sexta-feira, 10 de junho de 2016

Finalmente: a minha filha come!!!

Não sei quantos posts escrevi sobre este tema: alimentação (vão vocês contá-los, que eu agora não posso), mas devem ter sido bastantes. Foi, sem dúvida, das coisinhas que mais nervos me causou nestes dois anos. A Isabel teve períodos assustadores, em que pouco ou nada a agradava. Chegámos a desistir de lhe dar sopa, tal era o estado de stress em que ficávamos lá por casa. Tentámos de tudo. Cuspia, chorava, dizia que "não" e ainda nem tinha visto o que era. Meses disto. Um suplício. Sossegava-nos ela comer bem na creche (chegaram a fazer vídeo para que eu pudesse comprovar a rapidez com que comia uma sopa... "isto não pode ser a mesma criança!". Era a mesma mas sem fazer farinha ali). Acalmava-nos ela ir ganhando peso e estar bem de saúde. Começámos a não relevar. A não nos sentirmos culpados por nem sequer fazermos sopa ao jantar (comia melhor bróculos inteiros, por exemplo, siga!).


Até que...
começou a comer rúcula! Rúcula, têm noção do passo enorme que isto é para uma esquisitinha como a Isabel? E depois tomate cherry. E depois... tudo. Todos os frutos (banana ainda não é fã), sopa ao jantar, legumes variados, queijos de toda a espécie e até - como, como, como? - azeitonas! Mas mais do que isso é a curiosidade e os sons que às vezes faz a comer, de satisfação. O pegar num palito de cenoura e querer molhar no iogurte natural e fazer "uhmmmmm" e repetir. Dizer "quero" para qualquer coisa que estejamos a comer. Uma alteração gigante que me chegou até a comover.

Quem tem filhos que não são grandes apreciadores de comida, saberá bem o desgastante que é tentarem fazer um mortal encarpado para que eles engulam uma colher que seja de comida. E até davam um mindinho para que tudo mudasse.

Não estou a cantar vitória, não, não estou. Eles têm fases e ela poderá querer voltar a fazer greve de fome... mas isto já tem sido uma enorme conquista. Orgulha-me que ela coma papas de aveia com granola, fruta e passas ao pequeno-almoço e que goste de iogurte natural sem açúcar e que o coma como me lambuzo com uma taça gigante de gelado. Fico de coração cheio ao fazer-lhe um pratinho de salada a acompanhar o segundo prato e vê-la comer aquilo tudo à mão, como se estivesse a picar uma iguaria. Adoro ouvi-la pedir pão com manteiga. "Só um bocadinhoooo", diz ela com olhos de bambi, porque sabe sabe que eu não gosto de abusar na manteiga. 
E a roupa suja sem ser por ela cuspir tudo ou girar a cabeça como se estivesse a ser exorcizada... maravilha! Passei a gostar de nódoas nas camisolas. E fico contente por não me ter deixado comprar pelas teorias de que lhe tinha de dar comidas com mais tempero ou mais açúcar e por ter esperado por ela [mesmo que às vezes tenhamos de ter o tablet como aliado...].
Boa sorte a todos os que andam a passar as passinhas do Algarve com esses piscos aí em casa!



*post escrito antes da Luisinha

7 comentários:

  1. Que bom que a Isabel está nessa fase! Acho que pior do que dormirem mal é comerem mal.
    Felizmente nunca soube o que isso é (a não ser quando a minha filha ficava doente e não queria comer, aí eu ficava completamente em pânico).
    A Lara come tudo e com uma voracidade bizarra. Ela é capaz de estar sempre a comer. Quando fazemos um lanchinho com amigos aqui em casa, todos ficam espantados com a quantidade de comida que ela é capaz de devorar em menos de nada. Claro que gosta mais de pão, banana e bolachas mas come de tudo (ainda não come cenoura crua e alface): sopa, queijo, massas, leite, iogurte natural, papas de aveia, todos os tipos de fruta, carne, peixe...
    Decidimos não lhe dar doces nem fritos até não ser mesmo possível evitar, o que espero que aconteça apenas lá para os 5 anos mas, de resto, é muito comilona.
    Na escola repete sempre o segundo prato e, se se descuidam, acaba de comer e começa a comer a comida do prato dos outros.
    Para já não me preocupo muito porque ela não parece estar com excesso de peso (embora esteja uma gorduchinha boa) mas na consulta dos 2 anos e meio vou falar com o pediatra sobre esta questão. Não sei a quem sai a rapariga. Agora eu sou muito comilona também mas quando era pequena era daquelas crianças terríveis para comer e o pai também.

