terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A ti, mãe que estás em casa com os teus filhos

A ti, mãe de todas as horas e de todos os minutos

A ti, que gostarias de ter mais tempo livre mas que sabes que todos os segundos passados ao lado do(s) teu(s) filho(s) são uma benção

A ti, que escolheste ficar um, dois, três, vários anos, a acompanhar o crescimento deles 

A ti, que até sentes que não escolheste, que ficaste desarmada e que eles é que te escolheram a ti 

A ti, a quem perguntam quando voltas a trabalhar, querem saber o que estás a pensar fazer de vida, quando, para ti, não é preguiçoso nem desprestigiante ver os teus filhos crescer, estar lá, educá-los e dar-lhes o almoço, adormecê-los nas sestas

A ti, que de vez em quando dás em louca com tanto por fazer quando, ao mesmo tempo, és julgada por nada fazeres

A ti, que tiveste a oportunidade de meter a carreira, o emprego ou o trabalho no pause para te ocupares a tempo inteiro do bebé, do filho, do miúdo. Dele e da casa. Da casa e da organização dos dias. Da organização dos dias e de um novo projecto, em que achas que conseguirás estar mais presente, ou até trabalhar a partir de casa [caso o teu projecto seja "apenas" estar ali para os teus filhos, é tão válido quanto tudo o resto]

A ti, que às vezes perdes a paciência, que estás cansada, pensa que é um privilégio que muitas mães gostariam de ter, mas não podem. 

Força. 

Baloiço Mada in Lisbon

...........
...........
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.




29 comentários:

  1. Ai Joana como precisava disto hoje...

    Beijinho grande e força para nós

    ResponderEliminar
  2. Era tudo o que eu mais queria, mas não posso por isso invejo e aplaudo a quem o faça.

    ResponderEliminar
  3. Eu fiquei 3 anos em casa com os meus filhos. O meu rapazola nasceu no fim de 2004 e depois veio a minha menina em 2006. Só regressei ao trabalho no final de 2007. E ainda hoje me lembro bem o que me custou deixá-los. Apesar de haver momentos difíceis, em casa com eles. Sentia falta de sair, de ter mais liberdade. Mas depois havia momentos muito, muito bons. Sobretudo o ter tempo. Não há nada que pague isso. Não me arrependo. Foi muito bom. Força a quem toma essa opção e obrigada por este post. ♥

    ResponderEliminar
  4. Isto parace que foi escrito para mim hoje, depois de um dia de desânimo.
    Estar em casa com os filhos, mas no estrangeiro, longe da família e dos amigos, é duro. Sobretudo quando eles estão doentes, as temperaturas são negativas e não podemos sair de casa...

    ResponderEliminar
  5. Sou mãe trabalhadora das 08:00 as 19:00. Tenho a sorte de almoçar em casa com o meu filho todos os dias.

    Para stay at home mums só tenho a dizer: RESPECT - deve ser esgotante!!!! Porque normalmente isso implica tratar de quase tudo relacionado com a criança, mais a casa, mais a organização, é tudo, desde roupas a comidas.....só de pensar fico estoirada.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. É, pois é. Falam, falam, mas eu ainda não os vi a fazer nada. Ficar em casa é para mulheres à prova de bala. Das balas que a língua de alguns soltam! Viva a todas as mulheres, as de carreira e as que vão a pé... Brincadeira! Às que estão de pé à uma da manhã, às três da manhã, às seis da manhã e durante todo o dia.

    ResponderEliminar
  7. A minha filha faz 4 anos em fevereiro, sempre andou no Colégio, até setembro do ano passado. Alguma coisa aconteceu, que ninguém soube dizer o que foi, a menina andava triste, não brincava e pediu me muito para não a levar mais para o Colégio. Eu não levei, ela era colocada deitada a descansar mais de 2h por dia, ela nunca dorme e estava a ficar deprimida com tudo isso. Fui criticada pq o Colégio faz falta, pq depois vai ser pior quando voltar, pq lá tem regras que não tem em casa, pq preciso do convívio com outras crianças... ouvi mil coisas que me deixaram triste, insegura... ninguém tem o direito de falar sobre as escolhas que cada mãe faz para os seus filhos. Tirei do Colégio e tirei bem... obrigada Joana... beijinhos e força

    ResponderEliminar
  8. Obrigada por este post. Hoje é daqueles dias que precisava de ler isto. Sinto me a mulher mais sortuda do mundo,ser eu a educar e criar os meus filhos e nao a minha mae ou alguem que nao conheco (educadora ,ama),ser eu a ver os primeiros passos, as primeiras conquistas... abdiquei de um nivel de vida melhor (monetaria), mas sou a mulher mais rica do mundo. Beijinhos, obrigada Joana.��

