segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Come a papa, raio do miúdo, come a papa.

Acho que é ancestral a nossa preocupação com o peso dos nossos filhos. Ainda vivemos com a ideia de que um bebé saudável é um bebé gordo (por que é que isso não se aplica às mulheres também?).

A pressão de algumas enfermeiras mais histéricas de alguns centros de saúde também não ajuda (epá, nem vou falar sobre a questão de algumas não se manterem minimamente actualizadas relativamente às recomendações da OMS e que isso custa uma amamentação em exclusivo a milhares de mães todos os dias, pois o que sinto é repulsa).  Ups. Acabei por "falar", mas não tudo o que queria, senão haveria já estrilho na street.

É normal que as mães vão em todas as conversas de quem pareça mais credível e experiente, estamos na altura de maior insegurança das nossas vidas face às responsabilidades. Os "profissionais" deveriam ter mais cuidado.

A curva de aumento de peso dos bebés alimentados exclusivamente a mama é diferente dos que estão a leite artificial. Já foram alterados os Boletins de Saúde este ano dada a recomendação do aleitamento em exclusivo. Se estiverem inseguras, perguntem se têm essa nova versão ou se ficaram com um dos antigos.

Acho que desaprendemos a confiar no nosso instinto e no do bebé. Não estou a falar de casos extremos, obviamente, mas deveria haver uma preocupação em não voltar a dar motivos à mãe para ficar internada.

Até eu, mãe de uma bebé que sempre foi comentada como "gordinha" ao dar as sopas nas primeiras vezes era extremamente insistente. Havia birra. Ela não queria comer mais mas eu achava que ela tinha de comer tudo. Porque é assim, porque o prato tem uma dose e, todos os dias, à hora que EU quero, tem que lhe apetecer comer a mesma quantidade. O meu marido teve que me chamar à atenção: "por que é que a obrigas a comer, Joana?".

Porquê?

Para as birras aumentarem todos os dias mais e mais? Para ela deixar de ter prazer no momento da refeição? Para eu já ir toda ansiosa aquecer a sopa por saber o que me espera?

Ela come o que lhe apetecer. Enganada umas dez vezes com fruta na ponta da colher, o que for preciso mas, até ver, não voltará a chorar por eu a obrigar a comer.

Odiaria que me fizessem isso. E devo ter odiado quando mo fizeram.

Por que é que não vemos os bebés como pessoas? 

13 comentários:

  1. Tenho muita dificuldade em ver os pais a insistirem, de forma, por vezes, desastrosa, com os seus filhos para comerem. Recordo-me da minha infância e o quanto essa situação me foi prejudicial. Sei que o que a minha Mãe fez foi por preocupação, carinho. No entanto, ainda hoje há alimentos que me fazem falta (eu sei), mas com os quais mantenho um "desaguisado" pelas memórias que me trazem. Tive sempre isso presente aquando da alimentação da minha filha e foi o melhor que fiz. Hora de refeições não é hora para "conflitos"!

    ResponderEliminar
  2. O seu marido fez muito bem! É isso mesmo e foi o que fiz com os meus dois filhos, hoje com 20 e 17 anos.

    ResponderEliminar
  3. O Pedro também não queria comer as 1° sopas mas como esta a LM fui tentando mudar sabores mas nunca obriguei com o tempo ele lá se foi habituado e começando a comer melhor

    ResponderEliminar
  4. Exacto. Veio a calhar, estou a passar por isso agora... Andava eu tão ansiosa c o começo dos sólidos, se eu soubesse do "stress" só comecava la para os 12 meses lolol. Bjs

    ResponderEliminar
  5. Ai as sopas?!?! Que filme cá por casa. No início reagiu mal, depois começou a comer mas demorava uma hr, desde que estão a nascer osdentes recusa se a comer a maior parte das vezes. No berçário come apesar de reclamar, em casa só quer leite. Mas é verdade, queremos quecomam a horas certas, fazemos com que pareçam mini adultos.

    Adoro o vosso blog. Os vossos problemas são tb os meus. Sou mãe de uma miuda linda de 7meses

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão lindo!!! Continua a acompanhar-nos!! Duas das nossas filhotas só têm uma diferença de um mês :)

      Eliminar
  6. Estou a ver que pensamos de forma semelhante relativamente a muitas coisas :) (até relativamente aos carrinhos... lol) Eu também me mentalizei que tenho que dar uma certa liberdade para que a minha filha se auto-regule, como sempre fez com o leite. Se antes se manifestava sempre que tinha fome, agora também o fará. E, se uns bebés precisam de 250ml de sopa, outros podem precisar apenas de 100. Não é fácil para nós, mas há que fazer um esforço :)
    beijinhos, Patrícia Oliveira

    ResponderEliminar
  7. Eu tenho uma bebê de baixo peso, então sempre foi um filme à volta do peso dela e das horas de refeição desde que ela nasceu. Contudo, só tive uma pessoa da área da saúde que me incentivasse a insistir em dar LM, só que apareceu já eu estava numa fase completamente descontrolada em que dava primazia à quantidade e não à qualidade. Como mãe sinto uma mágoa pois a minha bebê podia já estar diferente. Neste momento já nem percentil tem.

    ResponderEliminar