    ResponderEliminar
  2. O Salvador tem três anos e não lhe consigo dar peixe nem carne, na creche comia mas em casa, assim que vê o prato, fecha a boca e não come. No início ainda insistia e até cheguei a falar com o pediatra, que sugeriu por a carne e o peixe na sopa... Foi a pior coisa que pude ter feito. Durante umas semanas (que a mim me pareceu uma eternidade) nem a sopa comia, só comia cerelac, baixou o peso e só para verem o desespero da situação comecei a decorar as refeições como se vê no pinterest e mesmo assim nada. Actualmente já voltou a comer a sopa e também já consegui com que coma esparguete (o miúdo come esparguete todos os dias e não se cansa) e depois a fruta. Para mim já é uma enorme vitória!

    ResponderEliminar
  3. Bah... O meu filho também passou pela fase parva de não comer sopa. Em casa, porque na creche garantiam-me que comia normalmente. Também passei meses sem fazer nenhuma porque não valia a pena. Apesar de a pediatra dizer que não era grave, que era algo normal até, não conseguia deixar de me sentir culpada. É que, não sei se já repararam, mas uma pessoa tem um filho e de repente toda a gente à sua volta tem opinião sobre tudo e é expert em todos os assuntos. Então a culpa disto era minha. Como se eu nem sequer tentasse dar-lhe a porcaria da sopa só porque ele um dia disse que não queria.

    "O quê? Ah, mas não é ele que manda, és tu, bla bla bla, eu isto, a minha prima aquilo, exemplos de situações que aconteceram a alguém (sim, porque todas as crianças são iguais)..." GRRRRR!

    Bom, isto para dizer que ya, os miúdos têm fases, tudo há-de passar e qualquer dia já tens aí a Isabel a comer tudo o que lhe aparece à frente, vais ver. :)

    Um beijinho e felicidades pela nova baby linda e cutxi cutxi!

    ResponderEliminar
  4. Nunca gostei de comer nem de mamar. Leite só com colheres de chá e para comer até a minha mãe chorava com os nervos. Ia a restaurantes e o meu jantar era pão com manteiga das entradas e ficava-me por aí. Ainda hoje é assim, só como por necessidade, não tenho qualquer prazer em fazê-lo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho mesmo que a minha filha é assim.
      Por ela viveria apenas do ar e do sol, tem 3 anos, e desde sempre, é difícil de comer, esquesitinha como tudo. Raramente pede comida e quando achamos que vai empanturrar-se dá umas trincas e larga.
      Valha-me a sopa que lhe vou conseguindo dar, "escorrega" fácil e é o que vale. Enriqueço as sopas e assim não me "preocupo tanto".
      Venho da consulta e as coisas melhoraram: 1kg e ums bons cm, desde a última consulta :-)

      Eliminar
  5. Como eu me revejo...A minha filha tem 7 anos e ainda é um suplício..
    Só agora começou a comer pêra, maçã e banana...sopa a muito custo...acho que cá em casa tentamos dr tudo, com o tempo começamos a respeitar o ritmo dela, é uma menina saudável e cheia de energia...

    ResponderEliminar
  6. O meu de 2,5 anos também é um pisco a comer...a sopa é um drama mas lá vou conversando e ele vê a Masha e come tudo. A nível de esquisitices graças a Deus que sempre gostou de tudo!

    ResponderEliminar