terça-feira, 3 de maio de 2016

Não quero ofender ninguém...

Não há mas. Não quero mesmo ofender ninguém. 

No outro dia uma amiga minha aproveitou que o filho já estava a dormir para ir dar uma volta e ir comprar roupas para ela. Disse-me que ficou chocada porque não fazia ideia da quantidade de mães a passear com filhos bebés tão tarde, depois das 10h da noite no centro comercial e que a impressão com que ficou foi que eles estavam birrentos e cansados. 

É um facto que existe uma hora apropriada para adormecer os bebés. Posso falar-vos mais disso se quiserem. Até às 9h da noite seria o ideal, mas existem outros factores que depois compensam deitar mais além da hora ideal como ver um dos pais que chega mais tarde a casa. 

Eu sou das mães que sempre respeitou ao máximo o sono da filha, até exageradamente. Sinto uma culpa grande se sair com ela à hora que ela devia estar a dormir e vir que ela está cansada ou rabugenta porque decidi levá-la comigo para fazer algo que não era "necessário". Isto sou eu. 

O que leva a que mães de bebés vão com eles tão tarde para um centro comercial? 


Neste caso é uma criança e não um bebé, mas achei piada à fotografia. 

102 comentários:

  1. nãooo...nem pensar! Se for uma ocasião especial de um jantar ou uma festa tudo bem, lá tem de ser com muita pena minha, porque fica muito chatinha. Agora para ir fazer compras a um centro comercial ??! Não mesmo.

    ResponderEliminar
  2. Ter que ir e não ter com quem os deixar?
    Não estar sensibilizada para os horários e achar que podem dormir tarde desde que durmam as horas todas?

    ResponderEliminar
  3. Eu não fui à apresentação do vosso livro precisamente porque após uma sessão fotográfica com a Joana Bandeira, os dois (4 e 28 meses) adormeceram no carro. Não tínhamos como ir almoçar,dava pena tirá-los do carro para ir para um restaurante,e então voltámos para casa onde eles fizeram o resto da sesta. É assim a vida!

    ResponderEliminar
  4. Antes de ser mãe nunca pensei nesse assunto, agora está completamente fora de questão. Depois da hora dele dormir só em casos muito excepcionais de aniversário dos avós ou dos tios, caso contrário não o levo. Este sábado fui jantar com uns amigos e com um casal que tem 2 filhos de 2 e 3 anos, estivemos lá até à meio noite, as crianças estavam mortas de sono e rabujentas e eu estava com um aperto no coração por causa das coitadas das crianças estarem ali, ainda tentei acabar o jantar mais cedo mas não tive sucesso nenhum.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A solução seria o casal não ir jantar, ficar enclausurado em casa e deixar de ter vida social, é isso?

      Eliminar
    2. As pessoas tb se podem encontrar a tarde. Almoçar ou lanchar. Os verdadeiros amigos encontram sempre solução...

      Eliminar
    3. Exacto. A não ser que o casal considere a vida social mais importante do que o bem estar do seu bebé. Eu não janto fora há quase dois anos,e ainda estou vivo e de boa saúde. São opções.

      Eliminar
    4. Quando se fica em casa pelos filhos não e sacrifício é apenas ser pai é mãe... Temos todo o dia para passear e colocar o seu bem estar por cima dos bebés é ser muito egoísta e deviam de pensar se queriam mesmo ser pais...

      Eliminar
    5. Caro PedroSantosGomes ainda bem para si, mas mais uma vez esta a julgar de forma subtil. Os pais e mães não são todos iguais e reagem de forma diferente perante a vida e isso temos de respeitar. O meu bébé tem 6 meses, e eu e o pai estamos sozinhos com ele, não temos familia nem amigos proximo de nos, e posso dizer que apesar do amor infinito pelo nosso filho, passamos por momentos quase de loucura/depressão por estarmos sempre fechados e sem ninguém. Não é o jantar fora ou sair a noite, por vezes é a necessidade de se sentir apoiado, de espairecer e sentir que ainda existe vida para além do bébé. Eu quase entrei em depressão, felizmente esta a chegar o sol e dias mais quentes onde moro e o bébé pode começar a sair.

      Eliminar
  5. Se calhar não terem ninguém com que deixar a criança e essa seja a única altura do dia que têm tempo para espairecer, fazer comprar, o que quer que seja... Não sei, não sou mãe nem sei como serei quando o for.

    ResponderEliminar
  6. Eu não costumo ir, quando preciso de comprar alguma coisa, tento ir à hora de almoço. Mas no outro dia, jantamos cedo, o pai também chegou cedo e fomos. Eram 21H30 já estávamos a vir embora e ela adormeceu no carro, e a verdade é que me soube bem, e a ela parece que também, ter quebrado a rotina da semana, que é chata.
    Eu tenho o problema que o meu marido trabalha no comércio e chega a casa ás 20H00. Podia dar-lhe de jantar antes e ela ir para a cama ás 20H/20H30, mas para mim o jantar em família é fundamental. Relaxamos, brincamos e conversamos, é o tempo que o pai tem para estar com ela.

    ResponderEliminar
  7. Eu por acaso não tenho hábito de ir a shoppings com o meu filho, mas porque já não tinha o hábito de lá ir, antes dele nascer. E assim de repente consigo pensar em algumas razões para as "mães polícia" encontrarem uma mãe com um bebé num shopping as 22h00:
    1) Uma mãe e pai que trabalham e o bebé fica todo o dia em casa com uma empregada. É normal que ao fim do dia/noite (há muito boa gente que sai depois das 19 do trabalho) os pais queiram que os filhos saiam de casa. O shopping não é a primeira alternativa, mas se tiver a chover é o que for.
    2) Uma mãe e pai que trabalham e o bebé fica todo o dia com os avós. É normal que ao fim do dia/noite (há muito boa gente que sai depois das 19 do trabalho) os pais tenham de ir fazer umas compras que faltam. Muitas vezes a essa hora só o shopping está aberto. E já que lá estão aproveitam e despacham outras coisas.
    3) Um pai que trabalhe mas uma mãe que não trabalhe, mas que seja muito activa e que faça tudo com os filhos, em vez de os enfiar em casa o tempo todo, em stress com sestas e refeições. Um dia perdeu a hora e ficou no shopping até as 22h00.
    4) Uma mãe solteira.........(!!!)
    ETC
    Mais uma vez, acho que a Joana Gama está a ser fundamentalista com as suas ideias. Existem outros cenários e outras maneiras de educar..... :|

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo. Emiti 0 de julgamento ☺ ja vem comigo fisgada 😙

      Eliminar
    2. O melhor será mesmo fazer o post sobre a hora apropriada...

