terça-feira, 23 de outubro de 2018

MALDIVAS: a nossa lua de mel foi um sonho?

Foi a viagem da nossa vida. Perfeita. Doce. Calma. Com tudo aquilo de que precisávamos, nove anos e duas filhas depois. Praia, natureza e zero preocupações: convenhamos, é tudo o que dois pais precisam, após quase cinco anos sem férias (férias mesmo férias) a dois e a dormir mal há quatro anos e meio... Foi maravilhoso: se há um paraíso é certamente como nas Maldivas. As águas quentes e turquesa, areias brancas e tão macias que pareciam autêntica farinha, os peixinhos que vinham ter connosco, os corais magníficos, tubarões, mantas, raias e tartarugas ali a meio metro e os nossos queixos caídos com tamanha beleza. A concretizar um sonho. 
     
As Maldivas estavam na nossa lista de destinos para a lua de mel, em primeiro lugar. Quando comecei à procura de preços, a sonhar com este destino, achei que era proibitivo e comecei a ver outros. Maurícias, Caraíbas; Brasil, e por aí fora. Destinos excelentes, óptimas opções, mas tínhamos aquela fisgada. Queríamos conhecer as Maldivas. Tínhamos uma semana e pouco para ir e procurávamos mesmo descansar, pelo que nem queríamos ir para sítios com muita oferta e história, que achássemos um desperdício não ir visitar. Não queríamos ambiente de festa constante, nem barulho. Queríamos uma praia (quase) deserta e silêncio. Foi perfeito. Quando chegámos, muitas horas de voo e de escala depois, percebemos por que tínhamos esperado tanto. Era suspense para o que aí vinha. Entrar naquela ilha, a nossa ilha por uma semana, ainda que a chover suavemente, foi de quase ir às lágrimas. Depois de chegarmos ao nosso quarto, fomos imediatamente para a água, ali em frente. Disse ao David que ele tinha de experimentar o mar debaixo de chuva. E fomos, quais adolescentes, mergulhar e sentir aquelas águas quentinhas enquanto as gotas nos caiam no rosto. Não choveu mais naquela semana, pelo menos não durante o dia. 

E a nossa vida foi essa: nadar, nadar, ler na espreguiçadeira, andar de bicicleta (alugámos quase todos os dias, eram 5 dólares por dia - com oferta de um dos dias), percorrer a ilha de uma ponta a outra - Nalaguraidhoo - escutar a natureza e ver o pôr-do-sol. Ah! E comer. O buffet era excelente [não tenho grandes pontos de comparação porque só tive tudo incluído uma vez no Brasil e outra em Tenerife, mas foi a primeira vez em que tudo me soube bem, não sabia tudo ao mesmo, antes pelo contrário, e todos os dias comíamos diferente - havia desde massas, a arroz frito, massa de arroz, bastantes opções vegetarianas, que comi imenso, comidas mais picantes (massala, caril, etc), saladas que não acabavam nunca e sempre carne ou peixe a serem grelhados na hora, além de nan, roti e papadum, pão, queijos e muita fruta (goiaba, papaia, melancia, melão, etc, etc, etc) e bastantes doces; os doces tinham assim um aspecto demasiado "gourmet" e meio plástico mas eram bem bons]. 

Chegámos a perder um jantar e íamos perdendo um pequeno-almoço à conta da preguiça boa que se apoderava de nós. Era mesmo esta leveza que queríamos. Levámos uma mala para dois e nem ia cheia: chinelos, fatos de banho, umas t-shirts, umas túnicas, material básico para snorkeling, cremes solares e livros. O nosso quarto era a 10 passos da água e ficámos - para mim - na melhor parte da ilha, pelo que só pus os pés na piscina no último dia. Experimentei yoga num dos dias, depois do pequeno-almoço. Fomos a uma festa, ver um senhor cuspir fogo, e com DJ numa das noites. 

Num dos dias decidimos nadar até a uma plataforma, de madeira, no meio do mar (tínhamos pé até lá, mas fomos a nado). Ficámos de lá a observar aquele pedaço de mundo, com os corpos já dourados do sol, a nossa respiração a ficar mais lenta, profunda, e os corações sincopados, numa cadência que desacelerava. Cenário de filme, mas nós éramos as personagens principais. Estávamos a viver um sonho. Foi o sítio mais bonito onde já estive em toda a minha vida. Ficou gravado, de tão especial, num momento tão especial das nossas vidas. Fizemos promessas de voltar, com a Luísa e com a Isabel. Um dia. Queremos partilhar aquele sítio com elas. Um dia.








































































País: República das Maldivas

Capital: Malé (vistámos no último dia, durante umas horas, e vale a pena)

Resort: Sun Island Resort & Spa

Ilha: Nalaguraidhoo (fica no South Ari Atoll - há 21 atóis, que são uma espécie de divisões administrativas, que agrupam ilhas)

Vôos: Turkish Airline - há quem opte pela Emirates para fazer escala de um ou dois dias no Dubai, mas como eu já conhecia e não tínhamos muitos dias, preferimos deixar para outra vez

