sábado, 22 de novembro de 2014

Estive toda grávida.

Oh que engraçado e que criativo. E não é que um dos primeiros livros dos quais falo aqui no blog (haverá mais, prometo, tenho de arranjar maneira de justificar os mais de 200 euros que gastei na secção de puericultura da FNAC do Alegro) é o MEU? Que coincidência danada, esta.

Eu cá gosto do livro. Confesso que ainda não o reli depois das três vezes em que tive de o fazer antes da edição, mas lembro-me de ter gostado.

A ideia era contar a minha "viagem". Eu era uma miúda maria-rapaz (ainda sou um bocadinho, apesar das mamas cheias de leite e de andar ocasionalmente com saltos da Seaside) e não queria ser mãe. Sim. Não queria, até ter conhecido o amor da minha vida. O homem que me fez esquecer todas as minhas inseguranças que afinal eram as responsáveis pela minha negação da maternidade.

Todas as semanas até parir, pari uma crónica. Às vezes a encher chouriço porque a coisa não se deu lá muito rápido (o meu homem é já a atirar para o velhote), outras vezes porque tinha mesmo coisas para dizer.

Não tinha encontrado ainda (na tal secção de puericultura que devorei) um livro humorístico sobre a gravidez, escrito "ao vivo".  Aqui está ele e ele e eu pela Sara-a-Dias:











Estou toda grávida - Crónicas de uma vida anunciada" é a perspectiva de uma outsider sobre algo que está a acontecer inside her.
A maria-rapaz lá da escola que nunca quis ter filhos está agora ansiosa por ter um e está a ver a sua barriga a crescer.
É o crescendo de uma mentalização, o derreter de um cubo de gelo e um escorregar emocional no que é a maternidade. Isto, pela miúda que usava um boné da Nike quando queria estar bonita para ir para as aulas.
"Irrita-me a forma como falam com as grávidas no sites e nos livros. Tratam-nos como se fossemos uma espécie de Carris metal: somos úteis para transportarmos pessoas, mas suspeita-se sempre de um atraso."
"Na última consulta, a Dra. tinha dito que era uma menina, mas que só tinha 80% de certeza. Agora vimos o pipi! Não da Dra., claro."
"Estou a adorar estar grávida! A ver se não me afeiçoo muito a este estado de graça, senão depois passo os dias a ver se consigo voltar a pôr o miúdo ao pé das minhas trompas."


Sem comentários:

Enviar um comentário