domingo, 12 de junho de 2016

As férias não são para descansar.

Pelo menos com miúdos tão pequeninos, não. Temos adorado estar na Quinta da Malmedra porque isto está mesmo feito para ser a delícia dos mais novos: piscina interior, exterior... Também está feito para ser a delícia dos mais velhos: mesas de snooker, projector com tela grande, piscina exterior, ginásio, bbq...

A Irene ainda está numa idade em que não posso deixar de estar de olho nela, muito menos com duas piscinas tão perto... Tomar conta dela em casa, em que está tudo formatado para ser seguro e divertido para ela é uma coisa. Haver duas piscinas, degraus, sol forte, chão a escaldar (...) dá muito mais trabalho.

Uma coisa que me tem dado imensa satisfação é ver como os meninos (mais velhos) se relacionam com ela. Muitos são fraternais e mimosos. Deixa-me de coração cheio. Confesso que já estive mais longe de pensar em engravidar que esta historia da Isabel estar apaixonada pela Luísa deixa-me de "rastos" num bom sentido.

Acho que diminuí o tempo de espera. Ainda anos, mas menos.

O que é facto é que estou estourada e que um dos mais prazeres desta viagem é ter a minha filha a dormir no meu quarto que, à conta do meu fritanço do pós parto, pu-la a dormir sozinha no quarto dela no segundo dia de vida.

Adoro ouvi-la respirar. É minha. Que bom.

Prometo que durante a semana retomarei a escrita com outro fôlego.





   T-shirt do gato e saia da MOVE•MENT.



3 comentários:

  1. Sem dúvida, que em geral, se deixa de ter férias quando nos tornamos mães. Muito menos, com crianças pequenas, como a Irene. Mas acredito que, por mais que requeira esforço extra dos pais, é uma quebra na rotina que renova os ânimos e cria um marco na história familiar. Boas férias!

    ResponderEliminar
  2. Olá Joana,
    Realmente depois do post da Joana também senti imensa vontade de ter outro filho. Aliás essa vontade existe e espero não demorar muito tempo. A minha filha tem 14 meses e acho que apesar do cansaço (que referes) era capaz de ser mãe novamente, acho eu. Ou será só a minha vontade de o ser q estará a falar? Mas,.. O meu maior medo é a dúvida se o irei amar como amo a minha filha, se irei conseguir entregar-me como me entrego diariamente a minha filha. A JPB mostrou-me que sim, é possível.
    Joana essa quinta não conheço mas já estive no Alentejo num turismo rural que se chama "pé na areia" e é bastante babyfriendly. Tem uma piscina exterior, um jardim grande com uma casa de árvore, um banco de areia enorme e muitos brinquedos à disposição dos mais pequenos. Os donos são excelentes e pais também o que ajuda bastante na postura deles e cuidados da casa.
    Tem uma boas férias ou mini férias :)
    Beijinhos da Joana e da Carolina, o meu ser mais pequenino...
    Curiosidade: a primeira parte do corpo que a minha filha identificou foram os pés. Não é maravilhoso? - sendo Podologista (a Podologista) deixa-me babada. Eheheheheh :)

    ResponderEliminar
  3. N penses no fitanço de miolo senão fritas outra vez! Eu engravidei da segunda tinha a primeira 14 meses. Apesar de termos decidido k ia ser assim, nunca imaginei k fosse tão cansativo! Elas levam-nos à exaustão. .. brigam, riem, cantam, querem tudo o k a outra quer... mas apesar de difícil, é tb escandalosamente bom!!!!

    ResponderEliminar