    ResponderEliminar
  9. Tão bom Joana. Aproveita muito! Quem me dera ter podido fazer o mesmo.
    Revolta-me sentir que só somos "alguém" quando trabalhamos fora de casa e de preferência 8, 9 ou mais horas - "ah, ela farta-se de trabalhar!!" - e isto é encarado como algo bom.
    Pois, a mim, parece-me profundamente desequilibrado. Os filhos precisam de pais presentes, participativos, não de pais que os arrancam da cama e os levam para a creche a correr, chegam a casa exaustos, sem paciência, que dão o banho, o jantar e não vêem a hora de os colocar a dormir. Mas quando se fala disto, no contexto laboral, parece que estamos a apelar a preguiça.
    As próprias licenças de maternidade espelham isso mesmo: já pariste, a criança já tem 4 meses, por isso, levanta o rabo e vai trabalhar, malandra! Ah... e apresenta-te a 100%, sff.
    Parabéns pela coragem e pela decisão, Joana. Estou contigo <3

    ResponderEliminar
  10. Lindo post. É muito bom poder fazer isto, mas há quem não tenha estofo para aguentar estar em casa 24/7 porque ao contrário do que se pensa não é nada fácil!! No meu caso consegui um part-time o que para mim é óptimo pois posso ter tudo isso e ao mesmo tempo um trabalho para aliviar a pressão de ser mãe (quase) a tempo inteiro. Para além do factor financeiro que no meu caso também é determinante. Força a todas, estamos juntas!!!
    Rita

    ResponderEliminar
  11. Olá Joana esse é o meu caso. desde 2013 que escolhi na gravidez deixar de trabalhar para estar a 100% do tempo em casa. Agora a Sofia está quase a fazer 3 aninhos e a Mariana tem 13 dias e já me disseram para não me esquecer das minhas obrigações. Que tenho que ter sempre a casa limpa e arrumada. O que não percebem é que a casa não precisa da minha preocupação, que realmente eu fiquei em casa para cuidar das minhas filhas e não das paredes onde vivo... obrigada e beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Flávia, e mandar essa gente que não lhe faz bem nenhum dar uma curva, não? Como é que é possível ser-se tão insensível e sem noção ao ponto de dizer isso a uma mãe de um recém-nascido e de uma "toddler"? Fico doida. Eu não seria feliz se fosse 100% mãe e dona de casa sem uma parte de vida profissional activa, que me faz falta para me sentir plenamente realizada. Além de não ser financeiramente viável. Mas fui "só" mãe durante 9 meses e respeito muito quem o faz a tempo inteiro. É o trabalho mais maravilhoso do mundo, mas um trabalho a sério. Uma opção de vida válida como qualquer outra e que todos devemos respeitar (como devemos respeitar as mães que trabalham e conseguem fazer um dia de 24 horas ter 48, cada uma com os seus méritos).

      Eliminar
  12. Éo isto mesmo. Que a maioria não entende, que a maioria acaba por rebaixar, porque te olham como ser inferior que deixou de ter valor profissional para passara ser " dona de casa" é que constantemente dizem que "precisa sair" " devia voltar a trabalhar,nem que fosse a fazer qq coisinha só para se entreter" ( mexendo e ofendendo cada entranha do teu ser). Obrigado pelas palavras. É bom sentir q alguém nos ent3nde

    ResponderEliminar
  13. Adoro. só tenho pena que esta visão só seja aceite no universo das mulheres. Há pais que também escolhem este caminho, fazem tudo isso e muito mais... E não há quem os elogie

    ResponderEliminar
  14. Sofro do mesmo!! Mas MTS vezes os comentários das outras pessoas são insinuantes de preguiça!! Ou falta de vontade de trabalhar, mas se soubessem o que se passa num dia de uma mãe de 3 filhas todas com idades muito diferentes e com necessidades inerentes a sua idade!!! Abraço solidário a quem trava está luta!!

    ResponderEliminar
  15. Este post parece que foi escrito para mim hoje! Há dias que nos sentimos desgastadas, principalmente quando estamos com os filhos em casa, no estrangeiro, longe da família e amigos. A minha filha tem estado doente e temos sido só nós em casa, dias após dia, com frio de graus negativos lá fora. Chega aquele momento que precisamos ver gente, conversar, apanhar ar.
    Obrigada por este texto que certamente vai tocar tantas mães!