      Eliminar
    3. Sou mãe solteira e nunca levei o meu filho para o shopping depois das 21h30 (hora que saía do trabalho quando ele era mais bebé). A partir do momento em que somos pais temos de colocar o bem-estar dos nossos filhos à frente do nosso ou dos nossos desejos pessoais. Sim, é saudável que eles saiam de casa, mas se o único horário em que o fazem é depois da hora de dormir (21h),falo de um bebé de 20 meses no caso do meu, não será melhor arranjar uma creche onde ele socialize durante o dia e brinque em vez de o deixar com a empregada? Ou então dizer aos avós que quando estiver bom tempo que o leve ao parque, se não tiver essa possibilidade?

      Acho que não havia necessidade de "atacar" a Joana,pois a questão que ela coloca aqui é a correcta, sempre me irritou ver pessoas num shopping com crianças (dito isto sobre crianças até 7/8anos), quanto mais bebés!
      Querem socializar ou passear, deixem a criança a dormir descansada nos avós nessa noite, ou não vão... Há sacrifícios a serem feitos quando nos tornamos progenitores. Há pais e há progenitores.
      PROTECÇÃO a eles é essencial. Ou ficam com a cabeça frita,como certos anónimos.

      Bem haja,Érica Reis

      Eliminar
    4. Oh Erica,há quem não tenha avós por perto,certo? Não há paciência para sanctimommies...

      Eliminar
    5. O que me chateia mais nestes comentários é o ataque e os moralismos de mães que se julgam acima das outras!! É triste esta luta entre mulheres e mães! Eu não sou perfeita mas fico "feliz" pela quantidade de mães e bebés perfeitos que imperam por aqui. A Joana não criticou nenhuma das partes! Só colocou uma questão pertinente! Continuo com a minha "somos todas perfeitas na nossa imperfeição e vice versa"! Respirem antes de escrever e atirar pedras...

      Eliminar
    6. Fui eu quem escreveu o comentário, e apenas esse. Pensei mesmo que a Joana G estava a julgar, se não estava peço desculpa.
      Queria apenas dizer que não me chateia nada mães nos centros comercias a altas horas com bebés (se for sempre a mesma mãe e a mesma criança talvez..). Acho que cada uma sabe de si.
      Acho mais difícil perceber mas respeito, pessoas como algumas que aqui comentam, que desde que têm filhos não jantam com amigos durante dois anos?! What?

      Não é a minha forma de educação, prefiro leva-lo comigo para todo o lado, mas fazer o que me faz feliz, e isso inclui muitas coisas (a maioria) a pensar sempre primeiro no bebe. Fico feliz de ir ao jardim, porque ele adora. Fico feliz de ir a praia, porque ele adora. Adoro estar em casa na hora da sesta para ele dormir melhor. etc. Mas ele viaja connosco e se for preciso estar 5 horas num carro, está. Não é o melhor, mas é o que há, e essas 5 horas depois culminam num programa espectacular para ele.

      Eliminar
  8. A minha opinião é simples... a minha filha faz-nos companhia nos jantares e passeios nocturnos... claro que que quando a baby C. sai com os pais os ambientes são seleccionados e o regresso a casa não é de madrugada... (isto que fique esclarecido... não vá alguém querer chamar a CPCJ)... no entanto de vez em quando sair da rotina não mata ninguém e até faz bem... ela está habituada a que há dias que o soninho vem mais tarde... e dura até mais tarde também... nós gostamos da companhia dela... e ela também gosta de mostrar as "gracinhas" a outras pessoas...

    ResponderEliminar
  9. O que eu não entendo é o que é que vocês têm a ver com isso. Eu nunca moldei a minha vida só aos meus filhos, eu nunca deixei de sair, durante o dia, se fosse a hora de dormir. Se não dorme em casa, dorme no carro, dorme no carrinho, dorme onde tiver de dormir e dorme se tiver sono.
    Quanto à mãe levar a criança, aquela hora, ao shopping, se calhar nem toda a gente tem a vossa vida nem com quem deixar a criança, não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deviabde tentar dormir no banco de um carro com luz e barulho a mistura para ver se dorme bem! Parto do princípio de não fazer a minha filha o que não gostaria que fizessem comigo. Ter filhos é mesmo isso moldar a nossa vida a deles não foram eles que pediram para vir ao mundo...

      Eliminar
    2. Graças a Deus durmo bem em qualquer lado. E, que eu saiba, uma vez não são vezes, certo?

      Eliminar
    3. Concordo 100%. Eu tb n moldei a minha vida à do meu filho. Claro que na maioria das vezes ele dorme à hora certa e na cama dele, mas se não dá, não deu, e acredito que só lhe faz bem. :)

      Eliminar
    4. Acho que sim ele é que tem de se moldar a vida dos papas que não tinha nada que vir chatear a vidinha deles!!!! E dormir apertado num carrinho rodeado de barulho e luz só lhe faz bem para aprender que a vida não é como ele quer mas sim como as futilidades dos papas querem! O puto que tenha paciência que isso de mudar a vidinha por ele nem pensar!!!!

      Eliminar
  10. Eu tb respeito muito o sono da minha filha...não me parece nada confortável dormir num carrinho com luz e barulho
    ...mas já vi bem pior país que levam os filhos para jantares com grupos de amigos em restaurantes até altas horas da noite....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem pior?! Por favor, que fundamentalismo. Então o que dizer daqueles que espancam crianças, ou que não querem saber deles para nada. Menos, muito menos.

      Eliminar
    2. Desculpe que lhe responda, ou deixou de ter vida para além da sua filha ou tem alguém a quem deixa-la. Fui jantar a um restaurante com o meu bébé de 4 meses (claro que fomos mais cedo e as 22h30 estavamos em casa), ele adorou ver caras novas, sair um bocado. Para ter ideia do contexto, e não me julgar, sou eu e o meu companheiro sozinhos , não temos familia nem ninguem a quem o deixar e quisemos sair da rotina, porque essa sim é lenta mas mata relações e pode até levar a depressão. O mundo no geral seria muito melhor se as pessoas não se julgassem umas as outras, o que falta a humanidade é compreenssão e respeito.

      Eliminar
    3. So mesmo mentalidade tuga para achar que viver é ir à jantaradas com amigos...é por isso que somos um país pequeno e continuaremos a ser...existe muita vida para além disso é quem não conhece ou não consegue ver isso esses sim tem uma vida triste... Excepções existem sempre mas quando se torna rotina...muitos país são país por ser, porque chegou a hora, porque os avós pedem, porque os outros têm e depois não tem capacidade de se adaptar à nova realidade. As crianças têm que dormir cedo na sua cama para descansar e crescer, não é científico nem novidade apenas normal...

