quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Estou à espera da cabeça partida

Oh. Meu. Deus.
Já sofro por antecipação, para depois o golpe não ser tão forte... Não sei como vai ser daqui para a frente.
Mães que têm filhos terroristas, como aguentam? Como aguentam estar constantemente com o coração nas mãos? Saber que o "não" não chega. Ou o castigo ou a palmada no rabo...
O Lucas ainda só tem 9 meses e eu já consigo antecipar o futuro dele... Cabeça, braço ou queixo partido, em algum ponto da sua infância. Ou as três hipóteses e mais algumas. Quando digo que ele é terrorista se calhar estou a exagerar um bocadinho. Ele é aventureiro, curioso, destemido e todo despachado. E eu tenho imenso orgulho nisso! E é assim que ele é feliz: a explorar, a testar o limite, a observar com as mãos tudo muito detalhadamente. Quer ir, vai. Quer mexer, mexe. Quer meter na boca, mete.
Mas isso vem com um preço. Eu sei. O pai dele era assim... Metia-se em cada alhada. Chegava a casa todo esfolado, ou com sangue em alguma parte do corpo. Chegou a ser atropelado! Compreendem o meu pânico, não compreendem? Eu não era assim. Eu era sossegada. Tinha medo. Gostava de ficar a brincar no mesmo sítio, horas e horas à volta de um brinquedo. Eu era feliz assim. Mas fora a parte da segurança, não quero que o meu filho cresça à minha imagem. Quero que seja ele próprio, igual a si, com a sua identidade e personalidade.

Só queria saber como fazem, mães de miúdos terroristas. Porque isto me assusta.

6 comentários:

  1. Pois mas o recreio do pai do Lucas era muito diferente do teu ;) Vai tudo correr bem =) vais ver...

    ResponderEliminar
  2. Ola Marta, daqui "fala-te" a mae de um terrorista (quase todos os dias) que por vezes tambem e chamado de Bin Laden :-)

    Nao te quero assustar, mas a verdade e que NAO E FACIL e NAO ACABA NUNCA!

    O Manuel sempre foi do pior em termos de bicho carpinteiro, sempre foi um menino como tu descreves o Lucas: que nao para e testa, e quer descobrir tudo e mais alguma coisa. Com pouco mais de mes era o horror para dormir, porque estar com os olhinhos abertos era bem mais interessante do que fecha-los; com um ano e umas semanitas ja tinha batido com a cabeca no aquecedor central porque tinha que espereitar atras da cortina e estava a comecar a andar 100% sozinho (vais ver o que e em breve); so este ano ja estive com ele no hospital 3 vezes por causa da cabeca (uma levou 4 pontos, outra foi colado e teve que ficar em observacao 2 dias, e outra foi apenas umas horitas); etc; etc....

    A verdade das verdades e que te vais como que habituando e ganhando as tuas defesas. Ja sabes que se cair e nao fizer um berreiro desgracado e porque nao foi nada de especial, que se deitar um pouco de sangue esta pronto para outra (uns beijinhos e ja passou); quando e mais grave vais ganhando uma frieza tao grande ate ao momento que fica tudo bem de novo, que tu nunca imaginaste ter.
    Logico que quando o telefone tocar, o coracao ate vai querer saltar-te pela boca (como se diz por ai), mas quando te disserem o que se passou tu simplesmente arrumas as tuas coisas, vais busca-lo, vais acalma-lo, leva-lo ao hospital e quando ele estiver bem, entao reages tu (choradeira lol, visitas constantes ao wc lol, etc)

    Por isso nao te preocupes! Vai correr tudo bem! Tu vais reagir e aprender a controlar a tendencia para um ataque cardiaco!
    E depois o que acontecera e que no momento em que ele disser, hoje so me apetece ficar na cama, ou quero apenas ver um desenho animado, ai sim tu entras em panico: vem Febre por ai... e essa custa bem mais a passar que uma cabecada ;-)

    Beijinhos da Alemanha!
    PS: desculpa pela falta de acentos, os teclados aqui nao teem, e pelo tamanho da mensagem... Mas e como diz a Joana Paixao Bras: mae quando comeca a falar de crianca nao consegue parar lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahaha! O que eu já me ri! Riso normal e daquele nervoso... Ehehehe! Pois, acredito que venha a ser exactamente como descreves! Adorei o texto! Obrigada e boas maluquices (antes isso que de cama, não é?) :)

      Eliminar
  3. Sinceramente não sei como fazem essas mães... Graças a Deus até agora tive poucos sustos mas se por um lado tento convencer-me que tudo vai correr bem, por outro lembro com saudade os meus tempos de meninine, de joelhos esfolados, cabeças partidas, pés torcidos e nódoas negras e arranhadelas pelo corpo todo... E penso que é mesmo assim... Faz parte de crescer e fortalece-nos... e os galos na cabeça, as nódoas negras e arranhadelas são sinal que nos estamos a testar e a conhecer os nossos limites... Por isso tenta acalmar o teu coração de mãe, faz figas e sorri! :)

    ResponderEliminar