10.22.2017

Tenho saudades tuas, mãe

[A carta que sonho que me escrevas, filha]

Tenho saudades tuas, mãe
Saudades daqueles tempos em que me passavas a mão pelo cabelo até eu adormecer. Ou de quando me fazias cócegas com beijos nos pés. De quando me lias histórias, à noite. Às vezes pedia-te só mais uma, para continuar a ouvir o som da tua voz, calma e alegre. Do teu cheiro inconfundível. Deixaste de pôr perfume quando eu nasci, quando muito usavas o meu, por isso ainda hoje sei de cor a que cheira aquela camisola creme de lã que usavas quando me pegavas ao colo.

Tenho saudades, mãe
De quando tudo era uma festa. Vestíamos um casaco quente e íamos à rua pisar as folhas amarelas. Cantávamos uma música inventada no momento nas nossas viagens de carro. Tudo era permitido. Misturar numa frase "pão" com "balão", para rimar. Rias-te, rias-te bem alto. E eu fazia a minha melhor careta só para te ver feliz.

Tenho saudades, mãe
De quando me deixavas pintar-te a ponta do nariz com a tinta vermelha e nem sequer ralhavas comigo. De quando me ajudavas a fazer bonecos com plasticina que improvisaste no momento. De quando os fins-de-semana não acabavam nunca, entre livros, cambalhotas no colchão e bolas de sabão.

Tenho saudades, mãe
Até de quando ralhavas comigo. Porque até aí eu vi uns olhos meigos, que me queriam bem. Nunca senti raiva vinda de ti. Só amor. Sinto saudades até dos momentos em que fiquei doente, para poder estar no conforto do teu colo horas a fio.

Tenho tantas saudades, mãe
De olhar os passarinhos com a maior das alegrias e de ver em ti a mesma satisfação por me mostrares o mundo. De quando me deixavas saltar nas poças de água e até saltaste comigo. De quando me deixavas ajudar-te a fazer o jantar.

Oh mãe, tenho saudades
Da nossa cumplicidade, do nosso apego, das horas que tardavam enquanto não nos reencontrássemos. Quando me ias buscar à escola, mostrava-te que estava feliz, mas nada, nada me deixava mais feliz do que ver-te. Sabia que as próximas horas iam ser nossas.

Tenho saudades tuas, mãe, e daqueles primeiros anos da minha vida. E dos que se seguiram.

Tu não sabes, mas eu lembro-me de tudo. Ficou-me gravado no peito, na pele e em tudo aquilo que eu sou hoje. Mesmo quando te vi errar, mostraste-me o que era real e humano. Um dia vi-te chorar e, assim que me viste, limpaste as lágrimas. Ali, a reergueres-te, por mim.

E tu sempre achaste que não estavas a dar tudo, sempre te culpabilizaste, sempre quiseste ser mais. Mãe, garanto-te que não podias ser mais. Foste tudo. Ainda o és, por detrás dessas rugas e dessas mãos de veias em socalco, por onde corre o sangue de toda uma vida. Tenho tantas saudades, mãe.

Da tua filha, Isabel
2055


Fotografia: CV Love
#repost
Sigam-me também aqui: 

a Mãe é que sabe Instagram

5 comentários:

  1. Que texto mais lindo! Acho que este é o sonho de todas as mães que fazem isso por seus filhos...

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito o sonho de qualquer mae ser reconhecida com tanto amor e carinho.

    ResponderEliminar
  3. Eu já perdi a minha mãe e hoje se lhe escrevesse uma carta estaria a anos-luz disto. Não tem nada a ver. Da mesma forma não penso sequer no que sou enquanto mãe mas sim como ser humano e no exemplo que quero que os meus filhos sigam. É disso que eu quero que os meus filhos se lembrem porque é isso que me faz lembrar a minha mãe. Não os quotidianos mas a alma e o exemplo. O amor é óbvio e transversal e claro, está nos detalhes e no carinho, mas um filho que perde um pai ou uma mãe guarda no coração outro tipo de coisas. Desculpa o meu comentário tão sincero, mas é a minha realidade. Em suma...aquilo que eu quero que os meus filhos recordem de mim em 2055, nos seus 42 e 39 anos de idade, comigo já muito velhota (deduzindo que não estarei caquetica dum todo lol), são as histórias e lições de vida que vamos assimilando da adolescência para a frente, das confidências e os momentos mais marcantes do nosso percurso. Não aquilo que fiz por eles, mas aquilo que fui - que sou neste momento. E sim isto dá um livro, o livro que começarei agora a escrever apenas para eles. Beijinhos Joana

    ResponderEliminar