      Eliminar
    4. Mesmo mentalidade tuga! Basta viajar para o país ao lado para vermos crianças e bebés com os pais durante a noite a passear em carrinhos, slings. Aqui se as crianças apanham ar de janeiro e ainda para mais da noite os pais têm um AVC e os outros são uns maus pais! Não sei como é que os nossos pais se criaram!...

      Eliminar
    5. Espanhóis a sério? Dos poucos povos que ainda são piores que os tugas!!!! Vamos subir um pouco mais e ir para a verdadeira civilização. Sabe aqueles que estão no norte e tem grande qualidade de vida, que são desenvolvidos...aqueles que devíamos tentar imitar... E não os saroncos do lado!

      Eliminar
    6. Anónimo3 de maio de 2016 às 22:25, mentalidade tuga é achar que os bebés são umas flores de estufa e que não se pode fazer nada de especial com eles e a vida com filhos é igual a uma vida infeliz e de sacrifícios. A maioria das pessoas que me rodeia (colegas de trabalho) tem filhos e é infeliz. São frustrados com a vida, com o trabalho, com as relações que têm/tiveram, com as escolhas que fizeram. E são as primeiras a encherem-se de moralismos e "atacar" quem ousa ser feliz e fazer escolhas com as quais se sente bem e que, no fundo, apenas lhes mostra que há mais opções na vida que as que elas tomaram e que a infelicidade não era uma inevitabilidade. Vá ao centro e norte da Europa e veja o que são crianças na rua com temperaturas negativas, com chuva, com os pais em parques, museus, lojas, restaurantes... crianças a acompanharem os pais em tudo e os pais a fazerem a sua vida normal e a integrarem as crianças na sua rotina e transmitindo-lhes desde cedo as actividades/coisas que lhes dão prazer. Em Portugal é que é tudo com uns fru-frus com as crianças que me faz impressão!

      Eliminar
    7. Concordo em acompanhar os pais mesmo com frio mas durante o dia e não a meio da noite para os pais poderem fazer noitadas com os amigos... Se querem fazer noitadas com os amigos não tenham filhos nem os levem para ambientes não apropriados a horas não apropriadas que eles não pediram para nascer...concordo em sair no inverno que o frio até faz bem aos ossos mas não perturbar o sono das crianças.

      Eliminar
    8. Ninguém falou de noitadas anónimo X! onde moro, por causa do frio nem saía de dia, quanto mais de noite!! a minha filha não vive em redomas nem os pais! o meu comentário foi só para mostrar o fundamentalismos que por aqui vai e vê-se pelas respostas! Anónimo XPTO essa dos países do norte é boa! fala sem conhecimento de causa! falei dos espanhóis para não falar de outro país qualquer da Europa! Poupe-me com esses argumentos! mas gostei de saber que os pobres espanhóis são maus pais, piores que nós tugas! enfim... o resto o anónimo das 13:35 disse tudo!

      Eliminar
  11. A pergunta q se coloca é o que é que leva as pessoas irem ao shopping passear xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depreendo que nunca tenha entrado num.

      Eliminar
    2. Depreendo que depreenda que depreendemos que elas depreendam que a JG é uma fixe. E a JPB também. Cá beijinho moças!

      Eliminar
  12. Obviamente que estavam birrentos e cansados...coitados já deviam era de estar na sua caminha a dormir sossegado...vejo muita gente a criticar a Joana pois eu acho que ela tem uma atitude perfeitamente normal e adequada. Respeita o sono da sua filha e não coloca os seus interesses fúteis acima do seu bem estar. O blog é dela e ainda escrevemos o que quer por mais que incomode algumas mães que devem estar de consciência pesada porque se assim não fosse não se espinhavam tanto...

    ResponderEliminar
  13. Por norma isso não acontece aqui em casa, mas às vezes em caso de urgência, tem de ser. Vivemos longe de ambas as nossas famílias, não temos com quem deixar a nossa filha. Por isso ocasionalmente vamos jantar com amigos ou às compras "fora-de-horas". Nem todas as famílias são iguais, nem toda a gente tem os mesmos horários, possibilidades, e afins. É preciso é calma. Na minha opinião se os miúdos são saudáveis e felizes, tudo corre sobre rodas.

    ResponderEliminar
  14. Sinceramente uma saída ocasional para ir ao shopping não me parece assim tão condenável. Vocês publicam as fotos perfeitas: banhinho com espuma, idas ao parque,enfim, o retrato cor de rosa das vossas vidas. E depois há a vida real! Vocês são tão perfeitas...e as vossas filhas só têm 2 anos. Sabem tudo, tudo, tudo. Eu sou mãe há 16 anos e ainda não sei nada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se define assim o nosso blogue então não o conhece nada bem ou só terá filtrado as "coisas boas". Não pretendemos ser aspiracionais, só "passeios e banhos de espuma", pelo contrário, expomos tantas e tantas vezes as nossas fragilidades, os nossos medos, os nossos erros, o reconhecimento deles e as nossas mudanças de opinião... Está a ser injusta.

      Eliminar
    2. Ahahahahha! Isso era no início... Hoje em dia, estão a tornar-se num blog bastante diferente. Posts como estes só servem para por tudo on fire, terem mais visitas e por aí adiante.
      Não julguem as vossas leitoras por parvas com o discurso, que gostam de conhecer outras realidades... Ahahah

      Eliminar
    3. Ah espere! Não tenho direito a opinião?

      Eliminar
    4. Alguém disse que não tinha direito a opinião? Tanto tem - e feita com respeito - que a publicámos. Eu é que tenho o direito em não concordar ou identificar-me com ela.

      Eliminar
    5. Também considero que os relatos reais que faziam "era dantes". Agora estão a ir pelo caminho comercial que resultou com outras e que, percebo, seja apetecível.

      Eliminar
    6. Estavas quieta que ninguém te tinha chateado, Joana hahaha ;)

      Eliminar
    7. A questão é que vocês estão a cair no ridículo!

      Eliminar
  15. Eu não julgo ninguém! Mas sou da opinião que temos de os habituar a sair de rotina de vez enquando (nem nunca nem sempre), tenho um bocado a opinião do anonimo das 14:44. Não sabemos o que motivou esses pais a levar os bébés a essas horas, não sabemos as suas vidas e rotinas. E em Portugal infelizmente a maior parte trabalha até tarde e depois ainda tem a familia e coisas a tratar, nem todos tem uma vida facilitada. Infelizmente é um problema do pais, apenas uma pequena parte tem a sorte de sair as 16/17h. Sou emigrante e não sou pimba nem gosto de dizer que onde estou é que é melhor, porque estaria a mentir, não ha nada como o pais e a nossa cultura, mas no que diz respeito a maternidade e horarios e carga de trabalho esta muito acima, o que nos permite ter mais tempo com os filhos a "horas decentes" e deita-los cedo. Mas o mais importante é serem felizes em familia com muito amor as 21h ou as 23h!!