Tempo de viagem: saímos às 11h45 e chegámos às 12h do dia seguinte, por isso demorámos 24 horas a chegar, com escala em Istambul de 6 horas (no regresso a viagem foi durante a noite e dormi o tempo quase todo,  a escala foi só de duas horas, pelo que não me custou quase nada). A comida a bordo é óptima e passamos o voo a ver filmes muito recentes, vi 4 filmes, foi óptimo (queixam-se das muitas horas de voo, mas soube-me pela vida ver tantos filmes)
 Lisboa - Istambul - Malé - Maamigili - Nalaguraidhoo (Sun Island)

Preço: 2998€ os dois, com pensão completa (PA, almoço e jantar; águas, cafés e chás no quarto), vôos e ainda transfers (fazemos um vôo doméstico + lancha até ao resort)
 - atenção: para mim não compensaria fazer Tudo Incluído, uma vez que não é como nas Caraíbas, não incluí mesmo tudo (algumas bebidas são pagas à parte) - alguns portugueses que foram connosco pagaram mais 800€ o casal para ter TI e eu acho mesmo que não compensou, uma vez que nós pagámos 200 euros pelas cervejas [5 dólares cada] e bebidas extra e ainda bicicletas e um jantar noutro restaurante (escolhemos comer sushi e foi uma má decisão, não era lá grande coisa) e ainda um snack (da vez que perdemos o jantar)

Agência: Click Viaja (Alberto Chong, da Estrada da Luz), pela primeira vez, tudo online e correu tudo 5* (foi o Alberto quem nos arranjou este pacote)

Fuso: 4 horas a mais lá

Refeições: há mais três restaurantes além do buffet (que é óptimo); ficamos sempre na mesma mesa e somos sempre atendidos pela mesma pessoa (que nos serve as águas frescas ou outras bebidas que queiramos pedir) - calhou-nos o querido Krishna, indiano de 21 anos, doce no sorriso e no olhar, que tinha saudades da mãe e dos irmãos, mas principalmente da mãe <3 Adorámos conhecê-lo e trocámos contactos

Moeda: Rupia, mas aceitam dólares ( também euros, pelo menos, pela nossa experiência, tanto no hotel como em Malé)

A não esquecer: máscara e tubos de mergulho, cremes solares (usámos factor 50) e repelente (esquecemo-nos!); levámos também uma farmácia básica, mas felizmente nada foi preciso

Destino de família ou de lua de mel? ambos: vimos casais com filhos pequenos e percebemos que era um destino excelente para eles logo no primeiro dia: água calma, bicicletas com assentos, comida muito diversificada, piscina... tínhamos uma criança da idade das minhas duas casas ao lado e estava mais que feliz. 

Nota: Há 1200 ilhas e 200 são habitadas, pelo que as hipóteses de alojamento são bastantes e há para todos os bolsos - há hotéis que chegam a 1000 euros a noite AHAH; há casinhas com a própria piscina e, até, escorrega para o mar... mas também é possível fazer férias nas Maldivas mais baratas do que as nossas. Há pousadas/ guest houses em algumas ilhas, por exemplo. Vejam aqui as dicas do 360 - Maldivas Low Cost em 5 Passos. No entanto, em algumas praias não se pode andar de bikini, por exemplo (país muçulmano). Álcool só mesmo nos resorts. É tentar pesquisar bem antes de escolher.
Nota 2: Não ficámos nenhum dia numa WaterVilage (as casinhas sobre a água) - além de mais caro, não sentimos necessidade. Mas se tiverem esse sonho, deve valer a pena!

 Vejam mais aqui - há vídeos do buffet, dos tubarões e de tudo o mais.

Um dia destes teremos vídeo mais completo para partilhar convosco! 

Espero que tenham gostado de viajar connosco.
Sigam-nos também no Instagram:


23 comentários:

  1. Boa noite Joana. Que inveja boa�� adorei o seu fato de banho das flores coloridas,com manga :)

    ResponderEliminar
  2. Se calhar o que eu vou dizer é um pequeno atentado para quem ganha o ordenado mínimo, mas eu não achei caro. Pelo menos para as minhas expectativas relativamente aos preços das Maldivas (achava que nunca menos de 5.000). Gostei do artigo, parabéns e muitas felicidades Mariana

    ResponderEliminar
  3. Também não achei caro, pensei que una lua de mel dessas fosse bem mais cara! Pelo menos na minha altura, há 9 anos, Era bastante fora do budget! Quando fizer uns 15 anos de casada penso nisso! Para o ano fazemos 10 anos de casados mas vou ter um bebé de 7 meses e não me imagino a fazer tantas horas de voo com 3 filhos! Adorei ver as fotos, tudo maravilhoso!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pela partilha! Quantas noites ficaram?

    ResponderEliminar
  5. Também achei super acessivel em termos de preço (para um destino como as maldivas obviamente)! O voo doméstico não custou? Daqui uma pessoa com uma ligeira (muita) fobia de voar hehehe

    ResponderEliminar
  6. As fotos estão fantásticas. Que máquina usa Joana?
    Bjs e as maiores felicidades.

