terça-feira, 2 de outubro de 2018

Estou tão cansada

“Quem quer festa, sua-lhe a testa”. Quase que consigo ouvir a minha mãe a dizer isto há uns anos.
Aplica-se agora. 

Quis casamento (e quero, quero muito), mas nunca pensei que desse tanto trabalho. Juntar a um trabalho com horários, as miúdas, ao blogue, ao insta, aos e-mails por responder com propostas, com questões, à casa, às refeições, a ter de ir fazer passaportes, tratar de papelada, fazer o CC que perdi, uma infecção e ida ao médico, e outra, as multas de estacionamento, a Isabelinha adoentada e cheia de tosse, o David a trabalhar até às 2h, as noites mal dormidas, e às vezes sinto que se não pirar vai ser por muito pouco. Penso que não sei parar, mas acho que não consigo ser de outra forma. Ajuda-me pensar que são problemas de primeiro mundo, relativizar e pensar que não estou sozinha. Que muitas mães desse lado se sentem malabaristas, que no fim o que importa é termos saúde e estarmos a construir uma família, é termos o coração no sítio. 

Estou cansada e estafada e às vezes angustiada ao ver a roupa por passar a chegar ao tecto e algum- sensação de descontrolo... mas vai ficar tudo bem. Ponho a música alto, fecho os olhos, respiro fundo e pela barriga e sei que vai ficar tudo bem. O mais importante existe. Família. 








8 comentários:

  1. As vezes sinto-me igual, são fases, ... outras vezes já estranho quando está tudo sossegado e a casa em ordem...

    ResponderEliminar
  2. Claramente, um caos em que me revejo. Já passei a fase de planear o casamento, já passei também a fase da terceira gravidez - de risco -, a contar os dias até saber se poderia ou não trazer ao mundo mais um ser maravilhoso. Já vai fazer 4 meses e agora é outro o meu caos - 3 filhos, uma casa, fazer cursos online e gerir tudo isto sem enlouquecer. Sei bem como é ver o que roupa a empilhar, mas não vale a pena pensar que isso é o mais importante. Vamos conseguir ��✌️

    ResponderEliminar
  3. Tão eu��. Mas eu ler sinto me um pouco mais aliviada afinal não sou única ��

    ResponderEliminar
  4. Tão eu��. Mas eu ler sinto me um pouco mais aliviada afinal não sou única �� Marisa

    ResponderEliminar
  5. "Que muitas mães desse lado se sentem malabaristas, que no fim o que importa é termos saúde e estarmos a construir uma família, é termos o coração no sítio." Joana, sou mãe de 4 filhos (o mais velho tem 6 anos!) e subscrevo na íntegra! Beijinho!

    ResponderEliminar
  6. A organização do meu casamento foi tão simples e fácil. A decoração foi a própria quinta que fez, nao existiram lembranças (para mim é só lixo e tralha). Para o vestido fui apenas a uma loja e experimentei 3, não foi preciso provas. Respeito claro que sim esse trabalho todo apenas não era para nos. Em casa só passamos as camisas do meu marido, mais nada. Ajuda muito, nunca tenho pilhas de roupa em casa. Do arrame para o armário (tenho 3 filhos com menos de 6 anos).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "do arame para o armario" Adorava ser assim, já fui pior, agora não se passam a ferro roupa de usar em casa é toalhas, mas o resto...É algo psicológico ver uma roupinha bem esticada no nosso corpo.

      Eliminar
    2. Do arame para o armário é o lema por aqui, também! Só camisas, um ou outro vestido (meu, não das miúdas). Há um programa na máquina que se chama "ferro fácil"

      Eliminar