    ResponderEliminar
  16. Ora em jeito de resposta a esta questão que tira o sono a muito boa gente vou aqui opinar o seguinte:
    - tenho uma filha já crescida mas lembro-me de ela ser bebé e o um dos primeiros passeios foi nem mais nem ontem ao Forum Aveiro (para quem não sabe aquilo é aberto assim ao estilo Camapera e afins). Para acabar de ser crucificada resta dizer que era Janeiro e a criança tinha 17 dias, vá foi de dia!!! Se era preciso ir, claro que sim! Ela mamava, eu precisava de ir comprar umas roupas e sobretudo arejar!
    - enfiá-la noite dentro em noitadas no Shopping nunca foi meu hábito, mas a título de exemplo digo que a minha criança com 9 meses se fartou de ver Vilamoura a dormir! Passo a explicar...nas férias de verão a menina adormecia cedo e os desnaturados dos pais dela carregavam-na pró ovo e vai de ir esticar as pernas na Marina em Vilamoura. Nunca acordou, sempre dormiu que nem um calhau e este treino fez com se adapte a dormir em qualquer lado!
    - querem vos diga outra coisa (eu digo à mesma!)...o que me incomoda é crianças com fome e falta de afeto. Ora tudo o resto é fait divers para bater papo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso concordar consigo a 200%?
      Nós nas férias de verão íamos jantar fora, porque para eu cozinhar já basta o resto do ano, e o bebé comia a sopa antes de irmos e depois dormia no carrinho até voltarmos.
      Querem agora ver que eu não ia de férias por causa dos horários do bebé? E quantas vezes fazia as sestas no carrinho na praia, pois se adormecia ao irmos para a mesma. Ainda bem que não me cruzei com nenhuma mãe polícia, se não, a esta hora, já me tinham retirado as crias.

      Eliminar
    2. Concordo consigo. E muitas pessoas ignoram o facto de ser muito importante os pais estarem bem e não deixarem de fazer as coisas que gostam só porque são pais! Os pais têm de estar bem para cuidarem dos seus filhos. Quantos pais não entram em depressão após serem pais com o stress e rotinas diárias?.... muitos mesmo.
      Desde que a criança esteja bem, tenha muito afeto e amor, o resto faz-se sem stress e sem tantas regras!!!!!!!!

      Eliminar
  17. Pelo amor!Nem toda a gente pode se dar ao luxo de sair às 17h do trabalho,ter uma empregada p ir às compras,tratar do jantar e dos miúdos.ngm sabe as reais motivações dessas mães.fica mal esse tipo de julgamento nos tempos d hoje.e vindo d um blog com esse nome, pior ainda. nesse caso,essa mãe não sabe mesmo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por ninguem saber é que quis perguntar 😊 nao acha importante para diminuir fundamentalismos? Compreender o proximo? Saber o que o motiva?

      Eliminar
    2. Sim Joana! Mas tb dá azo ao aparecimento de #mummieshaters e #perfectmummies!! Tu própria no 5 para a meia noite respondente a essa pergunta mas com outra questão , os especialistas de sono! Não há formulas iguais para bebés. Basta ver por vocês. Duas mães e duas bebés e vivências diferentes, comportamentos diferentes e por aí fora ;) basta ver pelo teor dos comentários que isto não diminui o fundamentalismo...

      Eliminar
    3. percebo, Inês, mas o que eu pretendia não era diminuir ou aumentar o fundamentalismo. Queria mesmo conhecer a vida destas mães que a minha amiga terá visto. O que as faz ir. Já conheci, assim, vários cenários que me permitem contextualizar e acho que muitas mães, ao ler os comentários, também terão tido assim conhecimento. Acho que por muito que as pessoas, sem se identificarem, atrás de um monitor se sintam à vontade de mostrar as patas, as coisas acabam por entrar e acabam por reflectir sobre o assunto ;) Ninguém é monstro, digo eu.

      Eliminar
    4. Já não digo nada Joana ;) com o que por aqui alguns anónimos escrevem...gosto mais dos vossos textos sobre solidariedade entre mães ahaha mas isso sou eu que gosto mais de flores e borboletas e de mães e pais imperfeitos que não criticam os outros só por criticar! e que não se escondam atrás de um perfil anónimo! desculpa... são as hormonas das 38 semanas a falar ;)

      Eliminar
  18. Joana, confessa...querias era conteúdos para o post da "hater" lol...quanto às visitas nocturnas ao shoping...Não sou fundamentalista, mas também me faz confusão, mas isto sou eu...no entanto uma vez por outra também vai jantar fora ou a casa de amigos. Prezo sobretudo a minha sanidade mental ( e a dele)e que o meu torresminho cresça com uma mãe calma e descontraída e não control freak. Beijinhos, gosto de te ler!

    ResponderEliminar
  19. Eu respeito muito a hora de deitar do meu filho, mas infelizmente vivemos a quilómetros de distância dos nossos amigos e família. Só temos um carro que o meu marido leva para o trabalho, como moro a alguma distância de um centro comercial, se precisar de comprar algo tenho de esperar que ele chegue a casa para lá irmos. Entre comprar tudo o que necessitamos, nunca nos despachamos antes das 22. Não gosto de todo desta situação, mas como não tenho outra alternativa tenho de o fazer esporadicamente.

    ResponderEliminar
  20. São-me absolutamente indiferentes as razões. A vida é de cada um e cada um sabe de si.

