maioria das vezes. Aquilo que fizeste, Joana, foi recomeçar, renascer, reconstruir-te. Estas palavras são lindas. O teu texto também. E a decisão, podendo ser tomada, já que como disseste supõe o abdicar de algum conforto financeiro, é para ser vivida em paz e em amor, mais ainda. Por isso, não digas desistir. Nota-se que estás mais adulta, mais tranquila - que, depois de saírem de Lisboa, a paz finalmente te alcançou. Afasta por isso toda a negatividade da tua vida, até a que inconscientemente ainda nasce das palavras. Estou a tentar fazer o mesmo. E espero que aproveites bem estas últimas semanas com a Luisinha dentro de ti, e que aquelas que chegarão depois, sejam as melhores de sempre. Tu mereces.

    ResponderEliminar
  18. Desistir é para os fracos. Mudar é para os fortes. Mas o que realmente gostava de perceber é como se sobrevive economicamente a este recomeço ? Sou por isso uma ceptica quanto a estas " mudanças radicais " mas aberta a todas as respostas ;-)

    ResponderEliminar
  19. Muito bom Joana! Já tinha aplaudido a tua decisão noutro texto teu :) desistir...melhor, recomeçar cm mt bem disseram nos comentarios atrás mas com uma coragem fantástica que invejo! Parabéns pelo post :) chega à alma!

    ResponderEliminar
  20. Joaninha, vai dar tudo certo! Recomecar, reinventar, arriscar é ir mais longe! Um beijinho com muitas saudades

    ResponderEliminar
  21. Também queria ter coragem para "desistir..."

    ResponderEliminar
  22. Boa tarde.. Não costumo comentar nada... mas este texto mexeu...
    Admiro a coragem! A coragem de seguir aquilo que somos.
    Acho que estou nesse processo, em reflexão por enquanto.... Não sei se chegarei a ter essa coragem de ser eu própria... Isso deveria ser tão fácil!...
    Contudo, uma das minhas questões que me prende também é a questão financeira... Tenho dois filhos pequenos... Como fazer para sustentar a família?.... Para ter onde viver?... Se alguém puder partilhar e inspirar!....

    ResponderEliminar
  23. À um ano atrás também desisti de uma carreira de 15 anos. Mudei de Continente porque senti que era o momento de lutar e formar a minha família. Estou grata e super feliz com a melhor das decisões que me trouxe o meu príncipe, hoje com 5 meses. E adoro cada minuto do dia que olho para ele, sem nunca me arrepender da minha escolha. Sou mais feliz, sou mais eu.

    ResponderEliminar
  24. Inspirador Joana... e têm-me rodeado alguns exemplos assim inspiradores... claramente já faltou mais para dar o salto! se faltou!!
    beijinho e tudo de bom

    ResponderEliminar