    Vera

    ResponderEliminar
  16. Nada mais adequado a mim, hoje. Em casa com o meu pequenino doente. Já trabalhei mais nestes dias em casa do que no emprego e mesmo assim preferia estar aqui com ele sempre. Parabéns pelo texto

    ResponderEliminar
  17. O que eu dava para não ter que voltar ao trabalho e poder ficar em casa com a minha bebe ������
    Invejo (uma inveja boa) que possa!
    ����

    ResponderEliminar
  18. Ao ler isto até me comovi. Eu a pensar que era a única a passar pelo olhar de lado e pelo que nada faz.Ja vi que não.
    As vezes precisamos ver que não somos as únicas para saber que estamos certas.
    Obrigada pelas palavras, ajudam acreditar que seja qual for a decisão é sempre a mais correta para nós e para eles.❤

    ResponderEliminar
  19. Obrigada Joana, por estas palavras. Disseste tudo. Um grande beijinho.

    ResponderEliminar
  20. Tudo o q precisava hoje... Obrigada 🙏🏻

    ResponderEliminar
  21. As pessoas vao falar sempre muitas porque gostariam de ter este privilegio e nao podem. Eu ja estava desempregada antes de engravidar, pensei ficou com o meu filho ate fazer um ano e depois vou tentar arranjar emprego, fui a procura de creches as ipss que vi caras e nao gostei, as privadas um balurdio o que iria ganhar ia td para creches, passe e pouco sobrava , iria trabalhar por turnos, ao fim de semana e nunca estaria com o meu filho. Sou mae a tempo inteiro e mt feliz e ele tbm e, esta mt desenvolvido e qd esta com outras criancas brinca, ri, vai meter-se com elas, o meu filho e mt feliz mt mais do que seria senao tivesse a mae por perto, a dias esgotantes porque tambem temos que cuidar da casa e com uma crianca de 15 meses nao e facil mas e um privilegio .

    ResponderEliminar
  22. Boa tarde! Do meu primeiro filho fiquei dois anos em casa. Quando o meti no Colégio custou me horrores. Mas tinha um trabalho que adorava, estava com crianças. Actualmente fui mãe á onze meses, e não param de me perguntar quando é que volto a trabalhar. Puxa mas será possível que nos dias de hoje ainda não saibam o que custa um dia inteiro de trabalho em casa?! E o estar com os meus filhos é uma benção... É comigo que ele desenvolve o seu SER, a sua personalidade, e não todas as "personalidades" que o rodeiam.Deveriam dar o direito de até aos 3 anos a criança ficar ao cuidado dos progenitores,seja mãe ou pai.E mais,uma mãe que escolhesse ficar em casa com os filhos,deveria ser renumerada. Dona de casa não é fácil... Se eu conseguisse um.trabalho em casa eu não deixava o meu filho entregue a ninguém. Amo os meus filhos...Gosto de ser eu,a ensinar o meu filho em tudo... É claro sem retirar mérito aos professores...

    ResponderEliminar
  23. Palavras sábias! Pois eu estou em casa desde meados da gravidez da mine filha, que já tem 4 anos, o meu príncipe chegou em janeiro de 2016 e por cá continuarei até ele entrar para a escolinha! É duro, cansativo e muito trabalhoso, mas o bem estar deles e sorrisos compensam TUDO! Agradeço todos os dias poder ter o privilégio de ficar em casa para eles e, embora sinta alguma falta da carreira, não trocaria por nada estes anos com eles! Beijinhos e bem haja pelo texto!

    ResponderEliminar
  24. Emocionei-me ao ler o seu post.
    Tomei a decisão (juntamente com o meu marido) que iria por um pause na minha carreira profissional para ficar com o meu filhote (quase com 2 anos) em casa.
    Infelizmente, sei que sou olhada pelos de fora como a sortuda - o que de facto sou - que fica em casa sem fazer nada. Como assim nada?! Nós, mães que ficamos em casa a tempo inteiro, ao estilo "realityshow" 24h sobre 24h por dia, fazemos muito! Damos amor e educação, organizamos tudo o que compreende tratar de uma casa (limpar, cozinhar, passar a ferro, etc.), nunca temos (ou pouco temos) tempo para nós e nada é devidamente valorizado.
    Enfim, resta-me a certeza de que dou ao meu filho o que o faz ser feliz: o meu tempo!