    ResponderEliminar
  21. Joana Gama, mais um filho e essas questões deixam de ser questões. Muito fundamentalismo num post que não acrescenta nada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A cartada do fundamentalismo é deitada tao de borla hoje em dia. Acho que ha o fundamentalismo do fundamentalismo haha

      Eliminar
    2. fundamentalismo do fundamentalismo, é que é mesmo isso. c*** nisso, Joaninha :)

      Eliminar
  22. Agora fiquei um pouco chocada com este texto, e geralmente gosto do que leio por aqui. Existem imensos motivos para isso acontecer. Começo por dizer que, ao contrário de aparentemente 95% das mães que aqui comentam, eu gosto de ir a shoppings. Não gosto de ir aos fins-de-semana por ser muita confusão. O meu bebé é meio noctívago como eu. Só estamos todos juntos em casa depois de um dia de trabalho por volta das 20h. Por vezes não quero jantar em casa, arranjar o menino e não arranjar, ir, jantar e provavelmente ir até ao continente buscar isto ou aquilo...bom, facilmente são 22h, não? Enfim, pode não ter sido a intenção mas senti que este texto foi puro julgamento sim, e não contava nada com isso. Noutro dia o menino estava com o nariz entupido, tínhamos passado o dia a trabalhar, eu cheguei a casa mais cedo mas o miúdo estava com muito sono e dormiu segunda sesta entre as 18:00 e as 20:30...não é hora de segunda sesta, mas não tive coragem de o acordar. Quando acordou eu pensei "não há hipótese, pensava que tinha soro e não tenho, ele está todo entupido, a esta hora só se for ao continente (num shopping), mas antes dei-lhe o jantar etc...saí de casa 21:40 e às 22:30 estava a vir embora do shopping...apenas lá fui por causa do soro que o menino precisava, ele tinha dormido uma sesta de duas horas e meia e não ia adormecer antes das 23h nesse dia (tinha acordado às 20:30), e mesmo assim levei com olhares reprovadores de outras mulheres...enfim.

    ResponderEliminar
  23. Eu vi logo que isto ia dar molho.. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a JG também viu, deixe lá.

      Eliminar
  24. A mim inquinita-me o facto de ver crianças a passear no shopping (principalmente em dias de sol), seja de manhã à tarde ou à noite...mas respeito!!Cada um educa como quer e, principalmente, como sabe.

    ResponderEliminar
  25. Há pessoas que exageram...Claro que há excepções..(se a acabou o leite da criança, não vão deixá-la a passar fome..) mas está a discutir situações regulares e não pontuais, óbvio que a Joana Gama sabe perfeitamente distinguir ambas. Mas para essas mães que fazem disso passeio de final do dia, de facto não há grande desculpa, uma vez que os bebés PRECISAM de uma rotina, precisam de dormir as horas adequadas à faixa etária em que se encontram.. e um shoping é uma fonte de estímulo exagerado, ainda para mais à noite. Os bebes estão mais predispostos para dormir o sono da noite, entre as 18h e as 20h30.. depois disso tendem a ficar muito rabugentos... Para além disso, espaços fechados estão cheios de vírus etc...Se querem desanuviar a cabeça, dêem um passeio no parque da cidade, se estiver chover, levem chapéu.. Priorizem o vosso bebe, ele não pediu para nascer :)

    ResponderEliminar
  26. Compreendo o post e não acho que seja fundamentalista. Está mais que provado que as crianças precisam de dormir a horas decentes.
    Posto isto acho que há aqui duas questões que se colocam, para percebermos se estes as crianças estariam bem:
    1) Estavam felizes e contentes, ou nem tanto, vá, se estavam bem?
    2) Estavam a fazer birras, com olhos vremelhos e cansadas?
    Na minha opinião, se estivermos a falar da situação 1, não vejo problema. Tal como os adultos, cada criança tem o seu ritmo (mesmo que a maioria seja deitar cedo e cedo erger), e uma criança que se apresenta bem, é porque estará certamente bem. Agora se estivermos a falar da situação 2 é que a coisa se complica. Aí a criança já deveria estar a dormir e todo o tempo passado acordada só servirá para agravar a situação e estará a fazer-lhe mal.
    Há ainda outros factores a ter em conta, como a idade, as horas que são efectivamente, etc, mas acho que no fundo tudo se resume ao que referi acima.
    Não sou médica, nem psicóloga, nem pouco que se pareça. Sou mãe. E apesar do meu filho só ter 2 anos tenho aprendido a escutá-lo. Não o que me diz, que só há pouco tempo é que percebo alguma coisa, mas o que o seu corpo e comportamento me dizem. Se quando ele tinha alguns meses eu ia com ele para qualquer lado, sem qualquer problema e a qualquer hora, que ele ficava bem, quer acordado ou adormir, hoje já não é bem assim. Percebo quando está a ficar cansado e com sono, e tento gerir o que estou a fazer ou onde vou consoante o estado dele.
    Jantares de família e amigos tento que sejam almoços. Idas ao shopping se possível ir sem ele, caso contrário ir de dia, ao fim de semana, de preferência depois da sesta.
    Quando isso não é possível tento ao máximo adaptar. Por exemplo, levo o pijama dele para restaurantes e casa de amigos. Se estiver bem até irmos embora trato dele antes de irmos para casa pois sei que vai adormecer no carro. Caso contrário tento que adormeça ao meu colo, já pronto para a cama.
    Mas isto é a minha realidade e cada caso é um caso. Nada me agarante que o que resultou antes irá resultar no futuro, ou que este método serve a outras crianças e respectivas famílias.
    O mais importante é que tentemos que eles estejam bem e respeitar os seus ritmos e sonos porque, digam o que quiserem, o sono é tão ou mais importante que a alimentação (e a verdade é que muita gente não lhe dá o devido valor).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo imenso com tudo o que escreveu, Marta.

      Eliminar
    2. Marta, ia opinar mas ao ler o seu texto, revi-me! Não condeno quem o faz (pelas muitas justificações apresentadas anteriormente) mas como tantas outras o escreveram, aflige-me muito mais ver os shopings carregados de crianças durante uma tarde ou manhã de sol! Mas lá está... outras poderão pensar de forma diferente! Joana, continue a questionar-se...está no seu direito enquanto titular do blog e mãe....até breve

      Eliminar
  27. Queria só aproveitar para parabenizar as mães perfeitas que por aqui escrevem e que tiveram a ombridade de se anularem enquanto mulheres para se dedicarem e viverem exclusivamente em função dos filhos. Eu, imperfeita, não consigo, até porque antes, muito antes, de ser mãe, sou mulher. Se são felizes assim, então continuem assim. Eu, como não conseguiria ser feliz assim, sou-o à minha maneira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas não são felizes e, no fundo, invejam as outras, que conseguem ser mulheres e mães ao mesmo tempo e que lhes provam que elas também o poderiam ser. Daí tentarem anulá-las com aquilo que sabem que lhes dói: acusarem-nas de estarem a ser más mães. Mas no fundo é só inveja e reconhecimento de que as suas escolhas não foram as melhores a as das outras foram.

      Eliminar
  28. A PIDE das mães é tramada... tentem perceber que há mais formas de educar e viver a parentalidade sem ser obcecada com os horários das crianças...é possível o equilíbrio entre as nossas vontades e o bem estar das crianças.

