5.18.2015

O que eu gostava de ser uma dondoca.

A sério. Não me importava de ser uma dondoca. Mas uma dondoca que dispensa babysitter. Só ("só"...) me tinham de tratar de tudo o resto: passavam a ferro, faziam as refeições, iam às compras, estendiam-me a roupa, limpavam-me a casa e eu só passava tempo com a minha filha. Nas sestas dela, lia uns livros e via umas séries, para não embrutecer muito, e de resto, dava-lhe comida, banho, brincávamos, beijáva-lhe os pézinhos e os refegos das pernas e adormecia-a, depois de uma história. Os meus pais tinham um banco, que não fosse apenas de cozinha, e eu só passeava, comia petiscos, fazia exercício, ouvia música, lia, dançava e ia à praia. Era só ("só") mãe.









Adoro estas fotografias das duas a dançar na água. E também gosto muito das que se seguem. Pelos pêlos nas pernas já devem ter percebido que não sou eu. Se bem que, às vezes, até podia ser.







São imagens destas que revisito muitas vezes durante a semana, quando as saudades me corroem. Era isto. Todos os dias.

Há por aí mais "dondocas-wannabe"? :)

11 comentários:

  1. Eu eu eu!!! Adorava mesmo!!!

    ResponderEliminar
  2. Tchhhhh!!! Quem me dera!... AMAVA!!

    ResponderEliminar
  3. Oh! e que bem que me ia ficar esse papel... a sério! É que eu de dondoca tenho tudo (menos a carteira)... só me falta sê-la...

    ResponderEliminar
  4. O difícil não é ser dondoca, difícil é (às vezes) viver com a decisão de deixar de trabalhar e passar a haver só um ordenado em casa (que não passa dos 1000€). Mas que é o melhor para os nossos filhos, ter uma mãe o mais presente possível, isso é. São escolhas que se fazem. E acreditem que ainda são muitas as pessoas que olham de lado as pessoas que fazem essa escolha. E nem sempre é fácil viver com esse rótulo.

    ResponderEliminar
  5. Oh se era!!! O problema, mesmo, é quando só um ordenado não é mesmo suficiente para pagar as contas (e só estou mesmo a falar do que é inevitável!!!) e quando acabamos por ter que fazer a mais difícil das escolhas :( Se era bom?! Era, sem dúvida!! Se é possível, não, infelizmente!!! Assim sendo, mais do que lamentar o que não se pode ter, há que aproveitar ao máximo todos os momentos em que podemos estar com os nossos filhotes!!! Ainda que eles nunca sejam tantos como gostaríamos ;)

    ResponderEliminar
  6. Mais uma que queria tanto... Digo isso muitas vezes ao meu marido... Infelizmente, cá em Portugal, só com o ordenado do marido/pai, não dá.

    ResponderEliminar