    ResponderEliminar
  25. Eu neste momento estou sem trabalhar e estou em casa com a minha filha de 17 meses... mas confesso que estou louca para encontrar um trabalho e ter uma vida activa! Sei que vou sentir muita falta de estar com ela quando esse trabalho surgir, mas eu bem que preciso de um pouco de ar, de tempo e de socializar! É um privilégio as mães que podem ficar em casa com os seus filhos sem ter que pensar em mais nada, a não ser da educação, o que não é o meu caso, infelizmente por não estar a trabalhar isso faz com não consiga estar 100% concentrada na minha princesa! Mas enfim... aplausos para as mães que ficam em casa e obdicam das suas carreiras para se centrar em nós seus filhos!

    ResponderEliminar
  26. Sou mãe de uma menina de quase 3 anos. Fiquei com ela em casa quase durante ano e meio e sempre muito criticada. Porque me fazia bem, porque lhe fazia bem, porque mais tarde ou mais cedo teria que ser, as mais estúpidas justificações... e fui pressionada... e foi... Quando, finalmente, entrou para o colégio, foi horrível, para ela e para mim. Ainda hoje sinto remorsos de a deixar lá. Naquele ano tomou dez ou onze antibióticos. E depois era criticada porque ficava doente e porque tinha que ficar em casa e porque ficava.
    Gentinha que tem a mania e acha que pode e deve dar palpite acerca de tudo, especialmente acerca da vida dos outros. E que acham que quando se está em casa com os filhos e não se faz nada.
    Concluo que é de gente que não sabe e nunca o fez...
    Parabéns a todas as mães que conseguiram, que podem e que conseguem, a todas as mães que tiveram o apoio de que precisavam para o poder fazer!
    Obrigada pelo texto. Que bem que soube saber que alguém pensa como nós, sente como nós e nos compreende. Que reconfortante! Como um cobertor quentinho e uma chávena de chá num dia frio de inverno...
    Obrigada.
    Beijos mil

    ResponderEliminar
  27. Vivo no estrangeiro e sou mãe de um menino que vem de fazer os 4 anos e de uma menina com 15 meses desde sempre quis ser eu a ficar em casa para ser eu a educar ver crescer e aproveitar cada momento do seu desenvolvimento. Trabalho apenas uma hora por dia das 6 às 7 da manhã...... É verdade que ganho pouco em sentido material mas o que ganho em ser eu a ficar com os meus filhos não tem valor....nem sempre é fácil existem dias muito complicados sobretudo agora que o meu filho começou a escolinha e devido estar em contato com as outras crianças passar o tempo doente e passar tudo tb para a irmã.... Tem sido mais o tempo que tem ficado em casa doente do que tem ido á escolinha sobretudo agora com as temperaturas negativas que se fazem sentir! Mas a verdade é que existem sempre mentalidades diferentes e aqui na frança os pais são incentivados e até ajudados a ficarem com os filhos em casa pelo menos até à idade dos 3 anos pena que em Portugal não seja como ca!

    ResponderEliminar
  28. Joana, muito obrigada por ter escrito este post! Eu achava que era a única! Fiquei admirada quando li os comentários e vi que há por aí muitas mães como eu, que estão em casa com os filhos! Para mim o mais complicado é lidar com as caras e reacções das pessoas em duas situações: uma é quando estou a inscrever-me numa coisa qualquer e perguntam-me a "profissão". É horrível. Porque em Portugal não existe a "stay at home mom", se digo "doméstica" ou "dona de casa", soa mal, e as pessoas ficam a olhar para mim como se eu fosse idiota ou atrasada mental; se digo "desempregada" ainda pior, ficam a olhar para mim com cara de pena! Se digo que não trabalho por opção, pensam ou dizem mesmo que devo ter um marido rico!!! (hahaha não é o caso!) Sinto-me uma alien!!!!
    A outra situação má é nas entrevistas de emprego: (seja o entrevistador homem ou mulher, tanto faz): "então, e há quanto tempo está desempregada?" "há quanto tempo está em casa?" Eu não estou "desempregada" no sentido de "desocupada" nem estou "em casa", (com o rabo sentado a ver tv).... se digo que decidi deixar de trabalhar para criar e acompanhar os meus filhos dizem-me que então não preciso de trabalhar porque devo ter um marido rico o que me dá uma vontade de rir tremenda pois por aqui só há roupas da primark, e é mesmo quando é preciso, sapatos do guimarães, livros da biblioteca, idas ao cinema ou macdonalds é quando o rei faz anos, escola pública, etc, mas somos muito felizes!, porque também há mãe com tempo, calma e cabeça, meninos a serem recolhidos da escola as 16h, idas ao parque infantil, manhãs com calma, jantar em familia, tempo e paciencia para ajudar nos tpc, histórias ao deitar.......

    ResponderEliminar