    ResponderEliminar
  29. Sempre fui a todo o lado com os meus pais e, que eu saiba, nunca me prejudicou. Se tinha sono dormia e pronto. Ou no carrinho, ou no carro, ou numa cama qualquer. Acho mesmo que este tipo de preocupações têm muito pouca importância, mas isso sou eu. Se a JG estava à espera disto? Estava. Se quer visualizações à força toda? Quer. De qualquer forma, um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se a Joana realmente quis saber o que perguntou? Sim, quis ;)

      Eliminar
    2. Então, Joana Gama, das duas uma: ou te estás a fazer de sonsa ou és sonsa. Custa muito parar para pensar? Era mesmo necessário um post destes para tentar perceber esta situação?

      Eliminar
    3. Um post destes? Mas eu fui mal educada ou algo do genero? Eu nao sou gestora de sensibilidades. Perguntei. Quem quiser reagir, reage da maneira como lhe fizer sentido que nao me ofendo. O mesmo deveria ser para a pergunta.

      Eliminar
    4. Um post destes? Mas eu fui mal educada ou algo do genero? Eu nao sou gestora de sensibilidades. Perguntei. Quem quiser reagir, reage da maneira como lhe fizer sentido que nao me ofendo. O mesmo deveria ser para a pergunta.

      Eliminar
    5. JOana, a mim também me custa a crer que este post não tenha um objetivo de tão disparatado que é... Gosto muito do que escreves no geral, mas este post deve ter sido do mais infeliz que já escrevi por aqui. Porque não inverteste a situaçã do género, eu não vouo aos shoppings à noite e vocês como fazem? Ao invés de: a minha amiga viu bebés birrentos às 22h00. So what? Se ela for às 10h00 também vai ver bébés birrentos... Cada um sabe de si...

      Eliminar
  30. Meninas (e meninos, li aí uns pais). Um pouco de calma. Acho que neste assunto, como aliás em tudo na vida, a regra deve ser "nem sempre nem nunca". Não seria a minha escolha levar o meu filho para o shopping à noite. Tem 8 meses e as vezes que foi a um shopping contam-se pelos dedos das mãos, ou talvez mesmo de uma mão,. Isto por vários motivos: não acho que seja o ambiente ideal para um bebé com todo aquele ar ali a circular por milhares de pessoas (aliás, as indicações do nosso pediatra foram de sair a partir do mês de vida, para onde quiséssemos, menos para shoppings), mas, principalmente, não faz parte dos nossos hábitos como família ir para o shopping à noite ou passear. Quando vou, na maior parte das vezes, vou com objctivos específicos de comprar alguma coisa e prefiro fazê-lo sozinha, para ser o mais rápida possível. Nem consigo imaginar o que será andar a comprar e experimentar roupa com um bebé atrás, não me parece nada funcional. Já aconteceu ter de o fazer e deixar o bebé com o pai, e vice-versa - não temos avós por perto. Para passear prefiro o ar livre e comércio de rua, o centro da cidade, jardins e se estiver mau tempo um espaço fechado tipo museu ou livraria ou ficar por casa, mesmo - e neste Inverno chuvoso que tivemos muitos dos nossos dias foram por casa e passámo-los muito bem. Mas isto é a minha escolha, a minha opção e não julgo quem faça o contrário porque certamente tem boas razões para o fazer, como as que já foram aqui expostas, e ama e quer o melhor para os seus rebentos, como todas nós.

    ResponderEliminar
  31. Quanto à hora de dormir rigorosa, porque a Joana trata aqui dois assuntos, o shopping e a hora de dormir, mais uma vez penso que deve ser cada família a decidir e encontrar o que melhor funciona para si e para os seus filhotes. Preferem não ir jantar fora durante dois anos (como li aí algures), deixar de ter vida social em função do sono dos filhos, ser absolutamente rigorosos nesse aspecto? Tudo bem, desde que se sintam felizes e tranquilos com essa opção. Chegam tardíssimo do trabalho e sentem que têm de ir espairecer uma ou duas vezes por semana, dar uma volta e querem, legitimamente, levar os vossos filhos convosco? Óptimo na mesma. Na verdade isto é mais uma questão de adultos do que de crianças, porque elas são resilientes e muito adaptáveis, adaptam-se ao estilo de vida que os pais têm e a diferentes situações muito mais facilmente do que pensamos. Para mim e para a minha família, mais uma vez, no meio está a virtude. O meu filho está a dormir, todos os dias entre as 21 e as 21:30, é a hora do soninho dele. É a regra e é assim desde, mais ou menos, os 4/5 meses. A restaurantes à noite não o levamos porque ele fica aborrecido e chorão e ninguém se diverte - não vale a pena. Mas se tivermos um jantar em casa de amigos nem pensamos duas vezes: levamo-lo, já jantado e de pijama, e deitamo-lo lá, numa cama ou mesmo no carrinho, onde ele dorme à horinha dele. Claro que inevitavelmente acorda quando vimos embora, mas rapidamente torna a dormir e, lá está, é a excepção, não a regra. Ainda ontem eu e o pai fomos a um concerto e o bebé ficou com uns grandes amigos, e ficou muito bem, dormiu a horas, esteve bem disposto, quando viemos embora acordou, aproveitei para lhe mudar a fraldinha e pu-lo na cama onde dormiu até de manhã. Foi a primeira vez que o deixámos com outras pessoas para além dos avós (com quem ficou uma dúzia de outras vezes ao fim-de-semana) e correu lindamente. Para nós tem de existir este equilíbrio, senão damos em loucos. E, sinceramente, não sinto que prejudique o bebé, muito pelo contrário, acho que neste meio termo (que ainda assim é muito moderado, já que estas excepções acontecem, sei lá, uma vez de 15 em 15 dias máximo) torna os pais pessoas mais felizes e por isso melhores pais = criança mais feliz :) Quanto a sestas não sou nada fundamentalista, ele dorme bem em qualquer lado, faz uma sestinha de manhã, normalmente em casa, e duas pequenas à tarde, em casa, no carrinho, no carro, onde for, ele dorme bem. Ainda agora viemos de uma semana de férias no estrangeiro e ele fez os seus soninhos, sempre em ordem e bem disposto.

    Enfim, todo este testamento para dizer que cada um sabe o que será melhor para si e para a sua família, todos queremos e amamos os nossos filhos acima de tudo (ou, no caso de algumas pessoas, tanto como a si próprias) e não há razão para julgamentos e agressividades, nem para chamar a uns e outros maus pais, egoístas ou, do outro lado, obcecados e fundamentalistas "sem vida própria", são palavras que agridem e em nada acrescentam à discussão. Muita paz e amor, mamãs, estamos todas ao mesmo.