    ResponderEliminar
  7. Grandes fotos! Também não achei nada caro, gastei quase o mesmo em 10 dias de Grécia. Senti tal e qual em Milos, Grécia, na minha lua de mel em setembro. Parece que o tempo pára e somos só nós e a praia... Já tenho saudades!

    ResponderEliminar
  8. Eu também fiz a minha lua de mel nas maldivas à 8 anos atrás,fui para o Meeru,e ficamos nas casinhas por cima de água,um acordo feito com o Meeru para irmos 2 dias para um outro resort,ainda mais pequeno,tinham apenas 40 quartos,davamos a volta à ilha em 15min andar...foi maravilhoso.
    A minha opinião sobre levar filhos para este tipo de locais é nao levar, para mim este destino deve ser de 100% casal namoro...com filhos tem se o México que a água também é quente as praias boas...Maldivas deve ser,na minha opinião, local de relaxamento, e com filhos essa palavra não existe.
    À 8 anos paguei uns 4mil € com tudo incluido ti plus e umas 4 massagens para os dois,mais as viagens para fazer snorkel nos recifes,todos dias,e ir ver o por-do-sol no meio do oceano, e sei lá mais o quê, 😁

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim não levar os filhos para estes destinos não tem rigorosamente nada a ver com namoro, mas sim com condições do mundo real fora dos resorts de luxo, especialmente cuidados de saúde. Nunca levaria a minha filha para as Maldivas, não porque achasse que ela me fosse ‘estragar’ o namoro, mas porque não sei o que faria se ficasse doente....

      Eliminar
    2. Então é melhor não ir aos Açores, que nem todas as ilhas têm hospital! E o que dizer da Madeira, onde houve casos de dengue? E no México há escorpiões, em França há cobras venenosas, na Grécia há dos dois...

      Agora a sério, as Maldivas nem malária têm. E a menos que se trate de uma criança com uma saúde muito débil ou um lugar onde a higiene e as condições sejam realmente problemáticas, como cólera, febre amarela, malária (o que não é o caso das Maldivas) não vejo onde esteja o problema. Nós já fomos para um destino semelhante com um filho pequeno e não só ele adorou como nunca nos sentimos inseguros em questões de saúde. E sim, eu tive de ir ao médico lá, por sinal numa ilha onde não havia hospital, e fui muito bem tratada.

      Eliminar
    3. É uma questão muito pessoal. Eu também não levaria. Uma das vezes que fui ao Brasil, ainda nem tinha filhos, lembro-me de uma casal que tinha um menino com dois ou três anos que ficou doente no primeiro dia e eles coitados iam jantar à vez e nunca puseram os pés na praia. Nunca mais me vou esquecer. Em relação às Maldivas não deve ser incomum crianças com gastroenterites, não por falta de condições de higiene mas porque a bicharada é diferente e o sistema digestivo das crianças é mais frágil. Mas como digo, cada família sabe o que é melhor para si e para os seus. Nós vamos para o Algarve e para os miúdos e igual às Maldivas!:-))))

      Eliminar
  9. Espectacular, também precisava assim de umas férias

    ResponderEliminar
  10. Obrigada, Joana! Deixaste-nos a papinha toda feita!! ❤❤

    ResponderEliminar
  11. Wow! Pensei que tuvesse sido bem mais caro. Há 2 anos paguei pouco menos para ir para a republica dominicana.
    Faltou só dizer qts dias foram! :) as fotos estão lindas! :)

    ResponderEliminar
  12. Obrigada pelas dicas, pra mim também é a viagem de sonho...

    ResponderEliminar
  13. Uau Joana!
    Eu que nem sou romântica em relação ao casamento, fiquei com água na boca para me casar só para poder tirar licença de casamento fora das férias de Agosto e ir para um sitio DESSES!
    A Joana escreve bem, com naturalidade. E com preços e tudo!, parabéns pela honestidade internética!

    ResponderEliminar
  14. Sua bitch! Ehehehe E as miúdas como se deram sem vocês durante esses dias? Foi pacífico?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu pergunto: como se deram vocês sem as miúdas? Muitas saudades? :)

      Sof

      Eliminar
    2. Do que acompanho do blog, pelo menos a Isabel já passou férias com os avós, por isso já não foi a primeira vez que ficou uns dias sem os pais.

      Eliminar
  15. As Maldivas é tudo isso que escreveu, é simplesmente maravilhoso. Também foi o meu destino de Lua de Mel, há 16 anos atrás. Já tinha comentado nos seus stories, que me fez reviver a minha própria Lua de Mel. Ainda tenho o desejo de voltar com os meus filhos, mas como já somos 5 ainda não conseguimos.
    Um beijinho para si e muitas felicidades para os 4!

    ResponderEliminar
  16. Simplesmente fantástico. Obrigada pelo testemunho. Adorei. Muitas felicidades.

    ResponderEliminar