quarta-feira, 20 de julho de 2016

Adeus, culpa.

Ontem emocionei-me a sério. Tive daqueles momentos mágicos, cúmplices, de perfeita simbiose com a Isabel. Nem todos os dias consigo ter disponibilidade mental para contemplá-la, para senti-la, para ouvi-la, para curti-la, para cheirá-la, para fazer narizinho à esquimó ou olhinhos de borboleta. Estou a adorar os dois anos. São os mais desafiantes até agora, sem dúvida, mas é também a fase mais divertida e aquela em que mais sinto o amor e a admiração da minha filha. Chegámos à altura em que ela tanto me parece esgrouviada e faz birra pelas mais pequenas coisas, fazendo stressar até um morto, como me retribui, a toda a hora, o amor que lhe dou, seja num olhar, numa frase, numa festinha ou abraço caloroso. Sou a pessoa preferida dela, aquela em quem mais confia, aquela com quem mais se ri. 

Ontem conversámos muito antes dela adormecer. Tinha saudades de não ter pressa (consegui adormecer a Luísa antes, o que é raro). Como sempre, revimos o dia, o que mais gostou e o que menos gostou, como se portou e como se sentiu. Como eu me senti. Tento que ela verbalize o que sente até para ajudá-la a ir compreendendo o que se está a passar com ela, quando tem aquelas crises de raiva e frustração. Dar nomes às coisas. Depois perguntou-me pelo pai, abraçou-me e disse que tinha saudades. Confirmou que gostava muito dele. E depois disse: "goto da mamã, muito, enorme, gigante". Senti, nesse momento, que estava a fazer tudo certo, senti que estava ali, naquele amor desmedido por mim, o resultado de tanta dedicação. Tranquilizou-me: mesmo não estando sempre, mesmo não estando tanto, ela sabe que estou. A culpa tem de se ir embora, não faz cá falta nenhuma. Eu sou e serei sempre o melhor que posso para ela. Para elas.








A túnica (que é fofo mas tenho gostado mais de ver com calções) é da RubyOwl.
 
 
Sigam-nos no instagram @aMaeequesabe
E a mim também;) @JoanaPaixaoBras

19 comentários:

  1. Que lindo :) o meu está quase a chegar aos 2 anos e já começo a perceber o que é isso de birras por nada.. Ficamos sem saber o que fazer, porque querem ajuda mas não querem colo, nem abraços nem beijinhos, nem maminha (que antes curava tudo!!), mas também não querem ficar sem nós.. E então ficamos naquele sufoco, a vê-los sofrer, com o cérebro a mirrar de tanto grito desalmado, a sentir a paciência a esgotar-se a cada segundo, sabendo que ainda faltam muitos segundos para que acalme, para que algo faça click e os tire daquele estado de tragedia. E depois a culpa, sim.. Pesada.. Porque o nosso filho precisa de nós, porque não tivemos paciência suficiente, porque não os conseguimos ajudar a não se sentirem esmagados por todos aqueles sentimentos avassaladores.. Nota-se que estou praqui a desabafar!???! Ehehehe, e só tenho um!!! Força nisso Joana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ehehe desabafe à vontade! Força também por aí! Acredite que vai correr bem ou pelo menos, no meio de momentos de caos, vai haver dos bons, que compensam, juro! Hehe

      Eliminar
  2. Entendo tão bem. O meu é pouco mais velho que a Isabel e anda muito "paizeiro", é o pai para tudo. Entristece-me às vezes porque sei que tenho de me dividir mais entre ele e o mano bebé, mas sei que são fases e sempre que consigo tenho momentos só com ele e ele dá festinhas e diz a mamã é muito quisa! Não vale a pena deixar a culpa instalar-se. São dois filhos e uma mãe, temos que nos dividir!

    ResponderEliminar
  3. Muito lindo, deu para sentir a emoção nas palavras e sem dúvida que a culpa não faz falta :-)

    ResponderEliminar
  4. Por isso sou da opinião de esperar mais ummou dois anos antes de ter um segundo, sinto q quero aproveitar ao maximo estas fases em q tb precisam mt de nós para depois n sentir essa culpa... na minha opinião.Pq quer queiramos quer não, até podemos negar e dzr (nao acreditando no q dzmos) q cobaeguimos dar atenção igual aos dois,é mentira,um recem nascido tem sempre muita mais atenção pk na realidade precisa.conscientemente n damos tanta atenção ao 1° filho mas acreditamos q damos.Para n sentir culpa,pk sei q ia sentir (é inevitavel) prefiro esperar e aproveitar,precisam muito de nos nesta fase e n acho justo dividi la, novas descobertas, novas etapas, todos os dias faz ou diz algo de novo,se a minha atenção estivesse virada p outro irmao iria perder isso tudo.:) é só a minha opinião pessoal e o q faria (e vou fazer)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Eles têm fases a vida toda e precisam de atenção, sempre, seja em que fase estejam. Tenho um filhote e uma filhota com cinco anos de diferença é hoje não teria esperado tanto. Na minha opinião, quanto maior a diferença pior, pois o mais velho ressente-se mais e cobra a atenção. Mas é só a minha opinião é experiência. Todas as outras também são válidas. Cada caso é um caso. Beijinhos

      Eliminar
    2. A primeira gravidez foi de gémeos nasceram logo a dividir e passados 20 meses mais um irmão. Tem corrido bem, também acho que quanto maior a diferença mais "difícil".