    ResponderEliminar
  32. Ao invés de tentar responder a pergunta feita no post o povo todo se ofendeu bem porque faz isso né?! Sou da opinião que tem filho quem pode. Dinheirinho guardado para a babá em ocasiões excepcionais é essencial, além do que, sendo imigrante e não tendo pais por perto, sempre conto com a ajuda de amigos quando é realmente necessário. "It takes a village" mesmo. Além de tudo isso, poucas coisas hoje exigem que você saia mesmo de casa com criança birrenta porque devia estar dormindo. A maioria das lojas está online e dá bem igual ir no shopping ou comprar na Internet. Vamos problematizar menos? Existem aí umas tantas soluções disponíveis...

    ResponderEliminar
  33. Lá está a Joana a ser Bully novamente. Procurando um grupinho de mãezonas para atacar as mãezinhas.

    ResponderEliminar
  34. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  35. Eu tenho dois filhos (11 e 5 anos) e vou ao shopping com eles, de manhã, de tarde e à noite, desde que eles não façam birras. Ao fim-de-semana não, porque só de ver aquela malta toda começo logo a suar do bigode ��. Se me faz confusão ver bebés de colo em shoppings à noite, faz se tiverem com a birra. Como mãe não acho que tenha tido que me adaptar aos meus filhos, eu acho que tive que os respeitar como seres humanos. Se acho que um bebé não vai usufruir, então tenho que arranjar uma alternativa. O que me choca é ver bebés recém-nascidos em sitios de grandes confusões a chorar convulsivamente porque ainda nem se habituaram a estar fora da barriga da mãe e já levam com grandes cambalachos... Acho que há altuas e horas para tudo, e também convordo que cada criança tem o s u ritmo e os pais melhor que ninguém o saberão. Beijinhos JG e JPB

    ResponderEliminar
  36. A minha opinião combina muitas que aqui surgem, nomeadamente:
    1. A Joana está a julgar estas mães - como eu também a julgo, confesso, por ser tão rigorosa que não deixa a menina ter um dia com horários diferentes
    2. Devemos moldar-nos à vida com filhos mas...
    3. Não nos devemos esquecer de quem somos e anular-nos por sermos mães/país
    4. Deve haver bom senso nas idas aos shoppings, não sendo elas muito prolongadas e, em especial, não ir se os nossos filhos não estiverem bem (cansados, etc)

    Acho que podemos opinar sem julgar. Todas julgamos um bocadinho mas o mais importante é que cada um sabe de si. Eu não concordo com muita coisa mas não me adianta. Por ex não concordo com infantário antes dos 5anos a menos que não haja hipótese mas isso era tema para mais um incêndio aqui no estaminé

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quem é que tem hipótese para não pôr os filhos na creche/infantário até aos 5 anos? Niguém no meu círculo de familiares/amigos/colegas tem/teve! A minha filha ficou connosco no 1º ano porque eu e o pai nos revezámos na licença de parentalidade (com perda de 75% da remuneração nos últimos 6 meses) e já foi caso excepcional, a grande maioria de quem conheço pôs os filhos na creche aos 5 meses.

      Eliminar
    2. Eu por exemplo posso. E conheço quem possa. Ter avós reformados e disponíveis acontece. Os meus sogros ficam com os meus filhos...
      Por outro lado também conheço quem tenha sogros e pais reformados mas que não estão para aturar os miúdos.
      Eu só entrei com 5 anos e os meus irmãos também.

      Eliminar
    3. No meu caso (e no da maioria das pessoas que conheço) nem é não estarem para aturar, é ter pais que estão reformados mas que vivem a 200km de distância e um deles tem uma insuficiência cardíaca avançada, pelo que nem que estivesse perto poderia suportar o encargo que seria ficar 8h por dia com um bebé/criança. Nem eu lho pediria, se pudesse, porque para mim quem tem responsabilidade de educar os filhos e tomar conta deles são os pais e uma coisa é os avós estarem com eles de vez em quando, poderem ficar até um dia inteiro com eles, irem buscar à escola ocasionalmente, etc... agora, deixar miudos desde meses até aos 5 anos com os avós acho que é demais e uma idade demasiado tardia que até é contraproducente para a criança.

      Eliminar
  37. O meu filho tem quase 7 meses. A sua janela de sono é as 18h30/19h00. Se o deitar mais tarde dorme pouco e mal. Se estiver fora de casa as 18h30 chora imenso. O meu filho não fica com ninguém a não ser comigo ou com o pai.
    Não janto fora desde que ele nasceu, mas prefiro mil vezes ver o seu sorriso e saber que dormiu a noite descansado do que o melhor arroz de marisco do melhor restaurante me saberia.
    Ele vai comigo ao shopping sempre que necessário, mas quem define o necessario? Sou eu... Logo, o necessario é ele estar a dormir na sua cama (que por acaso tb é minha), na sua casa, no seu horário. O shopping fica para o horario que não interfira com o seu sono... Ao fim de semana durante o dia , por exemplo.
    Quando me tornei mãe soube que apartir desse momento a prioridade não era eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com a Sônia a 100%. Ser mãe é isso mesmo dar prioridade aos nossos bebecas e colocar o seu bem estar acima do nosso.

      Eliminar
    2. Por favor, não usem o termo bebecas

      Eliminar
  38. Não acho que a Joana seja fundamentalista. Acho apenas que a sua personalidade é muito forte e intensa, e põe tudo si em cada tarefa, que acredita ser o melhor para a sua maternidade (e, por vezes, sem maldade, acredita ser melhor que outras opções diferentes; qual é o mal de acharmos que a nossa opção é a melhor? por isso é que a tomamos), o que, na minha opinião, lhe traz alguma dificuldade em absorver tons cinzentos (não cinzentos de maus, cinzentos de diferentes da dualidade preto/branco). A joana é mesmo assim e isso dá-lhe graça. A outra joana é diferente, o que ainda dá mais graça e por isso é que este blog tem sucesso (não é assim tão fácil ter um blog de sucesso escrevendo posts que são lenha de fogueira). Não acho justo para a Joana que seja acusada de julgar ou de provocar quando na verdade, acredito que lhe pairem mesmo na mente estas dúvidas, talvez também pela sua maternidade jovem e única. E quem não as teve (e tem). Mas as famílias são todas diferentes, para além de haver tipos completamente distintos. E para além desse esforço de pensarmos que não há duas mães iguais, também temos que fazer um esforço para sermos seguros das nossas opções e não nos sentirmos constatemente atacados.
    Eu tento ter uma visão diferente nesta questão dos sonos e hábitos. Sou das regras, sim; em casa sou pelas regras e não gosto que se altere a nossa coerência do dia a dia (refeição juntos, adormecer cada uma na sua cama, horas, etc etc). Mas por ser algo rígida (também fruto de uma educação muito protetora), e ter sofrido com isso na minha juventude, tenho uma pequena obsessão para que as miúdas tenham experiências diferentes, quebras na rotina, e sejam adaptáveis desde a primeira infância. Tento resistir a essa adaptação constante a elas, dentro dos limites sensatos para uma criança, sempre tentamos não nos privar em termos sociais. É certo que a vida mudou, mas vamos conseguindo.
    No fundo isto é um esforço muito maior para nós, pais, do que para elas. É obvio que dá trabalho inclui-las nas nossas coisas.. mas vale a pena. Como alguém já disse, não há idade mais maleável do que esta. As minhas vão a sítios não espontaneamente próprios para criança; passeiam connosco e passam muito tempo connosco. E na mais velha começo a notar o reflexo desse mundo e adoro... É claro que há birras que se antecipam e planos que por vezes vão por água abaixo!! É a vida! Maternidade é imprevisível e não vale tentar controlar tudo, não vai dar...
    (Se estiver tudo a correr muito bem, muito limpinhas, uma vai ter que se vomitar toda e ficar imunda e no fim mandar aquele olhar de alívio..)
    Ora mas nós também vamos frequentemente a sitios de crianças com elas, claro, por isso.. justo!
    Isto para dizer que se um bebé estiver confortável a dormir ou a rir não me choca nada que ande na passeata no fim do jantar. Chocaria-me se estivesse desconfortável ou a correr riscos (idades muito jovens, ou fumos, ambiente pouco arejado, aglomerados em tempo das viroses e afins..). E mesmo assim, eu não sei nada daquela família.

    A família grande do meu marido tb me trouxe alguma serenidade. A serenidade de ser possível dormir a sesta num almoço de família com 9 netos juntos em histeria (0-8 anos); entre outros! Felicidades para as duas! E no fim de contas o que interessa é que a mãe é que sabe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu comentário aqueceu-me o coração. Obrigada. <3

      Eliminar
  39. Ir jantar fora e levar os filhos, ir jantar com amigos e levar os filhos, ir jantar com a família e levar os filhos, aproveitar uma noite quente de verão e levar os filhos a dar um passeio e comer um gelado: maravilha. Deitam-se uma hora mais tarde mas tiveram tempo de qualidade com os país, amigos, família. Ir para um shopping e arrastar os filhos às dez da noite? Que egoísmo. Não preciso do meu marido para fazer compras, nem ele de mim. Se é preciso ir, vai um. Ir ao continente ou à Zara não tem que ser uma actividade familiar e não justifica deitar as crianças a uma hora tardia. Não é ser fundamentalista, é ter bom senso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quem somos nós para determinarmos o que é bom senso para os outros? Determinamos para a nossa família. Podemos ter a certeza absoluta que na nossa família, com as nossas crianças, não funcionava. Mas onde vem escrito que faz mal levar ao shopping a qualquer criança? A que faz mal? Se a criança estiver bem, porquê? E se aquela família até tem esse tempo de qualidade? Até pode ter mais que nós. Até podem estar mais satisfeita que a nossa. Quem diz que não, por estar no shopping? Porque não mais tolerância? As famílias são tão diferentes...Aceitar realidades diferentes é um excelente modelo para os nossos filhos.

      Eliminar
  40. Mas desde quando é egoísmo levar um filho connosco às compras? Quem garante que as crianças que estão nos centros comerciais não dormiram durante a tarde e até tarde? Cambada de mães perfeitas e julgadoras. Cada um faz o que quer e quando quer, às horas que quero, o que está por trás das nossas ações só nós sabemos.

    ResponderEliminar
  41. Boa tarde... a minha opinião, tenho uma filha de 5 anos que adora ir ao shopping, pior devo ser uma péssima mãe porque acho muito mais saudável ter a minha filha comigo sempre que possível, mesmo que isso implique uma ida ou centro comercial ou jantar fora do que deixá-la com os avós (jurooooo que não entendo quem acha melhor deixar os filhos com os avós ou creches ou afins, e eu acho que é maravilhoso tempo de qualidade com os avós atenção) que até tenho a sorte de puderem ficar com ela! Mas usufruir-mos da companhia uma da outra é o melhor do mundo!!! A minha pequena desde cedo que sabe comportar-se em qualquer lado que vá comigo porque para ela nunca foi novidade sair com a mãe, contrariamente a muitos meninos da idade dela que não sabem como portar-se num restaurante (por exemplo) e passam a refeição a correr entre mesas, a gritar e a fazer disparates por aquilo ser completamente novidade para eles!!Tento não sair muito das rotinas dela, mas se acontecer não é o fim do mundo!!! Estive a viver uns tempos em França e lá as crianças são educadas e criadas com muito menor policiamento... e querem saber??São extremamente felizes!! Ahhhh como dizia uma mãe ali em cima, a minha piquena também nasceu em pleno inverno, 23 de janeiro e 2 semanitas depois já andava-mos a passear na rua sem qualquer problema!! Mal não lhe deve ter feito, uma vez que em 5 anos a minha princesa apenas teve doente 2 vezes e foram coisas sem importância! Acho que estão aqui muitas mães que querem ser as melhores mães do mundo para o mundo e não para os filhos, vivem obcecadas com a opinião dos outros... relativem minha gente!!!Não existe nada melhor para os nossos filhos que passarem tempo com os pais!!!

    ResponderEliminar
  42. Infelizmente nem todas as crianças tem a mesma sorte. no meu caso tenho uma filha com 3anos, temos um trabalho na area da restauraçao e nao temos familia perto de nos. infelizmente porque tenho que trabalhar nao tenho como deitar a minha filha antes da meia noite as vezes mais tarde... claro que no dia seguinte nao acorda as 8h e nao frequenta a creche pois fica connosco no trabalho, por isso dorme ate as 11h e quando estamos de folga os nossos horarios nao sao diferentes pois ja e assim que estamos habituados e ela tambem. preocupa me muito como sera quando ela for pa escola, provavelmente terei que deixar o meu trabalho, ja falei varias vezes com o pediatra e ele e da opiniao que ela alem de muito saudavel e uma criança muito feliz... por isso nao se pode julgar as pessoas pelo que fazem porque nem todas as pessoas trabalham das 9h as 5h e muitas nao tem com quem os deixar. eu pelo menos prefiro ter sempre a minha filha comigo do que deixa la entregue a uma ama ou qualquer coisa assim pa eu me enfiar no shopping as compras. cada caso e um caso... talvez eu tenha sorte por nao ter uma criança que faça birras e saiba estar em todos os locais.

    ResponderEliminar