      Eliminar
    3. Ola! Não concordo. Os meus filhos têm 17 meses de diferença. O maia velho tem agora 20 meses. Ainda é um bebé. E não dei menos atenção,pelo contrário. Com o nascimento da irmã ele foi solicitando ainda mais atenção e correspondi sempre o melhor que pude. Acredito mesmo que o amor se multiplica quando temos o segundo filho. O tempo é que não se multiplica...e por isso é taaaao difícil. Mas se sentir culpa não é por dar menos atenção ao mais velho,mas sim por não conseguir ser para a mais nova inteira,como fui para o maia velho quando era Bebezinho...

      Eliminar
    4. Mais vale esperar até aos 18 anos então, porque eles vão demandar sempre atenção. Coitadas das famílias de 3 e 4 filhos... Se acha que aos 4/5 anos eles de ressentem menos, digo-lhe já que está enganada. A minha filha que até então era uma santa, ficou super frustrada e começou nessa idade as birras, fazia tudo para nos chamar a atenção. Faz parte! Depois passa e eles são os melhores amigos agora, com as duas birras e zangas, mas inseparáveis.

      Eliminar
    5. Acho que não há idades "perfeitas", talvez 8/10 anos de diferença seja bom porque já têm uma capacidade de percepção do que vai acontecer boa, mas por outro lado talvez já não tenham os mesmos interesses e não partilhem as mesmas brincadeiras. Eu adorei ter dois anos de diferença do meu irmão, apesar de todas as guerras :)

      Eliminar
    6. Eu também sou da opinião que prefiro esperar, principalmente pela minha experiência pessoal de irmã mais velha. Lembro-me muito bem de pedir uma mana, lembro-me do dia que a mana chegou a casa, lembro-me de lhe querer pegar e brincar com ela e depois de nos tornarmos inseparáveis e as melhores amigas. Temos 4 anos e oito meses de diferença.
      Acho que 4 anos é um bom intervalo. O mais velho já tem alguma consciência e já lhe conseguimos às vezes falar racionalmente e pode participar em todas as atividades relacionadas com o mais novo. Mais anos de intervalo e é como a Joana diz, os interesses passam a ser diferentes, os grupos de amigos também... Menos anos e, para mim, parece-me mais complicado, gerindo dois "bebés".
      No entanto, também concordo que não existem idades ideais. Cada família adapta à sua realidade e, acima de tudo, às circunstâncias da vida.

      Eliminar
    7. A minha sobrinha com 7 anos regrediu imenso perdeu toda a autonomia. Não quer fazer nada sozinha e é só birras.

      Eliminar
    8. Com todas estas respostas, acredito que dependa das crianças :) obrigada pela partilha.
      Concerteza aos 18 é muito tarde.
      Tendo em conta q a Leonor so tem um ano e meio,qnd me refiro a esperar mais um.pouco ,iria ter no máximo 3 e meio... :) mas tudo a seu tempo :) acredito que não vão deixar de ser adultos ativos na sociedade (sem traumas de infância ) só porque tem um irmao com mais ou menos tempo entre eles :)
      JPB essa culpa vai desaparecer e tudo vai correr bem.
      Ass.1° anónimo q por sinal tem nome :p Ana Luisa

      Eliminar
  5. "Fazendo stresar até um morto"!! Completamente! E depoia grita e chora e se eu a ignoro (é o que resulta melhor aqui em casa) 2minutos depois não se passa nada com ela! Tem 23meses e eu só penso que me trocaram a miuda. Até aos 12meses foi o maior anjinho! Comia e dormia e sempre bem disposta! Agora é ve la fica em modo diabo!! Quando é que voltam ao normal????

    ResponderEliminar
  6. Joana achei fantástica essa questão de eles se habituarem a verbalizar o que sentem. Nunca tinha pensado nisso ainda (por aqui só tem ainda 4 meses) mas acho fundamental que comecemos desde cedo a habituá-los a isso.
    Obrigada pela partilha e esqueça lá a culpa. Disseram-me que num parto nascem 3 coisas: um bebé, uma mãe e a culpa. Eu acredito, mas acho que temos de lhe dar menos atenção e ela acaba por murchar.

    ResponderEliminar